Como entreter o pet no home office

Fazer home office pode ser um desafio para quem tem um ou mais cães em casa. Afinal, a maioria dos pets está acostumada a ter a nossa presença por mais tempo aos finais de semana, quando podemos dar bastante atenção e carinho a eles. Dessa forma, é importante saber entretê-los durante o dia! Confira algumas ideias:

➡ Ofereça uma das refeições ou pequenos pedaços de petisco num brinquedo dispenser que estimule o peludo a correr, empurrar e usar as patas para conseguir o alimento.

➡ Da mesma forma, existem ainda tabuleiros inteligentes com compartimento para petiscos e tapetes de forrageamento para esconder comida nos retalhos de tecido.

➡ Mas não é preciso gastar muito com isso! É possível usar itens reciclados como garrafas plásticas, caixas de ovo/leite, rolinhos de papel, retalhos de camisetas velhas e até toalhas. Sempre lembrando de supervisionar o animal nas primeiras interações.

➡ Disponibilize itens para cães roerem e destruírem, como ossos de nylon ou naturais e caixas de papelão.

➡ Nos intervalos de descanso, faça uma caça ao tesouro: espalhe alguns petiscos pela casa e incentive o pet a usar o faro para procurá-los. Comece deixando bem óbvio e aos poucos vá escondendo de verdade. Depois que ele pegar o jeito, tente com um brinquedo também!

➡ Teste se o pet se interessa por alguns programas de TV. Músicas também funcionam! O enriquecimento ambiental visual e sonoro também é muito importante para eles.

➡ Faça cubos de gelos com pedaços de petiscos ou frutas liberadas pelo veterinário e ofereça em dias quentes! Se quiser fazer numa forma maior, fica ainda mais legal!

➡ Já para a hora de uma reunião, ofereça um brinquedo de borracha com recheio pastoso, pois o pet pode se deliciar numa caminha ao seu lado, sem fazer muito barulho. Para aumentar o tempo de diversão, congele o brinquedo antes!

Ensine seu cão a brincar de caça ao tesouro

Sempre falamos por aqui da importância de proporcionar atividades físicas e mentais para aumentar a qualidade de vida dos cães, não é mesmo?! E hoje, falaremos de uma brincadeira que estimula os pets das duas formas: a caça ao tesouro!

Essa simples atividade, além de divertir a família toda, ajuda o peludo a usar seus instintos naturais de faro e caça! E não são apenas os cachorros de determinadas raças que podem brincar, todos são capazes. Confira o passo a passo para ensiná-los:


➡ Escolha um local da casa sem objetos que quebrem ou ofereçam riscos ao animal.

➡ Peça o “fica” ao pet. Se ele não souber, peça para alguém segurá-lo ou prenda-o com uma coleira num ponto fixo ou atrás de um portãozinho pelo qual ele consiga te ver.


➡ Pegue alguns pedaços de petisco e os coloque, a princípio, em alguns locais bem à vista, como em cantos de parede, em cima do sofá ou perto da caminha.

➡ Use uma palavra de liberação como “procura” ou “ok” e incentive o peludo a ir atrás dos petiscos, apontando ou se posicionando perto deles.

➡ Cada vez que ele achar um pedacinho, elogie e dê carinho.

➡ Ao final da brincadeira, aumente a festa pra passar a mensagem que não há mais nada para procurar.

➡ Com a repetição e o uso de petiscos bem cheirosos, a tendência é que o cachorro passe a usar cada vez mais o faro e, assim, será possível realmente esconder os petiscos ou usar brinquedos no lugar deles.

Dicas para ensinar o cão a pegar o frisbee

Como sempre destacamos por aqui, a brincadeira é essencial para o desenvolvimento e bem-estar dos cães, ajudando a evitar problemas de comportamento e ainda estreitando o relacionamento com seus tutores.

Para quem tem pets mais agitados e atléticos (que costumam amar buscar bolinhas, por exemplo), o frisbee pode ser uma excelente forma de gastar a sua energia e, de quebra, proporcionar também um exercício divertido para a família toda! Confira a seguir algumas dicas:

➡ Comece com um frisbee mais maleável (como borracha) para evitar que o pet machuque a boca. Depois que ele estiver indo bem na captura, é possível trocar por um mais duro e resistente.

➡ Estimule o interesse do cão pelo objeto, fazendo movimentos divertidos e o incentivando a cheirar e pegar com a boca.

➡ Antes de iniciar a atividade, ensine o peludo a passar por trás das suas pernas, contornando-as, e se posicionar ao seu lado. Se precisar, use um petisco e insira um comando verbal como “por trás”.

➡ Depois, comece a brincadeira jogando o frisbee bem rente ao chão, para chamar atenção do cachorro e facilitar que o agarre.

➡ Peça ao pet o comando “por trás” e quando ele estiver chegando ao seu lado, jogue o frisbee numa altura razoável e vá aumentando aos poucos. Se sentir dificuldade, faça essa volta junto com o cachorro.

➡ Não se esqueça de elogiar e comemorar se ele conseguir pegar!

O que fazer quando meu pet não brinca?

Muitos tutores relatam que seus pets, mesmo os mais novos, não gostam de brincar. Mas será mesmo que eles não gostam ou simplesmente não foram estimulados da forma correta? A seguir, separamos algumas dicas de como encorajar o seu peludo a brincar:

➡ Escolha um local arejado, coberto e com piso que não escorrega para a hora da diversão.

➡ Descubra os horários em que o pet tem mais energia, geralmente perto da hora de comer e em momentos mais frescos.

➡ Entenda a funcionalidade de cada brinquedo. Por exemplo: dificilmente um cão vai brincar sozinho com uma bolinha ou dar atenção a um Kong se não estiver recheado.

➡ Teste brinquedos de várias texturas, funções e cores diferentes. Experimente também os com barulhos e feitos de embalagens recicladas.

➡ Da mesma forma, é importante testar brincadeiras variadas: perseguição, cabo-de-guerra, bolinha, caça ao tesouro…

➡ Torne a brincadeira (com brinquedo ou sem) mais interessante: faça movimentos variados, use palavras de incentivo, música…

➡ Experimente levá-lo para um cachorródromo ou convide um amigo peludo para a sua casa e coloque novamente as dicas em prática.

➡ Recompense bastante com elogios e carinho quando o pet engajar na brincadeira. Evite petiscos para não distraí-lo.

➡ Melhore a comunicação com seu peludo: treine comandos e observe mais sua linguagem corporal.

Cães destruidores. O que fazer?

dicas_interna-dstruicao

Por Maria Fernanda Modaneze, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Oferecer brincadeiras, passeios e atividades pode ser a solução. Confira!

Você tem aquele cãozinho adorável em casa, que é carinhoso, companheiro e brincalhão. Tão brincalhão, que até os móveis se tornam brinquedos. Será que é possível ter um cão destruidor e ainda manter os objetos inteiros?

Antes de mais nada, entenda que cães destruidores são animais que têm um alto nível de energia, então, eles precisam de entretenimento certo e saudável para suprir toda essa energia. Acompanhe as sete dicas que a profissional dá para manter os móveis intactos e fazer o seu melhor amigo feliz.

Passeios diários. Uma rotina de passeio é essencial para qualquer cão, mas para esses pets, em especial, é obrigatória.

Creches e passeadores. Outra opção são as creches, onde o cãozinho passa o dia brincando e interagindo com outros, o que colabora ainda com o seu desenvolvimento social. Os passeadores também são boas alternativas.

Brinquedos estimulantes. Brinquedos de diferentes formatos, cores e materiais são recomendados, mas somente se o cão não tiver o hábito de engolir.

Brinquedos artesanais. Para os que engolem pedaços, o ideal é oferecer brinquedos de nylon, coco verde vazio e papelão.

Promover o interesse. Fazer rodízio de brinquedos também é importante, ou seja, troque-os a cada dois dias evitando que o amigo peludo perca o interesse.

Interativos. Alimentar o cão com brinquedos interativos também ajuda, assim ele é estimulado física e mentalmente. Há brinquedos específicos em pet shops, mas também é possível fazê-los com garrafas pet, mantendo-as espalhadas ou penduradas pela casa.

Caça ao tesouro. Esconder ração e petiscos pela casa também é divertido, pois, além de promover a brincadeira de caça e deixar o pet entretido, ainda estimula a sua natureza.

É possível também usar nos móveis um spray inibidor, com um gosto nada agradável ao cão.
E lembre-se: para cada “não” que você falar, precisa ter um “sim”. Então, ofereça sempre opções de brincadeiras para o melhor amigo. Dessa forma, ele e toda a família serão muito felizes!

Fonte: Jornal A Tribuna de Santos

Ideias e brincadeiras refrescantes para o verão

dicas_interna-brincadeiras-verao

 

Por Thalita Galizia, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Quem tem um pet em casa sabe como é gostoso brincar com ele. Este momento é muito importante para estreitar ainda mais o vínculo entre tutor e animal, além de ser um motivo para o amigo gastar energia. No verão, nada mais gostoso do que brincadeiras que entretenham e refresquem o cãozinho.

Pegue um brinquedo que possa ser colocado no congelador, normalmente são aqueles de borracha ou plástico mais resistentes. Por exemplo, o Kong (ou similar), geladinho, recheado com ração úmida ou até mesmo com papinha de frutas (veja com o veterinário o que o cão pode comer) é diversão garantida. Seu cão vai adorar esse sorvetinho feito especialmente para ele!

Atividades aquáticas também são bastante interessantes. Mas para submeter o amigo a essas brincadeiras é preciso saber primeiro se ele é um animal confiante para interagir com água.

Uma piscina é um local legal e que vai gastar bastante energia do pet. Praias, lagos e trilhas em que são permitidas a entrada de cães, são boas opções para se aventurar com o peludo e conhecer lugares novos.

Mas lembre-se de sempre de respeitar os limites do bicho de estimação, além de mantê-lo bem hidratado.
Nunca faça exercícios em horários muito quentes, como no fim da manhã e/ou no começo da tarde. Além do calor, o animal pode sofrer lesões nas almofadas das patas.

Agora, é só aplicar as dicas e se divertir na companhia de seu melhor amigo!

Perdendo espaço

dicas_interna-perdendo-espaco

“O Fredericksen era filho único, mas há alguns meses adotamos a Meg que tem oito anos; ambos são Buldogues Ingleses. Depois de seis meses conosco ele começou a ficar agressivo: primeiro mordeu o meu marido e depois me agrediu três vezes (todas graves). Não sei mais como agir, pois estou em pânico. Meu marido passa a semana fora e fica só eu e os dois. Tudo é motivo para ele mudar o temperamento. Fiquei triste pelo fato de o veterinário ter falado que temos que bater nele e eu não concordo. Estou arrasada, pois com outras pessoas ele é amável. Por favor, o que devo fazer?”

Por Marina Marinho, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Oi, Luiza! Tudo bem?

O Fred começou a ficar agressivo depois da chegada da Meg, muito provavelmente porque perdeu o espaço que antes era só dele.

O cão, quando divide recursos (água, comida, carinho, atenção etc), geralmente acaba desenvolvendo uma certa defesa e, para se defender, ele ataca!

O ideal, nessa situação, é tentar entender qual o real gatilho para esses ataques. Geralmente a chegada de outro pet acaba desencadeando esse tipo de comportamento, então, é preciso fazer associação positiva com o Fred, entregando petiscos sempre que agir normalmente (sem ataques e, de preferência, na presença da Meg).

Mas para que isso aconteça com segurança é necessário o uso de uma guia e uma coleira e, preferencialmente, colocá-la em um ponto fixo para que ele não tenha sucesso de modo algum.

É preciso fazer treinos diários para que ele associe a presença de vocês a algo muito gostoso (petiscos são ideais).

Quando os ataques acontecem com frequência, podemos entender que o cão está tendo sucesso e isso faz com que a frequência desse comportamento aumente.

Portanto, a ajuda de um bom profissional é uma ótima opção.

Bater nunca é a melhor saída!

Ansiedade de separação: como lidar com cães que ficam sozinhos?

dicas_interna-ansiedade-de-separacao

 

* por Joilva Duarte, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Com a vida agitada que a maioria das pessoas leva, é cada vez mais comum os cães ficarem sozinhos em casa e desenvolver o que chamamos de ansiedade de separação.

Este problema pode ser percebido por meio de maus comportamentos apresentados pelo bichinho, como latidos excessivos, destruição de móveis e objetos, automutilação e apatia. Ou seja, estas são as formas que os cães encontram para lidar com o estresse causado pela ausência do dono e pela falta do que fazer durante o período sozinho.

Em primeiro lugar precisamos ter a consciência de que os cães não fazem isso para se vingar dos tutores durante sua ausência e sim para extrapolar um sentimento que para eles está sendo difícil de lidar: a solidão.

O que fazer?

Primeiramente, aumente a atividade física do bichinho antes de deixá-lo sozinho em casa. Você pode realizar com ele um passeio mais longo, com a intenção de que ele gaste bastante energia.

No mercado pet existe uma infinidade de brinquedos interativos que ajudam nesses momentos, mas o ideal é que você vá oferecendo e percebendo quais são as preferencias do seu pet.

Quando comprar um brinquedo novo ofereça para ele e fique elogiando enquanto ele interage. Nesse momento, faça pequenas separações. Por exemplo: se ele está com o brinquedo na sala, vá para outro cômodo, fique alguns minutos e volte. Depois, dê atenção sempre que ele estiver com o brinquedo para que assim ele entenda que este objeto é muito importante.

Descobriu quais brinquedos são os preferidos? Então, só deixe esses passatempos à disposição quando seu bichinho for ficar um período sozinho, assim, aquele brinquedo que para ele é muito legal passa a ser a distração principal na sua ausência. Os brinquedos que sempre estão disponíveis não são tão interessantes, então, o ideal é sempre fazer um rodizio para que sempre seja novidade.

Outro grande aliado para ajudar na distração de nossos pets são as creches, locais onde o bichinho fica por um ou dois dias da semana e interage com outros animais, além de gastar energia.

Em alguns casos extremos existe a necessidade de utilizar medicação, além dos treinos indicados. Então, o ideal é o acompanhamento de um médico veterinário e de um especialista.

Fonte: SP Norte.

Brinquedos contra estresse: torne o dia de seu pet mais divertido

dicas_interna-brinquedos-e-estresse

 

Por Ingred Rose, bióloga, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

A maioria dos pets costuma passar longos períodos em casa quando seus tutores saem para trabalhar. Alguns adquirem ansiedade de separação, que é o comportamento caracterizado pela necessidade de ter outro membro do grupo por perto. Devido a isso, acabam não conseguindo se distrair, podendo uivar e latir para chamar a atenção, além de destruírem objetos para extravasar o estresse.

Existem vários brinquedos interativos vendidos em pet shops para entreter o animal, o que não impede o tutor de fazê-los com suas próprias mãos.

Os brinquedos mais comuns para cães são a Petball – uma bola onde se coloca ração e o pet precisa rolá-la para que o grão caia – e o Kong – onde podem ser colocadas frutas amassadas ou congeladas, para que o amigo gaste a energia tentando retirá-las.

Pendurar cabos de guerra nas portas; petiscos planos dentro de papelões amarrados com barbante e escondidos pela casa para brincar de caça, garrafa pet furada com grãos de ração dentro, entre outros exemplos, certamente vão deixar o animal mais entretido.

Para gatos, os brinquedos mais comuns são: fitas e objetos com penas pendurados em uma maçaneta; bolinhas tipo ping-pong com penas; caixas de papelão empilhadas cheias de passagens entre elas e arranhadores. Cada pet terá sua preferência e, por isso, é importante descobri-la.

Para que o animal consiga focar nas atividades sadias na ausência de companhia, é essencial que as mesmas sejam apresentadas e estimuladas enquanto ele estiver acompanhado. A repetição dessas brincadeiras fará com que ele tenha interesse até mesmo sozinho. Passará a relacionar aquele momento com brincadeiras e comidinhas, retirando o foco do momento mais difícil: a saída de seu tutor.

Antes de distribuir os brinquedos, uma boa dica é deixá-los junto às roupas não lavadas de seus donos. Os passatempos vão se tornar muito mais atrativos por conter o cheiro de quem tanto amam.

Caso precise de ajuda, conte com um profissional em adestramento.

Fonte: Pet em Foco.

Falta de atividades e enriquecimento ambiental

dicas_interna-gasto-de-energia

 

“Saímos todos os dias para trabalhar e Rossi consequentemente fica só. Ainda que eu deixe muitos brinquedos que ele ama e petiscos pela casa não tem jeito: todos os dias encontramos a casa pelo avesso. Não sabemos mais o que fazer! Nossos móveis estão todos estragados. Nos ajudem!”

Por Camila Mello, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Liara, tudo bem? Invariavelmente atendemos casos de cães bagunceiros, assim como o Rossi. E quase sempre os relatos decorrem do fato de esses cães passarem boa parte do tempo sozinhos em casa.

Proporcionar a ele, nesses momentos em que fica sozinho, um ambiente bem enriquecido, com brinquedo e petiscos, é fundamental. Mas pode ser que ainda assim ele precise se cansar mais.

O Rossi é um cão jovem e precisa liberar a energia sempre que puder. Além disso, cães com ociosidade de atividade e sem companhia tendem a procurar algo para se distrair, e como obviamente não tem ninguém para frustrá-lo caso ele decida fazer alguma coisa errada, não distinguirá o que poderá ou não brincar. Nestes casos, o ideal é exercitá-lo antes de deixá-lo sozinho.

Podemos ainda substituir a forma com que o cão irá se alimentar: em vez de oferecer a refeição em sua vasilha convencional, ofereça ela em brinquedos que dispensam comida, ou até em uma garrafa Pet com alguns furos. Neste último caso, é preciso fazer um teste antes para certificar-se de que o Rossi não irá comer a garrafa plástica e engolir pedaços dela (o que é muito perigoso). Com o cão “caçando” a comida para poder saboreá-la, certamente gastará um pouco mais de energia acumulada.

Outro aspecto importante é treinar o cão para que ele procure sempre os seus brinquedos para se distrair, e não os móveis e objetos da casa. Por isso, é importante incentivá-lo a estar com seus passatempos e não deixar que ele brinque com objetos pessoais, móveis ou outras coisas da casa, ainda que você já considere este um objeto sem utilidade.

Durante este período, nos momentos em que ele estiver sozinho, aplique um spray veterinário de gosto amargo nos locais onde ele costuma roer ou bagunçar. Esses produtos podem ajudar a afastar o pet dos locais onde ele não pode se aproximar.

Não hesite em buscar ajuda de um de nossos profissionais caso tenha dificuldade de colocar essas dicas em prática!

Fonte: Portal do Dog.