Seu pet faz xixi na borda do tapete?

No processo de aprendizado do treino sanitário, a evolução é gradual, e mesmo os pets que já estão com uma boa porcentagem de acertos podem errar ou ter “meios acertos”, ou seja, urinar na bordinha do tapete higiênico. Se identificou? Pois saiba que isso é completamente normal! Mas é possível amenizar o problema e tentar direcionar o xixi para dentro. Confira algumas dicas:

➡️ Aumente a área do banheirinho, grudando dois ou três tapetes com fita adesiva


➡️ Se necessário, dobre para baixo as bordas plásticas do tapetinho e só deixar disponível a parte absorvente


➡️ Outra opção é usar algum objeto pesado (como pedras ou tijolos) em partes das bordas, obviamente deixando ao menos uma “entrada” sem nada


➡️ Reforce o treino, ou seja, incentive-o a sempre ir até o local correto e o induza a entrar completamente no tapetinho antes de se aliviar.


➡️ Evite dar broncas no peludo, pois isso pode desencorajá-lo a buscar o tapetinho!

➡️ O ideal é seguir recompensando até os “meios acertos” no começo, mas depois, passe a ignorá-los e valorize apenas os acertos completos. Ou ainda é possível oferecer um petisco mais valioso em caso no centro do tapetinho e uma recompensa mais baixa caso o pet faça na borda.

Como fazer o cão prestar atenção nos treinos?

Muitos tutores relatam que tentam treinar comandos com seus pets, mas não conseguem fazê-los prestar atenção. Primeiramente, é importante entender que, apesar de cada cãozinho ter um nível diferente de aptidão para comandos, todos têm capacidade para aprender. Por isso, separamos algumas dicas para ajudar a ter o foco do peludo no treino:

➡️ Escolha um local da casa sem muitos estímulos, ou seja, sem acesso à rua ou outros animais
➡️ Treine sempre em um tapete de EVA ou de ioga para criar uma referência visual (e evitar que o pet escorregue!)
➡️ Use uma recompensa valiosa: pode ser a própria ração, um petisco ou fruta liberada pelo veterinário ou até um brinquedo. O que importa é que seja realmente valorizada pelo peludo
➡️ Teste vários horários até identificar o que o pet rende mais. Antes das refeições costuma funcionar bem para atrair a atenção com o alimento
➡️ Faça sessões curtas e sempre termine com acertos. Misturar comandos estáticos com outros de movimento também ajuda a manter o interesse do cão
➡️ Valorize muito os acertos, sempre elogiando e acariciando o animal para que ele tenha prazer de obedecer

E conte sempre com a equipe da Cão Cidadão para orientar os treinos!

Como organizar a rotina do pet

Você sabe como organizar as atividades para proporcionar bem-estar ao pet e garantir que ele tenha tudo que ele necessita?

Para começar, é importante saber que ter uma rotina beneficia muito os cães! Mas não existe um cronograma padrão para todos eles, o que importa é conseguir, na maior parte dos dias, seguir certos horários e promover os estímulos necessários para os pets. Para ajudar, separamos a seguir as principais necessidades da espécie canina:

➡ Alimentação regrada: o alimento deve ser de qualidade e ofertado em no mínimo 2 porções diárias, em horários regrados. A quantidade deve ser pesada de acordo com o indicado pelo veterinário e a água deve estar sempre fresca e à vontade.

➡ Atividades físicas: independentemente da energia do animal, todos eles precisam se exercitar ao menos um pouco! Lembrando que o passeio não é a única alternativa (caso chova, por exemplo)! Bolinha, cabo-de-guerra e comandos de movimentos são ótimas opções.

➡ Atividades mentais: tente estimular o pet mentalmente ao menos uma vez ao dia! Comandos de obediência e limite funcionam muito bem, como “senta”, “deita”, “fica”, “não” e “vem”. Brincadeiras como caça ao tesouro e tabuleiros interativos também ajudam.

➡ Enriquecimento ambiental: os animais devem ter a oportunidade de expressar comportamentos naturais da espécie, como caçar seu alimento, farejar, cavar e estraçalhar. Por isso, brinquedos recheados e itens de roer são essenciais para o seu bem-estar!

➡ Momentos de relaxamento: assim como necessitam de atividades, eles também devem ter um descanso de qualidade – físico e mental. Ensinar o significado de “acabou” e inserir uma massagem relaxante no dia a dia são formas de ajudar o seu peludo a se acalmar.

O que são comandos básicos?

Há quem acredite que não há necessidade de seus pets aprenderem truques quando o que buscam é resolver problemas comportamentais como xixi fora do lugar ou destruição. Contudo, os comandos são uma ferramenta muito importante na educação dos peludos e trazem um monte de benefícios, como ajudar a desenvolver uma comunicação mais clara entre tutor e pet, estabelecer limites e fornecer uma atividade ao mesmo tempo física e cognitiva.

Ainda que a sua intenção não seja ter um pet que faça muitos truques difíceis, existem alguns comandos básicos que todo cão pode e deve saber, pois além de serem extremamente funcionais no dia a dia, podem salvar a vida do animal em situações de emergência, como fuga ou ataque de outro cachorro.

Os principais comandos são: “senta”, “deita”, “fica”, “vem” e“não”. Além deles, é bacana ensinar também o “sobe” e o “desce”, o “acabou”, o “pega” e o “solta”. É também preciso entender a própria rotina da família para descobrir o que mais é importante ensinar. Por exemplo: se ele precisa dormir na própria caminha, um truque muito útil é direcioná-lo para o local com um comando verbal.

Gostaria de ter um pet adestrado? O que acha então de AGENDAR UMA PRIMEIRA AULA GRATUITA para saber como funciona nosso método?

Seu cão sempre tenta fugir?

As principais causas que fazem um cão tentar fugir costumam ser o tédio e os instintos de caça e proteção. Existem ainda outros motivadores, como medo (de trovões e fogos, por exemplo), ansiedade de separação, desorientação e até mesmo uma fêmea no cio por perto, no caso dos machos. Ou seja, a intenção não é “nos abandonar”, mas sim, explorar ou simplesmente uma ação impensada.

Mas, obviamente, isso não significa que não devemos fazer de tudo para impedir! Afinal, os riscos da rua são muitos e nem sempre o animal saberá como voltar. Por isso, separamos a seguir algumas dicas para ajudar:

➡ Coloque uma medalhinha de identificação na coleira do pet (e nunca tire!).

➡ Dificulte as rotas de fuga: existem telas de proteção bem econômicas que podem ser instaladas em portões e ajudar a aumentar muros. Além disso, a família deve mudar os hábitos para impedir que o peludo possa acessar as portas de saída.

➡ Aumente as atividades físicas (de preferência passeio) e proporcione desafios mentais diários ao peludo, como treino de comandos e caça ao tesouro.

➡ Enriqueça o ambiente com variados itens: para roer, para “caçar o próprio alimento”, para farejar, para destruir… Faça um rodízio com regularidade.

➡ Diminua os estímulos que podem provocar uma fuga, por exemplo, restringindo o acesso do pet ao portão ou vedando janelas para reduzir o som de tempestades.

➡ Se o bairro tem muitos cães soltos, vale à pena conversar com o veterinário sobre a possibilidade de castração.

➡ Ensine o comando “fica” dentro de casa, depois na garagem com a porta fechada e depois na garagem com a porta aberta (mas com ele preso numa guia em ponto fixo). E não deixe de contar com a ajuda de um profissional da Cão Cidadão para te ajudar a conduzir esse treino!

Dicas para reduzir os latidos dos cães.

Latir faz parte da natureza canina. Ou seja, dificilmente o comportamento pode ser 100% extinto – e nem seria saudável! Por outro lado, latidos em excesso podem indicar que o bem-estar do pet está comprometido e/ou que a comunicação com ele está falhando. Dessa forma, o foco deve ser em trabalhar para reduzir o estresse do peludo e redirecionar a sua energia para atividades que lhe proporcionem mais qualidade de vida! Por isso, confira a seguir algumas estratégias:⠀

➡ Comece visitando o veterinário para um check-up, uma vez que problemas de saúde podem fazer o animal ficar mais sensível e latir mais.

➡ Aumente a quantidade de passeios semanais e introduza outras atividades na rotina, como brincar de bolinha. Além disso, proporcione estímulos mentais como treino de comandos.⠀

➡ Enriqueça o ambiente para incentivá-lo a usar outros comportamentos além do latido. Brinquedos que soltam petisco (como Pet Ball e Kong) e caça ao tesouro são ótimas opções, além de itens para roer e até elementos naturais, como coco verde. Não se esqueça de supervisionar as primeiras interações!

➡ Não reforce o comportamento! Não ofereça petisco para o pet parar e evite falar com ele no momento do latido, mesmo que seja para dar bronca. Prefira ignorar ou distraí-lo, correndo para outro lugar, por exemplo.

➡ Ensine-o a te chamar de outra forma, tocando a patinha em sua perna, por exemplo. Para isso, dê muita atenção (e petiscos, se quiser!) sempre que ele fizer o movimento escolhido.⠀

➡ Por fim, não deixe de contar com a orientação de um profissional da equipe da Cão Cidadão para ajudar a identificar e montar um plano de treino completo para dessensibilizar os gatilhos dos latidos.

Cão grande pode viver em um apartamento?

SIM! É possível criar um cão grande num apartamento, desde que seja respeitada a sua natureza para que ele tenha qualidade de vida nesse ambiente. Por isso, separamos algumas dicas para ajudar:

➡ Antes de tudo, é preciso conhecer as regras do condomínio. Por lei, não se pode proibir a permanência de animais dentro da unidade, contudo, podem existir limitações nas áreas sociais (alguns prédios só permitem que sejam carregados no colo).

➡ Cada cão tem um nível de energia diferente, de acordo com raça, porte, histórico e personalidade. Muitas vezes, um pet pequeno pode precisar de um gasto calórico maior do que um grandão, por isso, é importante investigar essa necessidade antes de tomar a decisão.

➡ Telas em todas as janelas, portõezinhos em algum ambiente (como a cozinha) e pisos antiderrapantes são algumas das adaptações necessárias para tornar o local mais seguro..

➡ Manter uma rotina de exercícios diários é essencial para o bem-estar do pet. Recomendamos dois passeios de no mínimo 30 minutos por dia. Além disso, em dias chuvosos, invista em brincadeiras como esconde-esconde, caça ao tesouro e corrida de obstáculos.

➡ Não se esqueça de levá-lo sempre que possível para socializar com outros cachorros e pessoas.

➡Enriqueça o ambiente com brinquedos para que ele possa expressar comportamentos naturais como roer, farejar, destruir e “caçar” o próprio alimento.

➡ Ensinar comandos básicos de limite e obediência pode garantir uma convivência mais harmoniosa, assim como gastar energia física e mental do pet.

Os petiscos ideais para treinar

Não existe um petisco mágico para o treino! Cada cachorro responde de uma forma às variadas guloseimas disponíveis no mercado. Pensando em treinos básicos feitos dentro de casa, o ideal é treinar o pet com a sua própria ração, para não desbalancear a dieta. Para isso, é importante fazer um bom controle alimentar para oferecer uma quantidade exata de alimento em horários fixos. Dessa forma, ele sempre estará com apetite e você pode aproveitar os momentos das refeições para o treino.

Já quando forem evoluir para um lugar com mais estímulos como a rua, talvez a ração não seja suficiente. Nesse caso, algumas opções são frango desfiado sem tempero e alguns petiscos comerciais. Mas é essencial consultar o veterinário para descobrir as opções mais indicadas e a forma correta de incluí-las na dieta do seu cão.

Outro ponto importante é que os petiscos oferecidos só podem representar até 10% da dieta do cachorro, uma vez que não são alimentos completos. Dessa forma, é preciso subtrair esses 10% da quantidade total de ração indicada. Exemplificando: uma dieta de 100g de ração cai para 90g se o pet come 10g de petiscos no dia!

Nesse contexto, para não desbalancear a alimentação do pet, é importante treinar e usar brinquedos interativos com a própria ração o máximo possível. Além disso, dê preferência a petiscos (naturais ou comerciais) que possam ser cortados em pequenos pedaços para, assim, não ultrapassar a quantidade diária recomendada.

Ensinamentos básicos para adestramento de cães

dicas_interna_adestramentodecaes

 

O adestramento de cães tem como premissa básica a do behaviorismo, ou seja, se seu cão aprontou, alguns dos fatores podem ser: ter feito isso apenas por diversão, ou ter feito para chamar sua atenção. A maneira como você lidará com isso é crucial para que o cão não repita o ato.

Dentro desse conceito, alguns ensinamentos para o adestramento de cães são importantes, tais como:

  1. Quando seu cão pula na visita, o que fazer?

O cão pula para dar e receber a atenção do dono, da visita, seja qual for a pessoa. Para que seu cão não tenha um comportamento desagradável, peça para que a visita vire as costas para o cão no instante do acontecimento. Assim, o cão se sentirá ignorado e tende a parar de pular na visita, pois perceberá que não está obtendo o que quer: atenção.

O adestramento de cães fica fácil quando você entende a mente do seu pet.

  1. Vamos passear? Mas é o seu cão quem te leva pra passear.

Os cães que acabam puxando demais a guia, principalmente por ansiedade. Nesses casos, o cão demora mais para se cansar durante o passeio e uma dica é brincar com uma bolinha com ele antes do passeio, para que se canse um pouco. Desse modo, ao saírem para passear, seu cão tenderá a não te puxar tanto durante o caminho, tornando o passeio mais tranquilo.

  1. Xixi e coco no lugar errado?

Um dos problemas mais comuns dos cães é o fato de fazer xixi e coco em lugares indevidos.

Brigar ao ver um xixi pela casa não é a solução. O ideal é, quando perceber que seu cão está prestes a fazer suas necessidades, direcioná-lo ao lugar correto, para que ele faça suas necessidades no local apropriado. Após acertar o local para se aliviar, o recompense com muito carinho e petiscos deliciosos. Dessa maneira, ele associará o comportamento com algo muito bom e o repetirá, sempre fazendo o que esperamos.

Com base nas técnicas de adestramento de cães o treinamento para ensinar os cães a fazerem suas necessidades nos lugares que queremos gera harmonia em sua casa, tanto para você quanto para seu cão.

O que é adestramento?

dicas_interna_adestramento

 

A palavra adestramento significa o ato de ensinar, disciplinar, entre outras funções relacionadas. Todas essas ações têm um objetivo comum: ensinar animais através de treinos consistentes.

O adestramento é praticado por milhões de pessoas, porém, é importante que esse tipo de trabalho seja exercido por um profissional habilitado. O adestramento pode ser utilizado para treinos de obediência básica do animal, como também para treiná-lo para algum tipo específico de serviço, por exemplo, cães da polícia, que são treinados para guardar e proteger seus companheiros humanos ou, também, farejar rastros para encontrar evidências da prática de crimes.

O adestramento é um processo contínuo, sistemático e organizado, que permite desenvolver habilidades necessárias para o perfeito entendimento a um comando ou para modificação de determinados comportamentos do animal. Adestramento consiste na aprendizagem de habilidades e o treino é a questão da repetição mecânica de uma ação, ou seja, o treino é uma maneira de reforçar os ensinamentos do adestramento.

Atualmente, as técnicas de adestramento mais utilizadas mundo afora são aquelas baseadas em reforço positivos, ou seja, o animal é recompensado com algo muito valioso para ele ao adotar os comportamentos desejados pelo treinador. Técnicas de adestramento baseadas em reforço positivo são divertidas para o cão e comprovadamente mais eficazes no que diz respeito aos resultados obtidos.