Como ensinar seu cachorro a expressar desejos

Photo credit: Canfield3 / Foter / CC BY-ND
Photo credit: Canfield3 / Foter / CC BY-ND

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal. 

Há milhares de anos, homem e cão vivem uma relação estreita. Os cães mais eficientes nas atividades em parceria, como caça, companhia e guarda, eram os que se comunicavam melhor e foram os selecionados para procriar. Isso pode ter aumentado a inteligência da espécie e desenvolvido a sua comunicação com os seres humanos.

Como o cão se comunica com o homem
São muitas as possibilidades de os cães se comunicarem com os humanos. Desde por sinais típicos da espécie, como latir, chorar, rosnar, mostrar os dentes e abanar a cauda, até por sinais aprendidos durante a relação com o proprietário. É o que podemos notar no seguinte depoimento, dado por um dono cão: “Se ele quiser ossinhos que ficam num armário da cozinha e eu estiver na sala, me cutuca com a pata e tenta me levar para a cozinha. Quando chego lá, ele bate com a pata no armário para deixar claro o que quer. Quando mostro que entendi, fica todo feliz e, em geral, senta para esperar que eu dê o que pediu”.

Para entender melhor como acontece a comunicação entre cão e pessoas da casa, colhemos mais de quatro mil relatos relacionados ao assunto. Embora possam não exprimir exatamente a realidade, mostram pontos importantes sobre o comportamento canino e sobre como o ser humano o interpreta.

Como evolui a comunicação
A maioria dos proprietários acaba criando sem querer, um sistema de sinais que permite ao cão expressar desejos e pedir objetos e atividades. Mas como isso ocorre? Quando um proprietário vê o cão lambendo as últimas gotas de água do bebedouro, coloca mais água no pote. Com o tempo, o cachorro percebe que pode pedir água simplesmente lambendo o porte. Não é difícil imaginar que, por meio do mesmo processo, o cão aprenda a pedir comida, brinquedo, etc.

Dicas para ensinar o cão a pedir o que deseja
Ao compreender o processo que permite ao cão se comunicar, podemos criar situações propícias para que a comunicação se desenvolva. Primeiro, procure evitar que os sinais produzidos pelo cão sejam muito parecidos, dificultando a interpretação. Para saber se ele sta com sede ou fome ao encostar o focinho no pote vazio, use potes diferentes para dar água e comida. Pelo mesmo motivo, deixe a guia para passear em local diferente do dos biscoitos, já que o cão se aproximará da guia para pedir passeio e dos petiscos quando estiver interessado neles.

Crie situações em que o cão possa “pedir” o que deseja. Por exemplo, coloque menos comida no prato dele. E quando ele estiver lambendo os farelinhos das sobras, ponha mais. Aos poucos, o cão lamberá o prato para fazer um pedido. Outro treino é perguntar ao cão que chega perto da guia se quer passear e, em seguida, levá-lo para dar uma volta. Assim, ele perceberá que pode influenciar com atitudes o comportamento do dono

Cuidado para não ser totalmente manipulado pelo cão
Ensinar um cão a se comunicar não significa se tornar escravo dele. Ou seja, não é porque o cão pediu determinada coisa que você precisa servi-lo. Com o tempo, ele percebe o que pode pedir e quando. Minha cadela Sofia, por exemplo, sabe que existe chance de sairmos para passear quando estou me vestindo.

Sempre que começo a me calçar, Sofia corre para o painel eletrônico e aperta um dos oito compartimentos do painel (veja foto), aquele que corresponde a “PASSEAR” (nesse momento, uma gravação diz a palavra “Passear”). Mas na maioria das vezes eu não posso levá-lo comigo e tenho de dizer “Passear, não!”. Há ocasiões em que ela insiste, mas em geral desiste e vai deitar-se no sofá predileto.

A comunicação mais eficiente com nosso animal é muito gostosa. Por isso, recomendo a todos os proprietários de cães que ponham em prática um programa nesse sentido.

Resumo

– O cão tem predisposição genética para se comunicar com o ser humano.
– Você pode criar sinais para permitir ao seu cão que peça objetos e atividades a você.
– Durante o treino, quando o cão se aproximar do prato de comida, coloque mais alguns grãos de ração. Quando ele lamber as últimas gotas de água do pote, ponha mais água. Quando ele manifestar interesse em pegar a coleira, leve-o para passear.
– Se você não quiser fazer a atividade relacionada ao sinal produzido pelo cão, diga simplesmente “não”.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Petiscos e guloseimas: dar ou não dar?

Photo credit: shouldbecleaning / Foter / CC BY
Photo credit: shouldbecleaning / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

É muito gostoso ver o nosso animal de estimação saborear um petisco com satisfação. Mas será que as guloseimas vão deixá-lo mal nutrido ou obeso?

Mais interação, educação, obediência
É surpreendente como a inclusão de recompensas na rotina diária do nosso animal de estimação pode melhorar o convívio com ele. Por exemplo, em vez de se perder um tempão tentando colocar a guia no cão agitado, ansioso por passear, podemos resolver o assunto em alguns segundos. Basta ter uma guloseima numa das mãos para recompensá-lo depois que a guia for posta.

Recurso poderoso, o petisco dado logo após o pet ter se comportado de acordo com o desejado, ajuda a ensinar pequenas rotinas, como vir quando chamado (dá-se o prêmio assim que o animal chegar) e a corrigir maus hábitos, como a excitação exagerada ao receber carinho (o petisco é dado assim que o pet ficar tranqüilo ao ser acariciado).

Em vez de simplesmente oferecer guloseimas ao pet para agradá-lo, faça-o conquistá-las, aproveitando para estimular o bom relacionamento com ele e para deixá-lo motivado. Dar o petisco depois de uma troca de carinhos ou de brincar um pouco com o animal aumenta a interação. Se for um cão ou gato, pode-se aproveitar para treinar e reforçar comandos de obediência. Por exemplo, diga “dá a pata”, mostre onde quer que ele a coloque e dê o petisco quando você for obedecido. De maneira semelhente, praticam-se outros comandos como o “deita” e o “senta”.

Menos tédio e compulsão
Uma possibilidade oferecida pelas guloseimas é a de proporcionar exercício ao cão ou gato, estimulando também o faro e a visão. Escondem-se alguns petiscos em diferentes lugares e o animal sai à procura. É uma simulação da caça, atividade que ocupava grande parte do dia dos ancestrais dos nossos pets, na qual todos os sentidos precisavam ser usados. Com o fim das caçadas, depois que os animais de estimação passaram a receber as refeições servidas por humanos, a falta do que fazer tornou-se uma grande causa de tédio e sedentarismo e das suas conseqüências, como a compulsão e a depressão. Proporcionar atividades ajuda a combater esses males, responsáveis por objetos destruídos dentro de casa, por salas desarrumadas e por buracos no jardim, entre outros problemas.

Petiscos à mão na hora certa
Para não perder oportunidades de recompensar o pet no momento certo, mantenha petiscos em pequenos recipientes, em locais estratégicos e fora do alcance dos animais e das crianças. Se o cão estiver sendo treinado a não pular nas visitas, por exemplo, ponha um desses recipientes perto da porta de entrada. Mas fique esperto. Não satisfaça a vontade do cão que late ou do gato que mia chamando a atenção para o recipiente, se você não quiser que sempre que seu amigo de quatro patas desejar um petisco repita aquele comportamento. Em casos assim, repreenda o animal.

De olho na obesidade
O petisco com formulação balanceada e fabricado especialemtne para o pet pode até substituir em parte a ração. Converse com o veterinário sobre isso. Se o animal estiver obeso, é importante rever a alimentação dele como um todo, inclusive o tipo de petisco dado e a quantidade. Para o consumo ser controlado com precisão, reabasteça os recipientes espalhados pela casa uma vez por semana e mantenha o estoque restante em outro local.

Resumo
1. Petiscos e guloseimas podem ajudar na educação do cão e proporcionar etímulos físicos e psicológicos, se utilizados corretamente
2. Recompense o cão somente quando ele fizer algo que você queira.
3. Distribua pela casa os petiscos em recipientes colocados em locais estratégicos.
4. Crie dificuldades para o cão sentir que conquistou as recompensas
5. Esconda alguns petiscos pela casa e estimule seu cão a encontrá-los.
6. Cuidado para não prejudicar a nutrição do animal. Petiscos devem ser balanceados e a quantidade oferecida precisa ser controlada.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Usando o laser na comunicação com o cachorro

Photo credit: elisa416 / Foter / CC BY-ND
Photo credit: elisa416 / Foter / CC BY-ND

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Desde pequeno, Oliver, um cãozinho da raça Teckel, não atendia a chamados e nem parecia ligar para qualquer tipo de bronca. Seus donos experimentaram de tudo para educá-lo. Na tentativa de reprimi-lo, foram instruídos a mudar o tom de voz, a bater um jornal no chão, a gritar, mas nada adiantava. Oliver simplesmente abanava o rabo enquanto os familiares berravam com ele por ter feito coisa errada.

Cansada de ser ignorada por Oliver, Marina, a proprietária, resolveu tentar descobrir o que estava acontecendo. Levou-o a uma consulta com o veterinário e tudo ficou claro: o cão era completamente surdo.

Depois do susto causado pela notícia – ninguém na família imaginava que o problema estivesse relacionado à audição de Oliver – veio a pergunta: como educá-lo, já que não ouvia?

Havia a possibilidade de adotar a comunicação por gestos, mas isso só funcionaria quando Oliver estivesse olhando para quem pretendesse lhe dar comando, recurso insuficiente para educar um cão. Era exatamente quando estivesse entretido com uma peraltice ou se distraindo depois de fazer arte que Oliver deveria perceber a intervenção humana por meio de uma bronca, para deixar de repetir a má-criação no futuro.

Criando um novo sistema de sinais

Para obter comunicação eficiente com o cão sem o uso de mensagens sonoras, imaginamos adotar dois sinais luminosos. Um era a bolinha vermelha produzida pelas canetinhas a laser, para chamar a atenção do cão bem como direcioná-lo para lugares específicos. O outro consistia em piscar a luz branca de lanterna comum e associar o sinal ao significado repreensivo do “não”.

Para alegria geral, Oliver aprendeu em apenas cerca de 20 minutos a reagir às luzes. Púnhamos um petisco no chão, sem que ele visse, e movimentávamos a bolinha luminosa para conduzi-lo ao lugar onde estava o alimento, o qual funcionava como prêmio para estimular o cumprimento da missão. O “vem” foi treinado facilmente. Bastava apontar o laser para um local visível por Oliver e trazer o cão até nós pela bolinha luminosa. Assim que ele se aproximava, era recompensado com petisco.

Para relacionar a piscada de luz branca com o “não”, colocamos um prato em local acessível para Oliver e, quando ele vinha “roubar” a comida, o impedíamos e piscávamos a lanterna, ao mesmo tempo em que borrifávamos água na cara dele. A frustração de Oliver por não conseguir pegar a comida e o desconforto físico causado pela água provocaram o resultado desejado e a associação deu certo. Para Oliver desistir da idéia de “roubar”, passou a ser suficiente piscar a luz da lanterna quando ele se aproximava da comida.

Com a ajuda dos sinais luminosos, Oliver e seus donos vão aprender a se comunicar cada vez melhor e, quem sabe, inspirar outros donos de cães a fazer o mesmo.

Possibilidades do laser

As dicas aqui apresentadas podem ser aproveitadas com cães em geral, com ou sem problemas auditivos, e são adequadas para adoção por pessoas mudas. O laser permite também criar possibilidades como apontar com precisão objetos para ensinar o cão a buscá-los e treinar cães de guarda a vistoriar lugares indicados pela bolinha de luz.

Alguns cuidados com o laser

Vale lembrar que a bolinha vermelha produzida pelo laser pode deixar o cão “maluco”, tentando caçá-la. Quando isso acontecer, evite mover a luz rápido demais para estimular ainda mais a tentativa de caça, o que pode deixar o cão excitado demais e faze-lo perder a concentração, atrapalhando o aprendizado de comandos como o “busca” e o “vem”. Outro cuidado é não direcionar o laser para os olhos do cão, para não haver risco de prejudicar a visão dele.

Resumo das dicas

  1. O uso de sinais luminosos permite melhorar a comunicação com o cão. Canetinhas a laser são ótimas para apontar locais e objetos.
  2. A má-criação do seu cão pode estar associada a deficiências auditivas.
  3. Para ensinar o cão a seguir a luz do laser, esconda petiscos e aponte-os com a bolinha luminosa.
  4. Nunca direcione o laser para o olho do cão.
  5. Evite movimentos bruscos com o laser se o cão estiver tentando caçar a bolinha de luz.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Hora de trocar de nome

Photo credit: design-gate / Foter / CC BY
Photo credit: design-gate / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Você compra, ganha ou mesmo adota um cão, mas não gosta do nome dele. Você pode mudá-lo? Isso trará problemas ou desvantagens? Uma das dúvidas mais freqüentes dos proprietários é de como devem agir para fazer o cão entender que tem um novo nome, ou de como condicioná-lo a vir quando for chamado por esse nome.

Muitas pessoas que alteram o nome de cães adotados ficam surpresas com os resultados. Relatam que seus cães, além de terem aprendido o novo nome rapidamente, passam a impressão de gostar mais dele que do antigo. Por quê?

Alguns proprietários utilizam o nome do cão para dar broncas ou antes de puni-los fisicamente, o que resulta em uma associação negativa com o nome. Antes, toda vez que o seu cão ouvia aquela palavra (o nome dele), ele apanhava, ficava de castigo ou levava uma bronca – o nome, portanto, passou a ser algo desagradável para o cão. Quase sempre é mais fácil associar uma nova palavra com coisas agradáveis do que transformar o desagradável em agradável. Esse é o motivo que justifica e explica a troca de nomes. Se você não sabe como o cão foi tratado ou como seu nome foi utilizado, ou, pior, repara claramente que o cão tem medo do seu próprio nome, é aconselhável esquecer o nome antigo e ensinar-lhe um novo nome.

Se você já está tranqüilo quanto à troca, resta a pergunta: existe alguma restrição quanto aos nomes? É claro que o seu cão não vai entender o que o nome dele significa, mas evite nomes ridículos, que façam do bicho motivo de gozação, o que terá uma influência negativa em seu condicionamento. Isso é mais comum em campeonatos, quando o nome do cão é dito no microfone e pode gerar risos e repetições do nome que distraem o animal.

O bom nome, no entanto, deve ter outros requisitos além de não ser ridículo. Ele nunca deve ser semelhante a palavras de repreensão, de comandos ou mesmo a palavras freqüentes em uma conversação para evitar associações indesejáveis e confusões.

É importante ressaltar também as situações em que o nome pode ser utilizado. Alguns treinadores dizem que o nome deve ser usado em comandos de movimento, como “vem”, “busca”, “ataca”, por exemplo, e nunca em comandos parados, como “senta”, “deita” ou “fica”. Faz sentido? Sim, até certo ponto. Grande parte dos treinadores forçam os animais, com enforcador ou fazendo situações desagradáveis, para que eles sentem, deitem ou fiquem. Nesses casos, quando esses treinadores utilizam o nome do cão antes do comando, o animal passa a associá-lo com desconforto e deixa de gostar daquela palavra, prejudicando a relação com o dono. Já os comandos “vem”, “busca” ou “ataca” são geralmente feitos com prazer pelo animal, e por isso que alguns treinadores preferem só utilizar o nome somente nesses momentos.

Já para treinadores que empregam métodos que não envolvem punição, tal cuidado se torna inútil, pois o cão fará todos os comandos com prazer e qualquer associação com o nome será agradável.

Vale sempre lembrar que o nome do cão não deve ser usado no momento das broncas. Assim, evite chamá-lo pelo nome quando ele fizer algo errado. Ou seja, nada de “Fred… nããoooo!!!. Embora seja fácil de entender o motivo do conselho, costuma ser muito difícil colocá-lo em prática, já que muitas pessoas mencionam naturalmente o nome nas broncas. Tenha paciência e procure pelo menos diminuir a freqüência da utilização do nome do seu cão nas broncas.

Para terminar, um conselho sobre apelidos. Um apelido é como outro nome. Algum problema? Não. Cães são capazes de entender facilmente várias palavras que indicam a mesma coisa. Portanto, seguindo os cuidados acima, fique à vontade para escolher um apelido prático para seu cão.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como os cachorros enxergam – Parte 1

Photo credit: EmmyMik / Foter / CC BY
Photo credit: EmmyMik / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal. 

Diferentemente do que a maioria das pessoas pensam, os cães não enxergam com menos qualidade que os humanos. Quanto mais estudamos sobre a visão, mais descobrimos que é quase impossível determinar quem enxerga melhor, o homem ou o cão.

A dúvida mais comum quando se fala da visão é se o cão enxerga em colorido ou em preto e branco. A visão envolve muitos fatores além da capacidade de identificar cores, e muitas dessas capacidades são mais desenvolvidas nos cães do que nos homens. Portanto, em algumas potencialidades da visão, os cães ganham de nós e em outras eles perdem. Mas, afinal, eles enxergam colorido ou não? Sim, eles têm a capacidade de enxergar cores, mas não da mesma maneira que nós.

Entender como um cão enxerga, além de ser uma curiosidade intelectual, ajuda a compreender melhor o mundo e a natureza de seu animal de estimação. Treinadores também se beneficiam de tais informações, pois podem aperfeiçoar suas técnicas, especialmente para cães que desenvolvem atividades orientadas visualmente, como é o caso de obediência a distância, guiar cegos, trabalhar com a polícia, etc. Neste mês, apresentaremos três tópicos sobre a visão. Na coluna do mês que vem, você aprenderá mais sobre campo de visão, sensibilidade e definição visual.

As cores
Que cor de bolinha escolher para brincar com seu cão? Se você for brincar sobre um gramado, seu cão localizará mais facilmente uma bolinha azul do que uma bolinha vermelha, já que ele não consegue diferenciar vermelho do verde, a cor do gramado. Para os cães, as cores verde, amarelo, laranja e vermelho não têm diferença nenhuma. Para um cão, o sinaleiro (farol ou semáforo) não muda de cor, pois ele enxerga da mesma maneira o verde, o amarelo e o vermelho. Para que ele notasse a diferença de cores do farol, duas delas deveriam ser alteradas para violeta e azul, já que o cão consegue diferenciar as cores violeta, azul e verde.

Os cientistas acreditam que o cão enxerga a cor amarela quando olha para as cores vermelho, verde e amarela, e seria exatamente por isso que ele não conseguiria diferenciá-la. Meio complicado, né? A conclusão é que os cães enxergam cores, mas menos cores do que nós. Já a capacidade de diferenciar tons de cinza é tão desenvolvida nos cães, que é impossível testar esse talento utilizando somente nossos sentidos, já que não saberíamos se os cães estariam diferenciando corretamente as diversas tonalidades.

A luz
Vamos imaginar a seguinte situação hipotética: um ladrão entra em sua casa e seu cachorro está prestes a atacar o invasor. Se você apagar as luzes da casa, seu cão terá mais ou menos chance de sair vitorioso da briga? Partindo do princípio que a luta, tanto na defesa quanto no ataque, necessita principalmente da visão, podemos responder a essa pergunta se soubermos quem será mais prejudicado pela baixa iluminação. O cão, originalmente, era um predador com hábitos principalmente noturnos e por isso possui um sistema visual muito mais adaptado para enxergar no escuro do que o homem. Portanto, em nossa situação hipotética, o cão seria beneficiado com o apagar das luzes.

O movimento
Talvez você já tenha tentado mostrar ao seu cão um gato a distância e ele só percebeu o gato assim que esse começou a se movimentar. Predadores como o cão estão sempre à procura de presas, e por isso é muito vantajoso que objetos e animais em movimento se sobressaiam do resto da paisagem. Essa sensibilidade a objetos em movimento é um dos aspectos mais desenvolvidos na visão canina. Uma pessoa que só seria capaz de ser vista pelo cão a 500 metros de distância pode ser vista a 800 metros se estiver em movimento. Se você estiver com seu cão em um ambiente aberto e ele tiver dificuldades em encontrá-lo, procure se movimentar, pois isso facilitará bastante a sua localização pelo animal. Uma outra utilização prática dessa habilidade é a utilização de sinais que envolvem movimento para comandar um cão a distância. Esse é um dos motivos pelos quais a maioria dos sinais para comandar um cão envolvem movimento da mão ou do braço.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como os cachorros enxergam – Parte 2

Photo credit: BusyBee-cr / Foter / CC BY
Photo credit: BusyBee-cr / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Estas características descritas abaixo mostram como você e seu cão enxergam o mundo de outro jeito. As diferenças não acontecem somente no campo das percepções, como a visão, audição, olfato etc., mas também ocorrem com as motivações e necessidades. Por isso procure realmente entender que nem sempre o que é melhor para o ser humano será melhor para seu companheiro canino.

A televisão
Você sabia que a imagem que observamos assistindo à televisão é composta de diversos “slides” parados que, por trocarem muito rápido, nos dão a impressão de continuidade e de movimento? Essa é mais uma das características da visão, chamada de “fusão de luz piscando”. A tecnologia da televisão aproveita essa característica da visão humana e troca 30 vezes de quadros por segundo, tornando incapaz para qualquer ser humano de observar os quadros ou “slides” separadamente. A visão do cão tem a capacidade de processar de 20 a 30 quadros a mais que o ser humano. Portanto, o cão assiste à televisão como se estivesse vendo “slides” estáticos sendo trocados rapidamente. A televisão, para conseguir “enganar” os sentidos do cão, teria que aumentar a velocidade de troca dos quadros.

Campo de visão
O campo de visão é a área que pode ser vista quando fixamos o olhar em um ponto. Para entender melhor, olhe para frente e fixe seu olhar em um objeto, abra bem os braços e vagarosamente traga-os para frente até que você consiga perceber visualmente suas mãos. Quando isso acontece, significa que suas mãos entraram no seu campo de visão. Nosso campo de visão é cerca de 180 graus, o que não nos permite enxergar para trás quando estamos olhando para frente. Isso, por incrível que possa parecer, os cães conseguem! O campo visual de um cão, na média, é de 250 graus.

Definição visual
A definição visual é a capacidade de perceber detalhes. Uma pessoa que tenha astigmatismo, miopia ou hipermetropia possui uma definição visual menor que uma pessoa com visão perfeita. A definição visual dos cães é inferior à do ser humano, mas funciona muito bem em condições de pouca iluminação. Isso significa, por exemplo, que visualmente o ser humano é capaz de reconhecer um rosto a uma distância maior do que o cão, mas em um ambiente com pouca iluminação, a definição visual do ser humano diminui muito, enquanto a do cão, não. Um objeto que uma pessoa consiga reconhecer a uma distância de 25 metros só seria reconhecido pelo cão a 7 metros.

E os cães que não enxergam bem pra cachorro? Poderiam usar óculos? Os cães também podem ter miopia, hipermetropia e astigmatismo. Quando você se deparar com um cachorrão franzindo a cara para você, imagine que é um míope e só está tentando te enxergar melhor! (brincadeira, tome cuidado!). Um estudo científico feito em uma clínica veterinária constatou que 53% dos pastores alemães e 64% dos rottweilers tinham miopia. Quem acha que óculos para cachorro é uma idéia absurda precisa saber que já estão sendo utilizadas lentes intra-oculares projetadas especialmente para os cães. Um dos usos dessas lentes é a maximização da recuperação da visão após a remoção de cataratas.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Herança dos lobos

Photo credit: Tambako the Jaguar / Foter / CC BY-ND
Photo credit: Tambako the Jaguar / Foter / CC BY-ND

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal. Colaborou Daniela Ramos.

O que faz de certas raças, como rottweiler, dobermann, pastor alemão e mastim, entre outros, verdadeiros vigilantes natos? Diversas especulações têm sido feitas a respeito do temperamento naturalmente agressivo de certos cachorros. É fato que cães exibem comportamentos agressivos diante de dor, medo ou frustração, numa interação competitiva e, principalmente, na tentativa de defender seu território ou uma posição hierárquica ameaçada. Fatores como idade, sexo, ambiente e até alguns hormônios exercem influência.

Quando são treinados para isso e, principalmente, quando a herança genética ajuda, o desempenho deles é ainda mais eficiente, e tais cães tornam-se agressores em potencial. Entretanto, o que faz de certos animais grandes guardiões de sua casa, sua família e seu dono é o fato de apresentarem uma natureza protetora. Ou seja, eles defendem a casa e a família mesmo sem terem sido treinados para tal.

Para tentarmos entender a origem dessa agressividade territorial e protetora tão evidente em alguns cães é preciso rememorar as origens de algumas raças caninas e, principalmente, investigar e compreender melhor como se dá esse comportamento entre os lobos, já que esses são os ancestrais caninos. Os lobos se organizam em alcateias e, normalmente, o lobo que poderíamos chamar de “líder” é responsável pela segurança, guarda e proteção de todo o grupo, além da vigilância do território. Na tentativa de manter o grupo unido, ele exibe comportamentos desafiadores aos intrusos, o que causa ainda mais admiração por parte do outros membros da alcateia. Assim, essa habilidade presente nos cães domésticos pode ter sido herdada de seus ancestrais.

E por que algumas raças são mais agressivas que outras? Embora não possamos generalizar, a maior aptidão de certas raças para a vigilância territorial e proteção teve origem nos antepassados. O rottweiler, por exemplo, foi inicialmente usado como boiadeiro de rebanhos, puxador de carroça e, principalmente, como guarda do Império Romano. Já os tataravôs do fila brasileiro caçavam escravos fugidos. Os antepassados do pit bull tiveram grande participação na luta contra touros em espetáculos semelhantes às touradas. Mais tarde, o palco foi substituído pela arena das rinhas de cães. Assim, o temperamento de cada raça foi sendo selecionado através de diversas gerações, aumentando ou diminuindo determinadas habilidades e potenciais agressores.

Felizmente, essa predisposição genética pode ser, até certo ponto, moldada por treinamento e pelo proprietário. Não se iluda que qualquer cão pode se tornar manso e 100% confiável simplesmente porque você irá dar muito carinho e contratar um bom adestrador. Se você já tem um micro poodle que ataca toda a família e ninguém tem coragem de tirá-lo do sofá, pense duas vezes antes de comprar um filhotinho de rottweiler. Os melhores cães de guarda costumam ser os mais dominantes e os mais destemidos. Portanto, o controle muitas vezes é dificílimo para donos não muito rigorosos e firmes.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Comunicação de intenções pelo cachorro: a perspectiva dos donos

Photo credit: Tambako the Jaguar / Foter / CC BY-ND
Photo credit: Tambako the Jaguar / Foter / CC BY-ND

Por Claudia de Brito Faturí, Alexandre Pongrácz Rossi, César Ades e Daniela Ramos

Com o intuito de saber quais são os sinais através dos quais cães comunicam o que vão fazer aos seus donos, analisamos episódios comunicativos relatados por proprietários de cães. A pesquisa foi realizada com 1134 donos de cães, contatados através de um site e através do qual foram obtidas respostas a um questionário. Pedia-se aos sujeitos que fizessem relatos de episódios, com seu próprio animal, em que fosse clara a comunicação de algo pelo cão ao seu dono.

O presente trabalho tem a ver com uma parte desta pesquisa relativa a 501 episódios em que o cão teria comunicado uma intenção (avisando ou disfarçando algo que iria fazer). A análise do conteúdo destes episódios indicou que se centram em torno das motivações básicas de cães domésticos e de casos em que o animal disfarça algo errado que já fez ou irá fazer; e desvendou, em cada caso uma série de sinais a que os donos atribuem valor de previsão ou comunicação. Os mais freqüentes destes sinais foram: defecar e urinar (anda em círculo, cheira o local), comer (distrai o dono, distrai o outro cão), pegar algo (olha fixo, olha alternado), atacar (rosna, late), chamar atenção do dono (late, olha para o dono), entrar em casa (entra devagar, olha para o dono), sair de casa (pula/arranha a porta, olha para o dono), disfarçar quando vai fazer algo errado (sai devagar, olha para o dono), disfarçar quando fez algo errado (esconde-se, baixa a cabeça).

Os resultados indicam que a interação entre o dono e o cão se baseia na leitura, pelo dono, de sinais preditivos do comportamento do cão que muitas vezes são interpretados como decorrendo de uma intenção do cão comunicar-se com o seu dono ou de disfarçar sua própria intenção. No caso de fazer algo errado, há uma analogia marcante com os relatos anedóticos de enganação em primatas. Estes sinais parecem ser o produto de uma construção que decorre da interação entre o dono e o seu cão. Existem elementos em comum, existe um dicionário geral, mas também incluem elementos que só poderiam ter sido adquiridos de forma particular. É possível que deste conhecimento preditivo do dono se originem práticas que reforcem no cão certos comportamento comunicativos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Transição entre sinais eliciados e sinais espontâneos

Photo credit: Y0$HlMl / Foter / CC BY
Photo credit: Y0$HlMl / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Proprietários de cães acreditam que seus animais são capazes de se comunicar com pessoas (Ades, Rossi & Pinseta, 2000). Sabe-se, contudo, pouco a respeito de como cães usam sinais comunicativos para influenciar o comportamento de seres humanos. Inspirando-nos na descrição de Clark (1978) a respeito de como crianças pequenas adquirem vocabulário passando pela transição entre a comunicação não-intencional para sinais intencionalmente comunicativos, pensamos num procedimento em que uma ação desempenhada pelo ser humano seria associada a um comando executado pelo cão. A hipótese era que no decorrer do treino, o cão passaria a executar o mesmo comando antecipadamente, de forma espontânea, desencadeando a ação do experimentador, criando-se assim um canal de comunicação com o ser humano.

Uma cadela sem raça definida, Sofia, foi nosso sujeito experimental. As ações e comandos consistam de rotinas com papéis claramente definidos para o cão e o experimentador: “pedir para sair”, “ter acesso à casinha” e “jogar a bola”. O papel do experimentador consistia em pedir um dos comandos respectivos a cada rotina (“dar a pata”; “tocar num guizo” e “rodar”) e, em troca da sua execução, atender a necessidade do sujeito, que podia ter sido percebida ou induzida. As rotinas foram filmadas diariamente e 126 episódios foram transcritos temporalmente. Analisou-se o número de antecipações do sujeito experimental ao papel do experimentador. Observou-se um aumento das antecipações do sujeito de forma gradual ao longo das semanas, atingindo 100% em todas as rotinas estudadas. A totalidade das antecipações foram atingidas em 4 semanas para “pedir para sair”, 3 semanas para “ter acesso a casinha” e 6 semanas para “jogar a bola”.

Esses sinais aprendidos pelo cão começaram a ser utilizados espontaneamente em contextos adequados, mesmo fora das rotinas. A antecipação apresentada pelo cão demonstra uma capacidade de utilizar comportamentos arbitrários aprendidos para comunicar desejos e vontades a seres humanos de forma análoga ao que ocorre com crianças e primatas. Esse conhecimento poderá ser utilizado para criar sistemas de sinais comunicativos que permitam uma comunicação mais clara e precisa entre cães e seres humanos, além de podermos substituir comportamentos comunicativos indesejáveis como arranhar a porta ou latir demasiadamente quando deseja algo.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Reconhecimento de expressões faciais caninas versus humanas

Photo credit: LeahLikesLemon / Foter / CC BY
Photo credit: LeahLikesLemon / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal. 

Acidentes por mordidas de cães são um problema sério e comum, sendo as crianças o principal alvo desses acidentes. Diversos são os motivos que tornam as crianças mais susceptíveis aos ataques de cães como agitação, produção de sons de alta freqüência, o tamanho e o próprio fato de olharem fixamente para a face do cão, atitude que pode desencadear agressividade por medo ou por dominância. O presente estudo teve por objetivo constatar a reação de crianças diante de fotos de cães com expressão de agressividade e passividade e comparar com a reação diante de fotos humanas. Buscou-se abordar susceptibilidade de crianças aos ataques caninos segundo a sua capacidade de reconhecimento de expressões faciais. Estudos sugerem que o reconhecimento de expressões faciais já ocorre em bebês recém-nascidos.

Além disso, expressões faciais exibidas pelos pais e indicativas de prazer, desprazer, perigo e outras emoções podem ser úteis para o aprendizado sobre o meio em que a criança vive. Entretanto, ainda que as crianças na faixa de 1 a 3 anos de idade demonstrem algum entendimento de expressões faciais ele ainda é bastante rudimentar. A observação foi realizada com 10 crianças entre 2 e 3 anos de idade. O aparato experimental consistia de 2 placas (92cm x 42cm) com um orifício no centro e uma câmera filmadora. Em uma das placas havia duas figuras de uma mesma pessoa, sendo uma exibindo expressão neutra e a outra sorrindo. Na outra havia duas figuras de um mesmo cachorro, sendo uma exibindo expressão neutra e outra com os dentes aparentes (expressão de raiva). As placas foram apresentadas para cada criança por um período de 10 segundos e foi registrado, em fita de vídeo, a direção de seus olhares.

Os resultados mostram quem não houve preferência em relação às fotos humanas. Já para as fotos de cachorro, houve uma clara preferência pela foto onde os dentes estavam expostos. Tal fato pode ser comparado à preferência por sorrisos em experimentos com faces humanas, além de consistir um fator de risco para acidentes entre cães e crianças. Isto fortalece a hipótese de que crianças desta faixa etária poderiam confundir a sinalização de ataque expressa pelos animais, com o sorriso humano, levando a uma aproximação da criança ao animal, ao invés de evitação.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0