Coronavírus (Covid-19) e pets: o que você precisa saber

Coronavírus (Covid-19) e pets: o que você precisa saber

Com a pandemia do novo coronavírus, muita gente está preocupada em como isso afeta os hábitos com os pets. Confira as respostas para as perguntas mais frequentes.

Nos últimos dias não houve quem não tivesse a rotina alterada em função do avanço do novo coronavírus (Covid-19), inclusive já com casos de transmissão comunitária no Brasil. Tendo em vista a preocupação geral sobre o tema, trazemos este artigo para esclarecer algumas das principais dúvidas levantadas até agora, indicar as orientações de acordo com o atual cenário e reforçar que estamos acompanhando as pesquisas e novidades das autoridades de saúde a respeito do tema, uma vez que o vírus é novo e muitas investigações ainda estão em andamento.

Vale ressaltar que a Cão Cidadão segue as diretrizes de instituições de referência para o meio veterinário, tais como a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a World Small Animal Veterinary Association (WSAVA).

Cachorros e gatos podem transmitir o novo coronavírus?

Até o momento, não há evidências de transmissão do Covid-19 por cães e gatos nem para humanos, nem para a própria espécie. Houve um caso em Hong Kong de um cachorro com material genético do vírus que faleceu. No entanto, a Organização Mundial de Saúde aponta que não há evidência que sustente que pets transmitam o vírus ou mesmo fiquem doentes em função dele.

Vale lembrar que a família do coronavírus é imensa e que os tipos de vírus que afetam a saúde de cães e de gatos não têm nenhuma relação com o tipo de vírus que está causando essa pandemia.

Se eu estiver contaminado ou com sintomas de gripe, posso ter contato com meus pets?

A orientação nesses casos é para evitar ao máximo o contato direto com os pets por medida de segurança, tendo em vista que o vírus é novo e informações novas vão surgindo ao longo do tempo. Evite principalmente o contato com secreções, como lambidas no rosto.

Os estudos mais recentes mostram que o vírus tem um tempo de sobrevivência alto em contato com superfícies, ou seja, se você estiver contaminado e passar a mão no seu pet, outra pessoa passar a mão nele também e depois levar a mão no rosto, essa pessoa pode se contaminar.

Posso passear com meus pets?

O mais indicado é passear com os animais em locais ao ar livre e com pouca aglomeração de pessoas. Parques e praças cheios devem ser evitados, por exemplo. Também não é aconselhável deixar que outros humanos acariciem o pet, justamente para evitar que as pessoas transmitam o vírus entre si.

Contratei adestramento e serviço de passeio para os meus pets. Quais cuidados devo adotar?

Vamos frisar aqui as medidas que a Cão Cidadão vem adotando com os adestradores – e que podem servir de orientação também para passeadores.

Caso você pertença ao grupo de risco, ou seja, tem mais de 60 anos, possui alguma doença respiratória, renal ou crônica, é hipertenso ou diabético, recomendamos que evite o contato com outras pessoas. Entretanto, é muito importante que a rotina do pet seja mantida, até mesmo para que o trabalho realizado até o momento não deixe de evoluir. Sendo assim, todos os nossos franqueados estão preparados e foram orientados a seguir com as aulas de forma remota, realizando chamadas de vídeo pelo computador ou celular.

Aos demais clientes, as aulas também serão oferecidas de forma remota, e assim que o governo e Ministério da Saúde emitir novas orientações, retomaremos à rotina normal.

Para os que queiram manter as aulas, elas deverão ser feitas em locais ao ar livre e sem aglomerações. Os adestradores estão instruídos a não deixar que outras pessoas entrem em contato direto com os pets. Ao chegar em casa, também indicamos que os tutores higienizem as patinhas dos pets com álcool em gel.

Todos os nossos franqueados que estiverem apresentando sintomas que podem ser associados ao Covid-19 estão orientados a permanecer de quarentena. Essa também é a nossa indicação para tutores.

Acompanhem nossas redes sociais e as redes diretas do Alexandre Rossi, iremos postar informações e atualizações de relevância para vocês. Lavem bem as suas mãos, procurem ficar em casa o máximo possível e permaneçam firmes, vamos vencer esse momento difícil com muita informação de qualidade e consciência coletiva!

 

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Por que é importante ensinar comandos aos cachorros?

O Brasil é o segundo maior mercado pet do mundo. Com uma posição tão relevante neste segmento, não é sem motivo que cada vez mais profissionais demonstrem interesse em trabalhar diretamente com animais. Dentre as profissões, destaca-se a de adestrador. E se você tem interesse em trabalhar com adestramento ou é tutor de pet e quer saber sobre a importância de ensinar comandos inteligentes aos seus animais, esse texto é para você!

Vamos abordar alguns aspectos sobre situações em que o adestramento inteligente pode ser adotado e trazer resultados expressivos.

Em quais situações devo adestrar um cachorro?

Houve um período em que as pessoas associavam o adestramento somente a situações específicas, como é o caso de treinamento voltado para cães de guarda e cães farejadores. No entanto, não é somente nesses casos que o adestramento é indicado.

Antes de mais nada, é preciso pensar na linguagem de comandos como uma forma de aprimorar a sua comunicação com o cachorro. Muitas vezes, o cão desenvolve alguns hábitos e comportamentos em uma tentativa de passar uma mensagem ao dono, mas muitos tutores não compreendem o desejo do animal.

Aprofundar os conhecimentos sobre adestramento também te ajuda a entender mais a fundo sobre comportamento animal. Aqui, é importante pensar no adestramento não somente como forma de comandar o cachorro, mas como uma troca. Encare o adestramento como uma oportunidade de conhecer melhor os cães e o que eles querem comunicar em suas interações.

O adestramento pode ser muito produtivo para sanar situações como:

  • cachorros agressivos e temperamentais;
  • cães que latem demais;
  • cachorros que sofrem muito com a ausência do dono e destroem muitos objetos em casa;
  • cachorros com dificuldade de adaptação a outros animais na família;
  • cachorros com dificuldade de socialização com humanos;
  • educação de filhotes.

Esses são apenas alguns exemplos de situações em que o adestramento pode ser extremamente útil.

Quais os benefícios de adestrar um cachorro?

O adestramento inteligente é uma forma de educar o cão de um modo positivo. Alguns dos benefícios são o estímulo cognitivo do animal, a realização de atividades físicas de treinamento que são divertidas e que deixam o cão ativo, facilidade na socialização do animal, melhoria na comunicação entre tutor e cachorro – o que significa bem-estar para ambos -, redução de estresse e ansiedade no animal.

Por consequência, o adestramento também facilita as consultas veterinárias, que frequentemente simbolizam um momento de desconforto para o cachorro. De um modo geral, não se trata apenas de uma forma de ensinar comandos ao cão. O adestramento é uma forma de dar a ele uma rotina mais feliz!

Aos profissionais que desejam aprender ou aprimorar suas técnicas de adestramento, e também para tutores que querem aprender como adestrar seus cães, a Cão Cidadão oferece uma série de cursos presenciais para ensinar fundamentos do adestramento inteligente. Clique aqui para conferir os cursos disponíveis e faça sua inscrição!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como adestrar um cachorro filhote?

Como adestrar um cachorro filhote?

A casa que antes só tinha objetos de humanos agora tem uma caminha na sala, tapetes higiênicos e muitos brinquedos espalhados pelos cômodos. A família agora tem um novo membro: um filhote de cachorro que espera viver momentos de muita felicidade com você, seus familiares e amigos. Filhotes mexem completamente com a nossa rotina e chegam cheios de energia para se adaptarem ao novo lar. Neste momento, o adestramento é importante para que vocês tenham uma comunicação mais fluida desde cedo e também para o bem-estar do seu pet.

Há quem pense em adestramento somente na fase adulta, mas essa é uma concepção equivocada. Na verdade, quanto mais cedo você começar a ensinar comandos ao seu cão, melhor para vocês dois. Até os três meses de idade, seu cachorro está mais aberto a absorver novas experiências. Se você acabou de adotar um filhote e quer entender os benefícios de adestrá-lo desde já, a gente te conta tudo que você precisa saber.

Entendendo a personalidade do seu cão

De um modo geral, filhotes gostam muito de explorar novos lugares, são curiosos e cheios de energia. Mas já nessa primeira etapa da vida é possível entender alguns traços da personalidade dele: se é agitado ou não, o quanto é dócil, se é mais agressivo, entre outros detalhes. Essas características vão ganhando mais força ao longo da vida, mas reconhecer alguns desses traços mais significativos durante o adestramento é importante para entender o tipo de treinamento mais adequado para ele.

Socialização

A socialização faz parte da vida do animal, mas muitos tutores não se atentam para a importância desse momento na rotina do cachorro. Um cão que não se acostuma a situações sociais pode crescer com medo de barulhos fortes (como de moto, secador ligado ou mesmo os ruídos de pessoas em locais abertos). Isso pode ter reflexos diretos na personalidade dele: seu cão pode tornar-se medroso ou mesmo agressivo em determinadas situações, justamente por um mecanismo de defesa. Todos esses são fatores de estresse que acabam prejudicando o dia a dia tanto do cão quanto do tutor – e neste momento o adestramento pode ser uma ótima forma de auxiliar a socialização.

Interagindo com pessoas

Quando falamos de pessoas, procure manter seu filhote por perto em situações em que há muitas pessoas, obviamente observando de perto as reações dele e não deixando-o exposto a contextos em que ele pareça estar se sentindo estressado. Se ele estiver demonstrando felicidade, deixe que ele aproveite bastante esse momento: cheire as visitas que você recebe em casa, brinque com elas, receba carinho. Tudo isso ajuda a fazer com que ele entenda que pode se sentir confortável perto daquelas pessoas.

Se tiver crianças ao redor, redobre a atenção. Infelizmente são situações em que tanto os filhotes quanto as crianças acabam ficando mais expostos a incidentes. Mesmo que não façam por mal, as crianças muitas vezes podem fazer brincadeiras ou tomar atitudes que são agressivas ou até mesmo traumáticas para os filhotes. Puxões de rabo, orelha, tapas, enfim, uma série de ações que os pequenos podem tomar se não estiverem sob a vigilância de um adulto. Converse com as crianças para que elas entendam a importância de interações carinhosas e vigie de perto as brincadeiras.

Interagindo com outros animais

O treinamento do adestramento inteligente também é uma forma de facilitar a socialização do seu filhote com outros animais. Ao entender os comandos, você consegue fazer essa aproximação com mais segurança e de um modo que não provoque estresse ou ansiedade no seu filhote.

E por falar em socialização, atente-se ao calendário de vacinas antes de sair com ele para os primeiros passeios. Lembre-se de que nesse período ele ainda está mais frágil, começando a adquirir imunidade, ou seja, é preciso redobrar os cuidados para que ele não fique tão exposto à contração de doenças.

Tem vontade de aprender como adestrar o seu filhote? Quer entender quais os comandos são mais adequados para o treinamento dele? Clique aqui e inscreva-se em nossos cursos presenciais de adestramento inteligente!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Comportamento animal: seu cachorro precisa de adestramento?

seu cachorro precisa de adestramento

Sapatos destruídos, vizinhos reclamando sobre latidos e comportamentos instáveis toda vez que você sai de casa? Reconhece essas situações na sua rotina com o seu cachorro? Talvez seja o momento de procurar adestramento para o seu pet. E se você acha que contratar esse tipo de serviço significa que você falhou ao educar o seu amiguinho, tire essa ideia da cabeça! O adestramento nada mais é do que uma demonstração de amor ao seu cachorro, uma forma de melhorar a qualidade do relacionamento entre vocês.

Histórico do cachorro

Especialmente em casos de adoção, é possível que seu amiguinho traga reflexos comportamentais de uma série de situações pelas quais ele já passou. Sabemos que infelizmente esses cachorros muitas vezes passam por situações de abusos e maus tratos na mãos de outras pessoas – ou mesmo lutando pela sobrevivência nas ruas. Com você sendo um tutor responsável e carinhoso, ele aos poucos vai aprendendo a se soltar e ficando à vontade. Ainda assim, é possível que ele mantenha alguns hábitos nocivos como reflexo dos traumas passados.

Estranhar visitas na sua casa ou esconder-se quando alguém chega; fazer xixi ou cocô quando alguém o pega no colo, distúrbios alimentares. Esses são alguns exemplos de comportamentos que refletem traumas. Sendo assim, o adestramento é um meio de ir muito além do que simplesmente ensinar comandos para o seu cachorro. É uma forma de você entender mais a fundo a personalidade dele e encontrar o melhor caminho para lidar com seus medos, anseios e características gerais.

Há quem pense que o adestramento só funcione quando os cachorros ainda estão filhotes, mas isso não é verdade. Ele pode ser adestrado em qualquer idade, desde que tenha o acompanhamento de um profissional bem preparado.

Encare o adestramento como uma terapia canina

Quando você procura um terapeuta, com certeza pesquisa sobre ele, busca indicações e analisa o tipo de metodologia que ele adota no trabalho, certo? Afinal, você só vai se abrir para dividir suas questões existenciais se houver uma relação de sintonia e confiança. Para o adestramento do seu cachorro a lógica é a mesma.

Para que o processo seja produtivo, é fundamental que haja confiança. Por isso a Cão Cidadão preza tanto por um treinamento completo e rigoroso a todos os franqueados da rede. Nós só garantimos a certificação de profissionais que temos segurança de que estão realmente seguros e muito bem preparados para lidar com situações diversas durante o processo de adestramento.

Além disso, adotamos o método de adestramento inteligente, desenvolvido pelo zootecnista Alexandre Rossi e reconhecido cientificamente. O método é baseado no reforço positivo de comportamentos desejáveis – o que garante um aprendizado mais tranquilo e gostoso para o seu cachorro.

Quer entender mais a fundo os benefícios que o adestramento pode trazer para o seu cachorro? Agende uma aula gratuita com a gente! Clique aqui para reservar o seu horário.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como agir caso encontre um cachorro abandonado

Como agir caso encontre um cachorro abandonado

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que no Brasil exista aproximadamente 20 milhões de cães abandonados vivendo nas ruas. Essa realidade é muito triste e que mexe demais com as pessoas que são apaixonadas por bichos. Muitas vezes, ao encontrar um cachorro abandonado, pensamos: como podemos ajudar esse animalzinho? Para te ajudar em momentos como esse, a Cão Cidadão preparou algumas dicas. Confira.

Primeiro passo: Tire o cachorro da situação de risco

Ao encontrar um animal abandonado e tentar ajudá-lo, a primeira coisa que devemos fazer é tirá-lo da situação de risco em que se encontra. Na rua, ele corre o risco de ser atropelado, sofrer alguma forma de violência ou contrair uma doença.

Aproxime-se do cachorro com cuidado, para evitar ser mordido ou arranhado, e fale de forma afetuosa para conquistar a confiança dele. Você também pode oferecer comida para que ele se aproxime de você.

Passo dois: Verifique se ele possui algum tipo de identificação

Quando o animal permitir que você se aproxime com segurança, tente verificar se ele usa coleira com plaquinha de identificação. Muitas vezes, um cachorro vagando na rua sozinho não é um cão abandonado, mas sim um animalzinho perdido, que está sendo procurado pela família.

Passo três: Leve o cachorro ao veterinário

Ao resgatar um animal perdido ou abandonado, antes de permitir que ele tenha contato com outros animais saudáveis ou com sua família, é muito importante levá-lo a um veterinário para que o profissional verifique se ele não possui nenhuma doença ou ferimento que precise ser tratado.

Além disso, o veterinário pode ainda verificar se ele possui algum chip de identificação, o que irá facilitar muito o contato com os donos do animal.

Passo quatro: Decida o que fazer com o animal

Agora que você já tirou o animal da rua, se assegurou que ele está em boas condições de saúde é hora de pensar sobre o que fazer com o cachorro. Cada caso é um caso e por isso, iremos apresentar diversas opções:

1) Se o animal tiver plaquinha de identificação ou microchip

Caso o animal esteja identificado, você deverá entrar em contato com os donos dos animais. Combine com eles a melhor forma para que você possa entregar o animal de volta a sua família de origem.

E lembre-se: cuidado com a sua segurança. Marque o encontro, se possível, em um lugar público e vá acompanhado.

2) Se o animal não estiver identificado

Quando o animal não possui identificação, antes de qualquer coisa, você deve tentar buscar o verdadeiro dono do cachorro. Para isso, você pode:

  • Divulgar fotos do animal no bairro onde ele foi encontrado e em regiões próximas, informando dia e local onde você o achou e um telefone, e-mail ou outra forma de contato. Uma dica muito legal é ir em clínicas veterinárias e pet shops da região para verificar se alguém conhece esse animal ou se eles sabem de uma pessoa que perdeu o bichinho recentemente.
  • Divulgar imagens do cãozinho em suas redes sociais e pedir para seus conhecidos compartilharem essa postagem. Divulgue essa informação também em grupos de moradores da região.

Caso apareçam pessoas afirmando serem os donos do animal, não se esqueça de garantir sua segurança. Marque o encontro para a entrega do cachorro em lugar público e vá, de preferência, acompanhado ao local.

E, atenção: antes de entregar o cachorro para a primeira pessoa que aparecer se dizendo ser a dona, tente verificar esse fato pedindo fotos dela com o animal e sua família. Avalie também a reação do bichinho ao reencontrar o suposto dono.

O que fazer caso você não encontre o dono do cachorro?

Se você não tiver sucesso em encontrar o verdadeiro dono do animal, é hora de tomar outra decisão: ficar com o bichinho para você ou entregá-lo para adoção.

Caso você decida ficar com o bichinho, tenha certeza de que ele ficará confortável em sua casa, se adapte bem a sua rotina e de sua família e que terá todos os cuidados necessários para garantir sua saúde e bem-estar até sua velhice. E, para te ajudar nesse processo, a Cão Cidadão tem um material com tudo o que você precisa saber antes de adotar um animal.

Porém, se você não puder ou quiser manter o animal, você pode entrar em contato com instituições que acolhem bichinhos abandonados para que eles possam te orientar e ajudar a encontrar uma nova família para o cachorrinho. A Cão Cidadão é parceira de algumas ONGs que realizam esse trabalho em diversas cidades do Brasil. Confira aqui a lista.

Dicas para facilitar que seu cachorro seja encontrado caso ele fuja

Uma pequena distração, um momento de descuido e pronto: seu animalzinho de estimação saiu de casa sem você ver e agora você precisa encontrá-lo. O que você pode fazer para facilitar essa busca e que ele volte para você são e salvo? Confira algumas dicas:

1. Sempre use algum tipo de identificação no animal. Pode ser uma coleira com uma plaquinha com o nome e telefone e/ou um chip com os dados do bichinho e os seus. O importante é que ele esteja identificado o tempo todo, mesmo dentro de casa. Assim, caso aconteça algum imprevisto, será muito mais fácil você conseguir reaver seu amiguinho;

2. Assim que você perceber que seu cachorro fugiu, inicie as buscas imediatamente. Procure nas proximidades do local de desaparecimento. Nessa hora, tente chama-lo pelo nome, assoviar, fazer barulho com o pote de ração ou com o brinquedo que ele mais gosta;

3. Converse com seus vizinhos, funcionários de comércios locais, porteiros de prédios dos arredores, pessoas na rua. Pergunte se eles viram um cachorro como o seu pela região – leve uma foto do bichinho para ajudar no reconhecimento;

4. Espalhe cartazes com fotos e informações sobre o cachorro nos arredores de onde ele desapareceu. Peça para colar cartazes em lojas, clínicas veterinárias e pet shops da região;

5. Divulgue a informação do desaparecimento do seu cãozinho nas redes sociais e peça para seus contatos compartilharem;

6. Procure o centro de zoonoses de sua região. Muitos animais são recolhidos e levados para esses locais.

Gostou desse conteúdo? Não perca nenhuma publicação da Cão Cidadão! Assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cachorro que fica sozinho: saiba o que fazer e o que evitar

Cachorro que fica sozinho: saiba o que fazer e o que evitar

Uma das maiores preocupações de donos de cachorros é garantir que os bichinhos fiquem bem durante os períodos que precisam ficar sozinhos. Entretanto, por mais que os tutores tentem assegurar o bem estar dos animais nesses momentos, alguns cães acabam sofrendo mais com a solidão do que outros e podem desenvolver comportamentos indesejados e prejudiciais.

Esse é um problema muito comum e que, com algumas atitudes simples, pode ser facilmente solucionado. Confira neste artigo algumas dicas.

O que é ansiedade de separação?

Se você passa muitas horas fora de casa e tem observado alguns comportamentos diferentes em seu cachorro – como empolgação exagerada quando você volta para casa, excesso de latidos, xixi e cocô fora de lugar, aumento da destruição de objetos, ou até mesmo apatia, falta de apetite e automutilação – isso pode ser sinal de que seu bichinho está sofrendo de ansiedade de separação.

Como os cães são seres sociais, eles desenvolvem fortes laços afetivos com o grupo ou indivíduo com o qual vivem. Essa é uma das características que os tornam tão amigos dos homens. Porém, algumas vezes os animais acabam desenvolvendo uma dependência muito forte de seus donos, o que pode ser prejudicial tanto para o cachorro quanto para o tutor.

Essa dependência prejudicial pode se desenvolver por diversos motivos. Algumas raças, por exemplo, têm mais tendência a se tornarem excessivamente apegadas a seus donos do que outras. Se você tem um estilo de vida que te obriga a ficar muitas horas fora de casa, é recomendado que, antes de adotar ou comprar um cachorro, se informe e busque por animais que sejam mais independentes. Algumas raças que costumam ter esse tipo de comportamento são: fox paulistinha, beagle, schnauzer e pug.

Outro fator que colabora para o desenvolvimento da ansiedade de separação é a forma como criamos o animal. Muitas pessoas se sentem tão culpadas por ter que sair por longos períodos de casa e deixar o cachorro sozinho que fazem uma longa cena de despedida antes de sair e uma enorme festa quando voltam. Porém, esse comportamento dos humanos é um dos principais fatores que levam os cães a desenvolverem a ansiedade de separação.

Esse tipo de atitude faz com que o animal entenda o momento da separação como algo que pode ser ruim, tanto para ele quanto para o humano, pois ele sente sua tristeza e preocupação. Sendo assim, ele passa a desejar que o dono não saia de casa. Além disso, ao voltar e dar atenção excessiva ao cachorro você está ensinando ao animal que aquele é o melhor momento do dia para ele, no qual você oferece petiscos e faz muito carinho. Dessa forma, o bichinho passa a esperar ansiosamente pela volta do tutor, o que acaba sendo um problema.

Além disso, a falta de estímulos para ele brincar enquanto está sozinho também colabora para que ele desenvolva a ansiedade de separação. Se você não oferece um ambiente rico ao animal em sua casa quando não está presente, como brinquedos, dispensers de petiscos e etc., a chance de cãozinho ficar entendiado é muito grande e isso aumenta a probabilidade dele desenvolver comportamentos indesejados.

Como acostumar o cachorro a ficar bem quando está sozinho?

1. Treine deixá-lo sozinho aos poucos

Se você já sabe que seu cachorro irá precisar se acostumar a ficar sozinho por longos períodos, uma maneira de amenizar esse problema é treinando-o desde pequeno para aprender a lidar com essa situação.

Você pode fazer isso oferecendo um brinquedo ou ossinho. Quando ele estiver entretido, vá para outro cômodo da casa e deixe-o um tempo brincando sozinho. Volte depois de alguns minutos e aja naturalmente, sem fazer grandes festas para ele entender esses momentos como normais.

Alguns animais ficam ansiosos quando notam algum estímulo comum ligado a sua saída – como calçar o sapato ou mexer nas chaves. Para deixá-lo calmo durante esses momentos, também vale treinar o cachorro para se acostumar com essas situações. Então, você pode calçar o sapato ou fazer barulho com a chave e continuar na casa normalmente. Assim que perceber que o cachorro está distraído, deixe ele um tempo sozinho e volte. Repita esse processo algumas vezes. Com o tempo ele entenderá que essas são ações normais, que não representam um problema.

2. Aumente a atividade física

Insira na sua rotina e na do animal a prática de atividades físicas antes de você sair de casa – seja um passeio longo ou uma brincadeira intensa. Assim, o cachorro estará com a energia mais baixa quando estiver sozinho, o que diminuirá a sensação de ansiedade para a sua volta.

3. Prepare o ambiente para a sua saída

Ao invés de fazer uma cena triste antes de sair de casa, torne sua ausência algo legal para o cachorro. Espalhe petiscos pela casa para que ele brinque de caça ao tesouro e deixe os brinquedos preferidos à disposição. Tente sair quando ele estiver distraído e de forma natural.

4. Volte para casa sem fazer festa

Ao voltar para casa depois de um período fora, segure a vontade de fazer uma festa com o cãozinho. Evite dar muita atenção ao animal enquanto ele estiver muito agitado. Aja como se nada estivesse acontecendo e só depois que o cachorro se acalmar dê atenção para ele.

Com o tempo e paciência, seu cachorro irá entender que não precisa ficar desesperado quando você não está junto a ele e poderá até gostar de passar um tempo sozinho.

Caso você prefira, você pode optar por deixar seu animal em uma creche para cachorros, que são locais onde os bichinhos passam um ou dois dias por semana, brincando e interagindo com outros animais.

Em casos muito graves de sofrimento por ansiedade de separação, converse com seu veterinário e ele poderá indicar alguma medicação para acalmar o cãozinho.

Além disso, você pode contar com a ajuda de um adestrador profissional para acostumar o cachorro a ficar mais tranquilo nos momentos que precisa estar só. Se você precisa de ajuda, entre em contato com a Cão Cidadão e agende uma primeira aula gratuita com um de nossos profissionais e saiba mais sobre nosso método e planos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como os cachorros entendem nossos sentimentos?

Como os cachorros entendem nossos sentimentos?

Para os tutores de cachorros não há dúvidas: os cães são capazes de entender nossos sentimentos e emoções. Porém, é realmente possível afirmarmos isso? De acordo com algumas pesquisas já realizadas, sim.

Cada vez mais estudos têm comprovado que os cães realmente têm habilidades para compreender as emoções humanas. Para isso, eles utilizam seus sentidos. Entenda como esse fenômeno ocorre.

Como os cachorros são capazes de entender os sentimentos humanos?

Segundo pesquisas realizadas, os cães usam seus sentidos para compreender como os humanos se sentem. De acordo com um estudo realizado na Hungria, por exemplo, os cientistas descobriram que os cachorros conseguem, ao escutar sons de choro e risada de seres humanos, diferenciar essas emoções e como nos sentimos.

Além disso, outro estudo, desta vez realizado em Viena, indica que os cachorros também conseguem saber se estamos felizes ou tristes só ao observar as nossas expressões faciais.

Por que a relação entre humanos e cães é tão forte?

A relação entre humanos e cães existe desde muito tempo. Muito antes dos humanos aprenderem a plantar, antes deles começarem a se estabelecer em um só lugar, quando eram caçadores nômades, homens e cães já se relacionavam.

Há muitos anos cientistas tentam entender como essa relação começou: se foram os homens que domesticaram os cães ou se os cachorros que se aproximaram dos humanos para conseguirem alimento e outras mordomias com mais facilidade.  Devido a essa dúvida, alguns cientistas questionam o sentimento de amor e lealdade que o melhor amigo do homem tem em relação ao seu dono.

A resposta definitiva para esses questionamentos a ciência ainda não tem, mas estudos comprovam que os cães, assim como os humanos, produzem um hormônio chamado oxitocina, também conhecido como o hormônio do amor, quando passam cerca de 10 minutos juntos. Além disso, também se sabe que, ao sentirem cheiros que tenham relação com seus donos, os cachorros experimentam sensações de bem estar.

Ou seja, essas pesquisas mostram que, não importa o que levou cães e homens a começarem a se relacionar no passado, hoje em dia os cachorros sentem, de fato, amor por seus donos e nutrem por eles um forte sentimento de lealdade.

Como entender os sentimentos do seu cão?

Bom, já que nossos animaizinhos são tão atenciosos e buscam entender o que estamos sentindo, como nós humanos podemos retribuir e também compreender as emoções de nossos cães? Veja como a seguir:

Felicidade

Além de abanar o rabo quando estão contentes, você sabia que os cachorros podem rir? Uma pesquisa da Universidade de Serra Nevada descobriu que, ao brincar, algumas vezes os cães respiram e exalam o ar de forma diferente do normal. Ao reproduzir esse som para outros cachorros, eles ficavam mais dispostos a brincar.

Vergonha

No geral, os donos quase sempre sabem quando seus cachorros fizeram algo errado ao observarem a postura dos animais: cabeça baixa, rabo entre as patas, olhar triste, etc. Geralmente, associamos esse comportamento ao sentimento de culpa ou de vergonha.

Porém, essa postura indica submissão, que muitas vezes ocorro por ansiedade e medo de ser repreendido. Com essa atitude, o cachorro tenta te deixar mais calmo demonstrando que irá te obedecer.

Tristeza

Quando os cães ficam muito tristes, em uma situação de luto, por exemplo, eles demonstram sua emoção nos seguintes comportamentos: perda de apetite; apatia; muito ou pouco sono; ansiedade.

Ao conhecer e entende melhor seu cão, a relação entre vocês dois tende a se tornar muito mais forte e melhor.

Para não perder nada do que publicamos por aqui, assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo direto em sua caixa de e-mail.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Quanto custa adestrar um cachorro?

Quanto custa adestrar um cachorro?

Ao decidir ter um cachorro, os tutores desejam que o bichinho seja educado, dócil e conviva em harmonia com sua família, outras pessoas e animais. Para que tudo isso aconteça, é preciso que o responsável pelo animal se dedique a educar o cãozinho desde muito cedo. Porém, muitas pessoas não têm o tempo, a paciência e os conhecimentos necessários para adestrar um cachorro. Nesses casos, a ajuda de um adestrador profissional pode ser a solução para evitar muitos problemas e frustrações.

Entretanto, muitas pessoas acreditam que o serviço de adestramento é algo caro e muito distante da realidade de grande parte das famílias. Porém, isso não é verdade. Treinar um ou mais cães pode ser mais barato do que você imagina e ajuda a evitar muitos gastos futuros!

Para acabar com esse engano de uma vez por todas, confira quanto custa, quais os benefícios e vantagens em contratar um serviço para adestrar seu cachorro.

O que é adestramento e como funciona?

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o adestramento de animais não é algo supérfluo ou que só deve ser procurado em casos extremos, quando o cachorro apresenta graves problemas de comportamento.

Adestrar seu cachorro é sempre recomendado, pois, além de eliminar ou minimizar comportamentos indesejados, o treinamento ajuda na sociabilização do cão e melhora o relacionamento do animal com sua família, tornando a relação muito mais harmoniosa e feliz.

O adestramento não precisa necessariamente ser feito por um profissional. Com algumas dicas simples você mesmo pode realizá-lo em sua casa. Mas, um adestrador treinado e com experiência pode facilitar muito esse processo.

Ao ensinar alguns comando para o cachorro, ele passa a compreender melhor o que o dono espera dele e, assim, cão e humano podem se comunicar melhor, evitando stress, frustrações e fortalecendo o vínculo afetivo e de confiança entre os dois.

Na Cão Cidadão, a equipe de adestradores utiliza o método adestramento inteligente, que oferece reforço positivo das atitudes corretas do animal. Nenhum tipo de ação violenta ou que deixe o cachorro com medo é utilizada em nossas aulas.

Quanto custa o serviço de adestramento?

Adestrar seu cachorro pode ser considerado um investimento. Além de você evitar comportamentos negativos (como medo excessivo ou agressividade) que podem resultar em danos físicos tanto para sua família quanto para o animal, um cão treinado também causa menos prejuízos em sua casa. Isso porque, ele aprenderá, desde pequeno, que não pode fazer xixi fora do lugar, roer móveis ou estraçalhar outros objetos que não sejam os seus brinquedos. Já fez as contas de quanto gastou em tudo que seu cachorro danificou? Esse valor pode te surpreender.

Na Cão Cidadão, o serviço de adestramento é cobrado por aula, de 40 minutos cada, independentemente do número de cachorros a serem treinados. Nossos planos têm custo a partir de R$ 93 por aula. Para mais detalhes, clique aqui.

Por quanto tempo devo adestrar o cachorro?

Para responder essa pergunta, uma série de fatores precisam ser avaliados por um especialista. O tempo para que o cão seja bem treinado varia muito de caso a caso. Por isso, agende uma visita gratuita, converse com um de nossos adestradores e saiba mais sobre nosso método e planos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Saiba como fazer a sociabilização de cães e gatos

Saiba como fazer a sociabilização de cães e gatos

Muitas pessoas acreditam que cães e gatos são espécies inimigas, incapazes de conviverem juntas em harmonia. Mas, isso não é verdade. Claro que cães e gatos têm suas diferenças comportamentais e algumas vezes acabam se estranhando por conta disso, mas quando esses animais são bem sociabilizados desde filhotes, a relação entre as duas espécies pode ser muito pacífica e de amizade.

O que é sociabilização?

A sociabilização é um processo muito importante pelo qual os filhotes devem passar durante seu crescimento para que, quando adultos, se relacionem de forma mais positiva com outros animais, pessoas, objetos e situações do dia a dia. A melhor fase para garantir uma boa sociabilização vai dos zero aos três meses de idade, pois é nessa etapa do desenvolvimento que o animalzinho está mais aberto a novas experiências.

Nesse período, os tutores devem aproveitar para apresentar ao animal (com paciência e sem forçá-lo a nada) os mais diferentes tipos de pessoas, animais, objetos, barulhos e situações. Dessa forma, ao crescer, o bichinho irá lidar muito melhor com outros seres e situações inusitadas, que não sejam tão comuns ao seu dia a dia.

Quando a sociabilização não acontece de forma adequada, alguns filhotes podem se tornar medrosos, reativos ou até mesmo agressivos quando adultos, pois eles não aprenderam desde cedo a conviver com diferentes estímulos e, então, não sabem como reagir ao novo.

Cães e gatos bem sociabilizados, acostumados com a presença de outros animais, de diferentes espécies, têm muito mais chances de conviverem de forma harmoniosa com outros bichinhos. Isso facilita muito o processo de uma adaptação futura.

Como sociabilizar cães e gatos?

A forma mais fácil de garantir que cães e gatos convivam de forma harmoniosa é criando os dois juntos desde filhotes, pois, como já dissemos, nessa fase eles estão mais abertos a novas experiências e vão se acostumar um com o outro desde muito cedo.

Porém, se você já tem um animal adulto em casa – seja cão ou gato – e decidiu agora que quer acolher um novo amiguinho, o ideal é que ambos tenham sido bem sociabilizados desde pequenos.

Caso você não tenha certeza que isso tenha ocorrido da maneira correta dos zero aos três meses dos bichinhos, confira as dicas a seguir, pois elas irão te ajudar a realizar o processo de adaptação da melhor maneira possível.

Passo a passo para apresentar cães e gatos

Para evitar ciúmes excessivo, é recomendável que o morador mais antigo da casa tenha alguns privilégios. Ou seja, o bichinho novo é quem deve ser mantido em local separado enquanto os dois ainda não estiverem prontos para conviverem tranquilamente juntos.

Na hora de começar a apresentação, é muito importante que você garanta a segurança dos animais. Então, deixe o gato dentro de uma caixa de transporte e o cão seguro com guia. Deixe portas e janelas fechadas para evitar que os bichos fujam com medo.

Com os dois animais seguros, coloque-os no mesmo ambiente e próximos, assim eles poderão começar a se acostumar com a presença e cheiro um dos outro. Comece a dar petiscos, fazer carinho e acalmá-los. Quando você perceber que os dois estão tranquilos um com a presença do outro, se ignorando e prestando mais a atenção nos petiscos, você pode abrir a portinha da caixa de transporte e deixar o gato sair se ele se sentir a vontade. O cão deve ser mantido na guia o tempo todo.

Observe os dois animais, como eles se comportam. Se o cão se agitar e ir para cima do gato, repreenda-o imediatamente. Continue brincando e dando atenção para os dois e espere até que eles fiquem calmos e tranquilos novamente.

Depois disso, comece a brincar com o gato e tente fazer ele correr de um lado para o outro. O cão deve se manter calmo e não ir para cima do gato. Caso ele tente fazer isso, repreenda-o mais uma vez. De novo, espere até que todos se acalmem para continuar o processo.

Se os dois animais aparentarem estar confortáveis na presença um do outro, você pode retirar a guia do cachorro e deixar que cão e gato fiquem no mesmo ambiente com sua supervisão constante e atenta para evitar qualquer problema.

Repita todo esses processo quantas vezes forem necessárias para que os animais fiquem tranquilos um na presença do outro. Ao longo do tempo, você irá perceber se os dois estão preparados para poderem ficar juntos no mesmo local sem a presença de alguém os supervisionando.

Caso você precise de ajuda profissional para estabelecer essa relação, entre em contato com a Cão Cidadão. Temos profissionais capacitados para acompanhar esse processo para que ele seja o mais tranquilo possível para você e seus animais. Agende uma visita gratuita e saiba mais sobre nosso trabalho.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como adaptar um novo cachorro à família?

Como adaptar um novo cachorro à família?

Ao trazer um novo cachorro para casa, o desejo de todo tutor é que ele se adapte bem ao ambiente, sua rotina e aos outros membros da família – sejam humanos ou pets. Mas, você sabe o que pode fazer para garantir que essa adaptação ocorra da melhor forma possível? Algumas atitudes simples podem te ajudar e facilitar muito todo esse processo.

Confira, a seguir, dicas que te ajudarão na hora da adaptar um novo cachorro à sua casa e família.

Adaptação da casa para o cachorro

Antes da chegada do cachorro, você já deve preparar sua casa para recebê-lo da melhor forma possível. Monte um enxoval para o bichinho com tudo o que ele vai precisar, como comedouro e bebedouro, caminha, brinquedos, tapete higiênico, etc. Também já tenha definido o local que será o banheirinho do cachorro e onde você posicionará sua caminha e sua comida. Lembre-se: cachorros não gostam de comer e dormir próximo ao local onde fazem suas necessidades. Portanto, tenha isso em mente ao escolher onde ficará o banheiro do cachorro.

Caso você já tenha outros animais na casa, evite forçar os animais a dividirem a mesma cama, bebedouro, comedouro, brinquedo e banheiro. Se cada um dos bichinhos tiver seus objetos, a chance de acontecerem estranhamentos e brigas é bem menor.

Além disso, observe sua casa e retire do alcance do animal tudo o que pode representar um risco à sua saúde, como produtos de higiene e limpeza, objetos cortantes ou afiados e plantas que podem ser tóxicas para os animais. Também retire do alcance do cãozinho tudo o que você não quer que ele estrague de forma nenhuma.

Você deverá, ainda, pensar em formas de limitar o acesso do animal desacompanhado e sem supervisão a ambientes que possam representar riscos a sua vida e saúde, como piscinas, escadas e até mesmo a rua.

Para ajudar ainda mais o animalzinho, nos primeiros dias da adaptação, tente deixar no local onde ele irá dormir um pano com o cheiro de sua mãe e irmãozinhos, se ele for filhote, ou algo que tenha seu cheiro, como uma roupa. Isso pode ajudar a acalmar o cachorro durante a noite.

Adaptação com outros pets

Se você já tem um cachorro ou outro animal em casa e deseja aumentar a família pet, antes de tudo é muito importante observar o temperamento do seu bichinho. Se ele realizou uma boa sociabilização quando filhote ou até mesmo depois de adulto, provavelmente ele não terá grandes problemas em receber e conviver com outro animal em casa, seja de que espécie for. Entretanto, se ele é muito territorialista, dominante, medroso ou agressivo, é preciso ficar atento para evitar problemas.

Como fazer a apresentação

Uma das formas mais tranquilas de se fazer a apresentação de dois animais é em ambiente neutro. Usando coleira e guia, leve seu atual cãozinho para passear e, durante o passeio, peça para alguém de quem seu pet já gosta para trazer o novo bichinho (também na coleira e na guia). Continue o passeio normalmente, com todos os animais juntos, mas deixe o cão mais antigo andar um pouco a frente do novato. Quando todos já tiverem gastando bastante energia e se sentirem tranquilos na presença um do outro, é hora de deixar os cachorros se cheirarem e interagirem. Dê bastante atenção para o seu animal mais antigo, assim ele não se sentirá ameaçado de perder seu espaço na casa.

Caso você esteja trazendo para sua casa um filhote que ainda não pode ir para a rua, a apresentação deverá ser feita dentro de casa. Escolha um momento no qual seus animais mais velhos estejam bem tranquilos para começar a fazer a apresentação. Traga seu novo animal – usando coleira e guia – para dentro de casa e observe por um tempo como todos irão reagir. Se você estiver confiante de que não haverá problemas, solte o novato da guia, mas mantenha a supervisão constante.

Muito provavelmente os animais irão se cheirar bastante, talvez até se estranharem um pouco. Fique atento, mas tente não demonstrar tanta preocupação e medo, pois essa é a forma que os cães encontram para mostrarem um ao outro a hierarquia da matilha. Só interfira nessa interação se os cachorros estiverem realmente se tornando muito agressivos e começarem a se machucar. Caso isso aconteça, coloque os animais na guia e espere-os até que todos se acalmarem. Separar os cachorros com uma cerca ou portão pode ajudar, mas é importante que eles possam se ver e se cheirar para irem se acostumando um com o outro. Evite deixar os bichinhos isolados completamente um do outro por muito tempo, pois isso poderá tornar a adaptação muito mais difícil.

Se o tempo for passando e a convivência entre os animais não melhorar, as brigas começarem a se tornar constantes e perigosas, você pode buscar ajuda de um profissional em comportamento animal. Aqui na Cão Cidadão, você pode agendar uma visita gratuita para saber mais sobre o adestramento em domicílio.

Adaptação com crianças

Se você tem crianças em casa, é preciso tomar alguns cuidados ao trazer um animal de estimação para o seu lar.

Antes de comprar um cachorro, pesquise sobre as raças mais dóceis e que geralmente têm melhor convivência com crianças. Caso você deseje adotar um animal, observe o comportamento dele no abrigo e informe-se com os responsáveis sobre o comportamento do cãozinho pelo o qual você está interessado. Pergunte se ele é calmo, se apresenta bom relacionamento com crianças, etc. Dessa forma a adaptação do animal à criança se tornará mais tranquila.

Quando levar o cachorrinho para a sua casa, ensine à criança como brincar com o cãozinho sem machucá-lo ou irritá-lo. Explique que não se deve bater no cachorro ou puxar seus pelos. Diga, ainda, que o animal não deve ser incomodado enquanto come, dorme ou está com seus filhotes. O ideal é que a criança não fique perseguindo o cachorro pela casa, mas que espere ele vir até ela para brincar.

No início da convivência, é importante que um adulto sempre supervisione a interação da criança e do cachorro, para evitar acidentes. Respeitando o espaço e comportamento um do outro, com o tempo, os dois se tornarão grandes amigos.

Gostou dessas dicas? Quer saber mais sobre o tudo o que envolve o mundo pet? Assine nossa newsletter e não perca nada do que postamos por aqui.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0