Passeadores de cães: tudo o que você precisa saber

passeadores-de-caes-tudo-o-que-você-precisa-saber

Você chega em casa depois de um dia longo de trabalho, abre a porta já pensando em se jogar no sofá, mas se depara com o cenário caótico de uma almofada toda rasgada, com pedaços espalhados por toda a casa. Ao ver sua cara de espanto, seu cãozinho que certamente estava doido para te receber com uma festa, abaixa as orelhinhas e coloca o rabo entre as pernas, já pronto para a bronca que está por vir. Frustrante, não? É para tornar episódios assim cada vez mais escassos que vamos falar aqui sobre a importância do trabalho de passeadores de cães.

Principalmente em grandes centros urbanos, é muito comum encontrar o contexto de pessoas que adoram ter em casa um filhinho de quatro patas, mas infelizmente nem sempre tem o tempo ideal para se dedicar a ele. Não é sem razão que a demanda pelo trabalho dos passeadores de cães cresceu tanto nos últimos anos. Em São Paulo, um passeio de 30 minutos a uma hora com um cachorro fica entre R$ 20 ou R$ 35, em média. Esses valores são apenas para o passeio simples, há profissionais que também oferecem pacotes de serviços extras para a comodidade do animalzinho e do dono.

A importância do trabalho de passeadores de cães

É importante compreender que o passeio com o cão é uma atividade que deve fazer parte da rotina. Ela é necessária para estimular seu cãozinho com cheiros novos, é um momento importante para a socialização, bem como uma atividade que pode ser bem prazerosa para eles se quem o conduzir se atentar para alguns cuidados. Em breve falaremos sobre isso.

A cena que descrevemos no início deste artigo pode ser evitada ou até eliminada do seu cotidiano com o aumento da frequência dos passeios com passeadores de cães. Assim o seu pet gasta energia e fica feliz sem precisar destruir seus móveis. Na maioria dos casos, esse tipo de “arte” que eles fazem é uma forma de aliviar o estresse.

Por que contratar passeadores de cães? 

Há quem delegue essa tarefa para os filhos, vizinhos ou amigos. O problema é que nem sempre eles terão o conhecimento ou o treinamento necessário para fazer o que é melhor para o bem-estar do seu pet. O dogwalker já está habituado a lidar com algumas situações que podem ocorrer.

Antes de começar a levá-lo para a rua, o profissional normalmente faz uma entrevista para entender melhor o temperamento do animal e o tipo de conduta que será mais indicada para ele. Os passeadores de cães bem treinados também têm mais facilidade para lidar com situações que podem ser estressantes, como uma briga com um animal desconhecido.

Os passeadores de cães podem melhorar o seu relacionamento com seu pet

De um modo geral, o dogwalker passeia com seu cachorro em dias úteis, mas é claro que você também vai querer passear com ele em seu tempo livre. Sendo assim, os passeadores de cães podem te passar um conhecimento precioso para melhorar a qualidade dos passeios com o seu cão.

Um cuidado muito importante é passear sempre com ele na guia. Mesmo se você tiver um animal dócil e obediente, é preciso levar em consideração fatores externos que estarão fora do seu controle. Por questão de segurança, a guia é sempre recomendada. Outra dica importantíssima é observar o horário do passeio. A orientação é sempre evitar os horários mais quentes do dia. Em dias de muito calor, o animal pode até ter queimaduras nas patas em períodos de sol a pino. Dê preferência para as primeiras horas do dia, fim de tarde ou noite.

Meu cachorro empaca no passeio, o dogwalker pode ajudá-lo?

Lembra que dissemos que o prazer do passeio do seu cãozinho depende de alguns cuidados? Pois bem, o fato de “empacar” durante a caminhada pode ser um sinal de estresse. De um modo geral, eles ficam muito felizes e animados em um ambiente externo, com novos cheiros e estímulos. Mas alguns desses fatores também podem assustá-los. Alguns têm mais dificuldade para socializar com outros animais, eles podem se assustar com excesso de barulho ou com algum lugar muito movimentado. Todos esses exemplos podem levar seu animal a empacar (mas ele também pode fazer isso quando percebe que o passeio está acabando).

Neste sentido, o apoio dos passeadores de cães pode ser muito útil para que você entenda melhor os fatores que estão fazendo seu animal a agir assim. Além de serem treinados para lidar com essas situações, no dia a dia eles lidam com diferentes tipos de cachorros e situações inusitadas. Ou seja, eles podem ter mais facilidade para identificar o que pode estar deixando seu cachorro amedrontado.

Seja qual for o motivo que “empacou” seu animal, jamais o arraste. É preciso ter sensibilidade e paciência neste momento para que o animal não fique traumatizado. Vá fazendo ajustes graduais ao tempo do passeio, fique atento ao ambiente, investigue o que pode estar fazendo o seu animal empacar.

Para entender melhor outros motivos que o levam a fazer isso e dicas de como proceder nessas situações, leia mais sobre o tema neste artigo do Cão Cidadão.

Como organizar o orçamento para contratar um passeador de cães

Como dissemos no início do artigo, em São Paulo o passeio simples com um cão pode variar de R$ 20 a R$ 35, em média (entre 30 minutos e um hora). De um modo geral, os valores desses serviços são muito variáveis porque às vezes os profissionais também oferecem combos. Há passeadores de cães que incluem em seus serviços a visita ao animal quando você não está em casa. É costumeiro também contratar os serviços de dogwalkers para hospedar os cães em casa quando os donos estão viajando. Nesses casos, a diária pode oscilar de R$ 25 a R$ 100, em média.

A personalização desses pacotes é ideal porque assim você contrata os serviços de acordo com a realidade do seu orçamento. Ou seja, tem flexibilidade de aumentar ou diminuir o valor que você gasta mensalmente.

Como contratar um dogwalker confiável? 

Uma boa dica é começar contratando alguém por indicação. A aprovação de alguém de sua confiança é um bom passo para começar. Além disso, observe o trabalho do profissional, questione, não tenha vergonha de tirar todas as dúvidas que tiver.

Abaixo, segue uma lista de perguntas importantes a se fazer antes da contratação de passeadores de cães:

– Qual é a duração dos passeios?

– Quais serão os horários dos passeios?

– Quantos cachorros costuma levar em cada passeio?

– Qual procedimento adota quando há algum desentendimento entre os cães?

– Caminha com cães agressivos?

– O que faz para estimular um bom relacionamento entre os cachorros?

– Qual é a primeira atitude que toma no caso de algum cachorro se machucar?

– Quais são os locais onde passeia com os cachorros?

Via de regra, o profissional deve ser, acima de tudo, paciente e atencioso. São características básicas para que ele possa nutrir um bom relacionamento com o seu cachorro. Fique atento à sintonia do seu animal com os passeadores. Se perceber que seu animal está ficando estressado na presença do dog walker, melhor suspender o serviço e contratar outro profissional. Insistir em uma relação sem compatibilidade pode ser traumático para o seu cão.

Qual a diferença entre passeadores de cães e adestradores? 

As pessoas costumam fazer confusão entre esses dois profissionais, mas é importante fazer essa diferenciação. O dogwalker bem instruído e capacitado será fundamental para garantir passeios com qualidade e segurança para o seu cãozinho. O adestrador, por sua vez, tem uma tarefa mais aprofundada.

Caberá a ele não só analisar o comportamento do cão, mas também entender melhor o relacionamento do animal com a família. Isso é fundamental para entender a origem de possíveis distúrbios de comportamento e melhorar a qualidade de vida do animal e de seus donos.

O sucesso nos resultados do adestramento depende não só da capacitação do profissional, mas também de engajamento e disciplina por parte dos donos. Afinal, este é um trabalho completamente comportamental. Sendo assim, se não houver mudanças de hábitos no ambiente domiciliar, será pouco provável que o animal melhore seu comportamento.

O adestramento é muito aconselhado principalmente em lares com crianças. Há situações em que elas podem acabar machucando os animais, mesmo sem ter intenção. Às vezes uma brincadeira agressiva, envolvendo puxões no rabo do animal ou atitudes semelhantes, pode levar a um trauma que enviesa o comportamento do animal por muito tempo. É um trabalho preventivo que garante a segurança do animal e também das crianças, pois pode evitar acidentes que poderiam ocorrer se o animal ficasse agressivo.

Há adestradores que também trabalham numa frente de atuação prévia, ou seja, são contratados antes mesmo da pessoa adquirir um animal de estimação. Nesse sentido, ele atua como um consultor. Ele avalia o ambiente familiar, o perfil das pessoas e indica qual é o comportamento animal mais compatível para aquele lar. Este tipo de alinhamento ajuda a garantir que o cachorro (ou outro animal de estimação) encontre um ambiente familiar acolhedor e saudável.

É possível contratar passeadores de cães que também tenham treinamento e capacitação como adestradores, mas é importante entender que as atribuições de cada profissão são diferentes.

Quero melhorar minha relação com meu cãozinho

Se você tem interesse em saber mais sobre como se capacitar como dogwalker ou como adestrador, assine nossa newsletter para receber semanalmente dicas de como lidar melhor com o seu animalzinho de estimação. Todas as informações são dadas por adestradores da Cão Cidadão, baseadas no método de adestramento inteligente desenvolvido pelo zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi.

Com essas informações, você poderá lidar melhor com problemas comportamentais muito comuns, como pets que fazem xixi no lugar errado ou agressividade canina. Além disso, você ficará por dentro de nossa agenda de eventos.

Quero entender mais sobre o mercado de passeadores de cães e adestradores

As duas profissões oferecem uma grande vantagem: além de serem muito demandadas, elas permitem que o profissional trabalhe com flexibilidade no dia a dia, além de requerer pouca estrutura física. Como os trabalhos são feitos no lar do animal e ao ar livre, o profissional vai precisar fundamentalmente de um celular e uma agenda bem organizada. Além disso, vale um bom preparo físico! Afinal, se a intenção for trabalhar fulltime como dogwalker, a rotina vai envolver muito tempo de caminhada guiando os animais. É aconselhável também ter consigo um kit de primeiros socorros em caso de algum acidente.

Você é o tipo de pessoa que detesta trabalhar de roupa social? Mais um ponto positivo no mercado de passeadores de cães! Justamente por envolver uma rotina de muito exercício físico, o ideal é trabalhar com roupas confortáveis, soltas e com um tênis bem macio.

Outro ponto importante: quem deseja ingressar neste mercado deve ter muita organização financeira e flexibilidade. Passeadores de cães passam os dias se deslocando e precisam se organizar para isso – principalmente se os deslocamentos forem longos.

Por ser uma atividade autônoma, a profissão requer muita disciplina para organizar o orçamento. Em meses de férias, por exemplo, as entradas financeiras podem ser maiores porque muitos donos viajam (e se você tiver disponibilidade, pode oferecer hospedagem domiciliar para o animal). É importante reservar o dinheiro extra para cobrir períodos em que a demanda cai. Organize-se também para ter clareza no fluxo de pagamentos que recebe de seus clientes. É preciso também pensar com um viés empreendedor. Lembre-se de que você precisa fazer uma boa divulgação do seu serviço, então vale estudar estratégias de comunicação. Suas redes sociais, se usadas com responsabilidade, podem ser uma ótima forma de divulgar seus serviços.

O que vai garantir um trabalho bem feito e com resultados satisfatórios é a busca por conhecimento. É importante que tanto passeadores de cães quanto adestradores estejam sempre buscando treinamento e se atualizando. A Cão Cidadão oferece cursos para auxiliar pessoas da área pet, interessados em ingressar neste mercado e até mesmo tutores de animais. Fique de olho em nossa agenda de cursos!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dicas para viajar com cachorro nas férias

Dicas para viajar com cachorro nas férias / Photo by Tadeusz Lakota on Unsplash

As tão esperadas férias chegaram. Para relaxar e aproveitar esse período ao máximo, muitas pessoas escolhem viajar. E, para garantir momentos ainda mais agradáveis, alguns tutores desejam levar seus cachorros junto nesses passeios. Porém, viajar com cachorro exige alguns cuidados para evitar riscos e garantir a diversão tanto para humanos quanto animais.

Confira, a seguir, algumas dicas valiosas que irão fazer a sua viagem melhor para você, sua família e seu pet.

Organizando a viagem

Antes de arrumar as malas e sair por aí viajando com seu cãozinho, é preciso tomar algumas atitudes para evitar possíveis problemas.

Visite o veterinário

Em primeiro lugar, você deve levar seu cachorro para uma visita ao seu veterinário de confiança. O profissional irá avaliar a saúde do seu animalzinho, se as vacinas e vermífugo estão em dia e poderá te orientar sobre qualquer dúvida que você tiver sobre a melhor forma de viajar com cachorro. Ele também poderá te indicar medicações para evitar enjoos e outros problemas comuns durante viagens.

Arrume as malas com antecedência

Não é apenas com a sua bagagem que você deverá se preocupar. Para garantir que o cãozinho fique bem durante a viagem e evitar ao máximo qualquer stress para o animal, você deverá preparar uma mala com tudo o que ele irá precisar fora de casa. Leve ração, comedouros, bebedouros, tapete higiênico, brinquedos, petisco, caminha, carteira de vacinação, remédios (caso ele tome algum), etc.

Se possível, prepare esse enxoval antes da viagem. Deixar para comprar essas coisas no local de destino da viagem pode ser arriscado, você pode não encontrar determinados produtos com os quais seu cachorro está acostumado e ele não se adaptar às novidades, causando transtornos tanto para o animal quanto para você.

Hospedagem

Se você for se hospedar em um hotel ou pousada, verifique antes de fazer a reserva se o estabelecimento aceita cachorros e que tipos de serviços e condições ele oferece ao pet. Avalie se essas condições são adequadas ao perfil do seu animal.

Informe-se, também, sobre clínicas veterinárias localizadas próximas ao seu local de hospedagem. Tenha em mãos o endereço e telefone desses locais para utilizar em caso de emergência.

Cuidados ao viajar com cachorro de carro

De acordo com as leis de trânsito brasileiras, animais não podem andar soltos dentro de veículos. Eles devem utilizar cinto de segurança próprio para cães ou ficarem dentro da caixa de transporte. Dessa forma, você evita que eles pulem pela janela ou no motorista enquanto dirige, evitando acidentes.

Para que o cachorro fique tranquilo nessa situação, antes de viajar, faça treinos para costumá-lo, pouco a pouco, com a caixa de transporte ou cinto de segurança e passeios de carro. Assim, ele se sentirá seguro nessas situações e se habituará cada vez mais a passar períodos maiores nessas condições. Uma dica é deixar um brinquedo com ele para que ele possa morder e se distrair durante o trajeto.

Para que o animal descanse, faça suas necessidades, coma e tome água, faça paradas a cada duas horas. Saia com o animal por um tempo do carro – sempre utilizando coleira e guia – e deixe ele andar e farejar por um tempo. Nesses momentos, ofereça um pouco de comida e água fresca.

Jamais deixe o cachorro sozinho dentro do carro fechado no sol ou em dias quentes. Eles podem ter um aquecimento interno alto e rápido, que pode acabar levando-os à morte.

Cuidados ao viajar com o cachorro de ônibus ou avião

Antes de comprar sua passagem para viajar com o cachorro, entre em contato com a companhia aérea ou empresa de ônibus para saber quais as regras específicas para o transporte de animais. Caso viaje para fora do país, você também deverá se informar sobre a legislação do local de destino para a entrada de pets no país.

No geral, as regras para viajar com cachorro são: apresentar atestado do veterinário informando sobre as boas condições de saúde do animal, ter a carteira de vacinação atualizada e transportar o bichinho na caixa de transporte.

Algumas empresas possuem regras específicas para o transporte do animal, como a obrigatoriedade do cachorro ocupar um assento ao lado de seu dono (portanto o tutor deve pagar por esse lugar), número limite de pets que podem ser transportados por viagem, peso máximo do cachorro que irá ser transportado, caixas de transporte com características específicas, etc.

No avião, para viajar com cachorro com mais de 10 kg, geralmente as companhias aéreas determinam que o animal seja transportado no porão da aeronave. Se esse for o caso, identifique seu bichinho com uma plaquinha e também sua caixa de transporte.

Algumas empresas não transportam cães de determinadas raças. Sendo assim, mesmo que seu cão tenha todos os documentos exigidos, ele poderá ser impedido de viajar.

Em voos internacionais, além de contatar a empresa aérea, você deve se informar sobre as regras do país de destino, pois alguns pedem, por exemplo, que o animal passe por um período de quarentena antes de entrar no país. Devido a essas e outras situações, é imprescindível que você se informe antes de viajar com o cachorro para evitar grandes problemas.

Com essa preparação, você está pronto para curtir seus dias de descanso em companhia do seu melhor amigo.

Para receber informações atualizadas sobre cuidados com animais, assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

7 Dicas para seu pet ficar bem em hotéis no feriadão!

dicas_interna-cuidados-pet-hotel

Por Ludmila Cristina Baldi, bióloga, Msc., adestradora e franqueada da Cão Cidadão

No período de férias ou feriados, em que as famílias resolvem descansar e passear, surge também a preocupação com o bem-estar e segurança dos pets.

Nem sempre é possível levá-los para curtir a viagem com a família. E é nessa hora que vem a dúvida: onde deixá-los?

Muitos podem contar com amigos e parentes para cuidar, outros optam por pet sitters e alguns buscam um local que ofereça cuidado em tempo integral, como os hotéis para cães.

A escolha do local adequado garantirá a tranquilidade da família durante a viagem e a segurança de que o animalzinho estará bem cuidado.

É importante que a família leve em consideração alguns fatores antes de escolher um hotelzinho para o cão. Busque referências e indicações de conhecidos e nunca deixe de visitar os locais onde pretende deixar o pet.

Leia as avaliações de outros clientes e também busque informações em sites de reclamações para conhecer a reputação da empresa. É imprescindível que o hotel exija a carteira de vacinação e garanta que os hóspedes estejam devidamente vacinados e protegidos contra verminoses, pulgas, carrapatos e outros ectoparasitas.

Se o seu pet não for castrado, saiba que em São Paulo muitos hotéis não aceitam, é bom pesquisar esse fator antes. Além disso, opte por locais que possuem câmeras 24 horas.

Fique de olho!

1. Observe a higiene, limpeza, organização e disponibilidade de água limpa ao visitar o local.

2. Repare se o hotel conta com um veterinário e com áreas cobertas, além de averiguar a forma com que os funcionários, cuidadores e recreadores lidam com os animais.

3. Não deixe de ver se os cães ficam a maior parte do tempo soltos e se existe uma rotina de atividades (hora de comer, hora de brincar etc).

4. Se o hotel aceita que o cão coma sua própria ração (caso não aceite, a família deve fazer a transição da ração antes de levar o pet, para evitar desconfortos gastrointestinais).

5. Leve o amigo peludo ao local para conhecer antes de deixar ele lá. Veja como ele se sente no ambiente e como interage com os outros hóspedes.

6. Se possível, deixe que ele passe uma noite ou um fim de semana lá para que se familiarize.

7. Leve seus pertences (caminha, brinquedos, mantinhas etc) e uma roupa com o cheiro da família, para o cão se sentir acolhido.

Carnaval na cidade

Para as famílias mais caseiras, que não costumam deixar a cidade, existem opções de locais Pet Friendly para passear com a família toda e desfrutar da companhia do peludo.

Parques e shoppings costumam ser uma boa pedida. Veja algumas dicas desses locais em São Paulo.

· Parques do Ibirapuera e Villa-Lobos.

· Shoppings Cidade Jardim, Eldorado, Villa-Lobos, Center 3, Frei Caneca, Jardim Sul, Pátio Paulista, Pátio Higienópolis e Top Center.

· Restaurantes Coco Bambu JK/Vila Nova Conceição-SP, Bistrô Animall, Pet/Morumbi-SP, Brew Dog e Bar/Pinheiros-SP.

Mais dicas de lugares onde seu cão é bem-vindo você pode encontrar no site www.aquipode.com, um guia que lista os estabelecimentos com base nas necessidades do cliente.

Faça a busca pelo segmento desejado (bares, restaurantes, pousadas, comércio) e descubra se é permitida a presença de animais de estimação.

Independentemente da escolha da família, entre deixar o pet em um hotel ou passear com ele pela cidade, com planejamento, cuidado e organização é possível que todos aproveitem e curtam os dias de lazer com alegria, segurança e tranquilidade.

Fonte: Dolce Dogg

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Viagem com o pet

Por Paula Miranda, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

dicas_interna-viagem-com-o-petAs férias estão chegando e, com ela, as viagens também. E é claro que se pudermos levar nossos companheiros, os pets, a jornada de descanso será melhor ainda. Mas para que realmente seja um passeio divertido é necessário que os tutores tomem algumas precauções.

Primeiramente, faça uma consulta ao veterinário e verifique se a saúde do seu animalzinho está em dia, se as vacinas e vermífugo foram dados corretamente, bem como a vacina antirrábica, que deve ser aplicada com, no mínimo, 30 dias de antecedência.

De carro

Se a viagem for de carro é importante utilizar uma caixa de transporte para a segurança do seu amigo e da família. Além de ser lei, dentro da caixa o bichinho não tentará pular pela janela ou em você enquanto estiver dirigindo.

Neste caso, é importante acostumar o pet com a caixa de transporte antes da viagem, caso ele ainda não seja habituado a ela.

Também existem cintos de segurança próprios para os peludos, que são facilmente encontrados no mercado pet.

Para garantir uma viagem tranquila faça treinos com passeios curtos de automóvel, dessa forma, ele se acostumará a permanecer por um período maior dentro do carro.

Caso a intenção seja transportá-lo na caixa de transporte, acostume-o a usá-la pouco a pouco, assim, ele sentirá segurança em ficar por horas dentro dela. Uma dica é deixar, neste local, um brinquedo para que o amigo possa morder e se sentir relaxado.

Durante o trajeto, faça paradas, saia com o seu animal do carro para que ele relaxe, e deixe-o fazer suas necessidades e farejar um pouco. Essa atitude simples evitará qualquer tipo de estresse. Ah, não se esqueça de oferecer água fresca nas paradas.

De avião

Se a viagem for de avião, é importante verificar com a companhia aérea quais os requisitos exigidos para transportar um pet, como o local que ele ficará durante o trajeto, quais as documentações necessárias para o embarque do peludo, se sua saúde e vacinas estão em dia e principalmente se ele está devidamente identificado.

Em viagens aéreas, alimente seu pet seis horas antes do embarque para evitar que ele sinta enjoo.

Se o animal for transportado em caixa, coloque um cobertor com o seu cheiro dentro dela e os brinquedos preferidos do amigo, para que ele fique mais tranquilo. Se ele puder ir com você na cabine leve petiscos, um pote de água, cobertor e brinquedinhos. Atualmente, as companhias rodoviárias também estão autorizando o transporte de animais.

É importante ressaltar que viagens para o exterior requerem cuidados detalhados e burocráticos, por isso, faça os devidos preparos com antecedência, pois eles envolvem exigências inclusive com o Ministério da Agricultura e Centro de Zoonoses, além das exigências estipuladas pelo país visitado. Para não correr riscos, tome todas as precauções com, no mínimo, 120 dias de antecedência.

Seguindo os passos acima, curta a viagem com seu melhor amigo. Certamente histórias e aventuras não faltarão.

Fonte: Balaio de Bichos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cachorros perdidos: o que fazer para evitar a fuga de cães

dicas_interna_cachorros_perdidos

A fuga de cães é, sem dúvida, um dos momentos mais tristes da vida dos tutores. Infelizmente, ninguém está imune a esse problema, pois, prever quando o pet vai escapar pela frestinha do portão ou pular o muro de casa é praticamente impossível.

Apesar disso, como diz o ditado, a prevenção é o melhor remédio. Para evitar que esse problema ocorra, é fundamental que alguns cuidados sejam tomados. Abaixo, você confere algumas dicas.

1. Adestramento

O adestramento é uma ferramenta importantíssima para o bom relacionamento entre o pet e o seu dono, pois, além de facilitar a comunicação, fará com que o cão saiba o que pode ou não fazer. Quando o pet obedece aos comandos (SENTA, FICA, VEM), é muito mais fácil impedir que ele corra em direção a um portão aberto ou saia sozinho na rua.

2. Limites

Ensinar ao seu cãozinho que não deve sair pelo portão sem a sua autorização é um limite que pode salvá-lo de acidentes, que podem custar a vida dele. Para isso, é necessário paciência e muita dedicação, porém, o resultado final valerá a pena.

Comece a treiná-lo com a guia. Aproxime-se do portão, brinque com o seu cãozinho e saia para a rua. O pet naturalmente o seguirá, porém, com a guia, você deve impedi-lo de sair e, ao mesmo tempo, dizer “não”.

Esse exercício deve ser repetido até que o cão compreenda que ele não deve ultrapassar o portão e se recuse a ir para a rua. Quando ele te obedecer, elogie-o, faça muita festa e ofereça um petisco gostoso, pois isso fará com que ele associe coisas, que ele gosta, à obediência, facilitando o aprendizado.

É importante ressaltar que não se deve permitir que o cão saia para rua, para, só então, repreendê-lo. A correção deve acontecer sem que ele saia de casa. Mantenha os itens de segurança, como a coleira e a guia durante o treinamento, para evitar qualquer problema ou mesmo acidentes.

3. Plaquinha de identificação

A plaquinha de identificação é indispensável para a segurança do pet e todos os animais de estimação devem ter uma que contenha um telefone para contato. Caso o cão fuja e seja encontrado por alguém, será mais fácil devolver o pet para a sua família.

Infelizmente, mesmo com todas as precauções, fugas ainda acontecem. Caso tenha alguma informação sobre os cães abaixo, entre em contato com a ONG Cachorros Perdidos, parceira da Cão Cidadão.

Gostou desta dica? Se quiser contratar os profissionais em comportamento animal para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: 11 3571-8138 (São Paulo) e 11 4003-1410 (demais localidades).

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Passeando com o cachorro: como evitar problemas

dicas_interna-ig-3

Levar o pet para um passeio é divertido para o dono e para o animal. Saiba como aproveitar ao máximo o momento e evitar qualquer problema

O momento de passear com cachorro é extremamente importante: ele se exercita, faz as necessidades, cheira e se socializa com outros animais da mesma espécie e também com seres humanos.

Para o tutor, também há benefícios ao passear com cachorro: além de ser uma oportunidade de se movimentar, passear com o cão é uma ótima chance para conhecer pessoas novas. Estudos já demonstraram que os passeios com os cães funcionam como verdadeiros facilitadores sociais para os humanos.

Por outro lado, a experiência pode levar a situações difíceis, com o condutor sendo praticamente derrubado no chão quando o cão vê algo mais interessante à frente. Essa é uma situação comum, que pode acontecer tanto com cachorros grandes, quanto com os pequenos. Mas é possível solucionar o problema e, com treinamento, tornar o passeio agradável para todos.

O que fazer?

Antes de sair com o cão, é muito importante que tudo seja feito de forma calma e até “sem graça”, especialmente se estamos falando de um cão que fica ansioso só de ver a guia e a coleira.

Se o grau de ansiedade for muito alto, é indicado ir primeiro a locais não tão estimulantes, como a garagem do prédio, e dar voltas por ali mesmo até que ele se acalme. Essa providência serve para evitar que o cachorro saia direto de casa para a rua muito agitado, comportamento que tende a durar ao longo do passeio.

No início, esse treino pode parecer impossível, mas, com paciência e consistência, a saída passará a ser um evento não tão excitante e o cão tende a sair mais calmo.

E se ele puxar muito?

Já na rua, para evitar um passeio com puxões o tempo todo, algumas coleiras de treinamento são indicadas. A chamada “cabresto” é colocada no focinho do cão e fechada atrás das orelhas. É muito útil, pois permite um controle da cabeça, sendo recomendado, antes de começar a ser usada, fazer alguns treinos de associações positivas, pois o cachorro pode não se adaptar tão rápido a um objeto em seu focinho.

A coleira de treinamento com clipe frontal se assemelha a uma peitoral comum, mas a guia é acoplada em um clipe localizado no peito do cão. Assim, de forma mecânica, é possível controlar o cachorro quando ele faz pressão para frente.

É muito importante recompensar o cão toda a vez que ele se portar de forma tranquila ou focar sua atenção no tutor. Vale levar um petisco ou o brinquedo preferido dele para, depois de elogiar um momento de atenção, sem puxões, ele seja logo recompensado. Uma dica bacana: recompensar o cão andando, deixando-o chegar aonde quer. Com o tempo, eles passam a perceber que não precisam arrastar as pessoas para ir cheirar um arbusto, por exemplo.

Finalmente, vale lembrar um detalhe fundamental: em qualquer situação de passeio, é importante que o cão esteja identificado, para o caso de ele se perder acidentalmente. E a condução deve ser sempre com a utilização de guia, para evitar acidentes.

Se a situação estiver muito difícil, vale consultar um adestrador para facilitar a hora de passear com cachorro e para que os treinos possam ser planejados de forma adequada à realidade de cada cão e tutor.

Fonte: Canal do Pet – iG

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Hipertermia: o super aquecimento do corpo dos cães no calor

dicas_interna-ig2

Os cães possuem uma dificuldade maior de manter a temperatura corporal em dias quentes, por isso muitos deles sofrem com a hipertermia

Vocês sabem o que é hipertermia? É uma condição grave que provoca um aquecimento exagerado do corpo dos cães. Dias bem quentes já estão a caminho. Por isso, acho muito importante falar desde já sobre a hipertermia e todos os cuidados de prevenção que devem ser tomados pelos donos.

Razões para se com a hipertermia

Os cachorros não possuem muitas glândulas sudoríparas. Há algumas nas “almofadinhas” das patas (coxins) e nas narinas, mas, a regulação térmica corporal é feita, basicamente, através da respiração. Esse sistema costuma não dar conta quando o animal fica exposto a temperaturas muito altas.

Raças com focinho achatado (braquicefálicas), como Pugs, Bulldogues e Shih Tzus, têm maior dificuldade para fazer essa regulação de temperatura. Isso porque o “canal” nasal é mais curto, o que torna a respiração mais difícil, já que a passagem do ar apresenta maior resistência.

Vale lembrar que não são somente cães com essa característica anatômica que podem sofrer os efeitos do calor excessivo. Animais obesos e idosos também estão mais predispostos a hipertermia. Mas o problema pode atingir qualquer animal.

O que é hipertermia?

A temperatura corporal normal dos cães gira em torno de 38 e 39ºC. Quando expostos a situações de calor excessivo, associadas ou não ao exercício físico intenso, seu organismo pode não conseguir fazer a regulação térmica, a temperatura aumenta e se inicia um quadro de hipertermia. Algo como se fosse um “hiperaquecimento” do corpo, que vai comprometendo o funcionamento dos órgãos, podendo causar a morte do animal se não for tratado a tempo.

Sintomas

Um cão que em quadro de hipertermia pode apresentar os seguintes sintomas:
– salivação excessiva (em geral, a saliva tem aparência de “espuma”);
– mostra-se extremamente ofegante, mesmo quando já tirado da situação de calor;
– cianose de mucosas (língua azul);
– mucosas hipercrômicas (muito coradas);
– gengivas cor de tijolo;
– andar cambaleante e desorientado;
– apresenta vômitos e diarreia;
– pode ter convulsões e perda de consciência.

Um sintoma comportamental seria puxar a guia em direção a sombras e querer parar de andar.

O que fazer

Caso o cão apresente alguns dos sintomas de hipertermia, medidas simples podem ser tomadas para salvar a sua vida:
– tirar o cão da situação de calor;
– colocar sobre ele uma toalha molhada e mantê-la úmida, para que a temperatura corpórea vá diminuindo;
– levar o cão imediatamente ao veterinário, para as providências médicas necessárias.

Como prevenir

Não é necessário deixar de fazer caminhadas com o cão em dias quentes, mas é importante sair em horários com temperaturas mais amenas: bem cedo pela manhã e no final da tarde.
É importante também lembrar que o cão fica mais perto do solo. Uma boa maneira de conferir se o chão está muito quente é verificar o asfalto com a sola do pé: se estiver tão quente que seja impossível caminhar descalço, está quente demais para o animal também.

Tome cuidado ao deixar um cachorro dentro do carro, mesmo que rapidamente, especialmente em locais onde o veículo possa estar debaixo do sol. A temperatura interna de um automóvel pode chegar rapidamente a 70ºC.
Em dias muitos quentes, pode-se oferecer pedras de gelo para o cachorro ou mesmo verduras (como cenoura) congeladas. Além de refrescantes, o pet vai adorar o brinquedo comestível gelado. E, finalmente, para evitar a hipertermia, nunca se esqueça de deixar água fresca e à disposição durante todo o dia, em mais de um local dentro de casa.

Fonte: Canal do Pet – iG

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Tudo o que você precisa saber na hora de viajar com o pet

viagem_com_petO feriado está chegando e você já está quebrando a cabeça tentando lembrar de tudo o que precisa levar na malinha do seu pet? Não se preocupe, a Cão Cidadão te ajuda com isso!

Reunimos uma série de dicas para você realizar uma viagem tranquila e prazerosa ao lado do pet.

O que levar na mala?

Tenha certeza de que está levando tudo o que seu pet precisa, mesmo que você ache que não vai precisar.

O que é indispensável: ração, petiscos, água e caminha, que são as necessidades básicas do seu cão – além da carteirinha de vacinação Você também pode levar brinquedos, sacolinha para o recolhimento das necessidades do amigo etc.

O que você achar necessário para garantir o conforto e a felicidade do seu pet, coloque na malinha!

Transporte

É muito importante que o seu pet esteja seguro. No carro, nunca o deixe solto. Isso pode causar acidentes, não só com o mascote, mas com você também. Mantenha-o preso com um cinto de segurança próprio para cachorro ou confortável dentro de uma caixa de transporte.

E lembre-se: nada de deixar o mascote colocar a cabeça para fora da janela! Isso pode ser muito prejudicial a ele, uma vez que fragmentos podem atingir e ferir os olhinhos dele.

Paradas

Se você fica desconfortável estando dentro de um espaço fechado por muito tempo, imagina o seu cãozinho! Lembre-se de fazer paradas estratégicas, para que ele faça as necessidades, estique um pouco as perninhas, se refresque ou coma alguma coisinha.

O tempo ideal de parada é a cada duas em duas horas. Você pode até colocar um alarme no seu celular para evitar perder a noção do tempo.

Os cães precisam um descanso, tanto quanto nós, humanos. Por isso, não se esqueça de fazer essas paradas, para que ele possa estar confortável até o fim da viagem!

Dica

• Se estiver muito calor, leve uma toalhinha e molhe com água, para que você possa refrescar o cachorro.

Boa viagem pessoal!

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dicas para cuidar do seu pet no verão

cuidados-no-verao

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Durante o verão, evite passear com seu cachorro nos horários em que o sol está mais intenso. O asfalto e as calçadas quentes podem provocar lesões nas patas. Algumas raças, principalmente os cães de focinho mais curto, podem ter problemas respiratórios devido ao vapor quente.

O horário ideal é realizar o passeio durante as primeiras horas da manhã e no final da tarde, depois das 17h. Se o seu cachorro precisa usar a focinheira durante o passeio, prefira as de grade, que permitem que ele abra a boca e consiga arfar.

É muito importante manter o pet hidratado, por isso, certifique-se de que ele tenha sempre água disponível. No verão, você pode aumentar a quantidade de vasilhas e colocar uma pedrinha de gelo também é uma boa dica para manter a temperatura fresca. A água e a comida devem ficar em um local na sombra, arejado, evitando exposição ao sol.

Algumas raças de pelo curto e pelagem clara precisam usar protetor solar, indicado pelo médico veterinário, em algumas áreas, como orelha e perto do focinho.

Essa época também é a preferida dos parasitas. O medicamento preventivo contra pulgas e carrapatos deve estar em dia!

Vai passear ou viajar de carro e o seu cão ou gato vai com você? Nunca deixe seu amigo dentro do carro, nem por alguns minutinhos, mesmo que você deixe um pouco da janela aberta. A temperatura do carro se eleva com muita rapidez e o pet não consegue respirar e pode sofrer um aumento grande da temperatura corporal, o que pode levá-lo a óbito.

Fonte: Mercearia do Animal.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Você sabia que não é natural para o cão usar a guia?

dicas_interna-pet-na-pan

É fato que, para a segurança do próprio pet, é necessário que ele sempre utilize a coleira e a guia principalmente durante aquelas voltinhas no bairro. Esses acessórios são necessários, pois ajudam a manter o animal seguro e controlado.

Infelizmente, não são todos os pets que aceitam utilizar os utensílios de segurança facilmente, pois, para eles, não é natural ter algo acoplado ao seu corpo. “As pessoas percebem isso quando colocam pela primeira vez coleira e a guia em um cachorro e vão tentar levá-lo para passear. Por não compreender o que está acontecendo, o animal acaba fazendo força para o sentido oposto”, comenta o zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi.

Se o tutor se deixar levar pelo sentido proposto pelo cão, é possível que ele passe a ter essa atitude ruim sempre, já que, na cabeça dele, você permite que ele te puxe. O resultado pode ser bastante prejudicial: o pet pode se tornar cada vez mais rebelde na hora dos passeios.

Para evitar esse problema, é necessário ensiná-lo que vocês podem, sim, sair para passear, desde que ele ande ao seu lado. “A melhor forma de educar um cachorro, é ter algo que ele goste e queira muito”, aconselha Alexandre. “Pode ser uma brincadeira, um carinho ou um petisco. Esse é o momento de mostrar a ele que não há problema nenhum com a guia”, finaliza.

O importante é sempre manter o animal seguro. Lembre-se de que a responsabilidade pela vida do bichinho é sua.

Gostou desta dica? Se quiser contratar os profissionais em comportamento animal para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: 11 3571-8138 (São Paulo) e 11 4003-1410 (demais localidades).

Share and Enjoy !

0Shares
0 0