Passeio com o pet pela primeira vez: dicas e cuidados

Photo credit: mrhayata / Foter / CC BY-SA
Photo credit: mrhayata / Foter / CC BY-SA

A hora do passeio para o seu cãozinho é a melhor parte do dia. Nada como ar fresco e uma voltinha divertida, na qual ele pode conhecer outros animais, sentir cheiros e texturas diferentes, ver lugares e pessoas novas.

Esse momento divertido é essencial para a saúde do seu pet. Além dos estímulos psicológicos, é uma maneira de manter o peludo saudável e exercitado, incentivando-o a gastar a energia acumulada durante as horas de descanso.

Se você acabou de adotar seu peludo e ainda não sabe a melhor forma de lidar com o passeio, é preciso compreender que alguns cuidados devem ser tomados. Confira as dicas!

Duração

Como diz o ditado, cada caso é um caso. Os cães de maior porte precisam de mais exercício e tempo de passeio do que os cachorrinhos menores.

Além disso, as peculiaridades de cada raça devem ser levadas em consideração. Um Beagle, que é uma raça que já foi utilizada como cão de caça, tem muito mais energia para gastar do que um Chow Chow, que era usado como um cão de guarda.

Por isso, é preciso considerar a raça, o temperamento e o porte do cão ao calcular a duração do passeio.

Idade

Se o seu novo cão é um filhote, é preciso tomar algumas precauções. Antes de levá-lo para passear, realize alguns treinos, para que ele se acostume e saiba o que pode ou não fazer. Para mais dicas sobre o assunto, confira este artigo.

Filhotes precisam de passeios mais curtos no início. Aumente esse tempo gradativamente, para que ele se acostume.

Cuidado com o período de vacinas! Consulte sempre o médico veterinário e saiba quando o pequeno já está liberado para das as voltinhas na rua.

Já os cães mais velhos não possuem tanto pique quando os filhotes, além da probabilidade de apresentarem problemas de saúde. Por isso, os passeios devem ser mais curtos e tranquilos.

Horário

O horário do passeio varia de acordo com o dia a dia do tutor, porém, é preciso ter em mente algumas coisas antes de sair com o seu cãozinho.

Em dias quentes, o seu cão pode queimar as patas no asfalto, ficar desidratado, entre outros. Por isso, dê preferência aos horários em que o sol esteja mais ameno, pois os animais também sofrem com o calor. Leve água fresca para mantê-lo sempre hidratado.

Regras

Apesar de o passeio ser um momento de lazer para o seu bichinho, ensine a ele que existem regras a serem seguidas.

Antes de sair, acostume o cão a ser contido com a coleira e a caminhar ao seu lado o tempo todo, acompanhando o seu ritmo, para que ele entenda que você está no comando.

Esse treinamento deve ser realizado dentro de casa, antes do passeio, assim o seu cachorro entenderá que não deve sair correndo por aí.

Equipamento

É muito importante que o dono tenha em mãos equipamentos nos quais ele pode confiar. É perigoso comprar guias ou coleiras que possam rasgar, pois o cão pode sair correndo e sofrer um acidente. Para evitar isso, procure adquirir produtos de qualidade, que sejam seguros tanto para o cão, quanto para você.

Depois, é só curtir com o pet! Bom passeio!

Dicas para participar de cãominhada

dicas-caominhada

O passeio é uma atividade que a maioria dos pets adora, pois é uma das melhores formas de interação entre ele e o dono, além de ser um momento em que ele exercita o corpo e a mente, sente cheiros diferentes e conhece outros animais. O ideal é que ela seja realizada todos os dias, pois proporciona uma rotina saudável e prazerosa para o cão.

As cãominhadas são ótimas pedidas tanto para os pets, que se divertem muito durante esses eventos, quanto para os donos. Se você nunca participou de um encontro como esse junto com o seu cãozinho e ficou com vontade de ver como é, no dia 4 de outubro, será realizada a 8ª Cãominhada de Santo André (SP) e a Cão Cidadão marcará presença, com profissionais para tirar dúvidas e dar dicas e orientações aos participantes. Quer saber mais? Clique aqui.

Para tornar a participação na cãominhada divertida tanto para donos, quanto para pets, listamos abaixo algumas orientações.

É a primeira vez?

“Se você estiver participando de uma cãominhada pela primeira vez, é importante levar os seus cães sempre de coleira, de preferência, com uma que seja confortável e confiável. A vacinação deve estar em dia também”, informa a adestradora da equipe Cão Cidadão, Egle Della Paschoa. “Além disso, você deve levar água para os cachorrinhos, saquinho para recolher fezes e, se o cão for agressivo, é muito importante usar a focinheira”, acrescenta.

Sociabilização

A caminhada em si é uma forma de melhorar a sociabilização do pet. “O passeio aprimora o desenvolvimento psicossocial, combate o estresse, faz bem para a saúde do pet, libera serotonina e ainda traz benefícios à saúde do dono também!”, comenta a adestradora.

Para os animais que não tiveram uma boa sociabilização, Egle orienta começar  o treinamento antes do evento, de preferência, com o auxílio de um adestrador. “Temos que analisar o nível de estresse que esse cão terá na cãominhada, pois uma exposição extrema de um animal que não foi bem sociabilizado, pode piorar o quadro de ansiedade e até causar agressividade”, explica.

Puxa demais a guia?

Infelizmente, alguns donos evitam participar desse tipo de evento porque seus cães puxam demais a guia ou ficam muito ansiosos, entre outros problemas de comportamento. Mas, com algumas dicas, paciência e treinamento, é possível mostrar ao bichinho o que espera dele. Falamos sobre problemas durante o passeio neste artigo. Confira!

E aí, quem vai participar da cãominhada em Santo André? Esperamos por vocês!

 

Por que a caixa de transporte é importante para os pets?

Photo credit: Bukowsky18 / Foter / CC BY-SA
Photo credit: Bukowsky18 / Foter / CC BY-SA

As caixas de transporte podem facilitar, e muito, a sua vida com o cão, principalmente durante viagens ou apenas nos passeios de carro do dia a dia.

Cães são animais de “toca”, por isso, se usada da maneira certa, a caixa de transporte pode ser um local onde o seu pet se sentirá seguro e protegido. Ela não deve ser uma tortura para o cãozinho, muito menos uma forma de castigo!

1º passo: escolhendo a caixa de transporte

É crucial que você escolha uma caixa que o seu bichinho se sinta confortável e que tenha espaço o bastante para que ele possa deitar, ficar de pé e virar.

2º passo: como acostumar meu cachorro a ficar dentro dela?

Quando você precisar viajar e tiver que levar o pet junto, a caixa de contenção será a sua melhor amiga. Para que ele não estranhe logo de cara, procure acostumar o cão com a toca no dia a dia.

Deixe-a aberta dentro de casa, para que ele possa entrar e sair dela quando quiser. Nunca o prenda lá, como forma de castigo. A caixa de transporte deve ser um lugar que ele associa com coisas boas.

Para fazer o pet se acostumar, procure deixar uma roupa com seu cheiro, para que o cão comece a se familiarizar com o local, deixe petiscos e brinquedos lá dentro, para que ele possa se entreter e aprenda a gostar de estar ali.

É importante reforçar que, no começo, você deve deixar a portinha aberta, para que o cão possa entrar e sair quando quiser. Aos poucos, comece a fechar a porta por alguns segundos e recompense o pet. Isso fará com que ele associe a contenção com algo gostoso. Quanto mais familiar e aconchegante a caixa parecer para ele, menos problemas o pet terá.

Para quem gosta de viajar ou anda de carro com o pet constantemente, é importante realizar esse treino com o pet, pois, a caixa de transporte é, acima de tudo, algo que mantém seu pet seguro e que evita acidentes durante as viagens.

Dicas

• Nunca associe a caixa de transporte a coisas ruins. Ela deve ser o local favorito do cão.
• A caixa deve ter o tamanho correto para que o pet possa deitar, levantar e virar, sem problema nenhum.
• Mantenha a caixa em um lugar arejado dentro de casa, de preferência próximo ao local onde tenha movimento dos moradores, pois o cão gosta de ficar perto de seu grupo e isso fará com que o pet se adapte mais facilmente à caixinha.
• Jamais deixe o cão preso por muito tempo, sem supervisão. Ele só deve ficar lá dentro pelo tempo da viagem e se for longa demais, procure fazer paradas para que o cão possa se aliviar e esticar as pernas.

Fonte: Livro Adestramento Inteligente, de Alexandre Rossi.

Problemas durante o passeio

Photo credit: akk_rus / Modern Furniture / CC BY
Photo credit: akk_rus / Modern Furniture / CC BY

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

O passeio é uma hora que o pet passa mais tempo com o dono, encontra outros animais na rua, sente o cheiro de muitas coisas diferentes e sons diferentes. Difícil o cachorro que não goste de um bom passeio. Mas, para todos curtirem esse momento tão bacana do dia, alguns cuidados são necessários.

Leve seu peludo para passear sempre de coleira e guia. Cachorro solto não é sinônimo de liberdade e sim de risco. Os cães podem se interessar por qualquer estímulo e ir atrás (seguir um passarinho, outro cão, algum conhecido), podem comer alguma coisa do chão, se aproximar de algum cão reativo correndo o risco de sair uma briga, enfim, os riscos não valem a pena. Existem parques com áreas para os cães ficarem soltos com segurança. A coleira deve sempre conter a plaquinha de identificação com o telefone de contato.

Uma reclamação constante dos tutores é que os cães puxam muito, mas esse comportamento pode ser corrigido com aulas de adestramento. Também existem algumas coleiras que podem ajudar a melhorar essa postura.

Outro comportamento que pode se tornar um problema são os cães reativos com outros cães ou pessoas, e isso não deve se tornar uma desculpa para sair menos ou deixar de sair com seu cachorro. Cães que latem ou são agressivos durante o passeio devem passar por um treinamento com reforço positivo, para que passem a ver os cães, pessoas ou qualquer outra coisa que o incomoda como algo agradável. Se esse é o seu caso, conte com o auxílio de um profissional especialista em comportamento.

Vale lembrar que o passeio deve ser feito no horário mais fresco do dia, pois o chão muito quente pode causar ferimento na pata do seu amigo e, principalmente, em raças de focinho curto. O horário de sol mais intenso pode causar problemas respiratórios.

Fonte: Mercearia do Animal.

Kit viagem: o que não pode faltar

Photo credit: rabiem22 / Foter / CC BY
Photo credit: rabiem22 / Foter / CC BY

O feriado está chegando e muitos donos vão viajar. Alguns deixam o pet com parentes, amigos ou até mesmo em hotéis para cães. Outros costumam levar o bichinho junto, para curtir com a família.

Mas, na hora da viagem, algumas dúvidas podem surgir: como fazer para transportar o animal em segurança? Quais são os itens que devo levar na mala do pet?

Se esse é o seu caso, separamos algumas dicas que podem ajudá-lo a ter uma viagem tranquila e feliz ao lado do amigo!

Itens que não podem faltar

Prepare também uma mala para seu cão. Além da água, ração e caminha, você pode incluir os brinquedos, a carteirinha de vacinação e sacolinhas para recolher as fezes. Sempre mantenha o seu animal com identificação e também na guia.

Transporte

Mantenha sempre o seu cãozinho preso por um cinto de segurança, próprio para cães, ou confortavelmente instalado em uma caixa de transporte. Dica importante: nunca deixe o seu pet solto dentro do carro, pois isso pode causar acidentes, tanto para você como para o bicho.

Paradas

Não se esqueça de fazer paradas estratégicas para não cansar o pet. Uma dica é realizá-las a cada duas horas, para que o cão fique confortável. Assim, ele poderá se aliviar, esticar um pouco as perninhas e beber água. Se estiver muito quente, em cada parada, vale molhar uma toalha em água fria, para refrescar o cão dentro do carro.

Boa viagem!

Problemas durante o passeio

passeio

O seu cãozinho é do tipo que não pode sair de casa que já começa a te puxar? Ele late para todos os cães, corre e te puxa para cima e para baixo? Bom, se o seu pet demonstra alguns problemas durante o passeio, fique tranquilo, certamente ele não é o único. Com algumas dicas, você conseguirá melhorar bastante esse comportamento e o passeio ficará cada vez mais prazeroso.

Quando o cão puxa no passeio

É preciso entender sempre que o passeio começa em casa. Se o seu cão fica muito agitado ao ver você pegando a guia, espere que ele se acalme para, então, colocar a coleira.

Pedir o comando senta é muito útil também. Tente sempre fazer todos os procedimentos com muita calma e tempo: colocar a guia, passar entre as portas e portão de saída. Com isso, seu cão vai ficar cada vez menos ansioso nessas etapas. Deixando, assim, o passeio mais tranquilo.

Ao sair na rua

Toda vez que ele te puxar, tente mudar de direção sem que ele veja, fazendo um zigue-zague. Isso faz com que ele fique mais atento a você e perceba que é você quem o está conduzindo.

Utilizar um brinquedo ou um petisco para fazer com que o cão siga esse estímulo, também é uma opção para ele não puxar. Sempre que o seu peludo estiver ao lado, fale a palavra “junto”, mas se lembre de falar o comando só quando ele estiver andando corretamente. Muitas pessoas ficam falando “junto” quando o cão está lá na frente, mas eles não entendem e acham que estão agindo da forma correta.

Quando o cão não quer andar na rua

Leve um petisco que o cão goste muito e só dê a ele na rua. Isso associa a rua a algo positivo. Chame o cão e o recompense enquanto estiver andando. Parou de andar? Estimule-o a caminhar e o recompense quando ele estiver andando novamente.

Confira aqui mais dicas para ter um passeio tranquilo.

Dia Mundial da Saúde: pets também precisam de cuidados

Photo credit: Magnus Bråth / Foter / CC BY
Photo credit: Magnus Bråth / Foter / CC BY

No dia 7 de abril, comemora-se o Dia Mundial da Saúde. Assim como os humanos, os cães também precisam ter uma alimentação saudável e uma rotina de exercícios físicos para manter o bem-estar lá em cima.

Se o seu pet for daqueles que comem sem parar, é importante que você comece a equilibrar essa balança. O primeiro passo é manter uma rotina de visitas ao veterinário, para avaliar se a saúde dele está certinha.

Segundo, dê sempre a quantidade certa de alimento ao animal – aquela indicada na embalagem da ração! A qualidade do produto também não deve ser esquecida.

Outro ponto importante é não dar alimentos de humanos para os bichinhos! Muitos cães desenvolvem o hábito de “pedir” comida: basta sentir um cheirinho diferente que ele encosta no dono e que provar também a guloseima. Resista! Além de contribuir para a obesidade dele, alguns alimentos podem fazer muito mal aos pets.

Exercícios e brincadeiras também não podem faltar. Invista em enriquecimento ambiental e passeios. Fará bem para o amigo e, também, para o dono!

Cães que puxam durante o passeio

caes-que-puxam

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Para alguns tutores, passear com o cão chega a ser um sacrifício, principalmente, para aqueles que têm cães que puxam durante o passeio. Neste caso, a atividade se torna cansativa e a solução encontrada por algumas pessoas é deixar de passear com o cão. Essa escolha deixa o peludo mais ansioso e, quando ele voltar a passear, puxará ainda mais, já que aquela atividade já não faz parte da rotina.

O passeio pode e deve ser um momento agradável para todos. E, sim, é possível mudar esse comportamento independentemente da idade do seu cão. Hoje, o mercado pet tem uma variedade de coleiras que podem ajudar nesse treino. Um desses modelos é o “peitoral de engate frontal” ou “peitoral de treinamento”, que tem o engate para a guia localizado na parte da frente da coleira, no peito do cão, e ele tem a função de frustrar a tentativa de ele de puxar.

Existe também a “coleira cabresto” ou “coleira de cabeça”, que controla a direção do cachorro – ela é, muitas vezes, confundida com uma focinheira, mas ela não tem esse intuito, a função dela é guiar o cão. Ambos os equipamentos auxiliam no treinamento, mas algumas ações também são necessárias, por exemplo, utilizar a técnica do zigue-zague, que é mudar de direção quando o seu cachorro puxa, e só continuar a caminhada quando ele estiver com a guia frouxa.

Induzir o cachorro utilizando um brinquedo ou um petisco, e fazer com que ele siga esse estímulo, também é uma opção para ele não puxar. Sempre que o seu peludo estiver ao lado, fale a palavra “junto”, mas lembre de falar o comando só quando ele estiver andando corretamente. Muitas pessoas ficam falando “junto” quando o cão está lá na frente, mas eles não entendem e acham que estão agindo da forma correta.

Utilizando essas técnicas e esses acessórios, é possível ter um passeio agradável com o seu amigão. Se você tiver dificuldade ou dúvida, não hesite em procurar auxílio de um profissional, e não deixe de oferecer essa importante atividade ao seu cachorro.

Fonte

Brinquedo é coisa séria!

blog-autor-oliver-taguada-so

brinquedo
Photo credit: valentinastorti / Foter / CC BY

Morder, roer, rasgar, farejar, procurar, descobrir, arranhar, caçar e perseguir. Esses comportamentos são naturais em cães, gatos e outros animais que costumamos ter em casa. E, como todo comportamento natural, os bichinhos sentem necessidade de agir dessas formas. O papel de cada tutor é oferecer maneiras de suprir estas necessidades, sem que o animal machuque as pessoas ou a si próprio e sem estragar os objetos da casa.

É aí que entram os brinquedos. Eles podem oferecer muitos estímulos físicos e mentais para que os pets tenham seus comportamentos naturais, mas de forma direcionada para objetos que são específicos para essa finalidade.

Os brinquedos são tão importantes que muitos animais podem desenvolver problemas comportamentais pela falta deles. Então, nós devemos oferecer esses estímulos para animais de todas as idades!

Confira quais são os cuidados fundamentais antes de oferecer brinquedos ao seu pet:

– Identifique as características da espécie e raça, além das limitações e gostos individuais do seu bichinho.

– Um animal que não brinca precisa ser estimulado por nós. Ele passa a valorizar o brinquedo e essa forma de interação.

– Escolha brinquedos com características diferentes para ter uma variedade maior de estímulos.

– Pesquise sobre a marca, a qualidade e as opiniões de profissionais especializados em comportamento animal sobre o brinquedo.

– Existem formas mais econômicas de produzir um brinquedo. Você pode usar garrafas pet, caixas de papelão, cordas etc. Mas é preciso muito cuidado e supervisão para não oferecer algo que o animal possa engolir ou se machucar.

– Faça um rodízio de brinquedos. Tenha uma quantidade que você consiga deixar seu animal com alguns e outros fiquem guardados. Então, com o passar dos dias, vá substituindo para ter sempre novidade para o bichinho.

– Se você tem mais de um animal em casa, tome cuidado para não haver disputas pelos brinquedos. Você pode amarrar brinquedos em pontos fixos separados para que nenhum dos pets tome posse deles. Se o caso for complicado, conte com a ajuda de um profissional.

Estimule seu bichinho com brinquedos. Eles são essenciais e acabam se tornando excelentes ferramentas para educar, entreter, estimular a mente, gastar energia e manter seu bichinho saudável. Então, boa brincadeira!

Vai viajar? Confira o checklist para levar seu pet com tranquilidade!

viajar
Photo credit: visual.dichotomy / Foter / CC BY

Começo de ano e muitas pessoas aproveitam o período para tirar férias e viajar. Revisar o carro e arrumar as malas são alguns dos procedimentos comuns antes da viagem. Para quem vai levar o pet junto, é importante verificar com antecedência os itens que o peludo precisará. Alguns objetos para a segurança e bem-estar dos pets não podem faltar. Que tal conferir se tudo está correto?

Checklist de viagem:       

  • Ração
  • Água
  • Coleira
  • Guia
  • Saquinho para recolher as fezes
  • Carteirinha de vacinação
  • Brinquedos do pet
  • Cinto de segurança para o carro ou caixa de transporte

Arrume a “malinha” de seu pet e tenha uma ótima viagem!