Hora do banho

Photo credit: Raelene G / Foter / CC BY
Photo credit: Raelene G / Foter / CC BY

Por Malu Araújo, adestradora da Cão Cidadão.

O processo pode ser menos complicado se os treinos forem iniciados desde cedo, quando o gato ainda é um filhotinho.

O banho deve ser algo agradável e gostoso, então, cuidado com a temperatura da água. Prepare uma bacia com uma borracha de EVA no fundo, para evitar que ele escorregue. Não deixe a bacia muito cheia de água e não dê o banho se você estiver com pressa, pois, o ideal é ter tempo para acostumá-lo aos poucos. Não tente secá-lo com o secador, pois essas coisas podem assustá-lo muito. Faça tudo com calma, já que você quer que ele goste de tomar banho.

Apresente-o primeiro a tudo que possa envolver o momento do banho. Comece por pequenas etapas: faça com que ele se habitue ao som do secador, com ele ligado em outro ambiente, depois, com calma, aproxime-o do seu gato, nunca direcionando o jato para a cara dele, para não assustá-lo. Faça carinho nele com a toalha, deixe que ele sinta o cheiro dos produtos que você vai usar, como o xampu; use a escova para fazer carinho bem devagar. Procure sempre associar esses momentos com algo agradável, oferecendo um petisco, brincando, fazendo carinho e falando com ele com um tom de voz suave.

Outra opção é dar preferência aos dias mais quentes e secar bem o gatinho com a toalha. Depois, deixe que ele termine de se secar com o calor do sol, principalmente se o gato apresentar muita resistência ao secador. Depois que o seu gato já estiver mais habituado com os objetos, sons e tudo o que envolve esse momento, você pode dar um banho completo nele.

Organize-se! Um dia antes você pode cortar as unhas do gato. Você também pode escová-lo antes de dar banho, o que evita que ele solte muito pelo.

Proteja o ouvido dele com um chumaço de algodão. Tome cuidado também com os olhos e nariz: não jogue água diretamente nesses locais.

Use sempre produtos recomendados pelo médico veterinário.

Fonte: PetShop Magazine.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cuidados com a caixa higiênica

Photo credit: René (and then some) / Foter / CC BY
Photo credit: René (and then some) / Foter / CC BY

Por Malu Araújo, adestradora da Cão Cidadão. 

O bichano deve se sentir confortável para usá-la, pois, caso não esteja, poderá urinar e defecar em locais inapropriados. Ou ainda, utilizar o banheiro menos vezes do que é recomendado, o que pode ocasionar problemas de saúde!

O ideal é oferecer uma caixa a mais do que a quantidade de gatos que há na casa, ou seja, se você tem um gato, deve ter duas caixas. Se tem dois gatos, deve proporcionar a eles pelo menos três caixas higiênicas. Outra dica é não colocar a caixa em locais que possam deixá-lo desconfortável, por exemplo, um lugar muito barulhento, que pode ser próximo à máquina de lavar ou da janela da casa, se sua rua for muito movimentada.

Também não a deixe perto da água, comida ou do local onde o gato dorme. A caixa pode ficar no chão ou em um local mais alto, e a frequência de uso do bichano é o que vai indicar para você a preferência dele.

Faça, ainda, testes com relação ao tipo de areia que será usado. Muitas delas têm um preço mais econômico ou certa facilidade de limpeza, mas, a “opinião” do gato é muito importante e deve ser levada em consideração. Assim, você vai evitar que ele, por não gostar do material usado, deixe de usar a caixa e faça as necessidades em local errado.

As caixas também não devem ficar muito sujas. Os gatos são higiênicos e evitam usar o banheiro, caso ele esteja muito sujo.

Cuidado com o produto que será usado para a limpeza da caixa: os que possuem o cheiro muito forte podem afastar o bichano.

Não se esqueça, também, de trocar periodicamente a areia. Com o tempo, ela pode ficar com odor e afastar o pet.

Fonte: PetShop Magazine.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como acostumar o seu gato a tomar banho?

Photo credit: yoppy / Foter / CC BY
Photo credit: yoppy / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi e Malu Araújo – adestradora da equipe Cão Cidadão.

Gatos são muito higiênicos, passam uma grande parte do dia se lambendo, mas eles também podem tomar banho, e melhor ainda, gostar de tomar banho. Preferencialmente, esse hábito deve começar desde cedo, quando o gato ainda é um filhotinho.

Para que ele goste deste momento e associe o banho a uma situação bacana, nunca contenha o gato contra sua vontade, não o coloque logo na primeira vez numa banheira cheia de água e não tente secá-lo com o secador, pois essas coisas podem assustá-lo muito. Faça tudo com calma, já que você quer que ele goste de tomar banho, e, para isso, apresente-o primeiro a tudo que possa envolver o momento do banho.

Os primeiros banhos devem ser dados em etapas: comece molhando só as patinhas, depois vá aos poucos molhando o restante do corpo dele, em outro momento passe uma toalha nele, depois, deixe ele sentir o cheiro dos produtos que você irá usar, sempre associando esses momentos com algo agradável, oferecendo para ele um petisco, brincando, fazendo carinho e falando com ele com um tom de voz suave.

Se você quer secá-lo com secador de cabelo, primeiro ligue o secador distante dele para que ele acostume com o barulho, ofereça um petisco, deixe o secador na potência mínima, aos poucos direcione o jato de ar na direção dele, ainda mantendo uma distância para não assustá-lo, e, aos poucos, passe o secador por todo o pelo do gato. Outra opção é dar preferência aos dias mais quentes e secar bem o gatinho com a toalha. Depois, deixe que ele termine de se secar com o calor do sol, principalmente se o gato apresentar muita resistência ao secador. Depois que o seu gato já estiver mais habituado com os objetos, sons e tudo o que envolve o momento do banho, você pode dar um banho completo nele.

Prepare-se! Um dia antes você pode cortar as unhas do gato, não dê banho se você não tiver tempo, não faça nada com pressa! Você também pode escová-lo antes de dar banho, evitando assim que ele solte muito pelo, proteja o ouvido dele com um chumaço de algodão. Tome cuidado também com os olhos, nariz, não jogue água diretamente nesses locais. Deixe tudo o que você vai usar separado, inclusive a toalha e o secador, o xampu e todos os produtos que você vai usar no banho; use sempre produtos recomendados pelo médico veterinário.

Uma dica é colocar uma borracha de EVA no fundo de uma bacia ou da banheira, para evitar que o gato escorregue.

Lembrando-se de tomar alguns cuidados, acostumando seu bichano desde cedo com essa situação, falando com ele durante o banho e oferecendo alguns petiscos, com certeza é uma receita que fará com que ele goste do banho! E, além de tudo, você terá um amigão bem cheiroso.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Por que gato é assim?

Photo credit: MSVG / Foter / CC BY
Photo credit: MSVG / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Para entender diversos comportamentos do gato, devemos nos remeter a seus ancestrais selvagens ou semi-selvagens

O comportamento do gato de hoje resulta de milhares de anos de seleção natural e de algumas décadas de seleção artificial, conduzida pelo homem. Na prática, o ser humano mudou pouco a aparência do gato e amenizou nele alguns comportamentos dos parentes selvagens.

Raças
Podemos notar o trabalho de seleção do homem pela observação das numerosas raças de gatos existentes. Praticamente todas resultaram de seleção artificial, embora algumas tenham sido obtidas de forma não intencional, enquanto outras vieram do cruzamento de gatos mais domésticos com selvagens.
Apesar de haver bastante diferença entre algumas raças de gatos, o gato doméstico foi muito menos alterado pelo ser humano do que o cão, mantendo-se, de certa maneira, mais selvagem.

Selvagem x doméstico
Os gatos selvagens, de modo geral, são mais cautelosos (assustados), mais agressivos com outros gatos e pessoas, caçam mais e brincam menos do que seus parentes domésticos, mesmo quando criados em condições semelhantes.

Essas diferenças foram selecionadas por nós, tanto conscientemente quanto inconscientemente. Por exemplo, muitas pessoas que alimentam gatos em sítios e fazendas, sem querer privilegiam os exemplares mais corajosos, aqueles que chegam mais perto. Coragem essa que poderia resultar na morte do gato em uma situação mais selvagem.

À medida que o ser humano garante a sobrevivência dos gatos, qualquer que seja o comportamento deles, mais comportamentos “anormais” surgirão e poderão ser selecionados. Um gato que nasce sem instinto de caça morreria de fome na natureza. Mas, numa família, pode ser reproduzido exatamente por não atacar os passarinhos da casa.

Embora eu ainda não tenha visto gatos sem instinto de caça, alguns deles caçam muito pouco ou muito mal, mas sobrevivem numa boa, comendo ração fornecida por seus donos. Apesar de nem todo gato se comportar exatamente como seus parentes selvagens, muito do que os felinos domésticos fazem é, ainda, resultado dos milhares de anos de seleção natural.

Água corrente ou em grandes superfícies
Como os gatos são animais territoriais, se sempre eles tomarem água em um mesmo local, poderão se intoxicar facilmente caso a fonte esteja contaminada – intoxicações podem resultar de efeito cumulativo. Portanto, o comportamento de procurar beber água em locais diferentes e optar por água corrente foi selecionado nos gatos. Eles também gostam de beber água espalhada em grandes superfícies. Provavelmente, porque, com uma área maior de evaporação, fica mais fácil perceber pelo olfato qualquer contaminação.

Obsessão por limpeza
Para caçar, na maioria das vezes os gatos ficam imóveis em local estratégico e esperam o momento certo para surpreender a presa.

Um gato com pelos que caem e cheiram mal dificilmente não será percebido pelos ratos, e a área onde o felino está será evitada. Ratos têm medo instintivo de cheiro de gato – conseguir detectar um felino nas proximidades é vital para eles. Até ratos de laboratório ficam mais cautelosos quando se joga um pano com cheiro de gato na gaiola deles.

Esfregar-se em objetos fétidos
Parece contraditório um animal obcecado por limpeza se esfregar em carniça. Gatos se limpam para não serem percebidos por suas presas. Mas um cheiro muito mais forte pode disfarçar seu próprio cheiro, o que acaba também funcionado como estratégia.

Maior atividade noturna
Muitos gatos parecem realmente acordar durante a noite. Perambulam pela casa, brincam, miam, etc. Gatos que naturalmente ficam mais estimulados à noite têm maior chance de conseguir caçar ratos. É por isso também que os gatos possuem uma ótima visão noturna.

Esfregar-se em pessoas e coisas
Para aumentar a chance de sobreviver, é importante que o gato consiga reconhecer facilmente o que é perigoso e o que não é. Qualquer novidade em seu território precisa ser evitada ou investigada cuidadosamente. Ao investigar o objeto ou interagir com o animal ou pessoa, é vantajoso para o gato deixar sua assinatura, ou seja, seu cheiro, para facilitar o futuro reconhecimento.

Para o gato, os objetos e as pessoas que estão com o cheiro dele já foram verificadas e não oferecem tanto perigo. Infelizmente para os donos dele, muitas vezes o gato faz xixi nos objetos novos, em vez de se esfregar neles. Por isso, fique feliz quando o seu gato apenas se esfrega em você ou em seus objetos, em vez de fazer outra coisa!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Curiosidades sobre os gatos

Photo credit: Tambako the Jaguar / Foter / CC BY-ND
Photo credit: Tambako the Jaguar / Foter / CC BY-ND

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Gato enxerga no escuro?
Gato não consegue ver no escuro total, ao contrário do que se pensa. Mas precisa de muito menos luz do que as pessoas para enxergar. No escuro total, além de contar com o olfato, a audição e o tato, tem a ajuda dos bigodes para não bater a cabeça nem ralar a ponta do nariz.

Como descer de árvores altas 
As garras do gato, em forma de gancho, funcionam bem para escalar troncos. Mas deixam de funcionar com o corpo na posição invertida, de descer. Ele não sabe que conseguiria ir para baixo se ficasse na posição de subir e fizesse ré. Quando o gato está em local muito alto e desconhece a técnica (o aprendizado ocorre por observação ou prática), pode entrar em pânico. Daí aquela cena, típica de filmes americanos, em que bombeiros aparecem e resgatam o felino. Para ensinar um gato a descer, podemos colocá-lo num tronco na posição de subir e estimulá-lo a fazer ré com um petisco na ponta de uma varinha.

Carinho ou demarcação?
Gato gosta de deixar seu cheiro em tudo. Quando se esfrega na gente, ele faz carinho e aproveita para deixar o cheiro dele. A parte que os gatos mais esfregam em nós e em outros gatos é a que fica um pouco abaixo das orelhas, onde a maioria deles tem menos pêlos. Como o cheiro vem da pele, essa área menos protegida é a que melhor transfere o odor.

Borrifos de urina
Em vez de levantar a perna como os cães machos, o gato fica de costas, levanta a cauda e borrifa a urina para trás. Esse comportamento (um dos que os donos mais odeiam) é típico de macho não castrado, mas as fêmeas e os machos castrados também podem adotá-lo.

Disfarce para a dor
É comum o gato não dar sinal quando sofre desconforto ou dor. Ou, então, ficar escondido até que o incômodo passe. Esses disfarces evitam mostrar fraqueza — os demais gatos poderiam se aproveitar da situação e expulsá-lo. Por ser instintivo, o comportamento ocorre mesmo quando não há gato por perto.

Ouvir ratos cantores
Para atrair uma parceira, o rato canta como passarinho, mas em ultra-som (freqüência captada por alguns animais, mas não por seres humanos). Capaz de direcionar as orelhas, o gato descobre em segundos de onde vem a cantoria.

Aprendiz privilegiado
A habilidade para aprender alguns comportamentos pela simples observação é mais acentuada e mais fácil de ser demonstrada no gato do que no cão. Apesar de mais independente que o cão, o gato é capaz de aprender a obedecer a comandos.

Autolimpante
A maioria dos gatos pode passar a vida inteira sem tomar banho e sem apresentar problemas por causa disso! Obsessivo com sua limpeza, o gato procura retirar do pêlo qualquer odor ou sujeira. A exceção fica por conta dos que têm pêlos muito longos. Esses costumam precisar de ajuda, inclusive com banhos e escovação. As pessoas têm o hábito de dar banho em gatos para deixá-los mais cheirosos, retirar pêlos “mortos”, tratá-los de doenças de pele ou, ainda, para controlar a alergia de alguém que convive com eles.

Lixa na língua
Quem já foi lambido por cão pode se assustar ao sentir a textura da língua do gato, áspera como lixa. Uma das funções dessa aspereza é facilitar a limpeza da pelagem e a remoção dos pêlos mais velhos e soltos.

Maníacos por caça
Gatos passam a vida caçando. Seja em caçadas verdadeiras, seja por meio de brincadeiras. Na maioria das vezes, adotam a técnica do golpe certeiro. Para isso, o gato se aproxima disfarçadamente da presa e espera o momento apropriado. Na caça ao rato, por exemplo, o bote é dado no instante em que a presa quase desaparece atrás de um objeto. Assim, quando ela perceber o que acontece, será tarde demais. Um fiozinho prestes a sumir do campo de visão simula o rabo de um rato. Instintivamente, mesmo que nunca tenha caçado um roedor, o gato pulará para agarrá-lo.

Vomitar bolas de pelo 
Ao se limpar ou ao lamber outro gato, o bichano ingere muitos pêlos e pode ter problemas. A prevenção e o tratamento incluem escovação, banhos e produtos especializados.

Vôo livre
Gatos se jogam ou caem de prédios com bastante freqüência, apesar de preparados para explorar alturas. Não é tentativa de suicídio. Eles querem conhecer outros ambientes. Queda acidental também ocorre, em geral a partir de parapeitos de janelas. Pode ser por um movimento em plena soneca, por um escorregão ou pela perda de equilíbrio ao pular sobre um objeto solto. O curioso é que a partir da altura do sexto andar, o risco de fraturas e de morte não aumenta. Muitos gatos já saíram ilesos de quedas altíssimas.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Quando nosso companheiro felino envelhece

Photo credit: lukeroberts / Foter / CC BY
Photo credit: lukeroberts / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Mais cedo ou mais tarde, o peso da idade se manifesta no gato. Saiba como o processo evolui e veja as dicas de Alexandre Rossi para proporcionar melhor qualidade de vida ao bichano nessa fase.

Gatos vivem uns 15 anos. Normalmente, o envelhecimento se torna perceptível a partir dos 12 anos de idade. A aparência pouco muda, mas ocorrem alterações gradativas de comportamento (se forem bruscas podem significar doença; na dúvida, consulte um médico-veterinário).

As mudanças típicas do envelhecimento podem ser sutis a ponto de demorar bastante para serem percebidas. De repente, nos damos conta de que o gato parou de pular nos móveis mais altos ou que parece não estar mais enxergando ou ouvindo tão bem. E só aí fica evidente que o tempo passou…

Observar atentamente é a maneira que todo proprietário tem para detectar, desde início, as alterações comportamentais do gato idoso. Com esse procedimento é possível minimizar dificuldades na rotina diária do felino e prevenir complicações se houver problema de saúde.

Estímulos e proteção
É normal que o ritmo do metabolismo do gato diminua com a idade. Com isso, ele dorme mais e precisa de menos alimento. Há também a redução da acuidade dos sentidos, diminuindo a sensibilidade nos aromas e reduzindo o prazer de comer. Uma dica é preservar ao máximo o odor da ração mantendo-a em potes hermeticamente fechados. Para tornar mais perceptível o cheiro de comida úmida guardada em geladeira, aqueça-a antes de servir. Evidenciar o aroma facilita também a aceitação de alimento diferente do habitual. Outro cuidado é deixar sempre o gato velhinho dentro de casa. Isso é ideal para evitar que ele apanhe de outros gatos, se envolva em acidentes ou seja atropelado.

Ambiente Amigável
Leve em conta que o gato, para não mostrar fraqueza, é especialista na arte de disfarçar dores e dificuldades. Ao mesmo tempo, à medida que os anos passam, ele fica mais sujeito a problemas de locomoção e se torna menos ágil.
Por isso, aconselho que, a partir dos 12 anos, seja proporcionado ao gato um ambiente adequado a restrições físicas, mesmo que não haja sinais delas. Esse ambiente deve se caracterizar pelo aconchego e pela facilidade de acesso. É preciso também que os potes de água e de comida, bem como a caixa de areia e o que mais for essencial para o gato, sejam alcançados com facilidade. Cuide, ainda, para que o local esteja protegido de outros animais que possam importunar.

Resguardo de mudanças
Sempre que móveis são arrastados ou mudados de posição, mantenha o gato que chegou à velhice num ambiente menos, longe de confusão, para não aumentar a insegurança dele. Ponha nesse refúgio temporário tudo que lhe for essencial. E só o deixe sair após o término da faxina.

O hábito, bastante comum, de introduzir em casa um cachorrinho ou outro gatinho para ficar com o gato quando ele se torna mais velho não é boa idéia. As mudanças causadas pela chegada de um animal podem prejudicar o bem-estar do gato idoso nessa fase, apesar dos benefícios que um companheiro pode proporcionar.

Auxílio com a higiene
Se o gato era capaz de se manter perfeitamente limpo por conta própria e começar a mostrar dificuldade para se limpar, ajude-o. Sempre que for necessário, faça uma boa escovação dele.

Problemas comuns
Há alguns males comuns em gatos mais velhos. Perceber no começo a manifestação de uma doença fica mais fácil quando se está atento aos sinais de mudança. Outra maneira é submeter o gato a checapes veterinários periódicos. Sintomas como perda de peso e aumento no volume de urina podem significar diabete. O aumento das atividades é um dos sinais de hipertireoidismo. Também são freqüentes problemas com os dentes dos animais de estimação, já que é raríssimo encontrar pessoas que realmente os escovam.

Resumo
– Observar o comportamento do gato pode ajudar a perceber se ele está com problema de saúde.
– A partir de 12 anos de idade, os gatos podem mostrar sinais de envelhecimento.
– Evite que o gato vá para a rua, pois poderá se envolver em acidentes mais facilmente.
– Evite mudanças drásticas na casa e na rotina do gato.
– Ajude-o na higiene.
– Esteja atento a sinais de doenças como o hipertireoidismo e a diabete.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0