Como distrair os pets

Photo credit: vwynx / Foter / CC BY-ND
Photo credit: vwynx / Foter / CC BY-ND

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Temos nosso tempo cada vez mais restrito. Saímos cedo e voltamos tarde para casa, e os pets ficam, na maior parte do tempo, sozinhos.

Muitos destroem móveis e objetos na procura de uma atividade e, em alguns casos, por conta dessa bagunça, ficam presos para evitar a destruição.

Mas, antes de dizer que o seu amigo é um bagunceiro, ou que ele faz isso como um protesto por você ter saído, coloque-se por um instante no lugar dele. É como deixar a nossa vida com pouco contato social, sem internet, telefone, TV, livros, trabalho ou qualquer coisa que nos distraia. Chato, né?

Então, é assim que muitos animais se sentem e, por conta disso, acabam criando as próprias brincadeiras, que podem terminar em destruir um sofá, rasgar as revistas, roubar roupas do cesto, entre outras traquinagens.

É possível proporcionar exercícios e entretenimento para eles, mesmo quando estão sozinhos. Uma caminhada, por exemplo, é muito importante. O passeio não é só uma atividade física para os pets. Além de gastar energia andando, o fato de cheirar tudo, ouvir sons e pisar em diferentes texturas, encontrar pessoas e outros cães faz com que eles se estimulem de diversas formas.

Para quem tem pouco tempo e não consegue caminhar, uma opção seria contar com um passeador, mas não deixe de proporcionar essa atividade aos cães. Alguns gatos também gostam de passear, mas sempre com segurança. Vale lembrar que, independentemente de qual pet você tenha, leve-o para passear sempre na guia.

Enriquecimento ambiental é mais uma forma de oferecer atividades para eles quando você não está em casa. Nos pet shops existem diversas opções de brinquedos que dispensam comida. Substituir o pote de ração por brinquedos inteligentes, além de ser muito mais divertido, entreter e gastar energia deles, também é um estímulo mental que contribui para a inteligência deles. Esses brinquedos também podem ser feitos com garrafas pet e caixas de papelão. É só colocar a ração dentro e fazer pequenos furinhos (do tamanho do grão da ração), para que caia aos poucos e ele brinque de caçar os grãos pela casa.

Para os gatos, fitas e brinquedos com penas podem ser pendurados em uma maçaneta, para que balancem, despertando o interesse do bichano.

Treinar comandos também é mais uma forma de proporcionar atividades aos nossos mascotes.

Fonte:  PetShop Magazine.

Projeto Matilha ganha destaque na mídia

Foto: Rafael Alvarenga

A Cão Cidadão tem como missão contribuir para melhorar a integração do pet na família e na sociedade, por meio da educação. Em função disso, apoia projetos que incentivem o bem-estar e o relacionamento saudável entre humanos e animais.

Como é o caso do Projeto Matilha, iniciativa criada pelo Centro de Referência de Assistência Social de Barueri, em parceria com a Secretaria de Promoção Social do município.

Com o suporte da Cão Cidadão, o Projeto Matilha ensina jovens de 11 a 13 anos, moradores da região de Barueri, noções de adestramento. A ação noticiada recentemente em duas publicações: no jornal Diário da Região e no Diário Oficial da cidade, o que deu mais visibilidade e força para a iniciativa.

Como funciona

O Projeto Matilha teve início no ano passado e já está em sua segunda turma. Atualmente, 19 jovens participam da iniciativa e recebem, uma vez por semana, aulas sobre cuidados com os cães e algumas noções de adestramento.

Essas orientações são passadas pelo adestrador da equipe Cão Cidadão, Rafael Araújo. “Falamos sobre o que o cão pode ou não comer, como prevenir e controlar pulgas e carrapatos, e comentamos sobre alguns problemas comportamentais, como latir demais e fazer xixi fora do lugar. Cada dia abordamos um tema”, informou Araújo em entrevista ao jornal Diário da Região.

Além do adestramento, outras atividades são oferecidas aos participantes, como aulas de música, artes marciais, agility, entre outras ações.

Confira aqui a matéria completa sobre o Projeto Matilha, publicada no jornal Diário da Região.

 

Como os cães enxergam?

Photo credit: gfairchild / Source / CC BY
Photo credit: gfairchild / Source / CC BY

Você sabia que, diferentemente do que a maioria das pessoas imagina, os cães não enxergam apenas em preto e branco. Eles conseguem, sim, enxergar as cores, só que não sabem diferenciar algumas, como o verde do amarelo, laranja ou vermelho. Para eles, é tudo a mesma coisa.

Por isso, entender como o seu cão enxerga ajuda a compreender melhor o mundo dele e a natureza do seu bichinho. Por exemplo, para o cãozinho é muito mais fácil achar alguém em movimento. Ele também consegue enxergar no escuro com mais facilidade do que os humanos.

Como eles enxergam as cores?

De acordo com o especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, os cães enxergam menos cores do que os humanos. “Eles têm dificuldade em diferenciar as cores laranja, amarelo, verde e vermelho. Mas conseguem diferenciar o azul do amarelo, por exemplo.

Por isso, se você comprar uma bolinha azul para brincar na grama, será mais fácil de ele enxergá-la, do que se fosse uma bolinha vermelha – já que eles não diferenciam com facilidade a cor vermelha da verde.”

Que tal conferir mais algumas dicas sobre esse assunto? Saiba mais sobre a visão canina.

Como introduzir corretamente um novo gato na família

Photo credit: Moyan_Brenn / Foter / CC BY
Photo credit: Moyan_Brenn / Foter / CC BY

Por Cassia Rabelo Cardoso dos Santos, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

O sucesso de uma convivência tranquila e equilibrada com um gato que será trazido para casa depende bastante de como será feita essa introdução. Isso porque os gatos são animais reservados, para os quais o controle do território importa bastante no seu bem-estar geral.

Dessa forma, é importante introduzi-lo adequadamente na casa nova, levando em conta todas as situações: se já há gatos ou cães no ambiente.

Apresentando o gato a um cão

A dica mais importante sobre a introdução de um gato em uma casa onde já resida um cão é tornar a experiência positiva para ambos. Um cão que nunca teve contato com felinos pode ter despertado seu instituto predatório ao se deparar com um bichano correndo a sua frente. E isso seria muito estressante para o gato!

Se for o caso de introduzir um cão em uma casa onde já tenha um gato, ou vice-versa, o ideal é fazer a aproximação de forma gradual, sem estresse excessivo para nenhum dos dois. É conveniente que o bichano seja mantido dentro de uma caixa de transporte (a qual já esteja acostumado), e o cão, contido na guia.

Utilizar petiscos que o cão e o gato gostem bastante vai ajudar nessa fase, para que sejam feitas associações positivas da presença do outro e, também, para que seja possível perceber se algum deles está ansioso demais – a falta de apetite pode indicar que o estímulo está muito alto e gerando desconforto, ou seja, a distância entre os dois deve ser aumentada.

A caixa de transporte só deve começar a ficar aberta quando ambos, cão e gato, demonstrarem já estarem habituados à presença do outro. Nessa fase, ainda é importante manter o cão na guia, para que seja mantida a segurança, ou seja, evitar perseguições ao gato. Ambos devem ser bastante recompensados quando estiverem calmos e demonstrando tranquilidade na presença do outro.

Esse treinamento pode demorar, ou não. Tudo depende das reações tanto do gato quanto do cão. O importante é sempre prezar pelo bem-estar de ambos e se certificar de que a situação não está estressante demais. Os dois só devem ser deixados livres para circular quando não houver sinais de estresse ou tentativas de ataques mútuos.

Trazendo um gato para uma casa que já tem gatos

Os gatos são capazes de uma ótima convivência com outros gatos, mas a introdução de um novo membro ao grupo pode ser estressante, caso os felinos se sintam desconfortáveis, podendo até ocorrer ataques.

Antes de apresentá-los, o ideal é deixar o novo gatinho em um cômodo da casa sem acesso aos demais, para que ele se habitue com os sons e objetos do novo ambiente. É importante disponibilizar água, comida e caixa de areia para todos.

Acostumar-se ao odor dos outros animais é um passo importante na habituação, já que os odores são muito importantes para eles. Assim, durante esse estágio, deve-se esfregar regularmente cada um dos gatos com uma flanela e deixar esses paninhos embaixo do pratinho de comida do outro gato, para que eles já associem o cheiro dos demais com algo prazeroso (a hora de comer). A utilização de feromônios sintetizados artificialmente pode ser muito eficaz no processo de habituação de um novo gato ao ambiente.

Quando perceber que o gato (ou gatos) que já morava na casa está apresentando seu comportamento normal e se mostrando curioso e confortável em relação aos sons do novo gato, é hora de aproximá-los. Antes disso, seria interessante trocá-los algumas vezes de cômodo: ainda sem se verem, deixar o gato mais antigo no quarto do novo habitante, para que ele explore todos os cheiros deixados, e fazer o mesmo com o novo gato, deixando-o livre para explorar os demais cômodos da casa.

A aproximação efetiva pode ser feita por uma fresta da porta ou mesmo através de um portão telado, para que eles se vejam, mas ainda sem conseguirem se tocar.

Outra opção é usar caixas de transporte, colocadas perto uma da outra, para que os gatos possam se ver. Deve-se sempre avaliar o nível de estresse e insegurança dos gatos: se constatado que o estímulo está alto demais e algum deles não está se sentindo confortável, deve-se recuar. Utilizar ração úmida para gatos é uma boa opção para uma associação positiva entre eles. Lembrando que, caso um dos gatos não aceite o petisco apetitoso, significa que ele não está ainda confortável com a situação.

Só se deve soltá-los no mesmo ambiente quando todas as etapas acima foram seguidas e tiver sido constatado que todos estão confortáveis. A utilização de coleiras peitorais, próprias para gatos (desde que já estejam habituados ao uso desse acessório), ajuda, e muito, no controle em caso de ataques.

Para que a convivência seja harmoniosa, é importante para os gatos que eles se sintam seguros e no controle das fontes de sobrevivência (caixas de areia, água e comida). Isso fará com que eles não tenham necessidade de manter o controle forçado sobre essas fontes, muitas vezes usando de agressividade.

Por isso, no que diz respeito às caixas de areia, o ideal é oferecer, no mínimo, uma caixa a mais do que o número de gatos da casa, e deixá-las à disposição em locais estratégicos e longe uma das outras, preferencialmente em lugares onde se perceba que cada um dos gatos prefere se aliviar. Além disso, vários potes de água fresca e/ou fontes de água, locais tranquilos para cada um se alimentar, prateleiras para que possam escalar e fugir, e esconderijos onde possam ficar quando assim desejarem.

Com todos esses cuidados, a tendência é que a introdução de um novo gatinho seja um sucesso, e animais e seres humanos possam viver em harmonia daí para frente!

Fonte: BitCão.

Bicho de estimação de presente: o que é preciso saber

Crédito da foto: https://www.flickr.com/photos/68397968@N07/11179459385
Crédito da foto: https://www.flickr.com/photos/68397968@N07/11179459385

Uma pesquisa divulgada pela COMAC com 1.204 donos de cães e gatos, de oito cidades do país, apontou um dado curioso: 37,5% dos tutores de cães entrevistados disseram que ganharam o animal de presente.

Antes de tomar a decisão de presentear alguém com um pet, é importante saber que esse “mimo” envolve muitas responsabilidades. Não estamos falando de um objeto, mas sim de uma vida, que precisará de alimentação adequada, cuidados médicos e muito carinho.

“É importante lembrar que os pets precisam de cuidados, atenção e tutores responsáveis durante toda a sua vida”, reforça Oliver So, adestrador da Cão Cidadão.

Dessa forma, essa decisão não deve ser tomada por impulso. É preciso, antes de tudo, analisar cuidadosamente essa escolha, pois é imprescindível que todos estejam de acordo e queiram cuidar do bichinho.

Veja, a seguir, algumas questões que devem ser consideradas antes de tomar a decisão:

– Qual a espécie de pet se encaixa no estilo de vida do presenteado?

– Quantos anos, em média, vive esse pet?

– Quem ficará responsável pelo animal tem condições de cuidar dele? (Atenção: a responsabilidade de cuidar de um –pet nunca deve ser dada a uma criança)

– Quais os cuidados básicos necessários (alimentação, saúde, higiene, atividade física e mental)?

– Qual o gasto médio mensal?

O novo lar é adequado para receber esse bichinho? Ou é necessário fazer alguma mudança?

A ideia de ter um pet, uma companhia em casa é ótima, certo? Mas, muito além disso, é importante pensar no bem-estar de todos, principalmente no do animal – da hora que ele chega em casa, até o fim da vida do bichinho. Por isso, se você está pensando em presentear alguém com um animal de estimação, pense muito!

Saiba como lidar com seu cão bagunceiro

Photo credit: gomagoti / Foter / CC BY-SA
Photo credit: gomagoti / Foter / CC BY-SA

Se você tem um cachorrinho bagunceiro em casa e não sabe o que fazer para acalmar os ânimos dele, é importante se atentar aos hábitos que possam ajudar na mudança de comportamento.

Segundo o especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, para lidar com a ansiedade do bichinho, você deve tirar do alcance dele objetos que atraiam a atenção e que, eventualmente, possam ter seu cheiro. Isso deve ser feito principalmente na fase em que eles são filhotes e ainda estão aprendendo as coisas.

Em contrapartida, você deve deixar o seu cheiro nos brinquedos, para que ele morda esses objetos quando se sentir carente. É importante também que ele tenha uma ampla variedade de brinquedos, para prender a atenção por mais tempo. Tudo isso fará com que ele se sinta mais próximo de você e se esqueça da decoração da casa.

Quando você estiver em casa, aproveite o tempo livre para brincar com seu pet e também faça passeios mais frequentes. Assim, isso fará com que ele aprenda a se divertir sozinho, quando você não estiver por perto.

Quando ele estiver com um objeto proibido, ignore a ação e nunca corra atrás dele por causa disso. Se fizer isso, ele pode entender que esse é um comportamento adequado e repetir esse comportamento errado mais vezes, para obter a sua atenção.

Assista o vídeo “O bagunceiro” e confira outras dicas.

Xixi no lugar certo é possível?

xixi

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

O xixi no lugar certo é uma das maiores reclamações dos donos de pets. E sim, é possível que eles aprendam e utilizem apenas um espaço para fazer as necessidades.

Muitas pessoas preferem e acreditam que o ideal é que o cachorro só faça xixi na rua, mas, na prática, não imaginam o quanto de dor de cabeça esse hábito pode ter: mesmo em dias de muita chuva os donos precisam sair, quando os tutores têm algum compromisso precisam passar em casa antes para levar o cachorro para fazer xixi, uma esticadinha depois do trabalho, para sair com os amigos, não é possível sem antes levar o pet para um passeio. Então, o ideal é que ele tenha um espaço em casa em que possa fazer as necessidades também.

O local ideal para preparar esse banheirinho é longe da comida, da água, da caminha e dos brinquedos dele. Os cães têm, por hábito, se afastar de onde comem, dormem e brincam para fazer xixi. Muitas pessoas acabam deixando tudo perto, como forma de facilitar para o cão saber onde estão as coisas dele, mas não é o ideal.

É sempre indicado usar alguma superfície que o cão identifique como sendo o banheiro. Pode ser o tapete higiênico, jornal ou grama sintética. Esse local deve estar sempre disponível para eles, por isso, cuidado para não fechar a porta ou manter o banheirinho em lugares muito barulhentos ou que sejam passagens frequentes de pessoas.

Machos gostam de levantar a pata, então, um cone ou o tapete higiênico preso pela lateral na parede ajudam a evitar erros.

Nunca dê bronca no seu cão caso ele faça as necessidades em um local errado, principalmente se for um filhote, pois o motivo do erro pode ser porque ele não sabe qual é o lugar certo e não um protesto contra você. Ensine-o com paciência e, se precisar, conte com o auxílio de um profissional de adestramento.

Escovando os dentes do pet

Photo credit: fazen / Foter / CC BY
Photo credit: fazen / Foter / CC BY

Infelizmente, muitas pessoas não dão a mínima importância à saúde oral do pet. Entretanto, é preciso ficar esperto, pois, assim como nos seres humanos, muitas doenças como problemas cardíacos podem estar ligados diretamente a uma má higienização dos dentes.

Como realizar esse procedimento?

Antes de mais nada, para realizar a escovação, é preciso de alguns acessórios específicos. E quais são eles?

– A pasta de dente tem que ser produzida especialmente para eles.
– Não utilize o produto de uso humano
– Também fica mais fácil escovar os dentes dos cães com uma “dedeira” de borracha.

Mas, será que é mesmo necessário escovar os dentes dos cães? Sim! Além da escovação melhorar o hálito do peludo, ela previne o tártaro, que contém muitas bactérias que podem causar sérios problemas de saúde ao seu amigo!

Como acostumá-lo?

Primeiro, é preciso escolher uma pasta que seja do agrado do seu cão. As pastas específicas têm vários sabores, como carne, chocolate, menta, morango, entre outras. Se ele achar o sabor agradável, será muito mais fácil e gostoso escovar os dentes.

Nos primeiros dias, coloque a pasta no dedo e deixe o pet lamber. Depois de algumas repetições, coloque a pasta no dedo e comece a fazer uma massagem com movimentos circulares na gengiva do animal. Após alguns dias, coloque a dedeira e, com muita paciência, faça o mesmo movimento. Tome cuidado para não machucar o bichinho.

Agressividade é tema de palestra da Cão Cidadão

Photo credit: AndyMcLemore / Foter / CC BY-SA
Photo credit: AndyMcLemore / Foter / CC BY-SA

O seu cão começou a apresentar comportamentos agressivos e você já não sabe mais o que fazer? Não pode nem pensar em chegar perto, que ele já começa a rosnar e a tentar avançar em você?

Calma, a Cão Cidadão pode te ajudar a melhorar esse comportamento! Hoje, 14 de março, a equipe de adestradores da da empresa fará uma palestra gratuita sobre tema “Agressividade” na Pet Center Marginal, em São Paulo.

O evento começa às 17h e, para participar, não é necessário se inscrever previamente, basta comparecer ao local, no horário programado.

Participe e tire todas as suas dúvidas sobre o tema!

Quer compreender melhor a agressividade? Confira aqui o que já escrevemos sobre o tema!

Mais informações sobre a palestra em Agenda.

Gravidez psicológica: como identificar?

gravidez-psicologica Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

A gravidez psicológica ou pseudociese é o nome dado ao comportamento quando as fêmeas agem como se estivessem esperando filhotinhos. A pseudociese é uma falsa gestação e pode acontecer com as gatas também.

Normalmente, manifesta-se em torno de dois meses depois do cio. Alguns dos sinais que sua cachorrinha ou gatinha está passando por uma gravidez psicológica são: aumento das mamas, buscar panos, toalhas ou roupas e montar um “ninho”, levar para esse local alguns brinquedos e objetos como se fossem filhotinhos, ela pode adotar também os outros animais da casa, ter perda de apetite e alteração no comportamento, chegando a ficar agressiva com os próprios donos.

Esses sintomas são diferentes em cada animal, e elas podem apresentar um ou mais sintomas e com intensidade diferente. Para realmente ter certeza de que a fêmea está com gravidez psicológica, não deixe de conversar com o médico-veterinário. Somente um profissional poderá confirmar e indicar o que deve ser feito.

Apesar de ser um problema relativamente comum, não é aconselhável que a fêmea passe por isso muitas vezes ao longo da vida, pois esse comportamento é estressante e pode desencadear outras doenças, como mastite.

O tratamento mais recomendado é a castração, somente com ela a produção de prolactina será interrompida – hormônio responsável tanto pela pseudociese, quanto pela gravidez verdadeira.

Se a fêmea já está com esses sintomas, aguarde esse período passar, respeitando o espaço dela e continue com a rotina habitual, os passeios, o horário da alimentação, etc. Mas, se ela se recusar, respeite.