O que é ansiedade de separação?

dicas_interna-ansiedade-separacao

Por Joilva Duarte, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

A ansiedade de separação é um problema comportamental que traz sérias consequências tanto para o tutor como para o seu cãozinho.

Por ser de uma espécie extremamente sociável, os cães têm uma forte ligação com o grupo ou com o indivíduo com o qual vivem. Em alguns casos, quando perdem o contato visual e olfativo com seus donos, a ansiedade pode resultar em alguns comportamentos indesejados, como vocalização excessiva, choros, uivos, latidos e destruição de objetos.

Alguns sinais como apatia, casos em que o cãozinho não bebe água e não come, como se sua vida desse uma pausa até seu tutor voltar, necessidades fora do lugar e várias outras situações, demonstram a aflição que o pet passa naquele período solitário.

Esse comportamento também pode ser desenvolvido quando há alteração na rotina do tutor, mudança de residência, estadia em hotéis, problemas médicos ou cognitivos e a chegada de um novo membro na família (um bebê ou outro bichinho de estimação).

Primeiramente, devemos entender que esses comportamentos de destruição não são vinganças do cãozinho por ficar sozinho, e sim uma forma que ele encontrou de extravasar a necessidade da presença do tutor, por isso, algumas vezes os objetos destruídos são sapatos, roupas, sofás, pois trata-se de objetos bastante manipulados por ele, ou seja, com seu cheiro.

Para resolver esse problema devemos trabalhar a independência do bichinho em relação ao tutor. Veja as dicas:

  1. Aumento da atividade física

Tente adequar a sua rotina com passeios com o amigão, principalmente antes de deixá-lo sozinho, assim, quando você sair, ele estará cansando e provavelmente vai tirar uma soneca.

  1. Brincadeiras

Se tiver um dia chuvoso ou o passeio não foi possível por qualquer outro motivo, brinque com ele com uma bolinha ou outro brinquedo que ele goste para cansá-lo.

  1. Sua saída tem que ser legal para ele

Quando for sair, espalhe petiscos pela casa para um caça ao tesouro. Deixe brinquedos interativos com ração e petisco para ele no período da sua ausência e, com isso, gastar tempo e energia. Nada de despedidas longas ou dramáticas.

  1. Treine essas saídas com antecedência

Se quando te vê de tênis seu bichinho já fica ansioso, comece a ficar com o calçado em casa por mais tempo, e não somente quando for sair.

Faça barulhos com as chaves, para tornar os sons comuns para ele. Faça pequenas separações dentro de casa mesmo, ou seja, dê um ossinho para seu bichinho e, enquanto ele estiver roendo, saia e volte várias vezes para que ele vá acostumando com a sua ausência.

  1. O retorno para casa tem que ser algo normal

Quando chegar em casa nada de fazer festa. Espere o animal se acalmar e somente depois dê atenção, para não alimentar essa a ansiedade na sua ausência.

Paciência! Esse é o melhor remédio para casos de ansiedade. Vai levar tempo para seu cãozinho aprender e se acostumar com essa nova rotina e, para isso, você terá que se dedicar e fazer sua parte.

Com o tempo, ele entenderá que ficar sozinho também pode ser muito legal. Se precisar de ajuda procure um profissional.

Fonte: Jornal SP Norte

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Estímulos positivos e enriquecimento ambiental

dicas_interna-enriquecimento-ambiental

Por Cintia Suzuki, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

“Ela está comigo há algumas semanas. Eu a adotei em uma feirinha de animais e seu nome é Soneca, pois ela é dorminhoca e carinhosa. Eu também sou muito carinhosa com ela, mas tenho mais duas cachorras: uma de quatro anos (Jade) e outra de 17 anos (Yoko) que se dão muito bem com ela.

O problema é que quando eu saio de casa ela toca o terror. Da primeira vez que ficou sozinha ela comeu a palmilha do tênis de meu filho; depois peguei ela começando a roer o suporte de copos e o braço de sofá. Da penúltima vez que a vi fazendo isso, ela achou um pacote de confete, que eu havia guardado no móvel da sala, e quando cheguei tinha confete na casa toda. Como tenho alguns tacos soltos, ela foi tirando um por um para roer. Saí novamente, demorei uma hora e, quando cheguei, ela havia pegado os potes de água, arrastado pela casa e levando para o sofá, além de ter roído os potes. Da última vez que saí, ela fez um buraco no sofá e a casa estava cheia de espuma.

Tenho tido o cuidado de deixar as portas do banheiro e do quarto fechadas, então, ela tem acesso somente à sacada, sala e cozinha. Não coloco mais toalhas na mesa, pois ela puxa e o que vier para baixo ela destrói. A última vez que ela puxou a toalha destruiu um óculos e uma orquídea que ganhei de presente!

Hoje, que estou em casa, a única arte que ela fez foi arrancar umas plantas do vaso! Não sei o que fazer! Ela também se urina toda quando chamo a atenção dela pelas artes que faz.

Deixei ela de castigo na sacada por mais ou menos 30 minutos, depois fiquei sem nem olhar para ela em represaria pelo sofá! Não sei até onde ela vai com isso, não vou devolvê-la pois já a amo!

Esqueci de dizer: tenho dois gatos, um macho (Lancelote) e uma fêmea (Pandora). Todos são castrados, inclusive a Soneca!”

Olá, Anna. Tudo bem?

Primeiramente, gostaria de lhe parabenizar por adotar. Essa é uma atitude linda e que com certeza lhe trará muitos momentos de alegria.

Pelo seu relato, parece que a Soneca está sofrendo de ansiedade de separação. Os cães, assim como outras espécies, são muito sociais e necessitam estar em grupo. Para ela, estar sozinha não é natural, por isso muitos cachorros podem não conseguir lidar bem com a separação.

Costumamos dizer que todos os cães apresentam ansiedade de separação, ou seja, sentem a ausência do dono quando estão só. Porém, alguns peludos conseguem encarar esta ausência de forma mais tranquila. Outros, nem tanto, como parece ser o caso da Soneca (apesar da companhia da Jade e da Yoko).

Alguns comportamentos são indicativos de ansiedade de separação, como apatia, micção (urinar) e defecação em locais errados, além da salivação, latidos, choros excessivos e destruição.

Para diminuir o sofrimento da Soneca, devemos fazer treinos de pequenas separações, ou seja, devemos estimular atividades independentes para que ela entenda que ficar sozinha também pode ser divertido.

Podemos oferecer brinquedos interativos (os recheáveis com petiscos) com o objetivo de aumentar o interesse da Soneca no brinquedo e na brincadeira, em vez de brincar ou estar com você. Dessa maneira, diminuímos a dependência dela.

Outra brincadeira interessante é espalhar petiscos pela casa para estimulá-la a procurá-los. A atividade entreterá a nova amiga, além de ser muito divertida.

Quando for sair, procure proporcionar à Soneca um ambiente tranquilo e confortável. Disponibilize uma caminha e uma roupa com o seu cheiro. Ao sentir o seu cheirinho e ter uma caminha macia para descansar, ela terá mais conforto e segurança durante a sua ausência. Neste momento, também é válido oferecer os brinquedos interativos e preparar a brincadeira de caça ao petisco. Estas atividades ocuparão o tempo em que a Soneca ficará sozinha e tirará o foco dela da sua ausência.

Para evitar que a cadelinha destrua mais objetos podemos investir no controle ambiental. Procure recolher, como você já tem feito, objetos que ela possa destruir.

Tome cuidado com objetos que possam machucar ou intoxicar a Soneca, como produtos de limpeza, remédios ou plantas tóxicas.

O fato de ela urinar quando você chama a atenção é um sinal de submissão, ou seja, ela está fazendo de tudo para lhe mostrar que você é a líder. Este comportamento mostra que a Soneca é uma cachorrinha bastante submissa, mas talvez um pouco insegura.

O interessante é aumentar a confiança dela em você. Que tal deixar de lado as broncas e investir em estímulos mais positivos? Conte com a ajuda da nossa equipe caso tenha dificuldades com o treinamento.

Fonte: Portal do Dog

 

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Peludos bagunceiros

bagunceiros_dicas_de_como_lidar

Existem diversos tipos de cães: os calmos, os brincalhões, os mais mal-humorados e os bagunceiros. Se o seu cãozinho é do tipo que curte tocar o terror em casa, preste muita atenção nas próximas dicas.

Apesar do que muitos pensam, os peludos mais “arteiros” não são assim porque gostam de ver o caos instalado. Esses animais podem se comportar dessa forma por diversos motivos, entre eles, por ansiedade, tédio ou até mesmo para chamar a atenção.

Os cães são bolinhas de pelo com energia estocada e nem sempre têm a possibilidade de gastar todo esse pique acumulado durante o dia, o que acaba fazendo com que eles saiam pela casa bagunçando. Cabe a você, tutor, disponibilizar atividades que ajudem o seu peludo a eliminar essa energia e mudar certos hábitos, para acabar com esse problema.

Evite broncas!

Uma das coisas que o pet mais gosta é de receber a atenção de seu dono. Se toda a vez que o pet fizer aquela zona você sair atrás dele para tentar recuperar algum objeto que ele pegou ou limpar a sujeira, o peludo entenderá que se fizer bagunça, ele vai conseguir sua atenção.

Isso acaba se tornando um incentivo para que ele volte a repetir essas ações, perpetuando o problema e causando mais dor de cabeça. Quando isso acontecer, ignore-o. Espere até que o pet esteja em outro cômodo para, só então, arrumar a bagunça e a sujeira. Assim, você retira o incentivo e ele entenderá que bagunça não o levará a nada.

Proporcione atividades divertidas!

Brincadeiras divertidas são uma forma de entreter o seu cãozinho, além de ajudá-lo a gastar toda aquela energia acumulada. Dessa forma, você eliminará dois problemas com uma cajadada só.

Use brinquedos interativos, que soltem petiscos ou que façam com que o animalzinho utilize os seus instintos. Isso se chama Enriquecimento Ambiental, uma ótima técnica para ajudar pets que sofrem com ansiedade de separação, estresse e precisam de uma vida mais saudável.

Uma boa dica: manuseie os brinquedos do seu pet antes de disponibilizá-los para que ele brinque. Assim, seu cheiro ficará nos objetos e ele se sentirá mais tranquilo e relaxado, ajudando com a ansiedade e eliminando o tédio ao mesmo tempo, pois será um incentivo a mais para que ele se interesse pelos novos atrativos.

Então, é só fazer pequenas mudanças para melhorar a qualidade de vida do seu animalzinho e eliminar a bagunça indesejada. Boa sorte!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Desafio Pet: o caso de possessividade de Eros e Frida

desafio_pet_possessividade_cao_cidadao

O especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, apresentou nesse domingo, 1 de novembro, como parte do quadro Desafio Pet, o caso de Eros e da Frida – um buldogue francês e uma pit bull misturada com bull terrier, que foram adotados com alguns dias de diferença e desenvolveram um grave quadro de agressividade, possessividade e ansiedade.

Naiara, a dona, que havia acabado de perder uma cachorrinha e decidido que iria adotar um cachorro de rua, viu uma campanha pedindo o sacrifício da pit bull e resolveu adotar Frida. Após alguns dias, o irmão dela encontrou Eros abandonado na caçamba de lixo de seu condomínio e Naiara decidiu ficar com o buldogue também, pois procurava um companheiro para a cadelinha.

Após uma briga entre os dois por causa de um brinquedo, o problema realmente começou. Eros, cego de um dos olhos, era o mais agressivo. Em um momento estava bem e, no seguinte, atacava quem tentasse se aproximar. Além de os animais brigarem entre si, muitas vezes, sobravam ataques a amigos, familiares e até contra a própria dona.

As brigas eram tão graves que tornaram a convivência entre os cães e os donos impossível, e os passeios um verdadeiro caos. Os animais tiveram que ser separados, para evitar um desastre. Entenda melhor o caso com a ajuda deste vídeo:

Treinamento

O treinamento foi dividido em três partes: possessividade, ansiedade e agressividade. Alexandre e a equipe da Cão Cidadão trataram os problemas separadamente, utilizando soluções como a esteira canina, para substituir os passeios e tratar a ansiedade dos animais.

Se você perdeu o Programa da Eliana (SBT), confira aqui o resultado final.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como lidar com a ansiedade de separação

Photo credit: nan palmero / Foter / CC BY
Photo credit: nan palmero / Foter / CC BY

Quando saímos para viajar, é sempre muito gostoso, não é mesmo? Mas depois de alguns dias, a vontade de chegar em casa e estar rodeado pelas suas coisas e pela sua família chega a ser sufocante. Quando colocamos os pés para dentro de casa, o alívio é gigantesco.

Agora, imaginem como é para o seu cãozinho ter esse sentimento todos os dias? Ver o dono sair pela porta e não saber quando ele voltará. Ser deixado sozinho por horas, por conta da longa de jornada de trabalho do dia a dia dos donos, pode ser muito estressante para os bichinhos, principalmente se estiverem acostumados a ter atenção o tempo todo ou se forem muito apegados aos donos.

Se o seu pet é praticamente a sua sombra, está com você o tempo todo, recebendo atenção e carinhos constantemente, saiba que isso pode, sim, ser prejudicial para a saúde dele.

Como sei que o meu pet sofre de ansiedade de separação?

Esse problema tem alguns comportamentos característicos: os latidos e uivos constantes enquanto está sozinho, o arranhar de portas e batentes, a hipersalivação, a destruição de móveis, a apatia e até, em alguns casos mais sérios, a automutilação (lamber as patas até que as machuque).

Isso acontece porque o instinto do cão é de viver em grupo, por ser um animal de matilha. O grupo garante a sobrevivência dele e, na cabeça do cãozinho, ser deixado sozinho coloca esse sentimento de segurança em perigo.

Muitas vezes, esse sentimento é agravado, ainda que sem querer, pelos donos. As despedidas efusivas e a cara de dó direcionada ao cão toda vez que sai de casa fazem com que ele fique ainda mais ansioso e comece a perceber todos os mínimos sinais de que será deixado sozinho.

Como resolver esse problema?

Para ajudar o pet a superar essa situação, existem algumas coisas que você pode fazer. O primeiro passo é aumentar a independência do animal, com pequenas atitudes que farão com que ele perceba que isso não é tão ruim quanto parece. Ensine o comando “fica” e, se estiver no quarto e quiser ir até a cozinha, peça que o cão fique onde está e vá fazer o que precisa. Repita isso em todos os cômodos da casa, para que ele se acostume pouco a pouco.

Evite despedidas sofridas e chegadas cheias de festa. Quando sair, seja breve e, quando chegar, não dê atenção ao cão imediatamente. Espere alguns minutos até que ele se acalme, e só então dê o que ele pediu.

O enriquecimento ambiental é uma forma de facilitar as horas de solidão. Esconda petiscos pela casa, para que ele possa farejar e fazer uma verdadeira “caça ao tesouro”. Coloque brinquedos no lugar onde ele fica ou os espalhe pela casa, para que ele se ocupe com isso. Garrafas pet com furinhos e cheias de ração são uma forma de manter o pet entretido por horas.

Outra dica bem legal é fazer exercícios com o pet antes da hora de sair, pois, depois de ter gastado bastante energia, ele preferirá descansar e a sua ausência não será tão marcante.

É importante lembrar que, se o caso for muito sério, o melhor a se fazer é buscar ajuda de um profissional especializado.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Dicas para deixar o cão sozinho em casa

Photo credit: philhearing / Foter / CC BY
Photo credit: philhearing / Foter / CC BY

Malu Araújo é adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Com uma vida agitada e repleta de compromissos, os donos ficam com peso na consciência de deixar o cãozinho sozinho em casa. Mas não é porque o cachorrinho ficará sozinho, que a situação precisa ser chata. Para entretê-lo, use e abuse do enriquecimento ambiental. Deixe o ambiente mais interessante para o cão realizar atividades e ofereça brinquedos que ele possa utilizar sem a presença dos donos.

Existem diversos modelos de brinquedos que substituem os potinhos de comida do cão, fazendo com que ele tenha mais trabalho para conseguir se alimentar e, consequentemente, gaste mais energia.

O mercado conta com brinquedos de tabuleiro, cujo objetivo é tirar ou arrastar uma pecinha para conseguir comer o alimento, existem algumas bolinhas ocas e com um furinho, que o cachorro vai girando e o alimento sai aos poucos, e também há opções de brinquedos feitos com material reciclável, como a garrafa pet, que todo mundo pode produzir em casa. Retire o rótulo, faça em média uns três furinhos na garrafa (o tamanho do furo deve ser suficiente para sair o que foi colocado dentro, mas não enorme para que saia tudo de uma única vez).

O ideal para ser colocado nesses brinquedos é o próprio alimento do pet. Petiscos também são indicados, mas não podem ser usados em excesso.

Outra coisa importante é não esperar para deixar o cachorro sozinho somente quando for necessário. Faça isso em algumas atividades da rotina, para que ele entenda que não tem problema ficar sozinho e que o dono vai voltar. Por exemplo, monte um desses brinquedos para ele e o deixe brincando, enquanto você estiver tomando um banho.

Um passeio na rua também ajuda o cachorro a ficar mais relaxado quando for ficar sozinho.

Fonte: Petshop Magazine.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Coprofagia: você sabe o que é isso?

Photo credit: petar belobrajdic / Foter / CC BY-ND
Photo credit: petar belobrajdic / Foter / CC BY-ND

Você sabe o que é a coprofagia? Não? A coprofagia é o hábito que alguns cães desenvolvem de comer as suas próprias necessidades (fezes) ou a de outros animais. Mas, você sabe por que isso acontece? Na verdade, a coprofagia pode surgir por vários fatores. Separamos abaixo, alguns deles para que você entenda melhor sobre esse comportamento.

Fezes apetitosas: por mais incrível que possa parecer, é comum que os cães gostem do sabor de algumas fezes. Esse comportamento pode ser justificado sob o ponto de vista nutricional. Quase sempre há nas fezes algum alimento não totalmente digerido. Por outro lado, cães com problemas digestivos desenvolvem deficiências nutricionais, o que pode alterar o apetite deles e torná-los mais interessados.

Por brincadeira: alguns cães brincam com as próprias fezes e acabam comendo pedaços delas. Isso ocorre mais frequentemente com filhotes, mas há adultos que continuam com o hábito por toda a vida. O comportamento também é mais comum em cães que ficam presos em locais pequenos e que dormem perto de onde fazem as necessidades.

Ansiedade: muitos cães só ingerem fezes quando estão ansiosos, geralmente por terem ficado sozinhos em casa ou por não estarem recebendo atenção dos seus donos. Nesses casos, a melhor maneira de lidar com o problema é aumentar a atividade física do cão e tratar a ansiedade.

Para chamar atenção ou por imitação: muitos cães observam que o dono corre com grande interesse para recolher as fezes, assim que são expelidas. Alguns deles tentam pegar as fezes antes que o dono consiga alcançá-las. O truque, para evitar essa competição, é recolher as fezes calmamente, permitindo, inclusive, que o cão as cheire.

É importante consultar o médico veterinário de sua confiança, para avaliar se a saúde do amigo está em dia. Caso esteja, você também pode contar com o suporte de um especialista em comportamento animal.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Saiba como lidar com seu cão bagunceiro

Photo credit: gomagoti / Foter / CC BY-SA
Photo credit: gomagoti / Foter / CC BY-SA

Se você tem um cachorrinho bagunceiro em casa e não sabe o que fazer para acalmar os ânimos dele, é importante se atentar aos hábitos que possam ajudar na mudança de comportamento.

Segundo o especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, para lidar com a ansiedade do bichinho, você deve tirar do alcance dele objetos que atraiam a atenção e que, eventualmente, possam ter seu cheiro. Isso deve ser feito principalmente na fase em que eles são filhotes e ainda estão aprendendo as coisas.

Em contrapartida, você deve deixar o seu cheiro nos brinquedos, para que ele morda esses objetos quando se sentir carente. É importante também que ele tenha uma ampla variedade de brinquedos, para prender a atenção por mais tempo. Tudo isso fará com que ele se sinta mais próximo de você e se esqueça da decoração da casa.

Quando você estiver em casa, aproveite o tempo livre para brincar com seu pet e também faça passeios mais frequentes. Assim, isso fará com que ele aprenda a se divertir sozinho, quando você não estiver por perto.

Quando ele estiver com um objeto proibido, ignore a ação e nunca corra atrás dele por causa disso. Se fizer isso, ele pode entender que esse é um comportamento adequado e repetir esse comportamento errado mais vezes, para obter a sua atenção.

Assista o vídeo “O bagunceiro” e confira outras dicas.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0