Como agir caso encontre um cachorro abandonado

Como agir caso encontre um cachorro abandonado

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que no Brasil exista aproximadamente 20 milhões de cães abandonados vivendo nas ruas. Essa realidade é muito triste e que mexe demais com as pessoas que são apaixonadas por bichos. Muitas vezes, ao encontrar um cachorro abandonado, pensamos: como podemos ajudar esse animalzinho? Para te ajudar em momentos como esse, a Cão Cidadão preparou algumas dicas. Confira.

Primeiro passo: Tire o cachorro da situação de risco

Ao encontrar um animal abandonado e tentar ajudá-lo, a primeira coisa que devemos fazer é tirá-lo da situação de risco em que se encontra. Na rua, ele corre o risco de ser atropelado, sofrer alguma forma de violência ou contrair uma doença.

Aproxime-se do cachorro com cuidado, para evitar ser mordido ou arranhado, e fale de forma afetuosa para conquistar a confiança dele. Você também pode oferecer comida para que ele se aproxime de você.

Passo dois: Verifique se ele possui algum tipo de identificação

Quando o animal permitir que você se aproxime com segurança, tente verificar se ele usa coleira com plaquinha de identificação. Muitas vezes, um cachorro vagando na rua sozinho não é um cão abandonado, mas sim um animalzinho perdido, que está sendo procurado pela família.

Passo três: Leve o cachorro ao veterinário

Ao resgatar um animal perdido ou abandonado, antes de permitir que ele tenha contato com outros animais saudáveis ou com sua família, é muito importante levá-lo a um veterinário para que o profissional verifique se ele não possui nenhuma doença ou ferimento que precise ser tratado.

Além disso, o veterinário pode ainda verificar se ele possui algum chip de identificação, o que irá facilitar muito o contato com os donos do animal.

Passo quatro: Decida o que fazer com o animal

Agora que você já tirou o animal da rua, se assegurou que ele está em boas condições de saúde é hora de pensar sobre o que fazer com o cachorro. Cada caso é um caso e por isso, iremos apresentar diversas opções:

1) Se o animal tiver plaquinha de identificação ou microchip

Caso o animal esteja identificado, você deverá entrar em contato com os donos dos animais. Combine com eles a melhor forma para que você possa entregar o animal de volta a sua família de origem.

E lembre-se: cuidado com a sua segurança. Marque o encontro, se possível, em um lugar público e vá acompanhado.

2) Se o animal não estiver identificado

Quando o animal não possui identificação, antes de qualquer coisa, você deve tentar buscar o verdadeiro dono do cachorro. Para isso, você pode:

  • Divulgar fotos do animal no bairro onde ele foi encontrado e em regiões próximas, informando dia e local onde você o achou e um telefone, e-mail ou outra forma de contato. Uma dica muito legal é ir em clínicas veterinárias e pet shops da região para verificar se alguém conhece esse animal ou se eles sabem de uma pessoa que perdeu o bichinho recentemente.
  • Divulgar imagens do cãozinho em suas redes sociais e pedir para seus conhecidos compartilharem essa postagem. Divulgue essa informação também em grupos de moradores da região.

Caso apareçam pessoas afirmando serem os donos do animal, não se esqueça de garantir sua segurança. Marque o encontro para a entrega do cachorro em lugar público e vá, de preferência, acompanhado ao local.

E, atenção: antes de entregar o cachorro para a primeira pessoa que aparecer se dizendo ser a dona, tente verificar esse fato pedindo fotos dela com o animal e sua família. Avalie também a reação do bichinho ao reencontrar o suposto dono.

O que fazer caso você não encontre o dono do cachorro?

Se você não tiver sucesso em encontrar o verdadeiro dono do animal, é hora de tomar outra decisão: ficar com o bichinho para você ou entregá-lo para adoção.

Caso você decida ficar com o bichinho, tenha certeza de que ele ficará confortável em sua casa, se adapte bem a sua rotina e de sua família e que terá todos os cuidados necessários para garantir sua saúde e bem-estar até sua velhice. E, para te ajudar nesse processo, a Cão Cidadão tem um material com tudo o que você precisa saber antes de adotar um animal.

Porém, se você não puder ou quiser manter o animal, você pode entrar em contato com instituições que acolhem bichinhos abandonados para que eles possam te orientar e ajudar a encontrar uma nova família para o cachorrinho. A Cão Cidadão é parceira de algumas ONGs que realizam esse trabalho em diversas cidades do Brasil. Confira aqui a lista.

Dicas para facilitar que seu cachorro seja encontrado caso ele fuja

Uma pequena distração, um momento de descuido e pronto: seu animalzinho de estimação saiu de casa sem você ver e agora você precisa encontrá-lo. O que você pode fazer para facilitar essa busca e que ele volte para você são e salvo? Confira algumas dicas:

1. Sempre use algum tipo de identificação no animal. Pode ser uma coleira com uma plaquinha com o nome e telefone e/ou um chip com os dados do bichinho e os seus. O importante é que ele esteja identificado o tempo todo, mesmo dentro de casa. Assim, caso aconteça algum imprevisto, será muito mais fácil você conseguir reaver seu amiguinho;

2. Assim que você perceber que seu cachorro fugiu, inicie as buscas imediatamente. Procure nas proximidades do local de desaparecimento. Nessa hora, tente chama-lo pelo nome, assoviar, fazer barulho com o pote de ração ou com o brinquedo que ele mais gosta;

3. Converse com seus vizinhos, funcionários de comércios locais, porteiros de prédios dos arredores, pessoas na rua. Pergunte se eles viram um cachorro como o seu pela região – leve uma foto do bichinho para ajudar no reconhecimento;

4. Espalhe cartazes com fotos e informações sobre o cachorro nos arredores de onde ele desapareceu. Peça para colar cartazes em lojas, clínicas veterinárias e pet shops da região;

5. Divulgue a informação do desaparecimento do seu cãozinho nas redes sociais e peça para seus contatos compartilharem;

6. Procure o centro de zoonoses de sua região. Muitos animais são recolhidos e levados para esses locais.

Gostou desse conteúdo? Não perca nenhuma publicação da Cão Cidadão! Assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

5 dicas para saber lidar com agressividade

dicas_interna-agressividade

Por Thalita Galizia, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Antes de falarmos sobre os tipos de agressividade, precisamos entender o que ela significa.

Para a maioria das espécies, o comportamento agressivo torna-se fundamental para a sobrevivência. Esse tipo de comportamento é, em parte, inato, podendo surgir em algumas situações ou fases da vida, como para defender seu território, filhotes, comida ou até mesmo sua posição hierárquica.

Cães machos, principalmente no período de sua puberdade, podem começar a brigar com outros cães do mesmo sexo. Os filhotes também podem se tornar agressivos ao disputarem o leite da mãe.

A agressividade pode ser dividida em classes, sendo elas territorial, possessiva, por medo ou por dominância.

Territorial      

Os cães são animais que naturalmente protegem e defendem o seu habitat e seus filhotes ou quem vivenele.

Esse tipo de comportamento pode ocorrer se o cão sentir que alguma ameaça ronda o território dele.

Para que ele não fique agressivo, sempre faça associação positiva com algo que o seu cão goste muito, podendo ser um petisco, um brinquedo.

Toda vez que alguém ou algum outro animal estiver no território do seu pet, recompense-o pelo bom comportamento.

Agressividade por dominância

Quando o cão tem muita liberdade e nenhum limite, há possibilidade dele se colocar como líder.

O cão quando assume essa função, passa a mandar em seus donos, não lidando bem com frustrações e tendo reações agressivas quando contrariado. Ele pode rosnar quando estiver com algo na boca, ou quando o dono pedir que ele desça de um sofá ou cama por exemplo.

A melhor maneira de  lidar com esse comportamento é ter atitudes de liderança e postura. Isso não significa bater no cachorro para ele “aprender” qual é o lugar dele, mas sim colocar em prática alguns exercícios.

Por exemplo, quando você for sair com ele para passear, ensine-o a sentar e a esperar que você abra a porta e passe primeiro, para depois ele sair.

Agressividade por posse

Sempre que alguém chega, o cão defende seus brinquedos, caminha ou até mesmo sua comida pode ser que ele tenha associado a presença de uma pessoa com perda, por exemplo, se o dono chega perto e o cão está comendo e rosna, ao tirar a comida para evitar que o cão  fique mais agressivo, o dono só estará reforçando negativamente e confirmando que o cão estava certo: toda vez que alguém chega, ele perde algo.

A maneira mais eficaz de lidar com essa situação é mostrar que não é uma competição, ao se aproximar da comida, por exemplo, caso ele não tenha tido nenhuma atitude agressiva, jogue um petisco. Aos poucos, seu pet vai aprender que a aproximação das pessoas deixa a comida dele mais gostosa.

Agressividade por medo

Esse tipo de agressividade geralmente ocorre quando o processo de socialização não é feito corretamente ou então decorrente de algum trauma psicológico. Algumas raças que tenham uma pré-disposição genética ao medo, também podem ficar agressivas.

Ao introduzirmos um cão em nosso convívio, é de nossa responsabilidade criarmos boas associações em relação as nossas atividades do dia a dia.

O medo é um sentimento essencial para a evolução e sobrevivência da espécie, ou seja, um cão exposto a esse sentimento recebe um estimulo fisiológico e o hormônio adrenalina se espalha pela corrente sanguínea, ocorrendo um aumento no batimento cardíaco, consequentemente aumenta a irrigação o sangue oxigenado nos tecidos musculares e o cão pode ter          as seguintes reações, fuga ou ataque.

Normalmente a primeira reação dos cães é a fuga e tentam evitar contato com a pessoa que esta lhe causando estresse. Porém, como muitas vezes os sinais corporais são ignorados e os tutores acabam não respeitando o limite que o cão esta pedindo, ele muitas vezes precisa de uma outra alternativa, então ele ataca, rosna e late. Nesse caso se ele obteve sucesso em afastar o agente causador do estresse, passará a repetir esse comportamento sempre.

Para lidar com um cão medroso, podemos fazer um treino de dessensibilização, antes que o cão entre no estado de agressividade, mantenha uma distância segura e vá recompensando a sua presença com algo que ele goste, vá se aproximando aos poucos, sempre respeitando os limites dele. Vá fazendo esse treino, até que você consiga chegar perto do cão e interagir com ele.

Agressividade por transferência

Quando o cão não consegue atingir o objetivo dele, acaba atacando o que tem por perto dele, por exemplo, quando ele esta no portão de casa e passa um gato ou outro cão, como ele não consegue alcançar o fator estressante, automaticamente ele morde quem estiver por perto, ou o tutor ou outro cão que convive com ele.

Para que esse comportamento não mais ocorra, coloque regras e limites e deixe que seu cão saiba lidar com a frustração, estimulando a sua liderança, ensine comandos que o ajudem a ter um autocontrole  e a entender a sua posição dentro da matilha.

Como lidar com as agressividades

  1. Procure ajuda de um profissional, ele ajudará a identificar o tipo de agressividade que seu pet pode ter.
  2. Não recompense o comportamento agressivo, cada vez que ele mostrar esse comportamento frustre-o.
  3. Nunca bata no seu pet ou ameace-o fisicamente.
  4. Evite qualquer tipo de atividade que tende a deixar o seu amigo estressado ou muito agitado.
  5. Tenha  a liderança, conquiste-a de forma positiva e recompensadora, nunca com violência.

Se precisar, conte com a ajuda de um especialista.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como lidar com um cão territorialista?

dicas_interna-cao-territorialista Por Samantha Melo, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

“O Max dorme com a minha mãe em seu quarto. Toda vez que abrimos a porta do quarto ele entra primeiro, rosna e late muito, e acaba se escondendo embaixo da cama. Gostaria de saber o que posso fazer para ele mudar este comportamento.”

Olá, Inaiara. Tudo bem?

Pelo seu relato, esse comportamento do Max parece ser motivado por territorialismo, ou seja, talvez ele acredite que o quarto é dele e que precisa protegê-lo da entrada de outras pessoas ou mesmo que tem como dever proteger a sua mãe. Por isso, é necessário tomar algumas atitudes para que ele baixe a guarda e fique mais tranquilo.

A primeira coisa a fazer é evitar qualquer tipo de disputa. Não tente tirá-lo de lá à força ou brigar. Assim, você evita dar a ele motivos para lutar pelo local. Por outro lado, não o incentive a achar que aquele tipo de atitude funciona, ou seja, não saia do quarto assim que ele rosnar. Imagina só: se todas as vezes que latir ele conseguir o quarto só para ele, vai passar a latir cada vez mais. Faça, então, exatamente o contrário, que é não sair do local e ignorá-lo completamente.

Outra estratégia é recompensá-lo sempre que ele sair de baixo da cama. Como? Oferecendo um petisco diferente, carinho, o brinquedo preferido e muita festa. Vale também usar a comida para atraí-lo para fora, introduzindo o comando “Vem”, mas sem forçar. Comece a ter o hábito de valorizar os momentos em que ele passa fora dali ou mesmo os que ele não rosna ou late. Assim, ele vai passar a gostar também de sair do ambiente.

Além disso, é importante que o Max tenha um outro cantinho seguro dentro de casa. Ainda que o seu pet durma no quarto, ele precisa de um local apenas dele como referência, com caminha, cobertor, brinquedos e até mesmo uma roupa sua ou da sua mãe. Esse refúgio pode ficar na sala, por exemplo. Dessa forma, quando a família estiver reunida, ele pode fazer parte da confraternização, aumentando a vontade de permanecer fora do quarto. Aqui, mais uma vez, reforço: recompense-o por se comportar bem. Nesse caso, demonstre que ele está acertando quando relaxa em seu canto.

E você pode ainda incentivá-lo a só entrar no cômodo quando for autorizado e apenas depois de vocês. Para isso, ensine o comando “Espera”, a princípio longe do quarto. Coloque-o sentado, posicione-se de frente para ele, apresente a sua mão fechada (como um soquinho) e diga “Espera”. Depois de alguns segundos diga “Ok” e com um petisco faça-o sair do lugar para que ele entenda que foi liberado. Treine bastante e gradativamente aumente o tempo de espera e a distância que você fica. Depois, tente fazer na porta do quarto!

A nossa equipe de adestradores está à disposição para ajudar, não deixe de nos chamar caso seja necessário. Boa sorte!

Fonte: Portal do Dog

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

7 Dicas para seu pet ficar bem em hotéis no feriadão!

dicas_interna-cuidados-pet-hotel

Por Ludmila Cristina Baldi, bióloga, Msc., adestradora e franqueada da Cão Cidadão

No período de férias ou feriados, em que as famílias resolvem descansar e passear, surge também a preocupação com o bem-estar e segurança dos pets.

Nem sempre é possível levá-los para curtir a viagem com a família. E é nessa hora que vem a dúvida: onde deixá-los?

Muitos podem contar com amigos e parentes para cuidar, outros optam por pet sitters e alguns buscam um local que ofereça cuidado em tempo integral, como os hotéis para cães.

A escolha do local adequado garantirá a tranquilidade da família durante a viagem e a segurança de que o animalzinho estará bem cuidado.

É importante que a família leve em consideração alguns fatores antes de escolher um hotelzinho para o cão. Busque referências e indicações de conhecidos e nunca deixe de visitar os locais onde pretende deixar o pet.

Leia as avaliações de outros clientes e também busque informações em sites de reclamações para conhecer a reputação da empresa. É imprescindível que o hotel exija a carteira de vacinação e garanta que os hóspedes estejam devidamente vacinados e protegidos contra verminoses, pulgas, carrapatos e outros ectoparasitas.

Se o seu pet não for castrado, saiba que em São Paulo muitos hotéis não aceitam, é bom pesquisar esse fator antes. Além disso, opte por locais que possuem câmeras 24 horas.

Fique de olho!

1. Observe a higiene, limpeza, organização e disponibilidade de água limpa ao visitar o local.

2. Repare se o hotel conta com um veterinário e com áreas cobertas, além de averiguar a forma com que os funcionários, cuidadores e recreadores lidam com os animais.

3. Não deixe de ver se os cães ficam a maior parte do tempo soltos e se existe uma rotina de atividades (hora de comer, hora de brincar etc).

4. Se o hotel aceita que o cão coma sua própria ração (caso não aceite, a família deve fazer a transição da ração antes de levar o pet, para evitar desconfortos gastrointestinais).

5. Leve o amigo peludo ao local para conhecer antes de deixar ele lá. Veja como ele se sente no ambiente e como interage com os outros hóspedes.

6. Se possível, deixe que ele passe uma noite ou um fim de semana lá para que se familiarize.

7. Leve seus pertences (caminha, brinquedos, mantinhas etc) e uma roupa com o cheiro da família, para o cão se sentir acolhido.

Carnaval na cidade

Para as famílias mais caseiras, que não costumam deixar a cidade, existem opções de locais Pet Friendly para passear com a família toda e desfrutar da companhia do peludo.

Parques e shoppings costumam ser uma boa pedida. Veja algumas dicas desses locais em São Paulo.

· Parques do Ibirapuera e Villa-Lobos.

· Shoppings Cidade Jardim, Eldorado, Villa-Lobos, Center 3, Frei Caneca, Jardim Sul, Pátio Paulista, Pátio Higienópolis e Top Center.

· Restaurantes Coco Bambu JK/Vila Nova Conceição-SP, Bistrô Animall, Pet/Morumbi-SP, Brew Dog e Bar/Pinheiros-SP.

Mais dicas de lugares onde seu cão é bem-vindo você pode encontrar no site www.aquipode.com, um guia que lista os estabelecimentos com base nas necessidades do cliente.

Faça a busca pelo segmento desejado (bares, restaurantes, pousadas, comércio) e descubra se é permitida a presença de animais de estimação.

Independentemente da escolha da família, entre deixar o pet em um hotel ou passear com ele pela cidade, com planejamento, cuidado e organização é possível que todos aproveitem e curtam os dias de lazer com alegria, segurança e tranquilidade.

Fonte: Dolce Dogg

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

O cão deve dormir na cama? Assista o É de Casa para saber mais!

No próximo sábanoticias_interna-edcdo (10), a partir das 9h, o zootecnista e especialista em comportamento animal Alexandre Rossi estará no É de Casa, da Rede Globo. Desta vez, ele vai falar sobre o hábito de cachorros dormirem na cama. Será que este é um costume que faz bem para o pet? E para os tutores?

No programa, o especialista também vai mostrar como os donos podem acostumar os cães a dormirem em suas próprias camas e a saber lidar com alguns comportamentos indesejados, como o choro, por exemplo.

Não perca!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Seu cão não quer comer. E agora?

dicas_interna-cao-n-quer-comer

Por Paula Nery, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Existem vários motivos para que seu cão não sinta vontade de comer, portanto, é preciso avaliar alguns fatores para determinar o porquê deste problema.

Para tentar descobrir, você pode fazer algumas perguntas a si mesmo. Veja:

1. Seu cão, além de não comer, está apresentando sintomas como vômito, diarreia, prostração e mucosas esbranquiçadas? Caso a resposta seja positiva para qualquer um destes sintomas, leve o amigo ao veterinário com urgência, pois ele precisa realizar alguns exames que somente o médico veterinário poderá pedir corretamente.

2. Foi vacinado há pouco tempo? Caso positivo, é normal que eles se sintam um pouco desanimados. Alguns, chegam a apresentar febre. Isso quer dizer que o organismo está reagindo à vacina, ou seja, é um efeito colateral.

3. Ele está com muito tártaro, com as gengivas vermelhas ou dentes moles? Observe a boca do seu cãozinho, ele pode estar com problemas odontológicos que causam bastante dor ao mastigar. Neste caso, é fundamental consultar um veterinário.

4. Você viajou, se mudou ou houve alguma mudança de ambiente? Ele pode estar deprimido e precisa ser readaptar à rotina. Até lá, ele pode não comer.

5. Houve perda de algum membro da família (tanto humano quanto de outro animal)? A perda de um ente querido pode afetar até mesmo o cãozinho, que precisa de tempo e reforço para a readaptação.

6. Está muito calor? É normal perder o apetite quando a temperatura está muito elevada. Tente refrescar seu cão, deixá-lo em algum lugar mais fresco e então tente oferecer a comida quando ele recuperar o fôlego.

Se você já levou seu cão ao veterinário e ele descartou qualquer problema de saúde e, além disso, o animal não se enquadra em nenhuma das possibilidades acima, você deve estar se perguntando: e agora? O que pode estar acontecendo é que ele enjoou da ração ou simplesmente é um cão com paladar mais complexo.

Se o seu jeito de oferecer a comida é deixar a ração exposta durante todo o dia, esta também pode ser a razão pela falta de apetite. A ração passa a não ser tão interessante se ele pode obtê-la a qualquer momento, principalmente porque seu gosto não será o mesmo depois de algumas horas, podendo perder nutrientes e ocorrer até contaminação por proliferação de bactérias.

Além disso, se você encher o pote de ração não saberá o quanto seu cão está comendo.

Para saber ao certo como alimentá-lo, leia o conteúdo da embalagem de ração. Lá, você encontrará a tabela indicando a quantidade por peso, atividade e idade. Utilize uma balança para fazer o cálculo e fracione os grãos em duas ou três refeições ao dia.
Peso ideal de um cão: ele deve ter uma cintura visível e costelas palpáveis, mas sem estar envolta de muita gordura.

Caso você ainda tenha dúvidas, consulte um veterinário para acompanhar a saúde do melhor amigo.

Petiscos X Ração

É muito comum os cães recusarem a ração quando recebem outros tipos de alimento no lugar. Se ele ganha frango ou salsicha quando não come sua comida, por que ele a comeria depois, se o que você oferece é muito mais gostoso? Você mesmo acaba ensinando o bichinho a não se alimentar adequadamente.

A ração possui todos os nutrientes balanceados para a nutrição completa do seu cão, portanto, é a melhor opção para ele.
Lembre-se de sempre manter a ração bem embalada para que os grãos permaneçam frescos.

Se você tem a intenção de oferecer um alimento natural, preparado em casa, consulte o médico veterinário para que ele lhe passe as recomendações necessárias.

Como fazer seu cão comer a ração?

Primeiramente, depois de descobrir qual a quantidade ideal para seu animalzinho, fracione esse total em duas ou três porções para serem ofertadas ao dia, como dito anteriormente.

Ofereça uma porção e deixe ela lá por até 10 minutos. Se ele não se interessar, retire e deixe-o sem. É importante não oferecer outro alimento no lugar. Não se sinta mal, ele não está morrendo de fome. Mais tarde, ofereça a segunda porção do dia e observe se ele valorizará o alimento. Novamente, deixe a ração à disposição por 10 minutos, se ele comer, sucesso! Se não, retire e deixe-o novamente sem a ração. Alguns cães podem testar sua fragilidade e isso pode durar até alguns dias, é importante se manter forte e continuar não oferecendo outro alimento no lugar.

Caso seu cão seja de porte pequeno e corra risco de ter hipoglicemia, não o deixe ficar muito tempo sem comer. Ou caso tenha estômago sensível e apresente vômito por ter ficado o dia todo em jejum, ofereça uma pequena quantidade de alimento do interesse dele a noite, depois de pedir alguns comandos como o “Senta”, o “Deita” ou a “Pata”, assim ele saberá que ganhou o alimento por obedecer e não por ter recusado a ração anteriormente.

Ofereça a ração normalmente pela manhã no dia seguinte e repita os passos citados anteriormente.

Se você não estiver conseguindo fazer seu cãozinho comer a ração, procure um adestrador profissional para ajudá-lo!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Massagem para pets: conheça os benefícios

dicas_interna_massagem

A massagem é muito benéfica para os animais. Esse hábito, além de criar um vínculo de afeto mais intenso entre o bichinho e o seu tutor, ajuda também com diversos outros problemas.

Acostumar o pet a receber uma boa massagem pode tornar mais fácil para ele passar por processos como, por exemplo, consultas no veterinário e banho e tosa, pois faz com o que o bichinho fique relaxado, facilitando o seu manuseio nessas situações.

Um dos principais benefícios desse hábito é a identificação de feridas, caroços e inchaços, sensibilidade ou dor, que podem sinalizar que o pet está com problemas de saúde. Essa identificação pode fazer toda a diferença no diagnóstico dele e, assim, agilizar o tratamento e impedir que o problema se agrave.

As massagens servem tanto para os cachorros quanto para os gatinhos. Abaixo, é possível conferir dicas de como realizar esse agrado ao bichinho:

• Escolha um local calmo e agradável, sem muitas distrações e um horário no qual você não esteja com pressa.

• Comece aos poucos e com muita calma, apalpando as patas, a cabeça, o corpinho, as orelhas e o rabinho do pet. Aproveite esse momento para verificar os dentes do bichinho e ter certeza de que está tudo em dia.

• Observe alguma mudança de comportamento que indique que o pet esteja desconfortável ou sentindo alguma dor.

• Aos poucos, confira a pele do animal e veja se encontra alguma alteração ou descoloração.

Em caso de qualquer problema, visite o veterinário imediatamente, para que ele possa examinar o pet e diagnosticar se tem algo errado.

Mas, acima de tudo, curta esse momento especial com seu amigo. Com o tempo, você aprenderá qual o tipo de carinho e os locais que o peludinho mais gosta de receber esse agrado!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Peripécias de um cão

https://www.flickr.com/photos/matthewreid/6189114389/
https://www.flickr.com/photos/matthewreid/6189114389/

Os cães são seres incríveis, que despertam em nós os melhores sentimentos que podemos ter: ternura, compaixão e amor. Mas, que esses cães gostam de se meter em boas encrencas, isso eles gostam!

Cão artilheiro

Recentemente, um cão brincalhão resolveu jogar uma partidinha de futebol no meio da Libertadores da América (campeonato de futebol). Isso mesmo! O Desportivo Táchira (Venezuela) e o Pumas (México) tiveram de parar o jogo para que o zagueiro Geraldo Alcoba pegasse o cão no colo, brincasse e só então pudesse retirá-lo do campo. É brincadeira? Veja a matéria na íntegra, clicando aqui.

Motorista desgovernado

E não para por aí, não. Um cão provocou um pequeno acidente ao “dirigir” um caminhão em Mankato, no estado americano de Minnesota.

Assim que o caminhão bateu em um carro e em uma árvore, os clientes do posto de gasolina em que ocorreu o acidente confirmaram que um Golden Retriever estava sentado no banco do motorista olhando tranquilamente o movimento, enquanto todos se perguntavam como isso tinha acontecido.

Segundo a polícia, o caminhão estava parado, mas com o motor ligado. Ao se mexer, o cão conseguiu engatar a marcha e aí já viu, né? Para ver esse fofo, clique aqui.

Cão X a máquina

Com o avanço constante da tecnologia, alguém aí já pensou como seria se os robôs se voltassem contra os humanos? Quem iria nos defender? Sim, o melhor amigo do homem, o cão.

Fido, o cão de um dos fundadores do Android, recentemente comprado pelo Google, confrontou Spot, o cão-robô da Boston Dynamics, subsidiária da Alphabet, também do Google. Sem medo do tamanho da máquina, Fido só parou de latir quando o robô parou de se mexer. Veja aqui a matéria na íntegra.

Sem dúvida o cão é o melhor amigo dos humanos. Por nós, eles fazem de tudo e é por isso que amamos esse universo pet!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cão Cidadão agora atende no Rio de Janeiro!

cao_cidadao_atende_rio_de_janeiro
Camila Guedes, Jorge Mafra e Fernanda Araujo são os adestradores da equipe Cão Cidadão que atendem no Rio de Janeiro.

Atenção, cariocas: já sabem da novidade?

A Cão Cidadão está oferecendo o serviço de adestramento em domicílio para os moradores da cidade maravilhosa!

Importância

Ao investir na educação do pet, você melhora o relacionamento de toda a família com ele. Isso porque, com as aulas de adestramento, o animal aprende o que se espera dele e os donos conseguem mostrar o que ele pode ou não fazer.

É importante reforçar que a Cão Cidadão utiliza o método Adestramento Inteligente, que é baseado no reforço positivo, ou seja, valoriza apenas as atitudes corretas e não admite nenhum tipo de violência.

Ficou interessado? Conheça melhor aqui o serviço de adestramento em domicílio! Se preferir, você já pode agendar a visita de um especialista!

Não mora nas cidades atendidas?

Calma! Se a sua região não está no mapa de atendimento da Cão Cidadão, não fique triste. Além do adestramento em domicílio, oferecemos a consulta à distância, que é realizada por consultores por telefone ou por chamada de voz via Skype. Durante essa consulta, o especialista avaliará o comportamento do animal, assim como o relacionamento da família com ele.

Confira aqui mais informações sobre o adestramento. 

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dicas para evitar buracos no jardim

Photo credit: rycheme / Foter / CC BY-ND
Photo credit: rycheme / Foter / CC BY-ND

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Qualquer pedacinho de grama ou terra em casa, ou até mesmo um jardim em um apartamento, pode se tornar um possível alvo dos cães que amam cavar! Filhotes e adultos têm esse hábito, e a primeira coisa que os donos precisam entender é que esse é um comportamento natural do pet. Não é uma reclamação ou vingança revirar terra. Os cães também cavam para brincar, esconder seus “tesouros”, como ossinhos e brinquedos, e para gastar energia.

Para diminuir esse comportamento, os donos devem desviar a atenção do cachorro para outras atividades, realizar passeios mais longos, caminhadas no parque, oferecer brinquedos interativos com os quais ele vai brincar e gastar energia, entre outras iniciativas que o distraiam. Essas são as principais ferramentas para mudar esse comportamento.

É recomendado também não deixar o pet sozinho na área que tenha essa parte do jardim que ele não deve mexer. Mas, caso não seja possível, colocar spray amargo é uma das alternativas para diminuir a frequência da destruição. Outra técnica esquisita, mas eficaz, é enterrar as fezes do cão nos buracos que ele fez – isso não vai deixar odor ou oferecer prejuízo para as plantas, mas o cão se sente desestimulado a mexer ali novamente. Cercar o local sempre que possível também é uma dica.

Se houver no jardim alguma parte em que seja permitido ao cão cavar, deixe esse espaço livre dos itens que o repelem e elogie, brinque com ele sempre que ele estiver no local. Supervisione no início, para que no meio da brincadeira, empolgado, o cachorro não desvie para a parte proibida.

Quando o dono planta e mexe muito no jardim, muitos cães cavam por imitação e porque naquele espaço tem o cheiro dos donos. Portanto, se essa é uma rotina na casa, procure cuidar das plantas quando seu cachorro estiver entretido com outra atividade.

Fonte: Mercearia do animal.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0