Aproveite o fim do verão com seu pet

Photo credit: haroldmeerveld / Foter / CC BY
Photo credit: haroldmeerveld / Foter / CC BY

Por Tarsis Ramão, adestradora da equipe Cão Cidadão.

O verão está no finalzinho, mas ainda dá tempo de curtir a praia e a piscina com seu melhor amigo. E, para você aproveitar ao máximo sua viagem na companhia do peludo, preparamos dicas importantes para que nada estrague os seus momentos de lazer.

Antes de fazer as malas

Como estão as vacinas, vermífugo e antiparasitário do seu bichinho? É importante que estejam em dia, para que seu cão não fique doente. Em épocas de calor, é muito comum a proliferação de pulgas, carrapatos e outros insetos, principalmente em regiões litorâneas e no interior. Então, antes da viagem, consulte o veterinário, para indicar o melhor método para preveni-lo.

Patas na areia

Na maioria das praias brasileiras, o acesso de cães e outros animais à areia e ao mar é proibido. Isso porque as fezes dos bichos de estimação podem transmitir doença aos banhistas. Informe-se se existe algum lugar onde eles sejam bem-vindos para não ser expulso e vá preparado. Leve sempre um jornal ou saquinho para recolher qualquer sujeira que seu cão fizer e não deixar nenhuma lembrança desagradável.

Cãominhando

Mesmo que você não possa levar seu melhor amigo para a praia, dá para fazer passeios muito agradáveis pelo calçadão, curtindo a vista para o mar. Mas, para isso, escolha os horários do dia em que está mais fresco. Normalmente, no início da manhã, final da tarde ou à noite.

As altas temperaturas vão deixar seu peludo cansado mais facilmente, podem elevar muito sua temperatura, sem contar que o asfalto e a areia quentes podem queimar as patinhas dele.

Ah, e dê uma paradinha para a hidratação. Leve uma garrafinha com água ou até aquela água de coco geladinha. Ambas são uma boas alternativas para refrescar você e seu companheiro de caminhada.

Hora do mergulho

Todo cão sabe nadar! Não é bem assim. Muitos realmente têm o instinto e saem literalmente nadando cachorrinho, já outros ficam assustados e não conseguem ou podem se cansar nas braçadas. Então, se você quer que seu cão se saia bem na natação, primeiro tenha paciência. É preciso que ele fique à vontade e não seja forçado, para não criar traumas.

Auxilie-o no início e, muito importante, mesmo para os cães mais nadadores, é fundamental que ele tenha como sair da piscina sozinho, se necessário, por uma escada ou rampa, para que ele não canse e se afogue.

Assim como as crianças, o ideal é que as brincadeiras na água sejam sempre supervisionadas para evitar acidentes. Seguindo essas dicas, você e o peludo se divertem em qualquer estação do ano.

Fonte: Pet Center Marginal.

Como evitar cancelamento de aulas?

O que você faz quando começa a chover bem na hora da aula daquele cãozinho que precisa de treinamento na rua?

Para Marcela Boro, franqueada em São Paulo, a resposta é simples. “Quando chove e eu preciso fazer as aulas na rua, seja para treinar latidos, pelo cão puxar a guia ou por outros motivos, costumo criar estímulos dentro de casa, que fariam com que ele pudesse ter um comportamento semelhante ao que teria se tivéssemos saído”, explica.

Um exemplo dessa situação no dia a dia da profissional é a sua aluna Verona, que costumava pular em bicicletas e em pessoas que passavam perto dela, pois mora em frente a uma ciclovia. O tutor mal conseguia sair de casa com a cachorrinha.

“Muitas vezes, durante a aula, estava chovendo e, para não deixar de treiná-la, eu criei um estímulo dentro de casa que fazia ela sair correndo. Dessa forma, pude ensinar e potencializar o comando ‘fica’. Fiz isso com a bolinha: eu brincava e jogava ela várias vezes e, de repente, pedia o ‘fica’. Ou seja, treinei o ouvido dela para obedecer ao meu comando de voz, algo que poderia ser refeito depois, na rua”, reforça.

Simular uma situação no local em que o animal já está habituado a ficar pode, segundo Marcela, ser até mais eficiente. “A melhor forma de corrigir um problema na rua é começar os primeiros passos dentro de casa. Você tem que ter o foco do pet em estímulos menores para, depois, conseguir ter o mesmo foco dele na rua.”

Além do treino com a Verona, a franqueada usa esse método com outros alunos. “Crio coisas que fariam o pet latir ou ter alguma atitude errada. Não há fórmula, vai da criatividade de cada um. Eu costumo tocar a campainha, ensinar o ‘fica’ quando jogo a bolinha, usar o mesmo comando quando o tutor se joga no sofá (o que é um convite irresistível para eles pularem junto), entre outros.”

Pets debilitados

Para animais debilitados, como após cirurgias, mobilidade reduzida ou dificuldade de qualquer tipo, Marcela indica algo leve e diferente nesses dias de chuva.

“Em vez de realizar uma aula que pode prejudicar o estado físico do animal, prefiro apresentar situações que possam desestressá-lo, como o enriquecimento ambiental. Nesse caso, a aula acaba virando uma orientação para ajudar o animalzinho a passar da melhor forma possível pela fase de estresse pós-procedimento médico”, finaliza.

Caixa de areia: como ensinar o gato a usá-la?

Você sabia que o tipo de caixa de areia que você oferece ao gato, onde a coloca e como ela é limpa são detalhes que podem fazer muita diferença para o bem-estar do bichano?

A regra é oferecer, no mínimo, uma caixa a mais do que o número de gatos. Por exemplo, se você têm dois gatos, o ambiente deverá ter três caixas, e assim por diante.

O local onde você as coloca também é importante. Evite colocar a caixa de areia perto de lugares onde o gato bebe água ou come. A proximidade pode levar o felino a evitar tanto as caixas, quanto a água, o que não é bom!

A atenção com a limpeza é fundamental. Alguns gatos chegam a segurar as necessidades até que alguém limpe a caixa. Como essa retenção não é saudável, procure fazer a limpeza diariamente.

Como ensinar o cão a fazer xixi no lugar certo?

xixi

Você adotou um filhotinho, chegou em casa e, quando se distraiu, lá estava ele fazendo as  necessidades no tapete?

E, o que fazer para melhorar esse comportamento do pequeno? Nada de esfregar o focinho dele no tapete! Ele não entenderá nada.

Ensinar o cachorro a fazer as necessidades no lugar certo não é muito complicado, mas exige paciência. A partir dos dois meses, um cão já é capaz de aprender a fazer o xixi no lugar certo.

O que fazer?

Após definir o local do banheirinho, incentive o cão a utilizá-lo, levando-o até lá. A rotina dos treinos é importante: a alimentação deve ser oferecida sempre nos mesmos horários e o cão deve ser levado ao banheiro logo depois das refeições. Quando ele fizer as necessidades no local correto, agrade-o bastante!

Agora, se você flagrar o cãozinho fazendo as necessidades em um lugar errado, não dê bronca. Apenas o ignore. Espere que ele termine e saia do local, para então limpar a sujeira e neutralizar o odor com o produto apropriado.

Diversão com o pet: ensine comandos!

dicas-de-comandoQue tal aproveitar o fim de semana para ensinar alguns comandos ao pet? Você verá que não é tão difícil quanto parece. É preciso apenas paciência e persistência! É importante dizer que, com o adestramento, é possível estabelecer um canal de comunicação eficaz com o pet. Ele começa a entender o que queremos e esperamos dele.

Para iniciar os treinos, o ideal é induzir o movimento esperado e recompensar exatamente no instante em que ele ocorrer.

Você pode utilizar um petisco, um brinquedo que o pet gosta muito ou mesmo um clicker – um aparelhinho que emite um som metálico ao ser pressionado, que é usado para marcar o exato momento em que o comportamento esperado foi realizado.

Tudo pronto? Então, vamos começar!

SENTA

Basta manter um petisco pequeno entre os dedos e bem perto do focinho do animal, e ir direcionando a cabeça do cão para trás. A tendência é que ele naturalmente se sente e, nesse momento, deve ser recompensado!

VEM

O segredo desse comando é associar o chamado sempre a algo muito positivo, ou seja, quando o cão ouvir o dono chamando, qualquer que seja o local, certamente virá imediatamente ao saber que ganhará algo que goste bastante!

BUSCA e SOLTA

Fazer o cão perseguir a bola é fácil, pois eles costumam ter enorme prazer nessa atitude. Mas, nem sempre é tão fácil fazê-lo trazer de volta e soltar. O grande segredo é ter duas bolas ou brinquedos iguais, de que ele goste muito.

Quando se joga um, começa-se a brincar com o outro. A tendência natural, ao ver outro objeto sendo mais valorizado pelo dono, é que o cão solte aquele que estiver em sua boca. Nesse momento, deve-se recompensar, e jogar o outro imediatamente.

O treino se torna, rapidamente, uma brincadeira muito divertida!

Dicas para aproveitar o carnaval

dicas-aproveitar-carnavalVai curtir o Carnaval junto com o bichinho de estimação ou está pensando em deixá-lo em um hotelzinho? Separamos algumas dicas para deixar o feriadão agradável tanto para você, quanto para o amigão.

Vai viajar e levar o pet?

Mantenha o cachorro seguro por um cinto de segurança, próprio para cães, ou confortavelmente instalado na caixa de transporte. Durante a viagem, faça paradas a cada duas horas, para que o animal fique confortável. Assim, ele poderá se aliviar, esticar as pernas e beber água.
Dica: Se estiver muito quente, em cada parada, vale molhar uma toalha em água fria, para ir refrescando o cão dentro do carro.

Vai deixá-lo em um hotel? 

Se você for deixar o pet em um hotelzinho, é preciso ficar atento a alguns detalhes, como limpeza do local, tratamento dado aos animais, se o ambiente tem água disponível, se o seu pet ficará preso ou solto, entre outros pontos. Se no hotel o cão for se alimentar com uma ração diferente da que ele come em casa, o ideal é que esse processo de troca ocorra com, pelo menos, quatro dias de antecedência, para habituá-lo aos poucos.
Dica: Deixe no hotel um pano com o seu cheiro e os brinquedinhos preferidos do cão. Isso vai ajudá-lo bastante!

Passear é sempre bom!

Se você vai aproveitar o feriado para passear com o amigo, prefira sair com ele nos horários mais frescos. Em dias muito quentes, não se esqueça de mantê-lo bem hidratado! Se o cãozinho for das raças braquicéfalas (de focinho achato), é preciso um cuidado redobrado com o calor.
Dica: Em dias quentes, ofereça uma pedra de gelo ao cão ou a coloque na água.

Seu cachorro tem plaquinha de identificação?

placa-identificacao (1)Vai viajar com o pet para curtir o feriadão de Carnaval? O amigão já possui uma plaquinha de identificação?

Para muitos cãezinhos, o período de festas pode ser bastante estressante, pois eles têm que conviver com barulhos e fogos, os quais muitos não suportam. Alguns cachorros têm tanto medo que, na tentativa de encontrar um local para se esconder e se abrigar do barulho, acabam fugindo de casa.

Por isso, é muito importante manter a atenção no bichinho. Além disso, é fundamental que ele tenha e esteja sempre com a plaquinha de identificação – que deve ter o nome e o telefone dos responsáveis.

Assim, caso o animal eventualmente fuja ou se perca, você conseguirá localizá-lo mais facilmente.

Agressividade por dominância

agressividade-por-dominanciaA ajuda de um especialista em comportamento animal é uma recomendação que deve ser considerada como prioridade, pois o profissional pode ajudar a identificar que tipo de agressividade o cão está manifestando e indicar o tratamento mais adequado.

A agressividade por dominância pode se iniciar pelo fato do cão ter muita liberdade e não ter limites. Pode começar também devido ao fato do animal não ver ninguém da casa como líder: ele não aceita ser contrariado e, nas situações em que ele se sente ameaçado, responde com rosnados e mordidas.

O primeiro passo para quem tem um cão assim é ter atitudes de liderança e postura. Isso não significa bater no cachorro, para ele “aprender” qual é o lugar dele, mas sim colocar em prática alguns exercícios.

Por exemplo, quando você for sair com ele para passear, ensine-o a sentar e a esperar que você abra a porta e passe primeiro, para depois ele sair.

Agressividade por posse

Agressividade por posse é quando o cão “defende” os seus brinquedos, comida, caminha ou algum ambiente da aproximação de pessoas.

O animal que age dessa forma associou a chegada de pessoas com a perda: se ele está comendo e rosna, e o dono retira a comida para ele não ficar mais agressivo, bingo, o dono confirmou a suspeita do cão de que ele iria perder o que tanto gosta.

A maneira correta de lidar com essa situação é mostrar que você não está competindo com ele. Ao se aproximar da comida, por exemplo, caso ele não tenha tido nenhuma atitude agressiva, jogue um petisco.

Ele vai aprender que o dono acrescenta, que a aproximação das pessoas deixa a comida dele até mais gostosa.

Convivência entre gatos e crianças

crianca-gato

Infelizmente, ainda é comum algumas pessoas terem receio sobre a convivência entre gatos e crianças. Gatos podem adorar as crianças, apesar de não serem tão sociáveis como os cães, eles demonstram carinho e afeição pelo dono. Logicamente que alguns cuidados devem ser tomados, visando o bem-estar de ambos – crianças e gatos – sempre com uma boa dose de paciência e sensibilidade.

É importante ensinar a criança a brincar com o bichano. Eles adoram deixar aflorar seu instinto caçador e, muitas vezes, mãos e pés dos humanos se tornam a caça preferida deles. Por isso, para evitar arranhados e machucados, deve-se ensinar para criança a utilizar sempre um brinquedo quando for interagir com o gato, oferecendo, por exemplo, um bicho de pelúcia para que seja a vítima dos abraços e arranhões do bichano.

Como lidar com a chegada do bebê

Alguns gatos sofrem com mudanças drásticas de rotina, de espaço e com a invasão de território por desconhecidos. Isso tudo pode acontecer quando uma família recebe um bebê em casa, por exemplo. Para evitar estressar demais o felino, procure fazer as mudanças aos poucos, de modo que ele vá se adaptando e perceba que não há problemas ou perigo.

Interações positivas

O gato que recebe carinho, atenção e petisco quando o bebê está por perto passa a adorar essa proximidade. São agrados que podem ser feitos por qualquer pessoa que esteja próxima aos dois.

É importante, em qualquer situação, respeitar o tempo e o espaço do gatinho. Caso ele esteja demorando a se enturmar com bebês ou crianças, deve-se ter paciência e persistência nas associações positivas, para que o objetivo seja alcançado.

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!