Cão Cidadão no XXXV Encontro Anual de Etologia

noticias_internaO Grupo de Estudos Científicos da Cão Cidadão, o GEC, participou, entre os dias 15 e 18 de novembro, do XXXV Encontro Anual de Etologia, em Salvador (BA). O evento, considerado um dos mais importantes na área de comportamento animal da América Latina, foi sediado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O tema central “Adapte-se: a Etologia no mundo em mudanças” foi tratado por meio de minicursos, simpósios e plenárias. Além de participar destas atividades, o GEC apresentou, nos dias 16 e 17, os resultados parciais da pesquisa sobre “tecidos que os gatos preferem arranhar”.

A adestradora e franqueada da Cão Cidadão, Cássia Rabello, representou a Cão Cidadão no congresso. Para isso, contou com a participação de Claudia Terzian, ex-franqueada e membro do GEC, e de Caroline Maia, pesquisadora de Botucatu (SP) e uma das criadoras da pesquisa.

“Muitas pessoas se mostraram interessadas no conteúdo da nossa pesquisa, especialmente os tutores que convivem com os felinos e têm os sofás e móveis arranhados”, relata Cássia.

Pesquisa

A apresentação do GEC foi feita por meio de dois pôsteres. No primeiro foram demonstrados os resultados da pesquisa que o grupo realizou a partir das respostas de tutores de gatos para duas questões: “os donos que têm os móveis destruídos se incomodam com isso?” e “qual o tecido que mais reveste as mobílias das casas?”.

Para a primeira pergunta, a pesquisa indicou um empate entre os tutores que se incomodam e os que não se incomodam com a arranhaduras nos móveis de casa. “Foi surpreendente, pois imaginávamos que a maioria responderia que se incomoda com este hábito dos felinos”, conta Cássia.

Já no segundo pôster, o grupo falou sobre a coleta de dados feita em uma ONG, em que foram testados quatro tecidos de revestimento de mobílias para avaliar a preferência dos bichanos, sendo dois considerados mais resistentes a arranhadura de gatos e outros dois mais comumente encontrado nas casas. Nessa pesquisa, apenas cinco gatos arranharam os tecidos, então, a preferência foi individual.

“O encontro foi muito bom, pois propiciou a troca de informação e conhecimento durante as apresentações, além de reforçar a marca Cão Cidadão”, avalia a adestradora.

A coleta de dados ainda foi realizada em mais duas ONG’s e está sendo analisada pelo GEC. Os resultados serão divulgados em breve.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cão Cidadão participa de pesquisa com universidade da Hungria

Photo credit: In Paris Texas / Foter / CC BY
Photo credit: In Paris Texas / Foter / CC BY

 

A Cão Cidadão, com a missão de integrar melhor o pet na família e na sociedade, por meio da educação,  firmou recentemente uma parceria com o Departamento de Etologia da Universidade Eötvös Loránd, da Hungria, para a participação em um estudo que tem, como objetivo, descobrir o quanto a genética influencia no comportamento de cães que latem em excesso.

Uma equipe de voluntários da Cão Cidadão iniciou a coleta de dados no final de maio, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Os especialistas reuniram amostras de saliva de cachorros e registraram vídeos com testes de vocalização. Os donos também preencheram a um questionário, fornecendo algumas informações sobre o animal.

Acompanhe um pouco do que aconteceu nesse dia:

Participe!

Que tal ajudar a ciência a entender melhor o comportamento dos cães?

Você pode fazer parte e contribuir para esse estudo! Para isso, bastam apenas alguns minutinhos! Acesse  este questionário e responda a algumas questões sobre o seu cão. Participe dessa iniciativa!

Os dados serão compilados e enviados para a universidade. Acompanhe as novidades do estudo pelo site da Cão Cidadão!

 

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Curiosidades da Copa: Zakumi, o símbolo do África do Sul

curiosidade-leopardoQuem aqui se lembra do mascote da África do Sul, na Copa de 2010? Ou melhor, da mascote! Sim! A África do Sul foi o primeiro país sede a apresentar uma mascote para o Mundial.

Inspirado em sua rica fauna, o país escolheu Zakumi, uma fêmea de leopardo, para representá-lo. Ela trazia detalhes em verde, branco e dourado.

O mais interessante foi a simbologia do nome da mascote: “Za” significa África do Sul, enquanto “Kumi”, dez. Ou seja, “África do Sul é dez”.

Bacana, não?

Fonte: Portal Uol.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cães e gatos veem luzes ultravioleta, diz estudo

estudo-ultravioleta

De acordo com uma pesquisa realizada por biólogos da City University London, na Inglaterra, cães e gatos conseguem enxergar luzes ultravioletas, que produzem cores que a visão humana não consegue ver.

Diferentemente dos humanos, que só enxergam tons do vermelho ao violeta, os animais são capazes de enxergar a luz ultravioleta, que está no processo normal da visão.

As abelhas e insetos, por exemplo, usam a luz ultravioleta para ver tons nas plantas que os atraiam ao néctar. As renas, por sua vez, podem identificar um predador como o urso polar, cuja pelagem branca se mistura à cor da neve.

Para chegar à descoberta, os pesquisadores analisaram olhos de diversos animais, de variadas espécies. O procedimento mostrou que os olhos dos cães e gatos permitem a absorção de luzes ultravioleta, propondo assim, que eles teriam a capacidade de enxergá-los.

Mais informações no Portal UOL.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0