5 dicas para saber lidar com agressividade

dicas_interna-agressividade

Por Thalita Galizia, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Antes de falarmos sobre os tipos de agressividade, precisamos entender o que ela significa.

Para a maioria das espécies, o comportamento agressivo torna-se fundamental para a sobrevivência. Esse tipo de comportamento é, em parte, inato, podendo surgir em algumas situações ou fases da vida, como para defender seu território, filhotes, comida ou até mesmo sua posição hierárquica.

Cães machos, principalmente no período de sua puberdade, podem começar a brigar com outros cães do mesmo sexo. Os filhotes também podem se tornar agressivos ao disputarem o leite da mãe.

A agressividade pode ser dividida em classes, sendo elas territorial, possessiva, por medo ou por dominância.

Territorial      

Os cães são animais que naturalmente protegem e defendem o seu habitat e seus filhotes ou quem vivenele.

Esse tipo de comportamento pode ocorrer se o cão sentir que alguma ameaça ronda o território dele.

Para que ele não fique agressivo, sempre faça associação positiva com algo que o seu cão goste muito, podendo ser um petisco, um brinquedo.

Toda vez que alguém ou algum outro animal estiver no território do seu pet, recompense-o pelo bom comportamento.

Agressividade por dominância

Quando o cão tem muita liberdade e nenhum limite, há possibilidade dele se colocar como líder.

O cão quando assume essa função, passa a mandar em seus donos, não lidando bem com frustrações e tendo reações agressivas quando contrariado. Ele pode rosnar quando estiver com algo na boca, ou quando o dono pedir que ele desça de um sofá ou cama por exemplo.

A melhor maneira de  lidar com esse comportamento é ter atitudes de liderança e postura. Isso não significa bater no cachorro para ele “aprender” qual é o lugar dele, mas sim colocar em prática alguns exercícios.

Por exemplo, quando você for sair com ele para passear, ensine-o a sentar e a esperar que você abra a porta e passe primeiro, para depois ele sair.

Agressividade por posse

Sempre que alguém chega, o cão defende seus brinquedos, caminha ou até mesmo sua comida pode ser que ele tenha associado a presença de uma pessoa com perda, por exemplo, se o dono chega perto e o cão está comendo e rosna, ao tirar a comida para evitar que o cão  fique mais agressivo, o dono só estará reforçando negativamente e confirmando que o cão estava certo: toda vez que alguém chega, ele perde algo.

A maneira mais eficaz de lidar com essa situação é mostrar que não é uma competição, ao se aproximar da comida, por exemplo, caso ele não tenha tido nenhuma atitude agressiva, jogue um petisco. Aos poucos, seu pet vai aprender que a aproximação das pessoas deixa a comida dele mais gostosa.

Agressividade por medo

Esse tipo de agressividade geralmente ocorre quando o processo de socialização não é feito corretamente ou então decorrente de algum trauma psicológico. Algumas raças que tenham uma pré-disposição genética ao medo, também podem ficar agressivas.

Ao introduzirmos um cão em nosso convívio, é de nossa responsabilidade criarmos boas associações em relação as nossas atividades do dia a dia.

O medo é um sentimento essencial para a evolução e sobrevivência da espécie, ou seja, um cão exposto a esse sentimento recebe um estimulo fisiológico e o hormônio adrenalina se espalha pela corrente sanguínea, ocorrendo um aumento no batimento cardíaco, consequentemente aumenta a irrigação o sangue oxigenado nos tecidos musculares e o cão pode ter          as seguintes reações, fuga ou ataque.

Normalmente a primeira reação dos cães é a fuga e tentam evitar contato com a pessoa que esta lhe causando estresse. Porém, como muitas vezes os sinais corporais são ignorados e os tutores acabam não respeitando o limite que o cão esta pedindo, ele muitas vezes precisa de uma outra alternativa, então ele ataca, rosna e late. Nesse caso se ele obteve sucesso em afastar o agente causador do estresse, passará a repetir esse comportamento sempre.

Para lidar com um cão medroso, podemos fazer um treino de dessensibilização, antes que o cão entre no estado de agressividade, mantenha uma distância segura e vá recompensando a sua presença com algo que ele goste, vá se aproximando aos poucos, sempre respeitando os limites dele. Vá fazendo esse treino, até que você consiga chegar perto do cão e interagir com ele.

Agressividade por transferência

Quando o cão não consegue atingir o objetivo dele, acaba atacando o que tem por perto dele, por exemplo, quando ele esta no portão de casa e passa um gato ou outro cão, como ele não consegue alcançar o fator estressante, automaticamente ele morde quem estiver por perto, ou o tutor ou outro cão que convive com ele.

Para que esse comportamento não mais ocorra, coloque regras e limites e deixe que seu cão saiba lidar com a frustração, estimulando a sua liderança, ensine comandos que o ajudem a ter um autocontrole  e a entender a sua posição dentro da matilha.

Como lidar com as agressividades

  1. Procure ajuda de um profissional, ele ajudará a identificar o tipo de agressividade que seu pet pode ter.
  2. Não recompense o comportamento agressivo, cada vez que ele mostrar esse comportamento frustre-o.
  3. Nunca bata no seu pet ou ameace-o fisicamente.
  4. Evite qualquer tipo de atividade que tende a deixar o seu amigo estressado ou muito agitado.
  5. Tenha  a liderança, conquiste-a de forma positiva e recompensadora, nunca com violência.

Se precisar, conte com a ajuda de um especialista.

Como apresentar um cão a outro?

dicas_interna-como-apresentar-cae

Por Tatiane Abe, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Cães são animais sociais, ou seja, que vivem em grupo. Dessa forma, é bastante importante promovermos encontros saudáveis aos nossos peludos, para que possam realizar seus comportamentos naturais, desfrutando de brincadeiras divertidas com outros amigos de quatro patas.

Para que isso ocorra de forma tranquila durante toda a vida do pet, é essencial que se inicie o processo de sociabilização desde muito cedo – antes dos três meses.

Como nesta fase o pet ainda não está devidamente imunizado, a sociabilização do filhote deve ser feita em ambientes fechados e conhecidos, como a casa de um amigo que tenha cães tranquilos e que estejam vacinados, vermifugados e com o antiparasitário em dia.

Quando for apresentar o filhote a outro cão, mantenha-o na guia, para que consiga controlá-lo caso fique muito eufórico. Ao ficar tranquilo, pode ir se aproximando aos poucos do outro cão, fazendo associações positivas, elogiando-o e recompensando o pet com algum petisco que ele goste.

Sempre deixe o filhote cheirar a parte traseira do outro cão e vice-versa, nunca frente a frente. Este processo deve ser realizado diversas vezes com a maior quantidade de cães possíveis, diminuindo a probabilidade de o amigo se tornar medroso ou agressivo mais tarde com outros animais.

No caso de cachorros adultos que não foram devidamente sociabilizados, também deve-se fazer a associação positiva da presença de outros pets, com petiscos e elogios, mas somente quando o companheiro não demonstrar comportamentos agressivos.

Neste caso, também é importante fazer aproximações graduais com cães tranquilos.

Só permita que seu cão se aproxime do outro se ele estiver calmo e sem puxar a guia, depois deixe-o cheirar a parte traseira do outro cachorro.

Caso precise de ajuda para sociabilizar o seu pet, contate um especialista em comportamento animal de sua confiança.

 

 

Destruição de objetos tem jeito?

dicas_interna-destruicao

Por Nathália Camillo, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Quando aquele filhotinho fofo nos olha até esquecemos de seu poder destrutivo. Mas eles vão crescendo, destruindo e isso acaba nos fazendo questionar: o que fazer para que isso não vire um hábito que pode acompanhá-lo até a vida adulta?

É importante, para podermos entender o porquê das destruições, que saibamos sobre as mudanças físicas e psicológicas que ocorrem em todo filhote. O cãozinho, não tendo mãos, reconhece seu mundo através do focinho, absorvendo os delicados odores exalados no ambiente, através de seus potentes ouvidos, captando os mínimos barulhos, e através de sua boca, sentindo os gostos e texturas dos objetos que o rodeiam.

Após o desmame, a curiosidade invade o cãozinho e ele parte para uma exploração detalhada do local onde vive e absolutamente tudo o que encontra deve ser explorado de todas as formas possíveis.

Nessa fase é importante que o animal tenha à disposição brinquedos de diferentes formas e texturas, mas que sejam todos apropriados para sua espécie e idade, e que os objetos que ele não pode morder sejam deixados fora de seu alcance.

A partir dos quatro meses, o filhote começa a troca dos dentes de “leite” para os fixos, assim como acontece com os humanos, e o desconforto e a coceira que sente nas gengivas é igual aos das nossas próprias crianças. Então, é muito importante darmos para eles brinquedos congelados com ração ou petiscos liberados pelo veterinário. O gelo ajuda a diminuir a inflamação nas gengivas e, consequentemente, a vontade incontrolável de roer qualquer coisa que apareça em sua frente.

Outro fator importante na destruição é o gasto de energia. Cada animal tem um nível de energia. Precisamos gastar não somente sua energia física, mas também a energia mental desses peludos.

Os brinquedos interativos, que são aqueles que colocamos ração ou petiscos dentro e, ao rodarem, eles dispensam pelo chão, ajudam muito o animal a gastar mais tempo na alimentação tentando descobrir como retirar o alimento dali. Com isso, o animal gasta energia física e mental junto.

Para complementar, passeios diários e bem estruturados, aqueles em que tutor e cão voltam cansados e felizes, fecham a lista para termos um cãozinho saudável física e psicologicamente, além de manterem os nossos chinelos e móveis inteiros e sem marcas de dentes.

Procure ajuda de um adestrador caso tenha dificuldade com o treinamento.

Problemas com xixi fora do lugar ou só dentro de casa

dicas_interna-xixi-lugar-erradoPor Tiago Cardoso, adestrador e franqueado da Cão Cidadão.

Muitas pessoas me questionam se o seu cãozinho pode fazer suas necessidades em outro lugar que não seja no seu banheirinho dentro de casa. Ficam em dúvida se isso vai prejudicar o treinamento e se o animalzinho começará a se aliviar em todos os locais que desejar.

O primeiro ponto a ser analisado é: se o peludo está bem condicionado a fazer xixi e cocô no lugar correto, ou seja, dentro de casa, então não há problema algum que ele se alivie na rua quando sair para passear.
O que pode ser um problema, na minha opinião, é deixar que o pet faça as necessidades em outros locais quando ele ainda está na fase de aprendizado, e não sabe exatamente onde deve urinar e defecar. Isso sim pode confundir o amigo e levá-lo a cometer erros.

Quando estou treinando um filhote, costumo sugerir ao tutor que, assim que o pet tenha aprendido a fazer as necessidades dentro de casa, ele também comece a recompensar os xixis na rua.

O treinamento pode ajudar no dia a dia, já que o tutor acaba tendo um bichinho que está acostumado a fazer as suas necessidades em lugares variados. Com isso, em épocas de chuvas constantes, de férias e/ou outras situações que fogem da rotina, os alívios do seu amigo não serão um problema para você e nem para ele.

Bons treinos!

Necessidades no local errado!

dicas_interna-xixi-lugar-errado

Por Amanda Ornelas, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

O xixi fora do lugar é um dos problemas mais comuns relatados por tutores de animas. Mas por mais desagradável que seja, geralmente essa questão não se trata de um problema de difícil solução. O mais importante para ensinar seu bichinho a fazer xixi no local correto é paciência e dedicação.

A primeira providência é escolher um local apropriado. O banheiro deve ser limpo, amplo, seco, absorvente e distante de onde seu peludo come e dorme.

Após montar o banheiro chegou a hora de colocar a mão na massa e treinar seu amigo!

Fique atento aos sinais e rotina de seu peludo. Geralmente ao acordar e após as refeições e brincadeiras, o cão tende a querer fazer xixi. Neste momento, leve-o até o local determinado e espere até que ele se alivie. Assim que ele terminar recompense-o com muita festa, carinho e um petisco gostoso.

Com a repetição e o tempo, logo o seu cãozinho entenderá que ali é o local adequado para fazer suas necessidades.

Lembre-se que durante o período de aprendizagem erros podem acontecer, isso é normal. Evite dar broncas quando os erros ocorrerem, pois, neste caso, as broncas podem piorar a situação. Se seu cão ficar com medo de fazer xixi na sua frente será difícil recompensar os acertos e, além disso, ele pode passar a fazer em locais ainda mais inapropriados na tentativa de esconder de você.

Com carinho, paciência e persistência logo o seu amigo estará usando o banheiro de forma correta!

Fonte: Jornal Imprensa ABC

Saiba como se tornar um franqueado da Cão Cidadão

noticias_interna-como-se-tornar-um-franqueadoA Cão Cidadão, empresa de adestramento do zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, é a maior franquia de adestramento e comportamento animal da América Latina e atua com o sistema de franquias móveis. Isso é uma das vantagens, pois o profissional não precisa de um estabelecimento de atendimento fixo, já que as consultas são na casa do cliente.

Aqui vão mais alguns motivos para você se tornar um adestrador franqueado:
• Baixo investimento inicial;
• Possibilidade de organizar sua própria agenda;
• Preços competitivos e alta demanda no mercado;
• Metodologia cientificamente comprovada (Adestramento Inteligente®).

O processo seletivo é dividido em três etapas: introdução, avaliações e entrevista pessoal. Caso o participante seja aprovado, ele passará por um treinamento de três meses de duração. Para saber mais sobre isso, clique aqui.

Se interessou? Então, clique aqui para fazer seu cadastro!

Aulão com franqueada em São Caetano do Sul

No próximo sábnoticias_interna-aulao-franqueadaado, 17, a adestradora e franqueada de São Caetano do Sul, Tatiane Abe, dará um aulão sobre comportamento animal.

O evento será na Creche Cantinho do Auau, das 14h às 15h. Para participar não é necessário se inscrever previamente! Saiba mais em nossa Agenda. Clique aqui.

Serviço: Aulão de adestramento
Local: Creche Cantinho do Auau – Rua Amazonas, 720, Fundos – Centro
Horário: 14h às 15h.

Como lidar com um cão territorialista?

dicas_interna-cao-territorialista Por Samantha Melo, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

“O Max dorme com a minha mãe em seu quarto. Toda vez que abrimos a porta do quarto ele entra primeiro, rosna e late muito, e acaba se escondendo embaixo da cama. Gostaria de saber o que posso fazer para ele mudar este comportamento.”

Olá, Inaiara. Tudo bem?

Pelo seu relato, esse comportamento do Max parece ser motivado por territorialismo, ou seja, talvez ele acredite que o quarto é dele e que precisa protegê-lo da entrada de outras pessoas ou mesmo que tem como dever proteger a sua mãe. Por isso, é necessário tomar algumas atitudes para que ele baixe a guarda e fique mais tranquilo.

A primeira coisa a fazer é evitar qualquer tipo de disputa. Não tente tirá-lo de lá à força ou brigar. Assim, você evita dar a ele motivos para lutar pelo local. Por outro lado, não o incentive a achar que aquele tipo de atitude funciona, ou seja, não saia do quarto assim que ele rosnar. Imagina só: se todas as vezes que latir ele conseguir o quarto só para ele, vai passar a latir cada vez mais. Faça, então, exatamente o contrário, que é não sair do local e ignorá-lo completamente.

Outra estratégia é recompensá-lo sempre que ele sair de baixo da cama. Como? Oferecendo um petisco diferente, carinho, o brinquedo preferido e muita festa. Vale também usar a comida para atraí-lo para fora, introduzindo o comando “Vem”, mas sem forçar. Comece a ter o hábito de valorizar os momentos em que ele passa fora dali ou mesmo os que ele não rosna ou late. Assim, ele vai passar a gostar também de sair do ambiente.

Além disso, é importante que o Max tenha um outro cantinho seguro dentro de casa. Ainda que o seu pet durma no quarto, ele precisa de um local apenas dele como referência, com caminha, cobertor, brinquedos e até mesmo uma roupa sua ou da sua mãe. Esse refúgio pode ficar na sala, por exemplo. Dessa forma, quando a família estiver reunida, ele pode fazer parte da confraternização, aumentando a vontade de permanecer fora do quarto. Aqui, mais uma vez, reforço: recompense-o por se comportar bem. Nesse caso, demonstre que ele está acertando quando relaxa em seu canto.

E você pode ainda incentivá-lo a só entrar no cômodo quando for autorizado e apenas depois de vocês. Para isso, ensine o comando “Espera”, a princípio longe do quarto. Coloque-o sentado, posicione-se de frente para ele, apresente a sua mão fechada (como um soquinho) e diga “Espera”. Depois de alguns segundos diga “Ok” e com um petisco faça-o sair do lugar para que ele entenda que foi liberado. Treine bastante e gradativamente aumente o tempo de espera e a distância que você fica. Depois, tente fazer na porta do quarto!

A nossa equipe de adestradores está à disposição para ajudar, não deixe de nos chamar caso seja necessário. Boa sorte!

Fonte: Portal do Dog

Aprenda a fazer brinquedos para o pet!

O zonoticias_interna-edcotecnista e especialista em comportamento animal Alexandre Rossi estará no É de Casa, da Rede Globo, no sábado, 10 de março, para falar sobre brinquedos para cães e gatos que podem ser feitos em casa.

Este tema é uma ótima pedida para quem está procurando meios para enriquecer o ambiente dos pets a fim de evitar comportamentos como a ansiedade e a destruição de objetos da casa.

O É de Casa começa às 9h, na Rede Globo. Não perca!

7 Dicas para seu pet ficar bem em hotéis no feriadão!

dicas_interna-cuidados-pet-hotel

Por Ludmila Cristina Baldi, bióloga, Msc., adestradora e franqueada da Cão Cidadão

No período de férias ou feriados, em que as famílias resolvem descansar e passear, surge também a preocupação com o bem-estar e segurança dos pets.

Nem sempre é possível levá-los para curtir a viagem com a família. E é nessa hora que vem a dúvida: onde deixá-los?

Muitos podem contar com amigos e parentes para cuidar, outros optam por pet sitters e alguns buscam um local que ofereça cuidado em tempo integral, como os hotéis para cães.

A escolha do local adequado garantirá a tranquilidade da família durante a viagem e a segurança de que o animalzinho estará bem cuidado.

É importante que a família leve em consideração alguns fatores antes de escolher um hotelzinho para o cão. Busque referências e indicações de conhecidos e nunca deixe de visitar os locais onde pretende deixar o pet.

Leia as avaliações de outros clientes e também busque informações em sites de reclamações para conhecer a reputação da empresa. É imprescindível que o hotel exija a carteira de vacinação e garanta que os hóspedes estejam devidamente vacinados e protegidos contra verminoses, pulgas, carrapatos e outros ectoparasitas.

Se o seu pet não for castrado, saiba que em São Paulo muitos hotéis não aceitam, é bom pesquisar esse fator antes. Além disso, opte por locais que possuem câmeras 24 horas.

Fique de olho!

1. Observe a higiene, limpeza, organização e disponibilidade de água limpa ao visitar o local.

2. Repare se o hotel conta com um veterinário e com áreas cobertas, além de averiguar a forma com que os funcionários, cuidadores e recreadores lidam com os animais.

3. Não deixe de ver se os cães ficam a maior parte do tempo soltos e se existe uma rotina de atividades (hora de comer, hora de brincar etc).

4. Se o hotel aceita que o cão coma sua própria ração (caso não aceite, a família deve fazer a transição da ração antes de levar o pet, para evitar desconfortos gastrointestinais).

5. Leve o amigo peludo ao local para conhecer antes de deixar ele lá. Veja como ele se sente no ambiente e como interage com os outros hóspedes.

6. Se possível, deixe que ele passe uma noite ou um fim de semana lá para que se familiarize.

7. Leve seus pertences (caminha, brinquedos, mantinhas etc) e uma roupa com o cheiro da família, para o cão se sentir acolhido.

Carnaval na cidade

Para as famílias mais caseiras, que não costumam deixar a cidade, existem opções de locais Pet Friendly para passear com a família toda e desfrutar da companhia do peludo.

Parques e shoppings costumam ser uma boa pedida. Veja algumas dicas desses locais em São Paulo.

· Parques do Ibirapuera e Villa-Lobos.

· Shoppings Cidade Jardim, Eldorado, Villa-Lobos, Center 3, Frei Caneca, Jardim Sul, Pátio Paulista, Pátio Higienópolis e Top Center.

· Restaurantes Coco Bambu JK/Vila Nova Conceição-SP, Bistrô Animall, Pet/Morumbi-SP, Brew Dog e Bar/Pinheiros-SP.

Mais dicas de lugares onde seu cão é bem-vindo você pode encontrar no site www.aquipode.com, um guia que lista os estabelecimentos com base nas necessidades do cliente.

Faça a busca pelo segmento desejado (bares, restaurantes, pousadas, comércio) e descubra se é permitida a presença de animais de estimação.

Independentemente da escolha da família, entre deixar o pet em um hotel ou passear com ele pela cidade, com planejamento, cuidado e organização é possível que todos aproveitem e curtam os dias de lazer com alegria, segurança e tranquilidade.

Fonte: Dolce Dogg