Como agir caso encontre um cachorro abandonado

Como agir caso encontre um cachorro abandonado

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que no Brasil exista aproximadamente 20 milhões de cães abandonados vivendo nas ruas. Essa realidade é muito triste e que mexe demais com as pessoas que são apaixonadas por bichos. Muitas vezes, ao encontrar um cachorro abandonado, pensamos: como podemos ajudar esse animalzinho? Para te ajudar em momentos como esse, a Cão Cidadão preparou algumas dicas. Confira.

Primeiro passo: Tire o cachorro da situação de risco

Ao encontrar um animal abandonado e tentar ajudá-lo, a primeira coisa que devemos fazer é tirá-lo da situação de risco em que se encontra. Na rua, ele corre o risco de ser atropelado, sofrer alguma forma de violência ou contrair uma doença.

Aproxime-se do cachorro com cuidado, para evitar ser mordido ou arranhado, e fale de forma afetuosa para conquistar a confiança dele. Você também pode oferecer comida para que ele se aproxime de você.

Passo dois: Verifique se ele possui algum tipo de identificação

Quando o animal permitir que você se aproxime com segurança, tente verificar se ele usa coleira com plaquinha de identificação. Muitas vezes, um cachorro vagando na rua sozinho não é um cão abandonado, mas sim um animalzinho perdido, que está sendo procurado pela família.

Passo três: Leve o cachorro ao veterinário

Ao resgatar um animal perdido ou abandonado, antes de permitir que ele tenha contato com outros animais saudáveis ou com sua família, é muito importante levá-lo a um veterinário para que o profissional verifique se ele não possui nenhuma doença ou ferimento que precise ser tratado.

Além disso, o veterinário pode ainda verificar se ele possui algum chip de identificação, o que irá facilitar muito o contato com os donos do animal.

Passo quatro: Decida o que fazer com o animal

Agora que você já tirou o animal da rua, se assegurou que ele está em boas condições de saúde é hora de pensar sobre o que fazer com o cachorro. Cada caso é um caso e por isso, iremos apresentar diversas opções:

1) Se o animal tiver plaquinha de identificação ou microchip

Caso o animal esteja identificado, você deverá entrar em contato com os donos dos animais. Combine com eles a melhor forma para que você possa entregar o animal de volta a sua família de origem.

E lembre-se: cuidado com a sua segurança. Marque o encontro, se possível, em um lugar público e vá acompanhado.

2) Se o animal não estiver identificado

Quando o animal não possui identificação, antes de qualquer coisa, você deve tentar buscar o verdadeiro dono do cachorro. Para isso, você pode:

  • Divulgar fotos do animal no bairro onde ele foi encontrado e em regiões próximas, informando dia e local onde você o achou e um telefone, e-mail ou outra forma de contato. Uma dica muito legal é ir em clínicas veterinárias e pet shops da região para verificar se alguém conhece esse animal ou se eles sabem de uma pessoa que perdeu o bichinho recentemente.
  • Divulgar imagens do cãozinho em suas redes sociais e pedir para seus conhecidos compartilharem essa postagem. Divulgue essa informação também em grupos de moradores da região.

Caso apareçam pessoas afirmando serem os donos do animal, não se esqueça de garantir sua segurança. Marque o encontro para a entrega do cachorro em lugar público e vá, de preferência, acompanhado ao local.

E, atenção: antes de entregar o cachorro para a primeira pessoa que aparecer se dizendo ser a dona, tente verificar esse fato pedindo fotos dela com o animal e sua família. Avalie também a reação do bichinho ao reencontrar o suposto dono.

O que fazer caso você não encontre o dono do cachorro?

Se você não tiver sucesso em encontrar o verdadeiro dono do animal, é hora de tomar outra decisão: ficar com o bichinho para você ou entregá-lo para adoção.

Caso você decida ficar com o bichinho, tenha certeza de que ele ficará confortável em sua casa, se adapte bem a sua rotina e de sua família e que terá todos os cuidados necessários para garantir sua saúde e bem-estar até sua velhice. E, para te ajudar nesse processo, a Cão Cidadão tem um material com tudo o que você precisa saber antes de adotar um animal.

Porém, se você não puder ou quiser manter o animal, você pode entrar em contato com instituições que acolhem bichinhos abandonados para que eles possam te orientar e ajudar a encontrar uma nova família para o cachorrinho. A Cão Cidadão é parceira de algumas ONGs que realizam esse trabalho em diversas cidades do Brasil. Confira aqui a lista.

Dicas para facilitar que seu cachorro seja encontrado caso ele fuja

Uma pequena distração, um momento de descuido e pronto: seu animalzinho de estimação saiu de casa sem você ver e agora você precisa encontrá-lo. O que você pode fazer para facilitar essa busca e que ele volte para você são e salvo? Confira algumas dicas:

1. Sempre use algum tipo de identificação no animal. Pode ser uma coleira com uma plaquinha com o nome e telefone e/ou um chip com os dados do bichinho e os seus. O importante é que ele esteja identificado o tempo todo, mesmo dentro de casa. Assim, caso aconteça algum imprevisto, será muito mais fácil você conseguir reaver seu amiguinho;

2. Assim que você perceber que seu cachorro fugiu, inicie as buscas imediatamente. Procure nas proximidades do local de desaparecimento. Nessa hora, tente chama-lo pelo nome, assoviar, fazer barulho com o pote de ração ou com o brinquedo que ele mais gosta;

3. Converse com seus vizinhos, funcionários de comércios locais, porteiros de prédios dos arredores, pessoas na rua. Pergunte se eles viram um cachorro como o seu pela região – leve uma foto do bichinho para ajudar no reconhecimento;

4. Espalhe cartazes com fotos e informações sobre o cachorro nos arredores de onde ele desapareceu. Peça para colar cartazes em lojas, clínicas veterinárias e pet shops da região;

5. Divulgue a informação do desaparecimento do seu cãozinho nas redes sociais e peça para seus contatos compartilharem;

6. Procure o centro de zoonoses de sua região. Muitos animais são recolhidos e levados para esses locais.

Gostou desse conteúdo? Não perca nenhuma publicação da Cão Cidadão! Assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Cachorro que fica sozinho: saiba o que fazer e o que evitar

Cachorro que fica sozinho: saiba o que fazer e o que evitar

Uma das maiores preocupações de donos de cachorros é garantir que os bichinhos fiquem bem durante os períodos que precisam ficar sozinhos. Entretanto, por mais que os tutores tentem assegurar o bem estar dos animais nesses momentos, alguns cães acabam sofrendo mais com a solidão do que outros e podem desenvolver comportamentos indesejados e prejudiciais.

Esse é um problema muito comum e que, com algumas atitudes simples, pode ser facilmente solucionado. Confira neste artigo algumas dicas.

O que é ansiedade de separação?

Se você passa muitas horas fora de casa e tem observado alguns comportamentos diferentes em seu cachorro – como empolgação exagerada quando você volta para casa, excesso de latidos, xixi e cocô fora de lugar, aumento da destruição de objetos, ou até mesmo apatia, falta de apetite e automutilação – isso pode ser sinal de que seu bichinho está sofrendo de ansiedade de separação.

Como os cães são seres sociais, eles desenvolvem fortes laços afetivos com o grupo ou indivíduo com o qual vivem. Essa é uma das características que os tornam tão amigos dos homens. Porém, algumas vezes os animais acabam desenvolvendo uma dependência muito forte de seus donos, o que pode ser prejudicial tanto para o cachorro quanto para o tutor.

Essa dependência prejudicial pode se desenvolver por diversos motivos. Algumas raças, por exemplo, têm mais tendência a se tornarem excessivamente apegadas a seus donos do que outras. Se você tem um estilo de vida que te obriga a ficar muitas horas fora de casa, é recomendado que, antes de adotar ou comprar um cachorro, se informe e busque por animais que sejam mais independentes. Algumas raças que costumam ter esse tipo de comportamento são: fox paulistinha, beagle, schnauzer e pug.

Outro fator que colabora para o desenvolvimento da ansiedade de separação é a forma como criamos o animal. Muitas pessoas se sentem tão culpadas por ter que sair por longos períodos de casa e deixar o cachorro sozinho que fazem uma longa cena de despedida antes de sair e uma enorme festa quando voltam. Porém, esse comportamento dos humanos é um dos principais fatores que levam os cães a desenvolverem a ansiedade de separação.

Esse tipo de atitude faz com que o animal entenda o momento da separação como algo que pode ser ruim, tanto para ele quanto para o humano, pois ele sente sua tristeza e preocupação. Sendo assim, ele passa a desejar que o dono não saia de casa. Além disso, ao voltar e dar atenção excessiva ao cachorro você está ensinando ao animal que aquele é o melhor momento do dia para ele, no qual você oferece petiscos e faz muito carinho. Dessa forma, o bichinho passa a esperar ansiosamente pela volta do tutor, o que acaba sendo um problema.

Além disso, a falta de estímulos para ele brincar enquanto está sozinho também colabora para que ele desenvolva a ansiedade de separação. Se você não oferece um ambiente rico ao animal em sua casa quando não está presente, como brinquedos, dispensers de petiscos e etc., a chance de cãozinho ficar entendiado é muito grande e isso aumenta a probabilidade dele desenvolver comportamentos indesejados.

Como acostumar o cachorro a ficar bem quando está sozinho?

1. Treine deixá-lo sozinho aos poucos

Se você já sabe que seu cachorro irá precisar se acostumar a ficar sozinho por longos períodos, uma maneira de amenizar esse problema é treinando-o desde pequeno para aprender a lidar com essa situação.

Você pode fazer isso oferecendo um brinquedo ou ossinho. Quando ele estiver entretido, vá para outro cômodo da casa e deixe-o um tempo brincando sozinho. Volte depois de alguns minutos e aja naturalmente, sem fazer grandes festas para ele entender esses momentos como normais.

Alguns animais ficam ansiosos quando notam algum estímulo comum ligado a sua saída – como calçar o sapato ou mexer nas chaves. Para deixá-lo calmo durante esses momentos, também vale treinar o cachorro para se acostumar com essas situações. Então, você pode calçar o sapato ou fazer barulho com a chave e continuar na casa normalmente. Assim que perceber que o cachorro está distraído, deixe ele um tempo sozinho e volte. Repita esse processo algumas vezes. Com o tempo ele entenderá que essas são ações normais, que não representam um problema.

2. Aumente a atividade física

Insira na sua rotina e na do animal a prática de atividades físicas antes de você sair de casa – seja um passeio longo ou uma brincadeira intensa. Assim, o cachorro estará com a energia mais baixa quando estiver sozinho, o que diminuirá a sensação de ansiedade para a sua volta.

3. Prepare o ambiente para a sua saída

Ao invés de fazer uma cena triste antes de sair de casa, torne sua ausência algo legal para o cachorro. Espalhe petiscos pela casa para que ele brinque de caça ao tesouro e deixe os brinquedos preferidos à disposição. Tente sair quando ele estiver distraído e de forma natural.

4. Volte para casa sem fazer festa

Ao voltar para casa depois de um período fora, segure a vontade de fazer uma festa com o cãozinho. Evite dar muita atenção ao animal enquanto ele estiver muito agitado. Aja como se nada estivesse acontecendo e só depois que o cachorro se acalmar dê atenção para ele.

Com o tempo e paciência, seu cachorro irá entender que não precisa ficar desesperado quando você não está junto a ele e poderá até gostar de passar um tempo sozinho.

Caso você prefira, você pode optar por deixar seu animal em uma creche para cachorros, que são locais onde os bichinhos passam um ou dois dias por semana, brincando e interagindo com outros animais.

Em casos muito graves de sofrimento por ansiedade de separação, converse com seu veterinário e ele poderá indicar alguma medicação para acalmar o cãozinho.

Além disso, você pode contar com a ajuda de um adestrador profissional para acostumar o cachorro a ficar mais tranquilo nos momentos que precisa estar só. Se você precisa de ajuda, entre em contato com a Cão Cidadão e agende uma primeira aula gratuita com um de nossos profissionais e saiba mais sobre nosso método e planos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como os cachorros entendem nossos sentimentos?

Como os cachorros entendem nossos sentimentos?

Para os tutores de cachorros não há dúvidas: os cães são capazes de entender nossos sentimentos e emoções. Porém, é realmente possível afirmarmos isso? De acordo com algumas pesquisas já realizadas, sim.

Cada vez mais estudos têm comprovado que os cães realmente têm habilidades para compreender as emoções humanas. Para isso, eles utilizam seus sentidos. Entenda como esse fenômeno ocorre.

Como os cachorros são capazes de entender os sentimentos humanos?

Segundo pesquisas realizadas, os cães usam seus sentidos para compreender como os humanos se sentem. De acordo com um estudo realizado na Hungria, por exemplo, os cientistas descobriram que os cachorros conseguem, ao escutar sons de choro e risada de seres humanos, diferenciar essas emoções e como nos sentimos.

Além disso, outro estudo, desta vez realizado em Viena, indica que os cachorros também conseguem saber se estamos felizes ou tristes só ao observar as nossas expressões faciais.

Por que a relação entre humanos e cães é tão forte?

A relação entre humanos e cães existe desde muito tempo. Muito antes dos humanos aprenderem a plantar, antes deles começarem a se estabelecer em um só lugar, quando eram caçadores nômades, homens e cães já se relacionavam.

Há muitos anos cientistas tentam entender como essa relação começou: se foram os homens que domesticaram os cães ou se os cachorros que se aproximaram dos humanos para conseguirem alimento e outras mordomias com mais facilidade.  Devido a essa dúvida, alguns cientistas questionam o sentimento de amor e lealdade que o melhor amigo do homem tem em relação ao seu dono.

A resposta definitiva para esses questionamentos a ciência ainda não tem, mas estudos comprovam que os cães, assim como os humanos, produzem um hormônio chamado oxitocina, também conhecido como o hormônio do amor, quando passam cerca de 10 minutos juntos. Além disso, também se sabe que, ao sentirem cheiros que tenham relação com seus donos, os cachorros experimentam sensações de bem estar.

Ou seja, essas pesquisas mostram que, não importa o que levou cães e homens a começarem a se relacionar no passado, hoje em dia os cachorros sentem, de fato, amor por seus donos e nutrem por eles um forte sentimento de lealdade.

Como entender os sentimentos do seu cão?

Bom, já que nossos animaizinhos são tão atenciosos e buscam entender o que estamos sentindo, como nós humanos podemos retribuir e também compreender as emoções de nossos cães? Veja como a seguir:

Felicidade

Além de abanar o rabo quando estão contentes, você sabia que os cachorros podem rir? Uma pesquisa da Universidade de Serra Nevada descobriu que, ao brincar, algumas vezes os cães respiram e exalam o ar de forma diferente do normal. Ao reproduzir esse som para outros cachorros, eles ficavam mais dispostos a brincar.

Vergonha

No geral, os donos quase sempre sabem quando seus cachorros fizeram algo errado ao observarem a postura dos animais: cabeça baixa, rabo entre as patas, olhar triste, etc. Geralmente, associamos esse comportamento ao sentimento de culpa ou de vergonha.

Porém, essa postura indica submissão, que muitas vezes ocorro por ansiedade e medo de ser repreendido. Com essa atitude, o cachorro tenta te deixar mais calmo demonstrando que irá te obedecer.

Tristeza

Quando os cães ficam muito tristes, em uma situação de luto, por exemplo, eles demonstram sua emoção nos seguintes comportamentos: perda de apetite; apatia; muito ou pouco sono; ansiedade.

Ao conhecer e entende melhor seu cão, a relação entre vocês dois tende a se tornar muito mais forte e melhor.

Para não perder nada do que publicamos por aqui, assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo direto em sua caixa de e-mail.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

O que pode tornar o seu cachorro agressivo

Photo credit: Mr. Dtb / Foter / CC BY-SA
Photo credit: Mr. Dtb / Foter / CC BY-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal. 

É muito comum que as pessoas tenham ideias erradas a respeito do que torna um cachorro agressivo. Por exemplo, algumas acreditam que determinadas raças são muito dóceis e nunca se tornam agressivas ou que cães tratados só com amor e carinho jamais morderão ou atacarão alguém da família. Mas isso não é verdade.

Muitos motivos podem estimular um comportamento agressivo nos animais. Para conseguir evitar que isso aconteça, é importante conhecer essas causas. Neste artigo, iremos te explicar como surge um comportamento agressivo e o que pode desencadeá-lo.

Afinal, de onde vem a agressividade canina?

Para a maioria das espécies, na natureza, a agressividade é um comportamento fundamental para sua sobrevivência. É por meio dela que os animais defendem seu território, seus parceiros sexuais, filhotes, comida e até mesmo sua posição hierárquica dentro do grupo.

Em alguns bichos, o comportamento agressivo é inato e pode aflorar somente em algumas situações ou fases da vida. Esse é o caso dos cães, principalmente dos machos.

Principais motivos que tornam um cachorro agressivo

Raça e linhagem

No imaginário popular, existe a crença de que algumas raças de cães são totalmente dóceis e outras são muito agressivas. Porém, essa classificação é muito simplista.

Não se pode afirmar que existam raças caninas que não possuam um único indivíduo agressivo. Esse engano faz com que muitas pessoas se surpreendam quando se deparam com um Golden Retriever ou um Labrador bravo.

É claro que algumas raças são, em média, mais agressivas ou dóceis que outras. Por exemplo, é mais comum Rottweilers serem mais agressivos que Beagles. Entretanto, há muitos Rottweilers mais dóceis do que alguns Beagles. O que acontece é que devemos evitar generalizações em relação à raças e nos atentar aos indivíduos.

Outro fator que colabora para verificar se cães têm mais tendência a serem dóceis ou agressivos são as diferentes linhagens de uma mesma raça. Existem linhagens que apresentam indivíduos mais tranquilos ou bravos do que a média geral de determinada raça.

Por isso, ao tentar prever o comportamento futuro do filhote, pode ser mais importante conhecer o comportamento típico da sua linhagem do que da sua raça.

Influência da criação

O modo como lidamos com o cão influencia muito o comportamento dele. A boa educação pode controlar a tendência à agressividade maior e, por outro lado, a má educação pode tornar perigoso um cão pouco agressivo. Mas, de fato, é muito mais fácil e garantido educar para ser manso e confiável um cão que tem tendência a ser dócil.

Amor e carinho não bastam

É comum ouvirmos relato de tutores de animais que dizem sempre ter feito tudo que o cão queria, nunca ter lhe deixado faltar amor e nem carinho, e que não entendem por que o cachorro ataca as pessoas da casa. Mas, para controlar a agressividade dos nossos cães e evitar acidentes, muitas vezes graves, devemos estar cientes de que a educação correta envolve muito mais do que amor e carinho.

Tipos de agressividade

Podemos dividir o comportamento agressivo em classes, para melhor entendê-lo e controlá-lo. Independentemente dos critérios adotados, mais complexos ou mais simples, em geral as classificações se assemelham.

Agressividade territorial

Normalmente, um cão fica mais agressivo no território dele, para defendê-lo. Muitos cães aceitam um outro cão quando estão em espaço neutro, mas passam a atacá-lo se ele entrar no território deles ou ameaçar entrar.

Agressividade possessiva

Manifesta-se quando alguém se aproxima de um objeto, de um animal ou de uma pessoa de quem o cão tem “ciúmes”. Ocorre, por exemplo, quando ele está com algo que considera valioso, como um osso com pedaços de carne. Acontece também quando uma visita abraça ou cumprimenta o dono do cão.

Agressividade por medo ou dor

Às vezes, para se defender, o cão acuado pode atacar o agressor. Ou, ameaçá-lo mostrando os dentes e rosnando, para evitar que chegue perto demais. Um cão com dor, por medo de que um outro bicho ou uma pessoa se aproveite dessa vulnerabilidade, tende a ser agressivo. Esse é o principal motivo que leva cães atropelados a atacar a pessoa que tenta socorrê-los.

Agressividade por dominância

Serve para mostrar quem manda. Costuma acontecer quando é questionada ou contrariada a dominância de um cão que se considera líder do grupo.

Está com dificuldades para entender ou controlar o comportamento de seu animal de estimação? Agende uma visita gratuita com a equipe da Cão Cidadão e conheça nosso método de adestramento inteligente.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

É possível adestrar mais de um cachorro ao mesmo tempo?

É possível adestrar mais de um cachorro ao mesmo tempo?

Você tem dois ou mais cachorros e deseja adestrá-los mas não sabe o que fazer ou por qual deles começar? Que tal treiná-los ao mesmo tempo? Considera uma missão impossível? Mas não é.

Assim como para adestrar um cão, ao treinar dois você precisará de tempo, dedicação e paciência. A diferença é que você precisará entender que cada cão é um indivíduo e, por isso, é preciso trabalhar cada um entendendo sua personalidade. Porém, com algumas dicas, educar seus dois bichinhos ao mesmo tempo pode ser mais simples do que você imagina.

Entenda as especificidades de cada cão

Antes de começar o adestramento – e até mesmo durante o processo – entenda e reconheça a personalidade de cada um. Tente identificar o que cada um gosta, o que os incomoda, quais são os comportamentos negativos e positivos que cada um apresenta, se um é mais agitado que o outro etc. Observe também as semelhanças comportamentais que eles apresentam.

Com base nessa observação ficará mais fácil saber o que você poderá usar para ajudar durante o treinamento e o que evitar. Por exemplo, se os dois cães adoram um determinado petisco, use-o para recompensar comportamentos positivos. Se um deles não gosta de barulhos muito alto, esse pode ser o seu jeito de repreender o comportamento negativo desse animal, mas talvez você precise encontrar outra forma para inibir o do outro animal. Se eles ficam mais bem comportados depois de passear, escolha esses horários para realizar o adestramento.

Acostume os cachorros a conviverem de forma harmoniosa

Você, sua família e seus animais de estimação são um grupo e os cães precisam entender que você é o líder e que eles devem ter uma boa relação, de carinho e respeito, todo mundo – inclusive entre eles.

Acostume e eduque seus cachorros para que eles interajam de forma civilizada entre eles, sem brigas. Se eles forem filhotes, é mais fácil se acostumarem a viver juntos. Se forem adultos, é importante apresentar os animais uns aos outros com calma e paciência, para evitar problemas.

Se eles já se dão bem, faça as atividades diárias com eles juntos, como passear, brincar, alimentar, escovar, etc. Assim, eles estarão acostumados a estar com você e dividir sua atenção sempre e isso pode ajudar no processo de adestramento em conjunto.

Ensine os comportamentos adequados e comandos aos cães ao mesmo tempo

Com os cães já acostumados a viverem juntos e a dividirem sua atenção, você pode começar o adestramento dos dois ao mesmo tempo. Pense como se você fosse o professor e estivesse dando aula para uma turma.

Com dos cães calmos e prestando atenção em você, ensine um comando e sempre que seu cão fizer o que você deseja recompense o comportamento com um petisco e carinho. Faça com que cada um repita a ação desejada e recompense individualmente.

O bom de treinar os cachorros ao mesmo tempo é que um serve de exemplo para o outro. Assim, se um cão aprender mais rápido que o outro, as chances de o companheiro repetir o comportamento desejado é grande.

Se um dos animais tiver um comportamento indesejado, você pode repreendê-lo, mas evite ficar acariciando muito o outro cachorro nesse momento para não gerar ciúmes ou rivalidade. Ou seja, se deu bronca em um, não dê atenção excessiva para o outro.

Caso você tenha dificuldades para ensinar seus cachorros, você pode contar com a ajuda de um profissional. Na Cão Cidadão, o valor do adestramento é calculado por aula, independente da quantidade de alunos. Agende uma visita gratuita e saiba mais sobre nossa metodologia.

Não quer perder nada do que publicamos aqui? Assine nossa newsletter e receba nossos conteúdos sempre em seu e-mail.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Alimentação para cachorros: tudo o que você precisa saber

Alimentação para cachorros: tudo o que você precisa saber

Cuidar da alimentação dos bichinhos é muito importante e faz uma grande diferença na saúde e qualidade de vida deles. Oferecer uma alimentação equilibrada e que atenda às necessidades nutricionais específicas em cada fase do animal é essencial para cachorros filhotes, adultos e idosos.

Neste artigo, iremos esclarecer as dúvidas mais comuns sobre qual a melhor forma de garantir uma alimentação saudável para o seu pet.

Ração x comida caseira

Assim como os humanos, cachorros também precisam de uma dieta balanceada. Entretanto, o que pode ser bom e fazer bem para um humano, nem sempre atende às necessidades nutricionais de um cão, ou pior, pode até ser prejudicial para o bichinho.

Rações específicas para as características do seu animal (se ele é filhote, adulto ou idoso, se é de grande, médio ou pequeno porte, se tem algum problema de saúde etc.) são a forma mais prática e segura de alimentar o cão. Esse tipo de alimento é fabricado para oferecer todos os nutrientes essenciais para o desenvolvimento saudável do bichinho. Além disso, quando os cachorros mastigam a ração, o atrito faz com que eles acabem limpando um pouco os dentes, o que ajuda a prevenir problemas como tártaro.

Apesar desses benefícios, muitos tutores oferecem comida caseira aos seus cachorros por imaginarem que eles irão enjoar de comer só ração ou como uma tentativa de oferecer algo mais nutritivo. Porém, alguns alimentos e temperos comuns na alimentação humana podem ser muito prejudiciais ou representar um risco para a saúde do animal, como excesso de sal, chocolates, cebola, alho, frutas com caroço e muitos outros.

Para oferecer comida caseira ou natural ao seu bichinho de forma séria e correta, você deve contar com o acompanhamento veterinário. Somente esse profissional poderá te indicar uma dieta balanceada e a forma certa do preparo de cada alimento.

Por isso, a ração é a escolha de alimentação para cachorros mais garantida e fácil, pois ela é feita para suprir corretamente as necessidades nutricionais do animal, sem excessos ou carências de nenhum nutriente. Converse com seu veterinário e informe-se sobre o melhor tipo de ração para atender as necessidades específicas do seu cachorro.

Quantidade de ração

Para oferecer os nutrientes adequados aos cães, é preciso alimentá-los com a quantidade correta de ração. Para isso, basta seguir as instruções do fabricante que vêm nas embalagens desses produtos.

Avalie também o comportamento do seu pet. Se ele for muito ativo e agitado, você pode disponibilizar um pouco mais de alimento, se ele for muito calmo e preguiçoso, um pouco menos. Tente manter o escore corporal adequado para o seu animal. Para avaliar isso, observe o corpo do seu cachorro.

Escore corporal: como observar?

No escore ideal, você não verá de forma tão aparente os ossos das costelas, coluna e bacia do animal. Quando tocá-lo, você sentirá fina camada de gordura em cima das costelas. Além disso, o cachorro terá cintura e curva abdominal marcada.

Se você enxergar muito marcados os ossos da coluna, costelas e da bacia, isso pode significar que ele está abaixo do peso ideal. Quando o bichinho está acima do peso, ao tocar você não sentirá os ossos da costela e o cachorro não apresentará a curva da cintura e também terá um excesso de gordura na região abdominal.

Caso você tenha alguma dúvida sobre como avaliar o peso correto do animal, converse com seu veterinário.

Horários para a alimentação

Alguns cachorros são muito gulosos. Para evitar que eles comam toda a ração de uma vez e fiquem sempre pedindo mais, é importante que você não deixe toda a comida à disposição do bichinho o dia todo.

O ideal é dividir a oferta de comida para o cãozinho em algumas vezes ao dia. Quando ele é filhote, você pode começar oferecendo a ração quatro vezes ao dia. Conforme o animal for crescendo, vá diminuindo até chegar em duas vezes ao dia.

Com isso, você conseguirá controlar melhor a quantidade de alimento que o animal come, evitando problemas como a obesidade do animal.

Petiscos

Em momentos especiais, para agradar ou recompensar seu cachorro por um comportamento positivo, você pode oferecer a ele um petisco, algo que seja mais atrativo do que só a ração.

Além disso, durante o treinamento do animal, é muito comum oferecer petiscos e até mesmo a própria ração como estímulo e reforço positivo para que o cachorro execute a ação desejada.

O importante nesses casos é não utilizar esses agrados em excesso, para não atrapalhar o balanceamento da alimentação do cão.

Na dúvida, consulte um veterinário para saber a quantidade e o tipo de petisco recomendado para o seu animal.

Como resolver problemas comportamentais relacionados à alimentação?

Cachorros que comem muito rápido

Comer muito rápido é um hábito que pode fazer mal ao cachorro, pois ele pode vomitar ou desenvolver gastrite e até mesmo torção gástrica.

Nem sempre um cão que come rápido é porque está com muita fome. Às vezes o animal está apenas com o apetite aumentado. Avalie se seu cachorro está comendo a quantidade de ração indicada para seu porte e idade antes de decidir aumentar a quantidade oferecida para saciá-lo, pois ele pode continuar comendo rápido e ainda te pedir mais.

Uma forma simples de ensinar o cão a comer de forma mais lenta é utilizando brinquedos que liberam a ração ao serem manipulados, com uma garrafa pet com furos ou bolas que dispensam a comida. Escolha a melhor opção para você e seu cachorro e divirta-se enquanto seu cãozinho aprende a ter mais calma para comer.

Falta de apetite

Isso pode acontecer por diversos motivos. Muitas vezes essa falta de apetite acontece porque o cachorro tem à disposição comida à vontade o dia todo. Para evitar esse problema, ofereça apenas a quantidade adequada às características do seu animal e nos horários determinados por você (pelo menos duas vezes ao dia).

Outro motivo comum para a diminuição do apetite do animal ocorre quando você tem o costume de oferecer outros alimentos ao cachorro ou misturá-los à ração para incrementá-la. Isso pode piorar o paladar do cão, fazendo com que ele recuse comer a ração pura, já que ele sabe que você pode oferecer algo muito mais palatável.

Caso a diminuição do apetite não tenha relação com nenhuma dessas causas, procure um veterinário para que ele possa examinar seu animal e te ajudar a lidar com a situação.

Animais que brigam por comida

Ao alimentar mais de um cachorro ao mesmo tempo, alguns animais podem apresentar um comportamento agressivo nessa hora por terem sentimento de posse pela comida. Ao notar que um de seus cães tende a ser agressivo com os outros na hora de comer é importante agir para evitar brigas e problemas graves.

Para acalmar a situação, você pode separar seus animaizinhos na hora da refeição. Não deixe os potes de refeição deles próximos uns dos outros e sempre os supervisione enquanto eles comem. Assim, você evita que um chegue perto da comida do outro e acabem brigando.

Quer receber outras dicas para cuidar do seu pet? Assine nossa newsletter e fique por dentro de tudo o que rola por aqui.

Recomendamos

adestramento com a cao cidadao e com a hills é sempre melhor

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Saiba escolher a raça de cachorro ideal para você

Saiba escolher a raça do cachorro ideal

Antes de comprar ou adotar um cachorro, uns dos principais aspectos que você precisa levar em consideração para escolha são a raça e a personalidade do animal. É importante que essas características se encaixem com suas expectativas em relação ao cãozinho e seu estilo de vida. Afinal, ao escolher um bichinho de estimação, desejamos que ele se adapte e tenha tudo o que precisa para ser feliz em sua nova casa, evitando problemas ou frustrações para toda a família.

Para tirar suas dúvidas sobre esse tópico, criamos este post com os principais pontos que você precisa saber antes de escolher a raça ideal do seu cachorro.

Quais aspectos levar em consideração na escolha da raça?

Para começar, pense em seu estilo de vida. Você adora passeios ao ar livre, gosta de praticar esporte, correr ou prefere ficar em casa, lendo um livro, assistindo um filme? Pense também sobre sua casa e em sua rotina e de sua família. Você mora em um apartamento pequeno ou em uma casa grande, com quintal? Os membros de sua família ficam muito tempo fora trabalhando e em outras atividades ou sempre haverá alguém em casa para fazer companhia ao bichinho?

Além disso, pense sobre quais características físicas e comportamentais você deseja que o seu cachorro tenha. Pequeno, médio ou grande porte? Quer que eles seja companheiro, brincalhão ou um cão de guarda? Agitado ou calmo?

Com base nas respostas dessas perguntas você está pronto para pesquisar as raças e perfil de animal que sejam mais compatíveis com você e sua família.

Grupos de raças e suas características

Sem raça definida

Por não terem uma raça definida, é um pouco mais difícil prever se o filhote terá porte pequeno, médio ou grande e qual será seu temperamento. Porém, no geral, animais sem raça definida são muito carinhosos e amorosos com sua nova família. Eles também costumam apresentar uma saúde bem resistente.

Além disso, se você escolher adotar um cãozinho vira-lata, você estará dando a ele a oportunidade de ter um lar e receber atenção, carinho e cuidados individualizados, algo que em um obrigo dificilmente ele teria, uma vez que os cuidadores devem dar atenção a uma dezena de animais ao mesmo tempo.

A dica para escolher o animal para adotar que mais se encaixe nas características que você espera de um bichinho de estimação é observar o comportamento do cachorro e conversar com os responsáveis por seus cuidados no abrigo. Eles podem te ajudar a saber se ele irá crescer muito mais ou se deverá ficar pequeno quando adulto e também como é o seu temperamento, se ele é um animal mais tímido, agitado, carinhoso, etc.

Grupo dos esportistas

São animais que, em sua origem, foram criados com a função de ajudar na caça. Para eles, o trabalho de localizar, capturar e buscar as presas é como um esporte que eles adoram.

Fazem parte desse grupo cães das raças Golden Retrivier, Labrador, Fox Paulistinha, Cocker Spaniel, Pointer Inglês, entre outras.

Os cachorros das raças pertencentes a esse grupo são bastante companheiros, têm muita energia, são rápidos e possuem o faro aguçado. São indicados para pessoas que querem um cão animado e educado e que tenham bastante espaço em casa para o cachorro se exercitar ou possuem muita disposição para brincar e passear.

Grupo dos Hounds

Os cachorros do grupo dos hounds também eram caçadores e perseguiam suas presas. Possuem visão e olfato bem apurados. Geralmente são agitados e precisam gastar bastante energia.

Algumas das raças que fazem parte dessa categoria são Basset Hound, Beagle, Dachshund e Whippet.

Grupo dos trabalhadores

Os cães do grupo dos trabalhadores foram criado para ajudar os humanos em diversas tarefas, como guardar propriedades e rebanhos, puxar trenós e resgatar pessoas e animais.

Raças como Akita, Boxer, Doberman, Fila Brasileiro, Husky Siberiano e São Bernardo são alguns exemplos dessa categoria.

Grupo dos pastores

Esses animais foram criados para ajudar os humanos a pastorear rebanhos e até hoje eles são usados nessa função. Fazem parte desses grupo as raças Pastor Alemão, Border Collie e Pastor de Shetland.

Para exercer esse tipo função, é preciso ter um grande vigor físico. Por isso, não é de se estranhar que os cães desse grupo tenham alto nível de energia. Os donos desses animais devem estimular atividades que o ajudem a se exercitar para evitar que a energia acumulada cause problemas comportamentais.

Grupo dos Terriers

Na natureza, os cachorros pertencentes a esse grupo são ótimos caçadores, principalmente de roedores e pequenos mamíferos. Para conseguir pegar suas presas, eles precisavam cavar profundamente a terra para encontrá-los. Devido a essa herança ancestral, os terriers são conhecidos por gostarem muito de cavar e possuem alta energia.

Ou seja, ao escolher ter um cachorro desse grupo em sua família você deverá ter em mente que ele precisará de muito exercício físico e um pedaço de terra onde possa cavar a vontade.

As raças mais conhecidas desse grupo são Bull Terrier, Boston Terrier, Jack Russel Terrier, Pit Bull e Schnauzer.

Grupo dos Toys

Diferentemente dos outros grupos citados até aqui, as raças do grupo dos toys foram criadas principalmente para fazerem companhia aos seres humanos, sem terem que exercer nenhuma função ou trabalho para ajudar seus donos.

Em sua maioria, são cachorros de pequeno porte e que apreciam muito estar sempre perto de seus donos.

As raças pertencentes a essa categoria são Chihuahua, Lulu da Pomerânia, Maltês, Pequinês, Shih Tzu Pinscher e Pug.

Grupo dos Não-esportistas

Entram nesse grupo as raças que não se encaixam nas outras categorias, por isso possuem caracterísitcas e personalidades muito variadas.

São classificados como não-esportistas o BuldogueFrancês, Chow Chow, Dálmata, Lhasa Apso, Poodle, entre outros.

A escolha da raça e do perfil comportamental do cachorro que mais combine com sua rotina e de sua família é um dos fatores mais importantes para uma relação entre humanos e animais agradável e satisfatória. Pesquise bem sobre as raças que têm interesse, converse com seu veterinário para esclarecer dúvidas sobre o comportamento e características de cada animal. Não adote ou compre um cão apenas por impulso ou por achar determinada raça bonita sem entender suas especificidades. Pratique a posse responsável e com certeza você terá um grande amigo por muitos e muitos anos.

Assine nossa newsletter para receber informações sobre o mundo pet.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dicas para viajar com cachorro nas férias

Dicas para viajar com cachorro nas férias / Photo by Tadeusz Lakota on Unsplash

As tão esperadas férias chegaram. Para relaxar e aproveitar esse período ao máximo, muitas pessoas escolhem viajar. E, para garantir momentos ainda mais agradáveis, alguns tutores desejam levar seus cachorros junto nesses passeios. Porém, viajar com cachorro exige alguns cuidados para evitar riscos e garantir a diversão tanto para humanos quanto animais.

Confira, a seguir, algumas dicas valiosas que irão fazer a sua viagem melhor para você, sua família e seu pet.

Organizando a viagem

Antes de arrumar as malas e sair por aí viajando com seu cãozinho, é preciso tomar algumas atitudes para evitar possíveis problemas.

Visite o veterinário

Em primeiro lugar, você deve levar seu cachorro para uma visita ao seu veterinário de confiança. O profissional irá avaliar a saúde do seu animalzinho, se as vacinas e vermífugo estão em dia e poderá te orientar sobre qualquer dúvida que você tiver sobre a melhor forma de viajar com cachorro. Ele também poderá te indicar medicações para evitar enjoos e outros problemas comuns durante viagens.

Arrume as malas com antecedência

Não é apenas com a sua bagagem que você deverá se preocupar. Para garantir que o cãozinho fique bem durante a viagem e evitar ao máximo qualquer stress para o animal, você deverá preparar uma mala com tudo o que ele irá precisar fora de casa. Leve ração, comedouros, bebedouros, tapete higiênico, brinquedos, petisco, caminha, carteira de vacinação, remédios (caso ele tome algum), etc.

Se possível, prepare esse enxoval antes da viagem. Deixar para comprar essas coisas no local de destino da viagem pode ser arriscado, você pode não encontrar determinados produtos com os quais seu cachorro está acostumado e ele não se adaptar às novidades, causando transtornos tanto para o animal quanto para você.

Hospedagem

Se você for se hospedar em um hotel ou pousada, verifique antes de fazer a reserva se o estabelecimento aceita cachorros e que tipos de serviços e condições ele oferece ao pet. Avalie se essas condições são adequadas ao perfil do seu animal.

Informe-se, também, sobre clínicas veterinárias localizadas próximas ao seu local de hospedagem. Tenha em mãos o endereço e telefone desses locais para utilizar em caso de emergência.

Cuidados ao viajar com cachorro de carro

De acordo com as leis de trânsito brasileiras, animais não podem andar soltos dentro de veículos. Eles devem utilizar cinto de segurança próprio para cães ou ficarem dentro da caixa de transporte. Dessa forma, você evita que eles pulem pela janela ou no motorista enquanto dirige, evitando acidentes.

Para que o cachorro fique tranquilo nessa situação, antes de viajar, faça treinos para costumá-lo, pouco a pouco, com a caixa de transporte ou cinto de segurança e passeios de carro. Assim, ele se sentirá seguro nessas situações e se habituará cada vez mais a passar períodos maiores nessas condições. Uma dica é deixar um brinquedo com ele para que ele possa morder e se distrair durante o trajeto.

Para que o animal descanse, faça suas necessidades, coma e tome água, faça paradas a cada duas horas. Saia com o animal por um tempo do carro – sempre utilizando coleira e guia – e deixe ele andar e farejar por um tempo. Nesses momentos, ofereça um pouco de comida e água fresca.

Jamais deixe o cachorro sozinho dentro do carro fechado no sol ou em dias quentes. Eles podem ter um aquecimento interno alto e rápido, que pode acabar levando-os à morte.

Cuidados ao viajar com o cachorro de ônibus ou avião

Antes de comprar sua passagem para viajar com o cachorro, entre em contato com a companhia aérea ou empresa de ônibus para saber quais as regras específicas para o transporte de animais. Caso viaje para fora do país, você também deverá se informar sobre a legislação do local de destino para a entrada de pets no país.

No geral, as regras para viajar com cachorro são: apresentar atestado do veterinário informando sobre as boas condições de saúde do animal, ter a carteira de vacinação atualizada e transportar o bichinho na caixa de transporte.

Algumas empresas possuem regras específicas para o transporte do animal, como a obrigatoriedade do cachorro ocupar um assento ao lado de seu dono (portanto o tutor deve pagar por esse lugar), número limite de pets que podem ser transportados por viagem, peso máximo do cachorro que irá ser transportado, caixas de transporte com características específicas, etc.

No avião, para viajar com cachorro com mais de 10 kg, geralmente as companhias aéreas determinam que o animal seja transportado no porão da aeronave. Se esse for o caso, identifique seu bichinho com uma plaquinha e também sua caixa de transporte.

Algumas empresas não transportam cães de determinadas raças. Sendo assim, mesmo que seu cão tenha todos os documentos exigidos, ele poderá ser impedido de viajar.

Em voos internacionais, além de contatar a empresa aérea, você deve se informar sobre as regras do país de destino, pois alguns pedem, por exemplo, que o animal passe por um período de quarentena antes de entrar no país. Devido a essas e outras situações, é imprescindível que você se informe antes de viajar com o cachorro para evitar grandes problemas.

Com essa preparação, você está pronto para curtir seus dias de descanso em companhia do seu melhor amigo.

Para receber informações atualizadas sobre cuidados com animais, assine nossa newsletter.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Transporte para cães e gatos é tema do É de Casa

No prnoticias_interna-edcóximo sábado, 31 de março, o zootecnista e especialista em adestramento animal, Alexandre Rossi estará no programa É de Casa, da Rede Globo.

Desta vez, ele irá abordar o tema “transporte para cães e gatos”. É importante que os tutores saibam como acostumar seus pets a usarem a caixinha de transporte para facilitar viagens, passeios e idas ao veterinário, por exemplo.

Fique ligado na Rede Globo, às 9h da manhã!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Necessidades no local errado!

dicas_interna-xixi-lugar-errado

Por Amanda Ornelas, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

O xixi fora do lugar é um dos problemas mais comuns relatados por tutores de animas. Mas por mais desagradável que seja, geralmente essa questão não se trata de um problema de difícil solução. O mais importante para ensinar seu bichinho a fazer xixi no local correto é paciência e dedicação.

A primeira providência é escolher um local apropriado. O banheiro deve ser limpo, amplo, seco, absorvente e distante de onde seu peludo come e dorme.

Após montar o banheiro chegou a hora de colocar a mão na massa e treinar seu amigo!

Fique atento aos sinais e rotina de seu peludo. Geralmente ao acordar e após as refeições e brincadeiras, o cão tende a querer fazer xixi. Neste momento, leve-o até o local determinado e espere até que ele se alivie. Assim que ele terminar recompense-o com muita festa, carinho e um petisco gostoso.

Com a repetição e o tempo, logo o seu cãozinho entenderá que ali é o local adequado para fazer suas necessidades.

Lembre-se que durante o período de aprendizagem erros podem acontecer, isso é normal. Evite dar broncas quando os erros ocorrerem, pois, neste caso, as broncas podem piorar a situação. Se seu cão ficar com medo de fazer xixi na sua frente será difícil recompensar os acertos e, além disso, ele pode passar a fazer em locais ainda mais inapropriados na tentativa de esconder de você.

Com carinho, paciência e persistência logo o seu amigo estará usando o banheiro de forma correta!

Fonte: Jornal Imprensa ABC

Share and Enjoy !

0Shares
0 0