Copa sem estresse: dicas para minimizar o medo de fogos!

Por Ariadne Cardeliquio, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Copa chegando e os fogos de artifício vêm com ela!! E o peludo? Muitos dos nossos amiguinhos têm medo de fogos de artifício e, com a Copa, eles serão inevitáveis.

E, o que fazer?

O treino deve começar a ser feito o mais breve possível. Desde que chegam em casa, nossos pequenos devem ser apresentados a todos os tipos de sons, coisas e pessoas – chamamos isso de sociabilização.

Mas, se mesmo assim ele sente medo dos fogos, seguem algumas dicas:

– Grave o som dos rojões e coloque para o peludo ouvir, dando petiscos gostosos a ele. Aumente gradativamente sempre que o cão estiver tranquilo com o volume anterior. A associação positiva ajuda o cão entender que é apenas um barulho.

– Não estimule o medo! Quando o cão demonstra estar com medo, o dono geralmente o abraça, fazendo voz fininha, diz para ele ter calma… Mas, para o peludo, isso pode indicar que o “líder” também está apavorado.

– Em dias de jogos, mantenha seu pequeno em um local onde haja menos barulho, com brinquedos que ele goste, uma música para que abafe um pouco os fogos.

– Plaquinha de identificação é imprescindível!! Muitos cães fogem de casa por medo.

– Algodão na orelha do peludo também ajuda a diminuir o barulho.

– Medicamentos, somente com a avaliação de um médico veterinário.

Cuide bem do seu amigo!

 Já fez o download do Infográfico que a Cão Cidadão preparou com dicas para cachorros que têm medo de fogos e barulhos altos? Aproveite a Copa sem estresse! Acesse http://migre.me/jBMQo

Brigas entre cães: como agir?

separar-brigasVocê sabe o que fazer quando começam as brigas entre cães?

Abaixo, separamos algumas dicas, mas é necessário realizá-las com bastante cautela.

Caso essa seja uma situação que o deixe inseguro, o melhor é procurar o auxílio de um profissional de comportamento animal.

A primeira coisa que se deve evitar é gritar, principalmente se um dos cães for seu, pois ele achará que você está em perigo ou o estimulando a brigar ainda mais.

O que se deve fazer é jogar algo entre eles ou na direção deles, que não os machuque, mas que seja grande e barulhento, para tirar a concentração deles da briga. Se nada disso for suficiente para interromper o confronto entre eles, existe outra técnica, que consiste em agarrar o rabo dos briguentos, ou pelo menos do cão agressor, levantar as patas de trás do chão e sair andando em círculos com ele ou para trás, evitando, assim, que ele consiga mordê-lo.

Ao levantar as patas traseiras do cão, você tira a tração para o ataque e dificulta a respiração dele, portanto o cão, além de ser obrigado a se concentrar para não cair com o focinho no chão, terá que soltar o adversário para conseguir respirar direito.

Mas, atenção: não puxe de uma vez, pois a tração pode causar ferimentos ao pet. Cães separados podem transferir a agressividade para a primeira coisa que estiver ao lado, por isso, tome cuidado!

Trecho tirado do livro “Adestramento Inteligente”.

Erros mais comuns na hora do adestramento

O adestramento não tem a função apenas de ensinar truques ao pet. O objetivo principal é permitir que a relação entre o dono e o animal se mantenha harmoniosa, por meio da melhora da comunicação entre ambos.

Algumas dicas são importantes para não apenas evitar problemas durante o treinamento, como também fazer com que ele seja realmente eficaz.

Confira os erros mais comuns na hora do adestramento:

– Uso da palavra “Não”: não a utilize a todo o momento, pois, além de deixar o animal confuso, vai perder a sua eficácia.

– A bronca deve estar sempre associada ao comportamento errado e deve ser realizada assim que a ação ocorrer, e não depois.

– Muitas vezes, ao fazer algo errado, o cão está apenas querendo chamar a atenção. Cair nessa “armadilha” (por exemplo, correr atrás do animal para retirar um objeto de sua boca) reforçará esse comportamento.

– Nunca use violência física!