Como adestrar um cachorro filhote?

Como adestrar um cachorro filhote?

A casa que antes só tinha objetos de humanos agora tem uma caminha na sala, tapetes higiênicos e muitos brinquedos espalhados pelos cômodos. A família agora tem um novo membro: um filhote de cachorro que espera viver momentos de muita felicidade com você, seus familiares e amigos. Filhotes mexem completamente com a nossa rotina e chegam cheios de energia para se adaptarem ao novo lar. Neste momento, o adestramento é importante para que vocês tenham uma comunicação mais fluida desde cedo e também para o bem-estar do seu pet.

Há quem pense em adestramento somente na fase adulta, mas essa é uma concepção equivocada. Na verdade, quanto mais cedo você começar a ensinar comandos ao seu cão, melhor para vocês dois. Até os três meses de idade, seu cachorro está mais aberto a absorver novas experiências. Se você acabou de adotar um filhote e quer entender os benefícios de adestrá-lo desde já, a gente te conta tudo que você precisa saber.

Entendendo a personalidade do seu cão

De um modo geral, filhotes gostam muito de explorar novos lugares, são curiosos e cheios de energia. Mas já nessa primeira etapa da vida é possível entender alguns traços da personalidade dele: se é agitado ou não, o quanto é dócil, se é mais agressivo, entre outros detalhes. Essas características vão ganhando mais força ao longo da vida, mas reconhecer alguns desses traços mais significativos durante o adestramento é importante para entender o tipo de treinamento mais adequado para ele.

Socialização

A socialização faz parte da vida do animal, mas muitos tutores não se atentam para a importância desse momento na rotina do cachorro. Um cão que não se acostuma a situações sociais pode crescer com medo de barulhos fortes (como de moto, secador ligado ou mesmo os ruídos de pessoas em locais abertos). Isso pode ter reflexos diretos na personalidade dele: seu cão pode tornar-se medroso ou mesmo agressivo em determinadas situações, justamente por um mecanismo de defesa. Todos esses são fatores de estresse que acabam prejudicando o dia a dia tanto do cão quanto do tutor – e neste momento o adestramento pode ser uma ótima forma de auxiliar a socialização.

Interagindo com pessoas

Quando falamos de pessoas, procure manter seu filhote por perto em situações em que há muitas pessoas, obviamente observando de perto as reações dele e não deixando-o exposto a contextos em que ele pareça estar se sentindo estressado. Se ele estiver demonstrando felicidade, deixe que ele aproveite bastante esse momento: cheire as visitas que você recebe em casa, brinque com elas, receba carinho. Tudo isso ajuda a fazer com que ele entenda que pode se sentir confortável perto daquelas pessoas.

Se tiver crianças ao redor, redobre a atenção. Infelizmente são situações em que tanto os filhotes quanto as crianças acabam ficando mais expostos a incidentes. Mesmo que não façam por mal, as crianças muitas vezes podem fazer brincadeiras ou tomar atitudes que são agressivas ou até mesmo traumáticas para os filhotes. Puxões de rabo, orelha, tapas, enfim, uma série de ações que os pequenos podem tomar se não estiverem sob a vigilância de um adulto. Converse com as crianças para que elas entendam a importância de interações carinhosas e vigie de perto as brincadeiras.

Interagindo com outros animais

O treinamento do adestramento inteligente também é uma forma de facilitar a socialização do seu filhote com outros animais. Ao entender os comandos, você consegue fazer essa aproximação com mais segurança e de um modo que não provoque estresse ou ansiedade no seu filhote.

E por falar em socialização, atente-se ao calendário de vacinas antes de sair com ele para os primeiros passeios. Lembre-se de que nesse período ele ainda está mais frágil, começando a adquirir imunidade, ou seja, é preciso redobrar os cuidados para que ele não fique tão exposto à contração de doenças.

Tem vontade de aprender como adestrar o seu filhote? Quer entender quais os comandos são mais adequados para o treinamento dele? Clique aqui e inscreva-se em nossos cursos presenciais de adestramento inteligente!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Filhotes de cachorro: como socializar?

Filhotes de cachorro como sociabilizar

Assim como uma criança, filhotes de cachorros precisam ser ensinados desde muito cedo sobre o mundo que os cerca. Esse processo educativo é chamado de sociabilização e é muito importante para evitar que o animal cresça e se torne um cão excessivamente medroso, reativo ou agressivo. Neste artigo, contaremos tudo o que você precisa saber sobre o assunto.

O que é a sociabilização de filhotes?

A sociabilização é um processo pelo o qual os filhotes passam durante seu crescimento e que permite que eles se relacionem de forma mais positiva com outros animais, pessoas, objetos e situações do dia a dia ao longo de sua vida. Para que isso aconteça, não basta que o cãozinho conheça visualmente esses elementos, ele precisa interagir com eles de forma agradável.

A melhor forma de realizar uma boa sociabilização é agir desde muito cedo, pois é na fase que vai do zero aos três meses de idade que o cachorro está mais aberto a novas experiências. Sendo assim, os tutores devem aproveitar esse período para apresentá-lo aos diferentes tipos de pessoas, objetos, barulhos e situações.

Quando a sociabilização não acontece de forma adequada, alguns filhotes quando crescem podem desenvolver medo de passear, do barulho de moto ou de trovões ou podem ficar agressivos com crianças, idosos ou outros animais. Caso seu cachorro adulto enfrente algum desses problemas, não desanime. Você também pode sociabilizá-lo depois de mais velho, só precisa ter mais paciência e carinho para lidar com essa situação.

Essas interações com diferentes animais, pessoas, objetos e situações devem ser feitas de maneira agradável, para que o animalzinho se sinta seguro. Forçar o cachorro a uma situação desagradável pode gerar traumas. Por isso, é importante ter paciência e deixar ele interagir com os novos elementos no tempo dele.

A seguir, veja algumas dicas de como socializar o filhote em diversas situações.

Pessoas

Para acostumar seu filhote com pessoas, o ideal é apresentá-lo aos mais diferentes tipos. Estimule a interação do cachorrinho com homens, mulheres, crianças, idosos, pessoas brancas, negras, ruivas, pessoas calmas, que falam alto, magras, obesas, com barba, que utilizam cadeira de rodas, muletas e por aí vai. Dessa forma ele não vai estranhar e reagir de maneira inadequada quando encontrar alguém que seja diferente em casa ou na rua.

Animais

Também devemos apresentar os filhotes a diversos tipos de animais: cachorros, gatos, hamsters, bichos grandes, pequenos, de pelo curto, pelo longo, branco, marrom, preto etc. Com isso eles não terão medo, ficarão muito agitados ou agressivos quando encontrarem algum bichinho diferente em sua vida.

Para evitar riscos para o filhote e os outros animais, tenha primeiro certeza que o animal que você está apresentando seja dócil e não irá reagir de forma agressiva à aproximação do seu cãozinho. Deixe o filhote cheirá-lo e interagir respeitando sua vontade.

Como os filhotes ainda precisam tomar todas as vacinas para estarem imunizados adequadamente, é importante ter certeza que o animal novo não tenha nenhuma doença que possa transmitir para o seu cachorrinho. O ideal é que ele interaja apenas com animais vacinados e vermifugados.

Objetos, barulhos e situações do dia a dia

A apresentação de objetos, barulhos e situações comuns do dia a dia é importantíssima para que os filhotes não cresçam com medo e se assustem com qualquer coisa.

Para fazer a socialização com objetos como aspirador de pó, secador de cabelo, campainha etc., podemos aproximar esses objetos aos poucos enquanto brincamos com o filhote, fazemos carinho, oferecemos petiscos, para que ele associe momentos tranquilos àquele elemento e barulho.

Esse mesmo processo de adaptação vale para acostumar os filhotes com sons de carro, moto e ônibus nas ruas durante os passeios. Devemos primeiro começar a levar o cachorrinho para passear em ruas mais calmas, para ele ir se acostumando com a mudança de ambiente e aos diversos ruídos aos poucos. Gradualmente, podemos ir apresentando-o a ruas mais agitadas. Caso ele se assuste, volte para os lugares mais tranquilos e tente novamente depois.

Barulhos como o de trovoadas e rojões podem ser apresentados utilizando uma gravação. Comece tocando a gravação em um volume mais baixo e fique brincando e acariciando o cãozinho enquanto ouvem esses ruídos. Com o tempo, vá aumentando o volume para que ele não tenha medo no futuro.

Curso de Filhote

Com carinho e paciência, seu filhote irá aprender que não precisa ter medo ou reagir de forma agressiva a situações diferentes das que ele esteja acostumado.

Caso você ache necessário, também pode contar com a ajuda e orientação de um especialista em comportamento animal para lhe ajudar a realizar a sociabilização da melhor maneira possível para o filhote e sua família. Entre em contato com a Cão Cidadão e agende uma visita gratuita.

Para não perder nenhum conteúdo que postamos aqui, assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

5 coisas que você precisa saber sobre cachorros filhotes

5 coisas que você precisa saber sobre cachorros filhotes

 

Depois de pensar muito sobre o assunto e sonhar com esse dia, finalmente você e o seu filhote de cachorro estão em casa. Com certeza você e sua família esperam vivenciar momentos felizes e agradáveis na companhia do cãozinho.

Mas, para que esse sonho não se torne um pesadelo, é importante que você se informe sobre algumas características e cuidados básicos que precisará ter com o filhote. Neste artigo a gente te conta 5 coisas que você precisa saber sobre seu novo amiguinho.

1. Cada raça tem características comportamentais e necessidades distintas

Você sabe quais são as características comportamentais e necessidades específicas da raça do seu filhote? Se você ainda não pesquisou sobre esse assunto, o momento é agora. Entenda o que você deve esperar do seu cachorro e prepare-se para não ter problemas futuros.

Se a raça do seu filhote é mais agitada, já crie uma estratégia para que ele possa gastar energia durante passeios e brincadeiras, por exemplo. Por outro lado, se for uma raça que tem tendência ao sedentarismo e obesidade, já comece a pensar em formas de incentivar seu filhote a sempre se exercitar. Dessa forma você evita problemas comportamentais e até mesmo de saúde no futuro.

2. Não há idade mínima para começar a adestrar um cachorro

Muitas pessoas ainda acreditam que é preciso esperar o cachorrinho chegar a uma certa idade para começar a adestrá-lo, mas isso é um mito. Filhotes podem ser ensinados desde o primeiro dia que chegam a sua casa.

Começar o treinamento desde cedo é importante para que o animalzinho não desenvolva hábitos indesejados, como fazer xixi fora do lugar adequado ou morder objetos e móveis da casa. Ensinar um filhote de cachorro é fácil, só requer um pouco de tempo e paciência. O momento dedicado à educação do filhote é uma ótima oportunidade para criar uma relação de afeto e confiança entre o animal e o seu dono.

Assista agora algumas dicas de como começar a treinar seu cachorro em casa. Caso sinta a necessidade, você pode contratar um especialista em adestramento para te ajudar nessa missão.

Passo a passo para educar filhotes de cães

3. Cuidados com a saúde do pet desde pequeno são essenciais

Nenhum animalzinho está livre do risco de ter algum problema de saúde. Porém, muitas doenças podem ser evitadas com cuidados básicos com a saúde do animal. Com os filhotes, é importante vaciná-los corretamente e manter um ambiente limpo, seguro e livre de pulgas e carrapatos.

Durante os três primeiros meses de vida, período em que ele deve tomar as vacinas recomendadas, você pode levar o filhote para passear no colo ou em um carrinho, e deve evitar que ele entre em contato com animais que você não conhece. Por ele não estar totalmente imune, os riscos dele contrair uma doença é muito alto. No entanto esta também é uma fase muito importante, assunto do próximo tópico.

4. Sociabilizar o filhote é importante

Não tem jeito. Para que seu cachorro não seja reativo e tenha medo de objetos e situações comuns do dia a dia, é preciso sociabilizar o filhote desde de cedo.

Dos zero aos três meses de idade é a fase em que o cãozinho está mais aberto a novas experiências. Por isso, devemos aproveitar esse período para apresentá-lo ao maior tipo diferente de pessoas, objetos, barulhos e situações diferentes. Essas interações devem ser feitas de maneira agradável, de maneira que o animalzinho se sinta seguro. Forçar o cachorro a uma situação desagradável para ele pode gerar traumas. Por isso, tenha paciência e deixe ele interagir com situações, pessoas e objetos novos no tempo dele. Veja aqui dicas de como socializar o filhote em diversas situações.

5. Filhotes reconhecem (ou não) a liderança do dono desde cedo

Na natureza, cachorros são seres sociais, que vivem em matilhas e precisam fazer parte de um grupo equilibrado, com um líder definido para seguir.

Em casa, o grupo do seu cachorro é você e sua família. Caso ele não reconheça alguém da casa como seu líder, ele certamente irá tentar dominar o ambiente e as situações. Isso pode gerar problemas de comportamento e até mesmo agressividade.

Por isso, é importante que seu filhote reconheça seu dono como um líder. Assim, ele irá respeitar e entender os limites impostos e se tornará mais obediente e dócil na vida adulta.

Adestrar o cachorro desde pequeno, com carinho e recompensando bons comportamentos, é uma ótima forma de desenvolver essa relação com o animal. Desse jeito você criará uma ligação com seu bichinho baseada no afeto, confiança e respeito que irá durar por toda a vida.

Se você quiser saber mais sobre como educar o seu filhote, conheça o curso online ministrado pelo Alexandre Rossi: Passo a passo para educar filhotes de cães.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Qual a melhor opção: adotar ou comprar um filhote?

qual-a-melhor-opcao-adotar-ou-comprar-um-filhote

Quando planejamos ter um animal de estimação, uma das primeiras escolhas que precisamos fazer é decidir entre comprar ou adotar. As duas alternativas têm suas vantagens e desvantagens, cabe ao futuro dono do bichinho escolher a opção que mais se encaixa nas necessidade de sua família e estilo de vida. Para nós, o mais importante é que o futuro dono do bichinho esteja totalmente ciente do que significa – tanto para ele e sua família, quanto para a sociedade – escolher entre uma ou outra opção.

Além disso, antes de comprar ou adotar um filhote, saiba que ele viverá por muitos anos e precisará de carinho, atenção, cuidados com a saúde, alimentação e um ambiente adequado para crescer e se desenvolver. Tudo isso exige tempo e um certo investimento financeiro e será sua responsabilidade garantir a segurança e o bem estar do bichinho por toda a sua vida. Você está pronto para assumir essa responsabilidade por muitos e muitos anos?

A seguir, apresentaremos alguns pontos que devem ser considerados na hora de fazer sua escolha.

Adotar é um ato de amor

Em todo o mundo, a situação dos animais de rua e abandonados é extremamente triste e preocupante. A grande maioria dos bichinhos que vivem nas ruas passam fome, não recebem os cuidados necessários com sua saúde e, muitas vezes, não são cadastros, o que acaba agravando o problema da superpopulação de animais de rua.

Ao serem resgatados por organizações e abrigos que cuidam de animais, eles passam a ter melhor qualidade de vida. Porém, por mais que os responsáveis por esses espaços deem carinho aos bichinhos, eles não recebem toda a atenção e amor que merecem e que poderiam receber se estivessem em uma família.

Por isso, adotar é um ato de amor aos animais e também uma forma de exercer nossa responsabilidade social. Ao adotar um filhote, você está contribuindo para que menos animais vivam nas ruas ou passem a vida toda à espera de uma família que os acolham.

Se for comprar, seja responsável

Seja por qual for o motivo que você decida comprar um animal, é importante assumir sua responsabilidade por esse ato. O comércio de animais é um negócio lucrativo e, infelizmente, muitas pessoas mau intencionadas têm explorado de forma degradante os animais para a reprodução e não oferecem cuidados básicos com a saúde e o bem estar de adultos e filhotes.

Por isso, antes de comprar, cheque se o criador é sério, responsável e regularizado. Não compre animais em petshops ou em locais nos quais você não possa verificar a procedência do animal ou as condições nas quais os filhotes e seus pais são mantidos e criados.

Existem muitos criadores sérios e comprometidos com a saúde e o cuidado dos animais. Mas é preciso pesquisar muito, se informar e visitar esses locais antes de fechar negócio.


Ao comprar de um criador clandestino ou que pratique crueldade com os animais, você está estimulando e financiando essas práticas. A melhor forma de acabarmos com esse tipo de situação é não comprando animais desse criadores.

O que levar em consideração na hora de escolher entre adotar e comprar?

Bom, agora que você já sabe tudo o que implica socialmente e para a vida dos animais adotar ou comprar, chegou a hora de falar sobre alguns aspectos relacionadas às características dos animais e como elas podem se relacionar às especificidades de sua vida pessoal.

Porte pequeno, médio ou grande?

Ao escolher um animal de estimação, é preciso levar em consideração o seu porte e o espaço físico que você poderá oferecer em sua casa. Se você mora em um apartamento pequeno, talvez não seja uma boa ideia adotar ou comprar um filhote que chegará a ter grande porte.

Além de mais espaço, animais maiores precisam gastar mais energia. Por isso, você não tem tanto tempo ou disposição para longos passeios ou atividades que exijam mais esforço físico do animal, é melhor escolher um filhote que será menor na vida adulta.

Sobre essa característica, os animais de raça definida – e existem muitos deles também para adoção – têm uma vantagem, pois você saberá qual o porte que o animal terá no futuro antes de levá-lo para casa.

Também é possível observar algumas características em filhotes sem raça definida e estimar se, quando adulto, ele será de pequeno, médio ou grande porte. Converse com o responsável pelo abrigo e até mesmo com veterinários para ouvir a opinião dele sobre o assunto. Mas esteja aberto a surpresas no futuro.

Temperamento do animal

O temperamento de um bichinho de estimação deve ser compatível com a realidade de sua família. Por isso, antes de comprar ou adotar um filhote, é preciso que você avalie o seu estilo de vida e entenda quais são as suas necessidade e o que você pode oferecer ao seu novo amigo.

Se você e sua família são ativos, gostam de praticar atividades físicas ou se você tem crianças em casa, um animal com um comportamento mais brincalhão ou que precise gastar mais energia pode ser compatível. Porém, se você já não tem tanto tempo para se dedicar a atividades físicas mais intensa com o bichinho ou mora bebês ou pessoas idosas, o ideal é escolher um animal mais calmo e tolerante.

Mais uma vez, nesse aspecto, filhotes de raça definida são escolhas mais seguras na hora de comprar ou adotar. Porém, os animaizinhos já demonstram sua personalidade desde cedo. Por isso, quando for adotar ou comprar, é importante observar e conversar com o criador ou o responsável pelo abrigo sobre as características comportamentais do filhote desejado. Assim, sua escolha será mais assertiva em relação às suas necessidades e a do animal.

Porém, tenha em mente que filhotes são muito inteligente e podem ser facilmente adestrados. Caso você tenha problemas com o comportamento do seu animal – seja comprado ou adotado – é possível buscar ajuda profissional. Dessa forma, você, sua família e seu bichinho terão uma convivência muito mais harmônica e agradável. Caso tenha interesse, agende uma vista grátis com um adestrador da Cão Cidadão.

Seja qual for sua escolha – adotar ou comprar um filhote, de raça ou vira-lata, no final de tudo, o mais importante é o carinho e cuidado que você e sua família poderão oferecer ao animal. Com certeza, vocês receberão muito amor e companheirismo em troca.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Qual o melhor momento para adestrar um filhote de cachorro?

Qual-o-melhor-momento-para-adestrar-um-filhote-de-cachorro

Eles são fofos, alegres e muito brincalhões. Filhotes sempre trazem alegria por onde passam. Porém, algumas vezes, essa felicidade pode ser substituída por frustração quando o cãozinho passa a apresentar alguns comportamentos indesejados. A boa notícia é que essa situação pode ser corrigida com a ajuda do adestramento.

É comum surgirem muitas dúvidas sobre esse assunto, principalmente relacionada aos filhotes. Qual o melhor momento para adestrar um cachorro? É preciso esperar uma idade certa ou é melhor começar o quanto antes? Essas e outras perguntas serão respondidas a seguir.

Quando começar a adestrar um filhote de cachorro?

Apesar de muitas pessoas acreditarem que é preciso esperar o filhote atingir uma certa idade para começar a treiná-lo, a verdade é que animais de estimação podem ser ensinados desde o primeiro momento que eles chegam à casa dos donos. E, quanto antes você começar a adestrá-lo, mais fácil será esse processo, pois os filhotes – assim como as crianças – são como esponjas e aprendem tudo com mais rapidez e facilidade.

Enquanto o cãozinho não tomar todas as vacinas necessárias, você pode começar a ensinar comandos e noções básicas de bom comportamento em sua própria casa, usando o método de adestramento inteligente, com reforços positivos, utilizado pela Cão Cidadão. Assim, já é possível evitar que o animal faça xixi fora do lugar, morda objetos não apropriados e faça pequenos truques. Depois de realizar a vacinação adequada, o cachorro pode ser levado para outros locais para aprimorar sua aprendizagem e conviver com outros animais.

A vacinação de filhotes pode gerar muitas dúvidas. Conheça a série de vídeos do Alexandre Rossi sobre o assunto:

Vantagens de adestrar seu cão desde filhote

Começar a educar os animais ainda filhotes tem diversas vantagens. Além deles aprenderem mais rapidamente, no começo da vida os cãezinhos ainda são como um folha de papel em branco, pois não criaram manias e hábitos indesejados. Com isso, é mais fácil ensiná-los a se comportarem da melhor forma para conviver harmonicamente com você e sua família.

Além disso, quando o adestramento se inicia desde cedo, o cachorro passa a aceitar mais facilmente a liderança total de seu dono, evitando que no futuro ele se torne um animal muito dominante, com tendências à agressividade.

A falta de coordenação motora dos filhotes também facilita na hora de aprender alguns truques. Como ainda têm dificuldade de andar para trás, por exemplo, sempre que colocamos um petisco acima de sua cabeça ele tende a se sentar para conseguir olhar para cima. Ao recompensá-lo nesse momento, ele irá começar a aprender a repetir essa ação quando solicitado.

Por último, mas não menos importante, quando você realiza o treinamento de seu cão desde as primeiras semanas de vida, cria-se um forte laço de afeto e carinho com o animal. E essa é a melhor forma de começar uma relação que deverá durar por muitos e muitos anos.

E então, pronto para começar a adestrar seu novo amigo? Se precisar de ajuda durante este processo, a Cão Cidadão conta com uma equipe especializada em adestramento de animais, que atende em domicílio. Agende uma visita gratuita e conheça mais sobre nossa metodologia.

Para receber mais informações sobre o universo pet e não perder nenhum conteúdo que publicamos por aqui, assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Destruição de objetos tem jeito?

dicas_interna-destruicao

Por Nathália Camillo, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Quando aquele filhotinho fofo nos olha até esquecemos de seu poder destrutivo. Mas eles vão crescendo, destruindo e isso acaba nos fazendo questionar: o que fazer para que isso não vire um hábito que pode acompanhá-lo até a vida adulta?

É importante, para podermos entender o porquê das destruições, que saibamos sobre as mudanças físicas e psicológicas que ocorrem em todo filhote. O cãozinho, não tendo mãos, reconhece seu mundo através do focinho, absorvendo os delicados odores exalados no ambiente, através de seus potentes ouvidos, captando os mínimos barulhos, e através de sua boca, sentindo os gostos e texturas dos objetos que o rodeiam.

Após o desmame, a curiosidade invade o cãozinho e ele parte para uma exploração detalhada do local onde vive e absolutamente tudo o que encontra deve ser explorado de todas as formas possíveis.

Nessa fase é importante que o animal tenha à disposição brinquedos de diferentes formas e texturas, mas que sejam todos apropriados para sua espécie e idade, e que os objetos que ele não pode morder sejam deixados fora de seu alcance.

A partir dos quatro meses, o filhote começa a troca dos dentes de “leite” para os fixos, assim como acontece com os humanos, e o desconforto e a coceira que sente nas gengivas é igual aos das nossas próprias crianças. Então, é muito importante darmos para eles brinquedos congelados com ração ou petiscos liberados pelo veterinário. O gelo ajuda a diminuir a inflamação nas gengivas e, consequentemente, a vontade incontrolável de roer qualquer coisa que apareça em sua frente.

Outro fator importante na destruição é o gasto de energia. Cada animal tem um nível de energia. Precisamos gastar não somente sua energia física, mas também a energia mental desses peludos.

Os brinquedos interativos, que são aqueles que colocamos ração ou petiscos dentro e, ao rodarem, eles dispensam pelo chão, ajudam muito o animal a gastar mais tempo na alimentação tentando descobrir como retirar o alimento dali. Com isso, o animal gasta energia física e mental junto.

Para complementar, passeios diários e bem estruturados, aqueles em que tutor e cão voltam cansados e felizes, fecham a lista para termos um cãozinho saudável física e psicologicamente, além de manterem os nossos chinelos e móveis inteiros e sem marcas de dentes.

Procure ajuda de um adestrador caso tenha dificuldade com o treinamento.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Sociabilização de filhotes: por que apresentá-los ao mundo desde cedo?

dicas_interna-filhotes

Por Allexandre Coutto, adestrador e franqueado da Cão Cidadão

Quando idealizamos um bichinho de estimação, normalmente pensamos em um animal calmo, companheiro, valente, dócil.

Mas não existe fórmula mágica para isso. Para que ele não seja um pet reativo a barulhos, pessoas e animais, ou medroso para andar na rua, de carro ou ir ao pet shop é preciso sociabilizá-lo desde cedo.

Até os três meses de vida o animal está mais receptivo a adquirir novas experiências. Então, se começarmos a sociabilizar nosso cão ainda filhote, mais rápido ele irá interagir com pessoas, animais, objetos, barulhos e situações.

Sabemos que neste período o peludinho ainda está indefeso por não ter tomado todas as vacinas, mas é possível realizar essa atividade com o novo amigo de forma segura.

Com pessoas

Quanto mais pessoas de diversos tipos seu filhote conhecer, melhor. A sociabilização tem que abranger o máximo de características, como idades (bebes, crianças, adultos e idosos), etnias (brancos, afrodescendentes, ruivos e loiros), gênero (homem e mulher), comportamentos (pessoas que falam alto, calmas, que fazem movimentos bruscos), além de pessoas magras, obesas, cabeludas ou carecas, com barba e por aí vai.

Sei que existe um leque muito extenso de tipos de pessoas e não conseguiremos dar conta do recado, mas quanto maior for a quantidade e tipos mais seu cão estará familiarizado e sociabilizado.

A apresentação tem de ser de maneira agradável e segura. Uma das melhores formas é chamar amigos na sua casa para conhecer o filhote e deixá-lo interagir com brinquedos. Assim, a sociabilização será positiva para o cão.

Com animais

Temos que apresentar todos os tipos de cães para o novo amigo: macho, fêmea, pequeno, grande, peludo, pelo curto, branco, marrom, preto, calmo, agitado etc.

A apresentação do seu filhote tem de ser com cães conhecidos, que você sabe quenão oferecerão nenhum tipo de risco ao seu peludinho.

Preferencialmente animais de amigos, parentes e conhecidos. Esse encontro pode ser em sua casa ou em um local que seja limpo para evitar risco de doenças.

Uma outra boa sociabilização que pode ser feita é levar seu cão no colo ao parque deixando ele ver outros cãezinhos.

Com objetos, barulhos e situações

A apresentação de objetos é importantíssima para que o filhote não cresça com medo deles.

Exemplos: aspirador de pó, secador de cabelo, vassoura, carros, motos, ônibus, buzina, fogos.

Podemos aproximar esses objetos aos poucos, primeiro à distância, proporcionando uma situação de brincadeira, carinho e comidinhas gostosas, assim, ele entenderá que com a aproximação coisas boas acontecem.

O mesmo vale para acostumar o seu filhote a andar de carro. Quanto maior o número de situações apresentadas neste período, melhor o seu cão será quando adulto.

Lembre-se de que toda sociabilização de filhote tem de ser de uma maneira legal e positiva, pois, se o cão ficar assustado, pode se traumatizar e levar o trauma para o resto da vida.

Além disso, não se esqueça de consultar, antes de sociabilizar, o seu veterinário de confiança para que ele esteja ciente do que será feito com o pet.

Fonte:  Eu Amo Bicho (www.euamobicho.com)

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Agressividade em filhotes

dicas_interna-filhotes-agressivosA agressividade é um problema bastante comum entre os pets.  Muitos tutores desistem de ajudar o bichinho, sem ao menos buscar soluções para eliminar ou minimizar esse tipo de comportamento.

Apesar de grave, o problema tem solução. Nesses casos, o primeiro passo é identificar o que está motivando essa atitude no pet. “Fatores genéticos e hereditários podem desempenhar esse papel em relação ao comportamento”, explica Lucilene Cagiano, franqueada da Cão Cidadão.

Na maioria das vezes, há um motivo para esses comportamentos em cachorros ainda filhotes, porém, nada impede que a atitude se desenvolva espontaneamente também.

“Raças de proteção, como o Doberman, podem ser mais agressivas do que um Golden Retriever, por exemplo. A endogamia (acasalamento entre parentes) também pode desenvolver cães com comportamentos instáveis. Porém, independentemente de raça, idade ou sexo do animal, qualquer cachorro pode apresentar algum tipo de agressividade”, alerta a profissional.

Para evitar, o melhor remédio é prevenir. Mas como? Quanto mais positivo for o período de sociabilização do animal quando ele ainda for um filhote, menores serão as chances de ele se tornar agressivo.

No geral, os filhotes tendem a apresentar menos comportamentos agressivos do que os cães já adultos. Mas, se por ventura notar que o peludinho já demonstra que não será fácil de lidar, comece o quanto antes os treinos de sociabilização com ele.

A ajuda de um profissional certamente auxiliará na identificação do tipo de agressividade apresentada, bem como suas soluções para o caso em especial. O adestramento ajuda a trabalhar a liderança de forma positiva para que haja uma comunicação entre tutor e animal. Vale a pena investir na educação do pet e garantir um futuro bastante feliz ao lado dele!

Outros fatores que influenciam o comportamento agressivo

1. A separação de sua matilha muito cedo, ou seja, antes do prazo de 50 dias recomendados pelo veterinário.

2. Terem sido agredidos.

3. Predisposição para temperamentos mais dominantes.

4. Medo.

 

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Filhote de gato: como torná-lo um adulto dócil e sociável

Photo credit: mathias-erhart / Foter / CC BY-SA
Photo credit: mathias-erhart / Foter / CC BY-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

As primeiras semanas de vida são as que mais influenciam na definição do comportamento do gato. Desde como ele reagirá quando for acariciado até como se adaptará ao convívio com outros animais. Por isso, devemos aproveitar essa fase crítica do desenvolvimento para preparar bem o filhote para a vida adulta.

Sem controle total
Embora a fase da sociabilização tenha uma enorme influência no comportamento do filhote, não quer dizer que podemos controlar ou determinar o comportamento futuro do animal. Já vi proprietários de gatos anti-sociais se culparem por isso ou serem culpadas por amigos. Mesmo depois de uma boa sociabilização, alguns gatos tornam-se agressivos, medrosos ou desenvolvem ambos os comportamentos com outros animais e com pessoas.

Temperamento e personalidade
Numa mesma ninhada, alguns gatinhos são mais corajosos e extrovertidos que outros. As diferenças de temperamento são influenciados pela genética de cada exemplar. Por isso, quanto mais anti-social e medroso for o gatinho, mais importantes serão os procedimentos descritos a seguir. Esse raciocínio é válido também quando o filhote tem pais medrosos, agressivos ou anti-sociais.

Brincalhão quando filhote, medroso quando adulto
Muitos proprietários de um filhote sociável e desinibido deixam de sociabilizá-lo e de acostumá-lo a procedimentos e situações que enfrentará futuramente por causa do bom temperamento do gatinho. Mas muitos filhotes, principalmente quando não foram corretamente expostos a diversas situações, animais e pessoas, começam a ficar medrosos e cautelosos depois de saírem da infância.

Como sociabilizar
Apresente o seu gatinho de maneira agradável a diversas pessoas e animais. Evite qualquer desconforto ou susto durante essas interações. Por exemplo, procure brincar com o gato e alimentá-lo enquanto recebe visitas. Lembre-se que o filhote pode se assustar com pessoas, especialmente as crianças, e com animais que agem de maneira inesperada, o que pode resultar em trauma difícil de ser recuperado.

Importância das brincadeiras
Estudos demonstraram que brincadeiras aproximam o gato das pessoas. Brincar é, portanto, uma ferramenta importante para facilitar a interação. Mas brincadeiras feitas com o uso do próprio corpo podem estimular a agressividade do gato para com as pessoas. Por isso, ao brincar prefira fazê-lo com algum objeto. Em vez de estimular o felino a morder ou a caçar a sua mão ou pé, use um cordãozinho ou uma bolinha, por exemplo.

Procura por carinhos
Gatos acostumados a receber carinho nas primeiras semanas de vida tendem a procurar mais carinho quando adultos e a gostar de recebê-lo. É relativamente comum o gato ficar ansioso e atacar o proprietário depois de receber carinho por algum tempo. Uma maneira de evitar esse comportamento é acostumar o filhote a longas sessões de carinho. Se ele não for muito fã de afagos, procure acariciá-lo durante as refeições ou enquanto a estiver preparando. Outro momento propício é quando ele estiver acordando ou quase dormindo, pois a ansiedade estará bem baixa.

Pequenas restrições de movimento
Habituar o gato a ter uma parte do corpo imobilizada é importante para que ele venha a se comportar com naturalidade quando lhe dermos banho, cortarmos suas unhas e o escovarmos, por exemplo. Segure o gato firmemente, mas com muito cuidado para não provocar um trauma. Procure imobilizar gradativamente uma parte do corpo dele. Treine isso com freqüência, mas sem provocar grande desconforto. É importante fazer a restrição com firmeza e, se o gato tentar escapar, não soltá-lo enquanto esperneia, para evitar que aprenda a acabar com o desconforto dessa maneira.

Acostumar ao banho
Ensina-se o gato a tomar banho nas primeiras semanas de vida. Mas com muito cuidado para não transformar a experiência em trauma. Um erro clássico é tentar dar banho completo ao gato que nunca passou pelo processo antes. Se ele for contido por vários minutos contra a vontade, esfregado, enxaguado e secado, isso, além do pavor que a água é capaz de causar, pode fazê-lo associar o banho a algo odiável. O truque é acostumar o gato às fases do banho antes de dá-lo por completo, associando-as a coisas agradáveis, como brincadeiras e petiscos. Antes de molhar o felino, procure habituá-lo também com a toalha e o secador. Você não gostará de descobrir, no momento em que ele estiver encharcado, que entra em pânico quando o secador é ligado!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Importância do filhote de cachorro ficar até os 60 dias na ninhada

filhote_de_cachorro_cao_cidadao

Por Katia de Martino, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Você acabou de voltar de um criador e escolheu o seu filhote de estimação, que viverá por muitos anos, e não aguenta a ansiedade de querer levá-lo para casa. Mas, como ele está com apenas 45 dias, o criador não deixou que isso fosse feito. Disse que, antes dos 60 dias, ele não pode sair da ninhada. Ele está certíssimo e vamos saber o porquê.

Muitos criadores leigos ou irresponsáveis, devido à despesa com ração e trabalho de limpeza do canil, acabam liberando o filhote logo após o desmame, entre os 30 a 45 dias de vida. Essa liberação precoce acaba provocando problemas comportamentais, que o animal levará para o resto da vida dele.

Durante o contato com a matilha em que nasceu, o filhote começa a aprender aspectos sociais e psicológicos da sua espécie, isto é, ele aprende a ser cachorro – também chamado de imprinting canino, que começa entre o primeiro até o quarto mês de idade.

É nessa fase que o cão desenvolve sua personalidade, que começa a se comunicar com os irmãos e a se posicionar na hierarquia. Mostra as suas emoções, como medo, vontade de brincar etc. Sabe aquelas mordidas muito fortes? É nesse momento que tanto a mãe, como os irmãos não tolerarão.

A mãe tem um papel fundamental nessa fase também. Ela começa a estabelecer limites para os filhotes, como rejeitar o filho quando quer mamar e já está com os dentinhos bem pontiagudos; corrigir quando ele está latindo demais ou quando está muito longe da matilha, entre outras coisas.

Um filhote retirado precocemente da matilha, futuramente será um cão inseguro e ansioso, que não sabe se comunicar com outros cães. Por causa dessa falha de comunicação, ele não entenderá a linguagem corporal dos outros. Sabe aquele cão que rosna à toa para outros animais, crianças, idosos, ou seja, para tudo que é novo para ele? Pois é, com certeza esse é um cão que não foi sociabilizado na fase correta.

Portanto, se você quer ter um relacionamento saudável com o seu futuro cãozinho até o resto da vida dele, segure um pouco a sua ansiedade e procure visitá-lo a cada 15 dias no canil, até a hora certa de ele ir embora.

Fonte: Petz.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0