Como lidar com um cão territorialista?

dicas_interna-cao-territorialista Por Samantha Melo, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

“O Max dorme com a minha mãe em seu quarto. Toda vez que abrimos a porta do quarto ele entra primeiro, rosna e late muito, e acaba se escondendo embaixo da cama. Gostaria de saber o que posso fazer para ele mudar este comportamento.”

Olá, Inaiara. Tudo bem?

Pelo seu relato, esse comportamento do Max parece ser motivado por territorialismo, ou seja, talvez ele acredite que o quarto é dele e que precisa protegê-lo da entrada de outras pessoas ou mesmo que tem como dever proteger a sua mãe. Por isso, é necessário tomar algumas atitudes para que ele baixe a guarda e fique mais tranquilo.

A primeira coisa a fazer é evitar qualquer tipo de disputa. Não tente tirá-lo de lá à força ou brigar. Assim, você evita dar a ele motivos para lutar pelo local. Por outro lado, não o incentive a achar que aquele tipo de atitude funciona, ou seja, não saia do quarto assim que ele rosnar. Imagina só: se todas as vezes que latir ele conseguir o quarto só para ele, vai passar a latir cada vez mais. Faça, então, exatamente o contrário, que é não sair do local e ignorá-lo completamente.

Outra estratégia é recompensá-lo sempre que ele sair de baixo da cama. Como? Oferecendo um petisco diferente, carinho, o brinquedo preferido e muita festa. Vale também usar a comida para atraí-lo para fora, introduzindo o comando “Vem”, mas sem forçar. Comece a ter o hábito de valorizar os momentos em que ele passa fora dali ou mesmo os que ele não rosna ou late. Assim, ele vai passar a gostar também de sair do ambiente.

Além disso, é importante que o Max tenha um outro cantinho seguro dentro de casa. Ainda que o seu pet durma no quarto, ele precisa de um local apenas dele como referência, com caminha, cobertor, brinquedos e até mesmo uma roupa sua ou da sua mãe. Esse refúgio pode ficar na sala, por exemplo. Dessa forma, quando a família estiver reunida, ele pode fazer parte da confraternização, aumentando a vontade de permanecer fora do quarto. Aqui, mais uma vez, reforço: recompense-o por se comportar bem. Nesse caso, demonstre que ele está acertando quando relaxa em seu canto.

E você pode ainda incentivá-lo a só entrar no cômodo quando for autorizado e apenas depois de vocês. Para isso, ensine o comando “Espera”, a princípio longe do quarto. Coloque-o sentado, posicione-se de frente para ele, apresente a sua mão fechada (como um soquinho) e diga “Espera”. Depois de alguns segundos diga “Ok” e com um petisco faça-o sair do lugar para que ele entenda que foi liberado. Treine bastante e gradativamente aumente o tempo de espera e a distância que você fica. Depois, tente fazer na porta do quarto!

A nossa equipe de adestradores está à disposição para ajudar, não deixe de nos chamar caso seja necessário. Boa sorte!

Fonte: Portal do Dog

O que é ansiedade de separação?

dicas_interna-ansiedade-separacao

Por Joilva Duarte, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

A ansiedade de separação é um problema comportamental que traz sérias consequências tanto para o tutor como para o seu cãozinho.

Por ser de uma espécie extremamente sociável, os cães têm uma forte ligação com o grupo ou com o indivíduo com o qual vivem. Em alguns casos, quando perdem o contato visual e olfativo com seus donos, a ansiedade pode resultar em alguns comportamentos indesejados, como vocalização excessiva, choros, uivos, latidos e destruição de objetos.

Alguns sinais como apatia, casos em que o cãozinho não bebe água e não come, como se sua vida desse uma pausa até seu tutor voltar, necessidades fora do lugar e várias outras situações, demonstram a aflição que o pet passa naquele período solitário.

Esse comportamento também pode ser desenvolvido quando há alteração na rotina do tutor, mudança de residência, estadia em hotéis, problemas médicos ou cognitivos e a chegada de um novo membro na família (um bebê ou outro bichinho de estimação).

Primeiramente, devemos entender que esses comportamentos de destruição não são vinganças do cãozinho por ficar sozinho, e sim uma forma que ele encontrou de extravasar a necessidade da presença do tutor, por isso, algumas vezes os objetos destruídos são sapatos, roupas, sofás, pois trata-se de objetos bastante manipulados por ele, ou seja, com seu cheiro.

Para resolver esse problema devemos trabalhar a independência do bichinho em relação ao tutor. Veja as dicas:

  1. Aumento da atividade física

Tente adequar a sua rotina com passeios com o amigão, principalmente antes de deixá-lo sozinho, assim, quando você sair, ele estará cansando e provavelmente vai tirar uma soneca.

  1. Brincadeiras

Se tiver um dia chuvoso ou o passeio não foi possível por qualquer outro motivo, brinque com ele com uma bolinha ou outro brinquedo que ele goste para cansá-lo.

  1. Sua saída tem que ser legal para ele

Quando for sair, espalhe petiscos pela casa para um caça ao tesouro. Deixe brinquedos interativos com ração e petisco para ele no período da sua ausência e, com isso, gastar tempo e energia. Nada de despedidas longas ou dramáticas.

  1. Treine essas saídas com antecedência

Se quando te vê de tênis seu bichinho já fica ansioso, comece a ficar com o calçado em casa por mais tempo, e não somente quando for sair.

Faça barulhos com as chaves, para tornar os sons comuns para ele. Faça pequenas separações dentro de casa mesmo, ou seja, dê um ossinho para seu bichinho e, enquanto ele estiver roendo, saia e volte várias vezes para que ele vá acostumando com a sua ausência.

  1. O retorno para casa tem que ser algo normal

Quando chegar em casa nada de fazer festa. Espere o animal se acalmar e somente depois dê atenção, para não alimentar essa a ansiedade na sua ausência.

Paciência! Esse é o melhor remédio para casos de ansiedade. Vai levar tempo para seu cãozinho aprender e se acostumar com essa nova rotina e, para isso, você terá que se dedicar e fazer sua parte.

Com o tempo, ele entenderá que ficar sozinho também pode ser muito legal. Se precisar de ajuda procure um profissional.

Fonte: Jornal SP Norte

Latidos em excesso na rua

dicas_interna-latido-excessoPor Marina Marinho, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

“Adotei as duas: mãe e filha. A Belinha (Poodle), que é a mãe, foi resgata prenha. Ela estava nas ruas em situação bem precária. Quando eu a trouxe para casa, a Belinha era bem quieta e até desconfiávamos que ela tinha depressão. A Capitu (SRD), já com dois meses, era bem sapeca.

Saio com as duas todos os dias, pelo menos duas vezes ao dia, já que a mãezinha, Belinha, não faz as necessidades em casa, para a minha tristeza. No início, a Belinha andava quieta e desprendida do mundo ao seu redor durante os passeios. A Capitu já é bem elétrica e estabanada, como os filhotes são.

Aos poucos, os problemas começaram. Moro em um condomínio que os animais são proibidos de andarem no chão, então, nosso deslocamento é com o carrinho especifico para pets. Elas não podem ver uma pessoa perto, e às vezes mesmo longe do carrinho, que já começam a latir sem parar. Já fora do condomínio, quando as coloco no chão, a Capitu late mesmo que não tenha ninguém (ou outro animal) por perto, como se estivesse avisando ‘cheguei’. Aí o inferno começa: a Belinha, que era quieta, hoje puxa o coro dos latidos quando vê outro animal. Para pessoas em si a Belinha não late, mas a Capitu late para quase todas.

Comprei as coleiras Gentle Leader, para poder controlá-las melhor, porque a Belinha puxa muito durante os passeios e a Capitu pula nas pessoas e nos animais. Elas nunca morderam ninguém, até porque não as deixo próximas das pessoa ou de outros animais.

Algumas pessoas atravessam a rua quando veem a gente. Outros pegam seus animais no colo. Reações desse tipo são um termômetro de que as coisas não andam bem.

Encontro com as amigas passeando com seus pets e até andamos todos juntos. As minhas cheiram seus amigos e seus tutores e param de latir, e assim seguimos passeando tranquilamente.

Não sei se é certo dizer, mas parece que elas não gostam de certas pessoas, porque latem todos os dias para as mesmas pessoas, que por vezes tentam uma aproximação.

Resumo: a Belinha, de quieta, está terrível (mas menos que a Capitu). A Capitu põe medo em todo mundo. Dou petisco como premiação e elogio quando raramente não latem. A Capitu já chegou a pegar o petisco e se engasgar, porque latiu com o petisco na boca.  Os passeios estão muito estressantes.  Em casa, elas são muito calmas e quietas, nem parecem as mesmas da rua.

Ressalto que sou uma tutora que mima, trato como filhas, dormem comigo e são muito bem cuidadas. Estou desesperada!”

Oi, Katia!

O que acontece com você é algo bem comum! Quando se tira cãezinhos da rua, normalmente eles chegam cheios de traumas e com uma bagagem de bastante sofrimento, o que faz com que sejam mais tímidos ou quietos.

Conforme vão sentindo segurança com a nova rotina e com a nova família, tendem a se soltar e começam a apresentar alguns comportamentos que podem ser indesejados.

Geralmente damos amor e cuidados aos montes e esquecemos de lado os limites e as regras. É possível ter um cão com limites sem deixar outros mimos de lado! Quando a Capitu chegou na família, a Belinha pode ter entendido que agora tem uma matilha e cães aprendem demais por imitação, portanto, não é estranho que ela tenha aprendido os ‘maus modos’ com a Capitu!

Antes de tudo, o ideal é que você tenha voz de comando com elas, que elas se interessem em você quando estão na rua para poder tirar o foco dos outros estímulos. Para isso, restrinja a alimentação delas para que recebam a comida durante os passeios, na forma de treino.

Se tiverem comida disponível em casa, não vão se interessar pela oferecida na rua, por isso é importante usar o manejo da alimentação para corrigir estes problemas apontados.

Você já disse que dá petisco quando elas acertam, mas não é fácil controlar dois cães, então é preciso aumentar a chance de acertos delas. Por exemplo, se elas latem quando uma pessoa cruza com vocês na calçada, o ideal é que, antes de elas iniciarem os latidos e estarem no estado de euforia extremo, você já as recompense e chame a atenção delas para você (aí está a importância do controle da alimentação). Crie nas companheiras a expectativa de receberem a comida. Isso fará com que os outros estímulos passem para segundo plano.

Outra forma de abordagem que pode ser usada para complementar um treino na rua pode ser o uso de alguma ferramenta de inibição, para que elas tenham um pequeno desconforto no momento exato em que começam os latidos. Mas nunca se esqueça de recompensa-las, principalmente nas situações em que elas poderiam ter errado, mas conseguiram se controlar e acertaram o comportamento desejado!

Outro jeito de ajudá-las a acertar é trabalhar com a distância! Se for possível passear longe do fluxo de pessoas e outros animais, mas de forma que elas enxerguem a movimentação, provavelmente terão os estímulos reduzidos e, aos pouquinhos, você pode ir se aproximando à medida que elas estejam se controlando mais.

De qualquer forma, é interessante avaliar com cuidado se não existe nenhum componente de medo nessa situação! Às vezes, demoramos a perceber, pois achamos que um cão que late e vai pra cima dos outros é muito valentão, mas para alguns, vale a regra de que o ataque é a melhor defesa. Sendo assim, muitos cães apresentam uma reatividade decorrente do medo para se mostrarem mais ameaçadores do que os que estão à sua frente. Pura estratégia!

As coleiras que você disse que já providenciou são ótimas. Com um pouco de treino para o uso, os cães se acostumam muito bem e elas podem te ajudar bastante no controle dessa situação, mas sozinhas não fazem milagres!

Treinar um cão pode ser difícil, mas é muito motivador perceber quando estão melhorando os comportamentos que nos faz passar vergonha. Seja persistente e, se for possível, procure ajuda de um profissional para o treino. Boa sorte!

Fonte: Portal do Dog

Perigos da rua: como evitar atropelamentos de cães?

Photo credit: Christian Schirrmacher / Foter / CC BY
Photo credit: Christian Schirrmacher / Foter / CC BY

Infelizmente, muitos cães são vítimas de atropelamentos pelo país. Em alguns casos, basta uma frestinha no portão para eles correrem para a rua e um acidente acontecer.

Para o cão, a calçada geralmente é bastante atrativa. Afinal, lá ele encontra cheiros diferentes e há muito que se explorar. Então, é natural que ele tenha essa atração, mas ele precisa saber que não pode sair sem autorização, muito menos atravessar a rua.

O que muitos donos podem não saber é que ensinar o pet a não sair de casa quando o portão estiver aberto ou a não atravessar a rua não é tão complexo quanto parece.

Treino

Você pode começar o aprendizado usando a guia. Aproxime-se da calçada, brinque com o cão e vá para a rua. Ele naturalmente o seguirá e aí, com o auxílio da guia, impeça-o de pisar na rua e diga “Não!”, em um tom sério. É crucial que você não permita que ele pise na rua. Assim que ele tentar, impeça-o imediatamente.

Esse exercício deve ser repetido algumas vezes, até que o cão se recuse a ir para a rua. Assim que isso acontecer, elogie-o e dê um petisco como recompensa.

Mas, atenção: é importante que você não chame o cachorro para a rua, para então corrigi-lo. Você não pode repreender o cão por obedecê-lo, por isso, apenas o  induza a ir para onde você quer. Não o chame.

Assim que o seu pet entender que não deve sair, jogue um brinquedo que ele goste muito na rua e aguarde. Claro, mantenha o controle do pet na guia, para evitar acidentes.

Caso ele tente buscá-lo, frustre o cão com a guia. Com a repetição, ele perceberá que não deve ir buscar o brinquedinho, e você deve recompensá-lo e elogiá-lo por ter feito o que você pediu.

Esse mesmo treinamento pode ser feito para mostrar ao animalzinho que ele não pode sair quando o portão estiver aberto.

Dica

– Faça o exercício em locais diferentes, para que o pet compreenda perfeitamente o que você espera dele.

– É importante que todo o dono ensine isso ao seu pet, pois pode evitar muitos perigos, entre eles, atropelamentos e fugas.

– Durante as aulas, controle o pet pela guia, para evitar acidentes. Caso precise, solicite o acompanhamento de um profissional especializado.

Tudo o que você precisa saber na hora de viajar com o pet

viagem_com_petO feriado está chegando e você já está quebrando a cabeça tentando lembrar de tudo o que precisa levar na malinha do seu pet? Não se preocupe, a Cão Cidadão te ajuda com isso!

Reunimos uma série de dicas para você realizar uma viagem tranquila e prazerosa ao lado do pet.

O que levar na mala?

Tenha certeza de que está levando tudo o que seu pet precisa, mesmo que você ache que não vai precisar.

O que é indispensável: ração, petiscos, água e caminha, que são as necessidades básicas do seu cão – além da carteirinha de vacinação Você também pode levar brinquedos, sacolinha para o recolhimento das necessidades do amigo etc.

O que você achar necessário para garantir o conforto e a felicidade do seu pet, coloque na malinha!

Transporte

É muito importante que o seu pet esteja seguro. No carro, nunca o deixe solto. Isso pode causar acidentes, não só com o mascote, mas com você também. Mantenha-o preso com um cinto de segurança próprio para cachorro ou confortável dentro de uma caixa de transporte.

E lembre-se: nada de deixar o mascote colocar a cabeça para fora da janela! Isso pode ser muito prejudicial a ele, uma vez que fragmentos podem atingir e ferir os olhinhos dele.

Paradas

Se você fica desconfortável estando dentro de um espaço fechado por muito tempo, imagina o seu cãozinho! Lembre-se de fazer paradas estratégicas, para que ele faça as necessidades, estique um pouco as perninhas, se refresque ou coma alguma coisinha.

O tempo ideal de parada é a cada duas em duas horas. Você pode até colocar um alarme no seu celular para evitar perder a noção do tempo.

Os cães precisam um descanso, tanto quanto nós, humanos. Por isso, não se esqueça de fazer essas paradas, para que ele possa estar confortável até o fim da viagem!

Dica

• Se estiver muito calor, leve uma toalhinha e molhe com água, para que você possa refrescar o cachorro.

Boa viagem pessoal!

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Cães e gatos podem ser amigos?

dicas_interna-cao-e-gato

A convivência entre cães e gatos não é mais tão difícil quando se pensava, e o mito de que eles são inimigos já perdeu a validade há muito tempo. Porém, em certas situações, é possível que alguns conflitos aconteçam, caso os pets não sejam treinados da maneira correta para conviverem em harmonia.

Esse foi o caso da cliente Luciana Vilela. Em um primeiro momento, Luciana procurou a Cão Cidadão para ajudá-la com o comportamento dos cães, que apresentavam sinais de agressividade, medo e falta de sociabilização, porém, o trabalho acabou se estendendo quando a tutora resolveu adotar novos peludos, mas, dessa vez, de outra espécie. “Após se planejar e tirar as dúvidas, ela adotou dois gatos irmãos de três meses de idade. Foi aí que começamos as aulas de sociabilização”, conta a adestradora da equipe Cão Cidadão, Nathália Camillo.

Sociabilização

A apresentação entre os animais é o primeiro passo para garantir a boa convivência e a amizade entre eles. Esse foi o pensamento da adestradora, que, além de treinar os cães com seus problemas comportamentais individuais, iniciou um treino de sociabilização com os felinos também. “Começamos as aulas com apresentações individuais dos cães aos gatinhos dentro da caixa de transporte. Utilizamos muito reforço positivo para ambos, sempre respeitando a zona de conforto de cada um”, relembra Nathália.

Aos poucos, os gatos se acostumaram com a presença dos cães e cada peludo foi progredindo individualmente. Isso só foi possível por conta do método de Adestramento Inteligente, técnica criada pelo zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, usada pelos profissionais da Cão Cidadão. Essa técnica se baseia em valorizar as atitudes corretas do pet e não as erradas, criando associações positivas entre os bichinhos. “Em apenas três semanas já conseguimos deixar todos soltos na sala por várias horas, mas com a supervisão dos tutores”, explica a adestradora.

Envolvimento

Para alcançar esses resultados e criar um ambiente tranquilo e harmonioso para os pets, os tutores também tiveram sua (grande) parcela de responsabilidade, uma vez que é preciso dar continuidade aos treinamentos, mesmo sem a presença do profissional. “Me envolvi 100% no adestramento. As orientações da Nathália sempre me ajudam muito. Muitas vezes, uma dica simples faz toda diferença”, afirma a cliente Luciana.

“Receber os vídeos dos treinos de sucesso durante a semana é muito recompensador. Ainda estamos caminhando, mas nosso objetivo é deixar todos à vontade e com acesso total ao apartamento”, finaliza Nathália.

Dica

A ajuda de um adestrador é indispensável. Com o adestramento, é possível minimizar e até eliminar problemas de comportamento dos animais!

Gostou desta dica? Se quiser contratar os profissionais em comportamento animal para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: 11 3571-8138 (São Paulo) e 11 4003-1410 (demais localidades).

O que levar em conta ao adotar um pet para pessoas idosas?

dicas_interna_idosos

Adotar um animal é sempre um momento de alegria, porém, quando se trata de escolher um cãozinho para uma pessoa idosa, é necessário levar em consideração alguns aspectos.

“Sempre que pensamos em características das raças, imaginamos a função que o cão exercerá junto ao idoso, associando a ideia a uma vida mais calma”, diz o adestrador da equipe Cão Cidadão, Maurício Choinski. “Porém, nenhuma das ideias são verdades absolutas.”

Os cães de companhia precisam corresponder a certas características que se adaptam ao estilo de vida do futuro tutor. “Ter um cão que se aproxime do perfil do dono é a receita para momentos de felicidade”, explica o adestrador.

Características
Antes de escolher um cão para ser o companheiro de um idoso, é necessário responder a algumas perguntas: qual é o porte ideal do cão, a personalidade que o animal deve ter, o local em que ele ficará tem espaço suficiente, há disposição para cuidar do bichinho ou dificuldades de locomoção, alergias, entre outros pontos.

Porte
O tamanho do pet é uma das principais considerações a se fazer. “Como cães de companhia, as raças pequenas têm uma certa vantagem pela facilidade no transporte, além de serem animais que adoram colo e costumam latir pouco”, indica Choinski.

O local em que o animal passará a maior parte do tempo gera discussões também, incluindo a questão “casa ou apartamento” – cães de grande porte, apesar serem capazes de se adaptar a lugares pequenos, como um apartamento, exigirão mais atividades físicas e essa responsabilidade é do tutor. Pensando nisso, no caso de idosos, cães menores são os mais indicados.

Raças
No caso de cães menores, pode-se destacar algumas raças, como o Pequinês, Shih Tzu, Pug, Maltês, Yorkshire Terrier, Poodle micro toy e Schnauzer.Contudo, as raças de grande porte também diminuem as chances de o idoso tropeçar em cima do pet. “Em alguns casos, existe a possibilidade de o cão se tornar um guia para passeios e, se adestrados corretamente, conseguem até realizar pequenas tarefas”, reforça.

Dos grandes, os indicados são os cães das raças Golden Retriever, Bernese Mountain e Labrador. “É importante também considerar a adoção de um vira-lata. Só o fato de resgatar um cão já gerará um sentimento de utilidade enorme no dono”, reforça o adestrador. “No geral, os cães resgatados demonstram muito carinho e cumplicidade.”

Idade
A adoção de um cão já adulto traz diversos benefícios, pois os filhotes ainda estão formando a sua personalidade e necessitam de mais atenção. “Neste caso, adquirir um cão maduro, cujos traços de personalidade já estão bem definidos, é a melhor escolha”, enfatiza Maurício.

Adestramento
O treinamento ajudará na interação entre o tutor e o seu animal, estreitará os laços e evitará problemas comportamentais por parte do cãozinho. Além disso, o adestramento oferece estímulos mentais e físicos para o animal e o incentiva a compreender melhor o que seu dono espera dele.
O envolvimento do tutor durante o processo de adestramento é fundamental. “Essa companhia faz os dias mais alegres e incentiva a prática de atividades físicas também nos idosos”, finaliza.

Gostou desta dica? Se quiser contratar os profissionais em comportamento animal para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: 11 3571-8138 (São Paulo) e 11 4003-1410 (demais localidades).

Ensinamentos básicos para adestramento de cães

dicas_interna_adestramentodecaes

 

O adestramento de cães tem como premissa básica a do behaviorismo, ou seja, se seu cão aprontou, alguns dos fatores podem ser: ter feito isso apenas por diversão, ou ter feito para chamar sua atenção. A maneira como você lidará com isso é crucial para que o cão não repita o ato.

Dentro desse conceito, alguns ensinamentos para o adestramento de cães são importantes, tais como:

  1. Quando seu cão pula na visita, o que fazer?

O cão pula para dar e receber a atenção do dono, da visita, seja qual for a pessoa. Para que seu cão não tenha um comportamento desagradável, peça para que a visita vire as costas para o cão no instante do acontecimento. Assim, o cão se sentirá ignorado e tende a parar de pular na visita, pois perceberá que não está obtendo o que quer: atenção.

O adestramento de cães fica fácil quando você entende a mente do seu pet.

  1. Vamos passear? Mas é o seu cão quem te leva pra passear.

Os cães que acabam puxando demais a guia, principalmente por ansiedade. Nesses casos, o cão demora mais para se cansar durante o passeio e uma dica é brincar com uma bolinha com ele antes do passeio, para que se canse um pouco. Desse modo, ao saírem para passear, seu cão tenderá a não te puxar tanto durante o caminho, tornando o passeio mais tranquilo.

  1. Xixi e coco no lugar errado?

Um dos problemas mais comuns dos cães é o fato de fazer xixi e coco em lugares indevidos.

Brigar ao ver um xixi pela casa não é a solução. O ideal é, quando perceber que seu cão está prestes a fazer suas necessidades, direcioná-lo ao lugar correto, para que ele faça suas necessidades no local apropriado. Após acertar o local para se aliviar, o recompense com muito carinho e petiscos deliciosos. Dessa maneira, ele associará o comportamento com algo muito bom e o repetirá, sempre fazendo o que esperamos.

Com base nas técnicas de adestramento de cães o treinamento para ensinar os cães a fazerem suas necessidades nos lugares que queremos gera harmonia em sua casa, tanto para você quanto para seu cão.

O que é adestramento?

dicas_interna_adestramento

 

A palavra adestramento significa o ato de ensinar, disciplinar, entre outras funções relacionadas. Todas essas ações têm um objetivo comum: ensinar animais através de treinos consistentes.

O adestramento é praticado por milhões de pessoas, porém, é importante que esse tipo de trabalho seja exercido por um profissional habilitado. O adestramento pode ser utilizado para treinos de obediência básica do animal, como também para treiná-lo para algum tipo específico de serviço, por exemplo, cães da polícia, que são treinados para guardar e proteger seus companheiros humanos ou, também, farejar rastros para encontrar evidências da prática de crimes.

O adestramento é um processo contínuo, sistemático e organizado, que permite desenvolver habilidades necessárias para o perfeito entendimento a um comando ou para modificação de determinados comportamentos do animal. Adestramento consiste na aprendizagem de habilidades e o treino é a questão da repetição mecânica de uma ação, ou seja, o treino é uma maneira de reforçar os ensinamentos do adestramento.

Atualmente, as técnicas de adestramento mais utilizadas mundo afora são aquelas baseadas em reforço positivos, ou seja, o animal é recompensado com algo muito valioso para ele ao adotar os comportamentos desejados pelo treinador. Técnicas de adestramento baseadas em reforço positivo são divertidas para o cão e comprovadamente mais eficazes no que diz respeito aos resultados obtidos.

Confira a agenda de eventos da Cão Cidadão em fevereiro

cao_cidadao_agenda_fevereiro Procurando boas opções de programas para o mês que se inicia? Em fevereiro, a Cão Cidadão reservou para você uma agenda de palestras gratuitas sobre comportamento animal.

Para os donos que querem se relacionar melhor com os animais de estimação ou mesmo para os profissionais que buscam um curso de aperfeiçoamento em comportamento animal, a dica é se inscrever para o curso de Adestramento Inteligente.

Confira os detalhes logo abaixo!

Palestras e aulas gratuitas

São Paulo – Petz Marginal

No dia 13 de fevereiro, a equipe Cão Cidadão fará, às 17h, uma palestra com o tema “Bagunça e destruição”. Nossos profissionais vão orientar os presentes a como minimizar esse comportamento, dando dicas para melhorar a convivência dos bichinhos com a família.

Já no dia 20, também às 17h, haverá uma aula gratuita sobre brincadeiras com o cão. Todos estão convidados a aprender a como aproveitar esse momento divertido ao lado do pet, deixando todo o estresse de lado.

Precisando de dicas para lidar com cães que passam muito tempo sozinhos? Então, não perca a palestra do dia 27, que abordará, entre outros temas, a ansiedade de separação. O evento começa às 17h.

A entrada de animais nesses eventos é permitida. Não precisa se inscrever previamente. Basta comparecer à Petz, no horário programado.

Campinas (SP)

No dia 20 de fevereiro, a adestradora da equipe Cão Cidadão, Lívia Borelli, estará no Dog Care – hotel & daycare, para um plantão de dúvidas. Se você quer se relacionar melhor com o seu animal de estimação, participe! A entrada é gratuita, basta comparecer ao local.

Rio de Janeiro

No dia 27 de fevereiro, é a vez dos cariocas participarem de um evento da Cão Cidadão!

A adestradora Fernanda Araújo fará uma palestra no Mon Pet Chou, às 10h, no Shopping Barramall. O tema do encontro será “Por que adestrar? O adestramento e seus benefícios”. A entrada é gratuita! Basta comparecer ao local, no horário programada.

Curso de Adestramento Inteligente

A adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão, Patricia Patatula, ministrará o curso de Adestramento Inteligente com Clicker no dia 13 de fevereiro, em Porto Alegre. Quer aprender ainda mais sobre comportamento animal? Clique aqui e se inscreva!

Apresentação de franquia da Cão Cidadão

Que tal fazer parte da nossa equipe de franqueados? No dia 24, faremos a apresentação do modelo de negócio da Cão Cidadão em São Paulo. No dia seguinte, 25, será a vez de Sorocaba. A entrada é gratuita. Para participar, basta se inscrever aqui!

Se você gosta de animais e quer trabalhar com adestramento, essa é a sua oportunidade. Não exigimos experiência prévia na área, mas os candidatos devem ter aptidão e muita vontade de aprender. O processo seletivo inclui provas teóricas e práticas e, após ser aprovado, o interessado passa por um treinamento.

Saiba mais sobre a franquia Cão Cidadão aqui.

Veja o roteiro completo de eventos em Agenda.