Gravidez psicológica: como identificar?

gravidez
Photo credit: Erháld / Foter / CC BY-SA

Por Malu Araújo, adestradora da Cão Cidadão.

A pseudociese ou gravidez psicológica é uma falsa gestação e pode acontecer com as gatas também. Normalmente, manifesta-se em torno de dois meses depois do cio.

Alguns dos sinais que sua cachorrinha ou gatinha está passando por uma gravidez psicológica são: aumento das mamas, buscar panos, toalhas ou roupas e montar um “ninho”, levar para esse local alguns brinquedos e objetos como se fossem filhotinhos, ela pode adotar também os outros animais da casa, ter perda de apetite e alteração no comportamento, chegando a ficar agressiva com os próprios donos. Esses sintomas são diferentes em cada animal, e elas podem apresentar um ou mais sintomas e com intensidade diferente.

Para realmente ter certeza de que a fêmea está com gravidez psicológica, não deixe de conversar com o médico-veterinário. Somente um profissional poderá confirmar e indicar o que deve ser feito.

Apesar de ser um problema relativamente comum, não é aconselhável que a fêmea passe por isso muitas vezes ao longo da vida, pois esse comportamento é estressante e pode desencadear outras doenças, como mastite.

O tratamento mais recomendado é a castração, somente com ela a produção de prolactina será interrompida – hormônio responsável tanto pela pseudociese, quanto pela gravidez verdadeira.

Se a fêmea já está com esses sintomas, aguarde esse período passar, respeitando o espaço dela e continue com a rotina habitual, os passeios, o horário da alimentação, etc. Mas, se ela se recusar, respeite.

Fonte: PetShop Magazine

Passear de carro: confira alguns cuidados

Photo credit: nikoretro / Foter / CC BY-SA
Photo credit: nikoretro / Foter / CC BY-SA

Passear de carro com o cãozinho exige atenção e alguns cuidados com a segurança e o conforto dele. Para tornar o passeio agradável para toda a família, separamos alguma dicas simples, mas que podem fazer toda a diferença. Confira!

Segurança

Primeiro passo: o seu carro conta com um cinto de segurança próprio para pets? Pode ser um cinto estilo peitoral, desde que ele seja bem resistente. Prenda-o em ponto fixo do carro, que não permita que o cão salte ou pule no seu colo enquanto estiver dirigindo. Se você não tiver o acessório, mantenha o bichinho confortavelmente instalado dentro da caixa de transporte. O seu cão já está habituado à caixa? Se não, confira aqui algumas dicas!

Importante: nunca deixe o pet solto no carro! Evite acidentes!

Acesso à janela

Não deixe o seu cão ter acesso total à janela, pois eles podem tentar colocar a cabeça para fora e isso pode comprometer a segurança dele. Além disso, ao colocar a cabeça para fora do veículo, algum bichinho pode bater no olho dele ou entrar no nariz, o que pode machucar ou incomodar o pet.

 

Medo de passeio

Se o seu cão é do tipo que não gosta de passear de carro, pois fica com medo ou enjoado sempre que entra no automóvel, é preciso tomar algumas providências para ajudá-lo.

Não o leve para passear de carro, por exemplo, apenas quando for ao veterinário. Dê voltas pelas ruas próximas a sua casa, vá ao parque, visite alguns amigos – sempre respeitando os limites dele! Assim, ele associará essa prática com algo bom e perderá o medo que tem de passear de carro.

Confira mais algumas dicas sobre cães e carros em nosso espaço “Dicas”!

Falta de apetite em cães

dicas_falta_de_apetite_em_caes
Photo credit: andrewasmith / Foter / CC BY-SA

A falta de apetite em cães é um assunto que preocupa muitos donos. Por que será que o meu cachorro não quer comer? Antes de tudo, é preciso diferenciar a fome do apetite. Sim, tem diferença!

Enquanto a fome é a necessidade física do cão se alimentar e repor os nutrientes, o apetite é o desejo e a vontade de ingerir comida. Na maioria das vezes, o cão saudável terá apetite mesmo se já estiver com a fome saciada.

Falta de apetite: como agir

O primeiro passo é procurar um médico veterinário e avaliar se a saúde do animal está em dia. Se estiver, é importante rever algumas condutas.

Por exemplo:

– Você segue as orientações da embalagem da ração em relação à quantidade?

– O alimento fica disponível o tempo todo para o cão?

É importante oferecer a quantidade certa de cada refeição ao pet e retirar o pote depois de alguns minutos, mesmo que o cão não coma tudo. Outra dica interessante é utilizar brinquedos que soltam ração ou mesmo uma garrafa pet furada como comedouro. Assim, você estimulará o seu animal de estimação a se exercitar enquanto come.

Importante: evite incrementar a ração do pet para incentivá-lo a comer! Isso porque ele pode começar a recusar a ração simples, para ganhar a incrementada!

Quer aprender mais sobre o assunto? Também falamos sobre o tema neste post.

Briga de cães: os animais devem ficar separados para sempre?

[vc_row][vc_column][trx_image url=”30296″ align=”none”][vc_empty_space height=”32px”][vc_column_text]
Photo credit: Richard Masoner / Cyclelicious / Foter / CC BY-SA
Photo credit: Richard Masoner / Cyclelicious / Foter / CC BY-SA
[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][vc_column_text]

Em caso de briga de cães, como uma medida preventiva, separe-os para evitar novos atritos. Mas, eles não têm que viver separados para sempre obrigatoriamente. Você vai precisar se dedicar bastante e ter paciência para garantir o bem-estar deles e para que voltem a conviver em harmonia. Conhecer bem cada cão vai ajudar muito a prevenir situações de estresse e que gerem novas brigas.

Além disso, você poderá focar em treinos específicos para cada um deles. A reaproximação deve ser feita sempre pensando na segurança de todos, incluindo as pessoas da casa, já que há risco dos cães redirecionarem a agressividade para alguém que estiver por perto, caso não consiga alcançar o outro cão. Além disso, é fundamental ter sempre a supervisão de uma pessoa, para fazer associações agradáveis aos cachorros durante os reencontros.

Dicas

– Pegue dois paninhos ou cobertas, cada um com o cheiro de cada cão. Coloque o paninho com o cheiro de um embaixo do pote de comida do outro. Repetindo todos os dias, eles vão associar o cheiro do outro cão com a sensação agradável de se alimentar.

– Acostume ambos a usarem focinheira. Para isso, use a focinheira como se fosse o pote de comida. Prenda-a com a ponta para baixo, de modo que o cão “vista” a focinheira para comer. Atenção para a escolha da focinheira: pegue uma que permita que o cão consiga abrir a boca normalmente, mas que seja resistente para conter as mordidas nos outros.

– Use um portão de grade, que os cães não consigam pular nem morder o outro pelos vãos, para mantê-los separados, mas com a possibilidade de se verem. Você poderá alimentá-los enquanto eles estão em contato visual um com o outro. Comece mantendo uma boa distância entre eles e vá aproximando-os do portão aos poucos.

– Quando estiverem tranquilos nessa situação, tente colocá-los no mesmo ambiente, mas usando focinheira e a guia. Você pode optar por uma guia mais longa, que dê mais liberdade e mantenha a segurança. Se preferir, peça a ajuda de alguém para conduzir um dos cães ou prenda ambos em diferentes pontos fixos, de forma que não se alcancem. Sempre que eles se olharem, dê um petisco bem gostoso para cada um.

– Conforme forem ficando tranquilos, vá aproximando os animais. Se um deles rosnar ou demonstrar agressividade, será necessário regredir um pouco e mantê-los um pouco mais afastados.

Esse treino não tem duração específica, pois o tempo vai ser de acordo com o temperamento e desenvolvimento dos cães. Não tenha pressa! É essencial respeitar o limite de cada cão e não forçar uma situação que eles não estejam confortáveis. A convivência deles pode demorar para acontecer, mas não é impossível. Persista, dedique-se, tenha paciência e não desista dos seus cães.

Sempre que precisar, você pode contar com a ajuda de um especialista em comportamento animal da Cão Cidadão!

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!