Locais em São Paulo que seu amigo é bem-vindo!

dicas_interna-pet-na-chuvaPor Sheila Leme, adestradora da Cão Cidadão.

Você espera ansioso pelo final de semana para passear com seu pet e quando ele chega, a chuva vem junto. Muitas vezes, nós desanimamos de sair e ficamos trancados dentro de casa. Mas existem muitos lugares legais onde podemos ir com nossos amigos. Deixe a preguiça de lado e saia para passear com o seu melhor peludo.

Em São Paulo, existem shoppings que aceitam os pets, alguns só aceitam animais de pequeno porte e no colo, já outros aceitam os nossos amigos no chão, mas com a guia, outros aceitam de todos os tamanhos e tem um que oferece até carrinho de passeio gratuito para o seu pet, que é o caso do Parking Shopping São Caetano (os carrinhos são para pets de até 18 kg). Neste último, basta fazer o cadastro no piso L1, retirar o “automóvel” do seu pet e passear. Mas, atenção: animais só podem transitar dentro do carrinho ou no colo, e fora da área da praça de alimentação.

O Shopping Center Norte, na Zona norte de São Paulo, permite a entrada de pets até 60 cm, exceto raças de guarda.

Entre os espaços que aceitam cachorros de diversos tamanhos, estão: Shopping Cidade Jardim, Shopping Eldorado, Shopping Villa-Lobos, Santana Parque Shopping, Top Center Shopping, Shopping Center 3 e Shopping SP Market.

No Shopping Pátio Higienópolis, os pets contam com um conforto a mais: um ponto de encontro com bebedouro especial chamado “Dog’s Bar”.

O Shopping Frei Caneca e o Shopping Iguatemi restringem a circulação dos cães de grande porte ao acesso para o pet shop.

O Shopping Jardim Sul permite a circulação de cães de pequeno e médio porte no chão, usando coleira.

Em alguns locais, os cães de menor porte devem passear no colo dos donos: Shopping West Plaza, Central Plaza Shopping, Shopping Interlagos, Shopping Pátio Paulista, Shopping Butantã, Shopping Aricanduva, Shopping Center Penha, Shopping Light, Lar Center, D&D Decoração e Design, Market Place Shopping Center,Morumbi Shopping, Raposo Shopping, Shopping Metrô Boulevard Tatuapé, Shopping Vila Olímpia, Shopping Anália Franco e Shopping Plaza Sul.

No Shopping Bourbon Pompéia, os animais podem passear no térreo, mas nos outros pisos devem ficar no colo.

Além dos shoppings, você também pode ir em alguns restaurantes e lanchonetes pet friendly.

No Tatuapé tem a Temakeria & Cia. Lá, tem duas mesas na parte de dentro que os donos podem ficar com seus pets em dias de chuva. Seu amigo ganha pote de água individual e um saquinho com dois ossinhos.

No Coco Bambu, a área externa conta com ombrelones (que são coberturas que parecem grandes guarda-sóis) e a parede e o teto são de vidro. O espaço é decorado com plantas e o acesso é por uma rampa protegida por uma cerca natural, com caixinhas de som que abafam o som dos carros.

Neste local, os pets também ganham um pote de água e dois ossinhos para se deliciarem e se distraírem enquanto você se diverte.

No Mamas Burguer, a frente da lanchonete é cercada por plantinhas: os pets ficam seguros e afastados do movimento dos carros da Avenida Nova Independência, no bairro do Brooklin (SP). Toda a área é coberta e o restaurante oferece pote de água para os peludos.

No BrewDog Bar os cães podem entrar e até se apoiar no balcão, um pote de água é servido a eles. À noite, o salão é lotado e, por essa razão, é preciso ter uma atenção redobrada para evitar acidentes com os amigos.

Além dessas opções, você ainda pode levar seu fiel escudeiro para curtir um cineminha no Matilha Cultural. Lá, você vai curtir um show bem legal e uma exposição.

Gostou? Então, aproveite! Pois locais para se divertir junto do seu pet não falta em São Paulo e nas redondezas.

Como treinar o cão para gostar de tomar banho?

dicas_interna-cachorro-banhoA hora do banho do cachorro pode se tornar um grande pesadelo para muitos donos de pets. Alguns tutores relatam muitos problemas no momento do animal tomar banho. Dizem que seus bichinhos ficam muito agitados ou, até mesmo, assustados com a ideia de ter que entrar em uma bacia com água ou receber uma chuvarada. Na hora de usar o secador, então, parece que tudo piora ainda mais.

Geralmente, isso acontece porque o pet fez uma associação ruim com o banho ou com os elementos que fazem parte desse momento, como o shampoo, barulho do secador, escova, entre outros objetos.

Por isso, para reverter esse quadro, é preciso agir com calma, para não causar ainda mais traumas no animal. O indicado é aplicar um treino denominado dessensibilização, para mostrar a ele que a causa da aflição é inofensiva. O treino deve ser aplicado com reforço positivo, que é uma técnica que utiliza recompensas que deixam o bichinho motivado a relacionar o ato “ruim” com coisas boas.

Como é o treino?

Se o medo for do secador, você pode pegar um pedaço de petisco, ligar o aparelho longe dele e, enquanto ele estiver tranquilo, deixá-lo mordiscar o alimento. Quando ele comer todo o petisco, o aparelho deve ser desligado. Se mesmo longe o secador ligado provocar medo, o treino deve começar com o objeto desligado. De maneira gradativamente, o aparelho pode ser aproximado do animal até o momento em que ele não sinta mais medo.

Porém, se em algum momento ele se mostrar desconfortável, será preciso retroceder o treinamento para uma fase anterior, na qual ele não demonstra sinais de desconforto. Um indício de que o treino não está dando certo é se ele não aceitar o petisco, por isso, preste atenção no comportamento do animal.

Esse mesmo treino pode ser feito com outros objetos, como a escova e a toalha. Se mesmo com essas dicas nada mudar na hora de tomar banho, será preciso consultar um especialista em comportamento animal.

Fonte: texto adaptado de artigo do Alexandre Rossi – Canal do Pet (IG)

Massagem para pets: conheça os benefícios

dicas_interna-massagem-pet

A massagem é muito benéfica para os animais. Esse hábito, além de criar um vínculo de afeto mais intenso entre o bichinho e o seu tutor, ajuda também em diversos outros problemas.

Acostumar o pet a receber uma boa massagem pode tornar mais fácil para ele enfrentar processos que podem ser tensos para eles, como consultas no veterinário e banho e tosa. Desta maneira, o bichinho fique relaxado, facilitando o seu manuseio nessas situações.

Um dos principais benefícios desse hábito é a identificação de feridas, caroços e inchaços, sensibilidade ou dor, que podem sinalizar que o pet está com problemas de saúde. A identificação precoce pode fazer toda a diferença no diagnóstico dele e, assim, agilizar o tratamento e impedir que o problema se agrave.

As massagens servem tanto para os cachorros quanto para os gatinhos. Abaixo, é possível conferir dicas de como realizar esse agrado ao bichinho:

• Escolha um local calmo e agradável, sem muitas distrações e um horário no qual você não esteja com pressa.

• Comece aos poucos e com muita calma, apalpando as patas, a cabeça, o corpinho, as orelhas e o rabinho do pet. Aproveite esse momento para verificar os dentes do bichinho e ter certeza de que está tudo em dia.

• Observe alguma mudança de comportamento que indique que o pet esteja desconfortável ou sentindo alguma dor.

• Aos poucos, confira a pele do animal e veja se encontra alguma alteração ou descoloração.

Em caso de qualquer problema, visite o veterinário imediatamente, para que ele possa examinar o pet e diagnosticar se tem algo errado.

Mas, acima de tudo, curta esse momento especial com seu amigo. Com o tempo, você aprenderá qual o tipo de carinho e os locais que o peludinho mais gosta de receber esse agrado!

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Hipertermia: o super aquecimento do corpo dos cães no calor

dicas_interna-ig2

Os cães possuem uma dificuldade maior de manter a temperatura corporal em dias quentes, por isso muitos deles sofrem com a hipertermia

Vocês sabem o que é hipertermia? É uma condição grave que provoca um aquecimento exagerado do corpo dos cães. Dias bem quentes já estão a caminho. Por isso, acho muito importante falar desde já sobre a hipertermia e todos os cuidados de prevenção que devem ser tomados pelos donos.

Razões para se com a hipertermia

Os cachorros não possuem muitas glândulas sudoríparas. Há algumas nas “almofadinhas” das patas (coxins) e nas narinas, mas, a regulação térmica corporal é feita, basicamente, através da respiração. Esse sistema costuma não dar conta quando o animal fica exposto a temperaturas muito altas.

Raças com focinho achatado (braquicefálicas), como Pugs, Bulldogues e Shih Tzus, têm maior dificuldade para fazer essa regulação de temperatura. Isso porque o “canal” nasal é mais curto, o que torna a respiração mais difícil, já que a passagem do ar apresenta maior resistência.

Vale lembrar que não são somente cães com essa característica anatômica que podem sofrer os efeitos do calor excessivo. Animais obesos e idosos também estão mais predispostos a hipertermia. Mas o problema pode atingir qualquer animal.

O que é hipertermia?

A temperatura corporal normal dos cães gira em torno de 38 e 39ºC. Quando expostos a situações de calor excessivo, associadas ou não ao exercício físico intenso, seu organismo pode não conseguir fazer a regulação térmica, a temperatura aumenta e se inicia um quadro de hipertermia. Algo como se fosse um “hiperaquecimento” do corpo, que vai comprometendo o funcionamento dos órgãos, podendo causar a morte do animal se não for tratado a tempo.

Sintomas

Um cão que em quadro de hipertermia pode apresentar os seguintes sintomas:
– salivação excessiva (em geral, a saliva tem aparência de “espuma”);
– mostra-se extremamente ofegante, mesmo quando já tirado da situação de calor;
– cianose de mucosas (língua azul);
– mucosas hipercrômicas (muito coradas);
– gengivas cor de tijolo;
– andar cambaleante e desorientado;
– apresenta vômitos e diarreia;
– pode ter convulsões e perda de consciência.

Um sintoma comportamental seria puxar a guia em direção a sombras e querer parar de andar.

O que fazer

Caso o cão apresente alguns dos sintomas de hipertermia, medidas simples podem ser tomadas para salvar a sua vida:
– tirar o cão da situação de calor;
– colocar sobre ele uma toalha molhada e mantê-la úmida, para que a temperatura corpórea vá diminuindo;
– levar o cão imediatamente ao veterinário, para as providências médicas necessárias.

Como prevenir

Não é necessário deixar de fazer caminhadas com o cão em dias quentes, mas é importante sair em horários com temperaturas mais amenas: bem cedo pela manhã e no final da tarde.
É importante também lembrar que o cão fica mais perto do solo. Uma boa maneira de conferir se o chão está muito quente é verificar o asfalto com a sola do pé: se estiver tão quente que seja impossível caminhar descalço, está quente demais para o animal também.

Tome cuidado ao deixar um cachorro dentro do carro, mesmo que rapidamente, especialmente em locais onde o veículo possa estar debaixo do sol. A temperatura interna de um automóvel pode chegar rapidamente a 70ºC.
Em dias muitos quentes, pode-se oferecer pedras de gelo para o cachorro ou mesmo verduras (como cenoura) congeladas. Além de refrescantes, o pet vai adorar o brinquedo comestível gelado. E, finalmente, para evitar a hipertermia, nunca se esqueça de deixar água fresca e à disposição durante todo o dia, em mais de um local dentro de casa.

Fonte: Canal do Pet – iG

Lista de ‘desejos pet’ para 2017

dicas_interna-promessas-2017

Com 2017 batendo à porta, é natural que todos comecem a repensar o ano que passou e a lembrar de tudo o que foi bom e ruim, inclusive, o que poderia ter sido feito e não foi. Felizmente, a virada do ano significa novas chances, recomeço e perseverança.

Se assim que você viu a palavra “desejos”, você já começou a pensar naquela lista de coisas que não conseguiu terminar, como passear mais com o animal de estimação, por exemplo, aproveite o novo ano para se planejar melhor, aumentar a qualidade de vida do pet e, consequentemente, a sua, e ter um relacionamento muito mais saudável com todos da família.

Educação

O grande segredo de uma convivência harmoniosa e agradável com o pet é estabelecer uma comunicação clara com ele, ou seja, ele precisa saber o que pode ou não fazer. É aí que entra o adestramento.

Educar o pet não significa apenas ensiná-lo a fazer as necessidades no lugar certo ou realizar comandos. O adestramento também ajuda no estreitamento dos laços com o animal de estimação. A prática e os treinos aproximam o dono do seu bichinho e fazem com que ele se comunique (e entenda) melhor o que é esperado dele, evitando problemas comportamentais.

Estímulos

Invista no enriquecimento ambiental para quando o pet tiver que passar um tempo sozinho. Disponibilize brinquedos interessantes, de diferentes formatos e texturas, que o incentivem a usar os seus sentidos. Passeios, novos cheiros e encontro com outros indivíduos são fundamentais para a saúde física e mental do amigo de quatro patas.

Saúde

Visite o veterinário com frequência e torne a alimentação do peludinho mais saudável.

Pense em tudo o que você pode mudar no novo ano e se planeje! A equipe Cão Cidadão deseja a você um 2017 de muitos momentos bons ao lado do melhor amigo!

Roupinha de Natal: será que o pet está confortável?

dicas_roupas_pet_interna

O Natal está quase chegando e muitos tutores aproveitam a época para colocar roupinhas, apetrechos e fantasias no animal de estimação. Afinal, é preciso entrar no clima da festa, certo?

Para que seu pet fique bem em seus trajes de comemoração, é preciso que você fique atento a alguns sinais que indicam se ele está confortável ou não de acordo com Priscila Fadelli, adestradora da Cão Cidadão. “Preste atenção na maneira como o animal está agindo depois que vestiu a roupa ou o acessório”, recomenda a profissional.

Identificar esses sinais não é uma tarefa complicada! Basta seguir as orientações abaixo!

Personalidade: conhecer a personalidade do animal de estimação é fundamental para você avaliar se ele está em uma situação desconfortável. Se após vestido ele continuar agindo normalmente (brincando, bagunçando e correndo), significa que a vestimenta não o incomoda.

Tensão: se o seu cachorro estiver parado, demonstrando tensão ou andando em círculos, significa que ele não está se sentindo bem. Nesses casos, retire a roupinha imediatamente. É importante sempre respeitar os limites do seu animal de estimação para garantir o bem-estar dele.

Sinais: tentativas de rasgar ou tirar a roupinha e/ou o acessório também são sinais de que a sensação causada pelos apetrechos é desconfortável para o seu amigo.

Como adaptar o pet?

É possível ajudar o bichinho a se acostumar com esses acessórios. Para isso, basta ter paciência e oferecer o treinamento correto. “Quando você comprar a roupinha, deixe que o animal interaja com ela antes de colocá-la nele. Deixe a roupa no chão para que o seu cachorro ou gato a cheire. Enquanto isso, ofereça a ele um petisco bem gostoso. Isso fará com que ele associe a fantasia a algo legal”, ressalta Priscila.

A adaptação deve ser feita aos poucos para que o pet se acostume com a sensação de ter algo “acoplado” ao seu corpo. Coloque a roupa nele uma vez e deixe por alguns minutos. Na sequência, recompense-o e, em seguida, retire o acessório. Repita o processo, sempre premiando o animal para que ele faça associações positivas com o traje.

Dica especial

“Como o Natal é uma época muito quente aqui no Brasil, preste atenção para ter certeza de que o seu cachorro não está passando calor. Se a língua dele estiver para fora o tempo todo, significa que ele está sentindo muito calor e, nesses casos, não é recomendável colocar essas roupas”, finaliza a adestradora.

Verifique também se a roupinha não está apertando as patinhas e o pescoço do amigo peludo, impedindo que o sangue dele circule naturalmente. Ofereça muita água para que o pet se mantenha hidratado e, acima de tudo, curta muito as festas ao lado do seu melhor amigo!

Feliz Natal para você, sua família e seu dog Noel!

Aproveitando o verão ao lado do cachorro

dicas_interna-verao-pet

Quando o verão chega e as temperaturas começam a subir, é natural que os tutores queiram sair para as ruas e parques e levar os pets para curtir um pouquinho do sol também. Porém, assim como os humanos, os bichinhos também tendem a sofrer com o calor.

“A refrigeração dos cães não é tão eficiente, então os donos precisam ficar atentos. A maioria desses animais, enquanto está em atividade ou andando com a gente, sente calor”, diz o zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi.

Dessa forma, é necessário tomar algumas precauções para que a curtição seja segura, divertida e confortável para o seu bicho de estimação. Confira as dicas:

• Escolher o horário correto para passear com o pet é o segredo para garantir o bem-estar dele durante a estação mais quente do ano. Evite os horários de pico do sol, como, do meio-dia às quatro da tarde. Procure sair pela manhã ou no final do dia, quando as temperaturas já estão mais amenas. A duração dos passeios também deve ser reduzida.

• Não esqueça a água! Os animais precisam se manter hidratados tanto quanto os humanos, por isso, durante o passeio, tenha certeza de que está levando uma garrafinha de água gelada e faça pausas para que o pet possa se refrescar.

• Se você estiver em casa, uma ideia bacana é colocar algumas pedrinhas de gelo na tigelinha de água do bichinho e até comprar sorvete próprio para cachorro, produto que está disponível em diversas lojas pet.

• Invista em medicamentos contra carrapatos e pulgas, pois o verão é a época favorita dos parasitas. Visite o veterinário e peça indicação do produto a ele.

• Mantenha as tigelas de água e de comida em um local onde haja sombra e seja fresco, assim como a caminha e casinha do pet, para que ele possa se esconder do sol quando precisar.

• Outra dica interessante é colocar os brinquedos do amigo no congelador para que ele possa se refrescar enquanto brinca.

Com todas essas dicas, o verão ao lado do seu cachorro será muito mais saudável e divertido!

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410. (demais localidades).

Como organizar a mala do cachorro

dicas_interna-viagem-pet

As férias estão chegando! Com elas, muitas pessoas decidem reunir a família todinha, inclusive o pet, e pegar a estrada. Mas é nesse momento que sempre surge a dúvida: o que levar na mala do bicho de estimação?

Muitos tutores ainda ficam incertos sobre essa questão. Por isso, reunimos uma lista de tudo o que não pode faltar na malinha do seu cachorro, para garantir seu bem-estar e tranquilidade. Confira:

Documentação

Esse é um dos itens que são indispensáveis nas bagagens do peludinho. Antes de viajar, faça uma visita ao veterinário e peça que ele realize um check-up geral no animal. Se o destino for fora do país, informe-se sobre a documentação necessária, como, carteira de vacinação e atestado de saúde, entre outros.

É indicado realizar os exames com, pelo menos, dez dias de antecedência da viagem.

Companhia aérea

Atente-se às exigências e regras do transporte de animais de estimação das companhias aéreas. Entre em contato com elas antes da viagem para ter certeza de que a sua documentação está completa e de acordo com o que foi estabelecido pela empresa.

Mala do pet

Depois de conferir e providenciar todos os documentos necessários para garantir a segurança do seu amigo, chegou a hora de fazer a mala dele. Os itens a seguir são indispensáveis no dia a dia do pet e, principalmente, durante as viagens:

• É preciso levar a ração que o cachorro já está acostumado, em quantidade suficiente para todos os dias da viagem. Essa precaução deve ser tomada, pois é possível que o mesmo alimento não esteja disponível no local para onde estiverem indo, o que pode comprometer a refeição do animal. Potes com água e com ração para serem consumidos durante o trajeto também são necessários.

• O cachorro deve ter coleira e plaquinha de identificação todo tempo durante o passeio. Isso ajuda a evitar que ele se perca e, em caso de fuga, a plaquinha poderá adiantar o trâmite para que você encontre seu cachorro ou gato com mais facilidade.

• Leve um objeto que tenha o cheiro de casa e o deixe na caixinha de transporte do pet ou em sua caminha durante o passeio. Essa atitude é essencial para garantir o bem-estar dele. Alguns pets ficam ansiosos em locais diferentes, por isso, um objeto já conhecido ajudará o seu bichinho a se sentir mais relaxado.

Depois de tudo pronto, é só pegar a estrada! Em caso de viagens de carro, programe-se para fazer paradas de uma em uma hora para que o seu amigo se alivie e se hidrate (além de dar uma boa esticada nas pernocas, né?).

Boas férias!

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Massagem para pets: conheça os benefícios

dicas_interna_massagem

A massagem é muito benéfica para os animais. Esse hábito, além de criar um vínculo de afeto mais intenso entre o bichinho e o seu tutor, ajuda também com diversos outros problemas.

Acostumar o pet a receber uma boa massagem pode tornar mais fácil para ele passar por processos como, por exemplo, consultas no veterinário e banho e tosa, pois faz com o que o bichinho fique relaxado, facilitando o seu manuseio nessas situações.

Um dos principais benefícios desse hábito é a identificação de feridas, caroços e inchaços, sensibilidade ou dor, que podem sinalizar que o pet está com problemas de saúde. Essa identificação pode fazer toda a diferença no diagnóstico dele e, assim, agilizar o tratamento e impedir que o problema se agrave.

As massagens servem tanto para os cachorros quanto para os gatinhos. Abaixo, é possível conferir dicas de como realizar esse agrado ao bichinho:

• Escolha um local calmo e agradável, sem muitas distrações e um horário no qual você não esteja com pressa.

• Comece aos poucos e com muita calma, apalpando as patas, a cabeça, o corpinho, as orelhas e o rabinho do pet. Aproveite esse momento para verificar os dentes do bichinho e ter certeza de que está tudo em dia.

• Observe alguma mudança de comportamento que indique que o pet esteja desconfortável ou sentindo alguma dor.

• Aos poucos, confira a pele do animal e veja se encontra alguma alteração ou descoloração.

Em caso de qualquer problema, visite o veterinário imediatamente, para que ele possa examinar o pet e diagnosticar se tem algo errado.

Mas, acima de tudo, curta esse momento especial com seu amigo. Com o tempo, você aprenderá qual o tipo de carinho e os locais que o peludinho mais gosta de receber esse agrado!

Animais também podem doar sangue

dicas_interna-caes-podem-doar-sangueApesar de ser um ato nobre, que ajuda a salvar a vida de muitos pets, a doação de sangue animal ainda é bastante desconhecida. Infelizmente, apesar de necessário, não existem muitos estoques e não há regulamentação do processo por parte do Conselho Federal de Medicina Veterinária.

A falta de informação dificulta na hora de encontrar bichinhos que possam ser doadores, pois, no geral, os donos dos pets não sabem que é possível levar seu amigo para salvar a vida de outro peludo (da mesma espécie).

As transfusões de sangue podem ajudar muitos animais doentes. Gostou dessa notícia, mas não tem ideia de como ajudar? Observe:

Cães

• Os cães doadores devem pesar, pelo menos, 27 quilos.
• Apenas cães com idades entre 1 e 8 anos podem ser doadores.
• Os cachorros devem ter temperamento dócil, pois, assim, não é necessário utilizar sedativos.
• O pet não pode ter nenhuma doença crônica.
• A vermifugação e a vacinação devem estar em dia.

Gatos

No caso dos gatinhos, a maioria dos critérios utilizados com os cães se repete, porém, algumas características são diferentes.

• Os felinos devem pesar, pelo menos, 4 quilos.
• Apenas gatos com idades entre 1 a 6 anos podem doar.

Procedimento

A doação é rápida, fácil e bem tranquila. A agulha é colocada na região do pescoço e o processo de retirada do sangue dura de 10 a 15 minutos. Cada cãozinho pode doar cerca de 20 mililitros de sangue por quilo. Já os gatinhos, podem doar 10 mililitros por quilo, e ambas as espécies só podem realizar doações a cada dois ou três meses.

Mesmo que o seu pet não doe imediatamente, vale a pena realizar o cadastro, pois, caso algum amigo de quatro patas precise de uma transfusão, os hemocentros podem entrar em contato com os doadores em potencial.

Dia Nacional do Doador de Sangue

Em 25 de novembro é comemorado o Dia Nacional do Doador de Sangue. Por isso, aproveite a data para abrir seu coração e sua mente. Cadastre o pet e doe sangue você também. Essa simples atitude salva vidas!

Fonte: Pet Na Pan

Gostou desta dica? Se quiser contratar os profissionais em comportamento animal para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: 11 3571-8138 (São Paulo) e 11 4003-1410 (demais localidades).