Cachorro e gato morando juntos: quais os cuidados?

cachorro-gato-morando-junto

O senso comum costuma colocar gato e cachorro como inimigos, mas o convívio entre os dois não precisa ser conflituoso. Na verdade, eles podem se tornar grandes amigos se a introdução entre os dois for feita com bastante atenção e paciência por parte dos donos.

O mais importante é ter compreensão com a personalidade do seu gato e do seu cachorro para respeitar o espaço de cada um na hora da interação. Forçar a barra entre eles não adianta e não é saudável! Aliás, isso pode atrapalhar o processo de adaptação entre os dois. A intenção é que pouco a pouco eles abram mão de uma postura defensiva ou de estranhamento e que comecem a criar vínculos de amizade.

Se você passa muito tempo fora de casa, a amizade entre o cachorro e o gato é ainda mais importante, pois os dois poderão construir grandes momentos se aproveitarem a companhia um do outro. Veja alguns passos para ajudar a estreitar a ponte entre seu gato e seu cachorro.

Entendendo o espaço do cachorro e do gato

Felinos costumam ser mais territorialistas e possuem um comportamento mais independente, ao contrário de cachorros, que se dão bem em matilha. Sendo assim, o ideal é que a introdução seja feita gradualmente, com segurança e monitoramento. Deixe que se aproximem, mas mantenha o cachorro na guia para evitar acidentes. Comece com interações mais curtas, depois vá aumentando os períodos – sempre observando como eles estão se sentindo.

Nesse começo, é importante que o gato tenha alguns cantinhos só dele na casa ou no apartamento, para que se esquive com tranquilidade e não se sinta acuado. No princípio, ele pode ficar um pouco mais desconfiado, enquanto o cachorro pode demonstrar mais curiosidade.

E se o gato ou cachorro estiverem agressivos?

A agressividade é um sinal para redobrar a atenção no processo de adaptação entre o gato e o cachorro. Além da coleira, é válido colocar algum tipo de barreira entre eles, como um portãozinho gradeado. O uso de estímulos positivos, como recompensas a eles após um bom momento de interação também pode ajudar na familiarização. Se sentir que um dos dois está estressado mesmo após ganhar uma recompensa que gosta muito, afaste os dois e tente em outro momento, sempre com calma e passando segurança. É importante não causar um trauma durante a fase de aproximação. Se não estiver conseguindo avanços significativos, vale consultar um especialista em conduta animal.

Como organizar os pertences do gato e do cachorro

Para evitar ciúmes e disputas territorialistas, deixe brinquedos, caminhas, banheiro e vasilhas separados durante o período de adaptação. Gradualmente deixe que eles sintam o cheiro um do outro nos pertences (deixe um paninho do gato perto do cachorro e vice-versa) para que criem familiaridade.

 

Mantenha pulgas e carrapatos longe de seu gato e cachorro

A convivência entre eles pode facilitar a propagação de pulgas e carrapatos em casa. Para evitar que isso aconteça, nós recomendamos o uso de antiparasitas tanto nos animais quanto na casa. Isso porque somente 5% dos parasitas ficam no pelo dos bichinhos, o restante fica no ambiente. Os produtos da Bravecto eliminam pulgas e carrapatos por 12 semanas seguidas em uma só aplicação. Se você se cadastrar no clube de vantagens ainda recebe descontos especiais!

Acompanhe as dicas da Cão Cidadão para o bem-estar do seu cachorro e seu gato!

Passeadores de cães: tudo o que você precisa saber

passeadores-de-caes-tudo-o-que-você-precisa-saber

Você chega em casa depois de um dia longo de trabalho, abre a porta já pensando em se jogar no sofá, mas se depara com o cenário caótico de uma almofada toda rasgada, com pedaços espalhados por toda a casa. Ao ver sua cara de espanto, seu cãozinho que certamente estava doido para te receber com uma festa, abaixa as orelhinhas e coloca o rabo entre as pernas, já pronto para a bronca que está por vir. Frustrante, não? É para tornar episódios assim cada vez mais escassos que vamos falar aqui sobre a importância do trabalho de passeadores de cães.

Principalmente em grandes centros urbanos, é muito comum encontrar o contexto de pessoas que adoram ter em casa um filhinho de quatro patas, mas infelizmente nem sempre tem o tempo ideal para se dedicar a ele. Não é sem razão que a demanda pelo trabalho dos passeadores de cães cresceu tanto nos últimos anos. Em São Paulo, um passeio de 30 minutos a uma hora com um cachorro fica entre R$ 20 ou R$ 35, em média. Esses valores são apenas para o passeio simples, há profissionais que também oferecem pacotes de serviços extras para a comodidade do animalzinho e do dono.

A importância do trabalho de passeadores de cães

É importante compreender que o passeio com o cão é uma atividade que deve fazer parte da rotina. Ela é necessária para estimular seu cãozinho com cheiros novos, é um momento importante para a socialização, bem como uma atividade que pode ser bem prazerosa para eles se quem o conduzir se atentar para alguns cuidados. Em breve falaremos sobre isso.

A cena que descrevemos no início deste artigo pode ser evitada ou até eliminada do seu cotidiano com o aumento da frequência dos passeios com passeadores de cães. Assim o seu pet gasta energia e fica feliz sem precisar destruir seus móveis. Na maioria dos casos, esse tipo de “arte” que eles fazem é uma forma de aliviar o estresse.

Por que contratar passeadores de cães? 

Há quem delegue essa tarefa para os filhos, vizinhos ou amigos. O problema é que nem sempre eles terão o conhecimento ou o treinamento necessário para fazer o que é melhor para o bem-estar do seu pet. O dogwalker já está habituado a lidar com algumas situações que podem ocorrer.

Antes de começar a levá-lo para a rua, o profissional normalmente faz uma entrevista para entender melhor o temperamento do animal e o tipo de conduta que será mais indicada para ele. Os passeadores de cães bem treinados também têm mais facilidade para lidar com situações que podem ser estressantes, como uma briga com um animal desconhecido.

Os passeadores de cães podem melhorar o seu relacionamento com seu pet

De um modo geral, o dogwalker passeia com seu cachorro em dias úteis, mas é claro que você também vai querer passear com ele em seu tempo livre. Sendo assim, os passeadores de cães podem te passar um conhecimento precioso para melhorar a qualidade dos passeios com o seu cão.

Um cuidado muito importante é passear sempre com ele na guia. Mesmo se você tiver um animal dócil e obediente, é preciso levar em consideração fatores externos que estarão fora do seu controle. Por questão de segurança, a guia é sempre recomendada. Outra dica importantíssima é observar o horário do passeio. A orientação é sempre evitar os horários mais quentes do dia. Em dias de muito calor, o animal pode até ter queimaduras nas patas em períodos de sol a pino. Dê preferência para as primeiras horas do dia, fim de tarde ou noite.

Meu cachorro empaca no passeio, o dogwalker pode ajudá-lo?

Lembra que dissemos que o prazer do passeio do seu cãozinho depende de alguns cuidados? Pois bem, o fato de “empacar” durante a caminhada pode ser um sinal de estresse. De um modo geral, eles ficam muito felizes e animados em um ambiente externo, com novos cheiros e estímulos. Mas alguns desses fatores também podem assustá-los. Alguns têm mais dificuldade para socializar com outros animais, eles podem se assustar com excesso de barulho ou com algum lugar muito movimentado. Todos esses exemplos podem levar seu animal a empacar (mas ele também pode fazer isso quando percebe que o passeio está acabando).

Neste sentido, o apoio dos passeadores de cães pode ser muito útil para que você entenda melhor os fatores que estão fazendo seu animal a agir assim. Além de serem treinados para lidar com essas situações, no dia a dia eles lidam com diferentes tipos de cachorros e situações inusitadas. Ou seja, eles podem ter mais facilidade para identificar o que pode estar deixando seu cachorro amedrontado.

Seja qual for o motivo que “empacou” seu animal, jamais o arraste. É preciso ter sensibilidade e paciência neste momento para que o animal não fique traumatizado. Vá fazendo ajustes graduais ao tempo do passeio, fique atento ao ambiente, investigue o que pode estar fazendo o seu animal empacar.

Para entender melhor outros motivos que o levam a fazer isso e dicas de como proceder nessas situações, leia mais sobre o tema neste artigo do Cão Cidadão.

Como organizar o orçamento para contratar um passeador de cães

Como dissemos no início do artigo, em São Paulo o passeio simples com um cão pode variar de R$ 20 a R$ 35, em média (entre 30 minutos e um hora). De um modo geral, os valores desses serviços são muito variáveis porque às vezes os profissionais também oferecem combos. Há passeadores de cães que incluem em seus serviços a visita ao animal quando você não está em casa. É costumeiro também contratar os serviços de dogwalkers para hospedar os cães em casa quando os donos estão viajando. Nesses casos, a diária pode oscilar de R$ 25 a R$ 100, em média.

A personalização desses pacotes é ideal porque assim você contrata os serviços de acordo com a realidade do seu orçamento. Ou seja, tem flexibilidade de aumentar ou diminuir o valor que você gasta mensalmente.

Como contratar um dogwalker confiável? 

Uma boa dica é começar contratando alguém por indicação. A aprovação de alguém de sua confiança é um bom passo para começar. Além disso, observe o trabalho do profissional, questione, não tenha vergonha de tirar todas as dúvidas que tiver.

Abaixo, segue uma lista de perguntas importantes a se fazer antes da contratação de passeadores de cães:

– Qual é a duração dos passeios?

– Quais serão os horários dos passeios?

– Quantos cachorros costuma levar em cada passeio?

– Qual procedimento adota quando há algum desentendimento entre os cães?

– Caminha com cães agressivos?

– O que faz para estimular um bom relacionamento entre os cachorros?

– Qual é a primeira atitude que toma no caso de algum cachorro se machucar?

– Quais são os locais onde passeia com os cachorros?

Via de regra, o profissional deve ser, acima de tudo, paciente e atencioso. São características básicas para que ele possa nutrir um bom relacionamento com o seu cachorro. Fique atento à sintonia do seu animal com os passeadores. Se perceber que seu animal está ficando estressado na presença do dog walker, melhor suspender o serviço e contratar outro profissional. Insistir em uma relação sem compatibilidade pode ser traumático para o seu cão.

Qual a diferença entre passeadores de cães e adestradores? 

As pessoas costumam fazer confusão entre esses dois profissionais, mas é importante fazer essa diferenciação. O dogwalker bem instruído e capacitado será fundamental para garantir passeios com qualidade e segurança para o seu cãozinho. O adestrador, por sua vez, tem uma tarefa mais aprofundada.

Caberá a ele não só analisar o comportamento do cão, mas também entender melhor o relacionamento do animal com a família. Isso é fundamental para entender a origem de possíveis distúrbios de comportamento e melhorar a qualidade de vida do animal e de seus donos.

O sucesso nos resultados do adestramento depende não só da capacitação do profissional, mas também de engajamento e disciplina por parte dos donos. Afinal, este é um trabalho completamente comportamental. Sendo assim, se não houver mudanças de hábitos no ambiente domiciliar, será pouco provável que o animal melhore seu comportamento.

O adestramento é muito aconselhado principalmente em lares com crianças. Há situações em que elas podem acabar machucando os animais, mesmo sem ter intenção. Às vezes uma brincadeira agressiva, envolvendo puxões no rabo do animal ou atitudes semelhantes, pode levar a um trauma que enviesa o comportamento do animal por muito tempo. É um trabalho preventivo que garante a segurança do animal e também das crianças, pois pode evitar acidentes que poderiam ocorrer se o animal ficasse agressivo.

Há adestradores que também trabalham numa frente de atuação prévia, ou seja, são contratados antes mesmo da pessoa adquirir um animal de estimação. Nesse sentido, ele atua como um consultor. Ele avalia o ambiente familiar, o perfil das pessoas e indica qual é o comportamento animal mais compatível para aquele lar. Este tipo de alinhamento ajuda a garantir que o cachorro (ou outro animal de estimação) encontre um ambiente familiar acolhedor e saudável.

É possível contratar passeadores de cães que também tenham treinamento e capacitação como adestradores, mas é importante entender que as atribuições de cada profissão são diferentes.

Quero melhorar minha relação com meu cãozinho

Se você tem interesse em saber mais sobre como se capacitar como dogwalker ou como adestrador, assine nossa newsletter para receber semanalmente dicas de como lidar melhor com o seu animalzinho de estimação. Todas as informações são dadas por adestradores da Cão Cidadão, baseadas no método de adestramento inteligente desenvolvido pelo zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi.

Com essas informações, você poderá lidar melhor com problemas comportamentais muito comuns, como pets que fazem xixi no lugar errado ou agressividade canina. Além disso, você ficará por dentro de nossa agenda de eventos.

Quero entender mais sobre o mercado de passeadores de cães e adestradores

As duas profissões oferecem uma grande vantagem: além de serem muito demandadas, elas permitem que o profissional trabalhe com flexibilidade no dia a dia, além de requerer pouca estrutura física. Como os trabalhos são feitos no lar do animal e ao ar livre, o profissional vai precisar fundamentalmente de um celular e uma agenda bem organizada. Além disso, vale um bom preparo físico! Afinal, se a intenção for trabalhar fulltime como dogwalker, a rotina vai envolver muito tempo de caminhada guiando os animais. É aconselhável também ter consigo um kit de primeiros socorros em caso de algum acidente.

Você é o tipo de pessoa que detesta trabalhar de roupa social? Mais um ponto positivo no mercado de passeadores de cães! Justamente por envolver uma rotina de muito exercício físico, o ideal é trabalhar com roupas confortáveis, soltas e com um tênis bem macio.

Outro ponto importante: quem deseja ingressar neste mercado deve ter muita organização financeira e flexibilidade. Passeadores de cães passam os dias se deslocando e precisam se organizar para isso – principalmente se os deslocamentos forem longos.

Por ser uma atividade autônoma, a profissão requer muita disciplina para organizar o orçamento. Em meses de férias, por exemplo, as entradas financeiras podem ser maiores porque muitos donos viajam (e se você tiver disponibilidade, pode oferecer hospedagem domiciliar para o animal). É importante reservar o dinheiro extra para cobrir períodos em que a demanda cai. Organize-se também para ter clareza no fluxo de pagamentos que recebe de seus clientes. É preciso também pensar com um viés empreendedor. Lembre-se de que você precisa fazer uma boa divulgação do seu serviço, então vale estudar estratégias de comunicação. Suas redes sociais, se usadas com responsabilidade, podem ser uma ótima forma de divulgar seus serviços.

O que vai garantir um trabalho bem feito e com resultados satisfatórios é a busca por conhecimento. É importante que tanto passeadores de cães quanto adestradores estejam sempre buscando treinamento e se atualizando. A Cão Cidadão oferece cursos para auxiliar pessoas da área pet, interessados em ingressar neste mercado e até mesmo tutores de animais. Fique de olho em nossa agenda de cursos!

Por que cachorros comem grama?

por-que-cachorros-comem-grama

O seu cachorro anda comendo grama? Se você presenciar o pet cavando o jardim ou atacando o vaso de planta para comer gramas, não se assuste. Ele não virou vegetariano, nem nada do tipo. Ele está comendo grama, pois ela ajuda a limpar o seu intestino. Sabe aquela comida que você deu ao cão e não fez bem? Então, o ato de comer a graminha pode ajudar!

Mas, é preciso ficar esperto, pois o seu bichinho pode contrair verminoses! O ideal é comprar sementes em pet shops, próprias para isso, e plantar em casa para seu cachorro ou gato poder comer tranquilamente.

Dica tirada do livro Adestramento Inteligente, de Alexandre Rossi.  

Como a grama pode ajudar meu cachorro?

O ato de comer grama pode facilitar a limpeza interna de duas formas. Como a grama é rica em fibras, ela acelera a atividade no intestino e o cachorro pode expelir com mais rapidez aquele alimento que não caiu muito bem. O vômito é uma outra forma de forçar a eliminação daquilo que não fez bem. Isso porque a grama irrita as paredes do estômago, gera a ânsia de vômito e acaba expulsando o alimento responsável por causar o mal-estar. Alguns dos desconfortos que podem levar o seu cão a comer grama: digestão lenta, gases, cólicas, fezes ressecadas e diarreia.

Meu cachorro só come grama quando está passando mal?

Não. Existem muitos cachorros que comem grama simplesmente porque gostam, ou seja, o hábito nem sempre será indicador de algum problema gastrointestinal. Cachorros, assim como seus ancestrais lobos, não são animais somente carnívoros. A grama é rica em nutrientes e ajuda a complementar a alimentação dos nossos bichinhos.

Como saber se meu cachorro está comendo grama para aliviar mal-estar? 

Quando o motivo da ingestão é para aliviar algum tipo de dor ou náusea, o cachorro tende a comer mais grama do que o normal e também não se preocupa em ser muito seletivo com o tipo de grama que está comendo. Por outro lado, se a ingestão é simplesmente por vontade de comer vegetal, ele passa mais tempo farejando o local e escolhendo as graminhas que quer comer.

Excesso de grama pode fazer mal ao meu cachorro? 

Nada em excesso faz bem, essa costuma ser uma regra de ouro e vale aqui também. É preciso ficar atento à quantidade de grama que seu cachorro está ingerindo. Em pequenas porções, a grama pode trazer benefícios para a saúde do cãozinho, mas em exagero pode provocar problemas digestivos e respiratórios.

A melhor forma de evitar a ingestão excessiva de grama é mantendo uma alimentação equilibrada. Além disso, é importante manter seu animal com uma rotina de atividades físicas para aliviar o estresse. Brincadeiras em casa e passeios algumas vezes por dia são boas indicações para manter seu animal feliz.

Por fim, mas não menos importante: leve seu cachorro periodicamente ao veterinário para avaliar sua saúde. A ingestão de grama em um ambiente não controlado (jardim, quintal, praça, etc) pode levar o animal a contrair uma verminose, conforme adiantamos no começo do texto.

Acompanhe as dicas da Cão Cidadão para cuidar da saúde e do bem-estar do seu bichinho de estimação!

Cão Cidadão ajuda Universal Pictures a conquistar recorde no Guinness Book

cao-cidadao-pre-estreia-filme-pets

O ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, foi dominado por cãezinhos em um sábado animado! Com apoio da Cão Cidadão, um recorde do Guinness Book foi quebrado no último dia 8, durante a pré-estreia do filme Pets – A vida secreta dos bichos 2, organizada pela Universal Pictures. Ao todo, foram 126 animais de estimação assistindo o filme ao mesmo tempo.

A querida Estopinha, cachorrinha de Alexandre Rossi, fundador da Cão Cidadão, foi embaixadora pet. Xuxa Meneghel, acompanhada de seu cãozinho Chico, apresentou o evento, que também contou com outras celebridades e seus bichinhos de estimação. Alguns dubladores de personagens do filme que marcaram presença foram Tiago Abravanel, Luis Miranda, Dani Calabresa e Danton Mello. Além destes artistas, o evento também recebeu convidados especiais, como a cantora Wanessa Camargo, que levou seu cachorrinho Bob, e a jornalista Glória Maria.

A Cão Cidadão ficou responsável por supervisionar o bem-estar dos bichinhos de estimação, além de garantir a segurança dos animais com algumas medidas preventivas, como checar os equipamentos para evitar fugas, as coleiras e as guias, e ficar atenta ao temperamento de cada cãozinho para evitar possíveis atritos.

Para tornar o sábado ainda mais animado para os pets, a Cão Cidadão também montou uma pista de agility para que os cães pudessem se divertir antes do início da sessão. Daniel Svevo, sócio da Cão Cidadão, ficou responsável pela coordenação do time durante a pré-estreia. “Apesar de ter muitos cachorros juntos, nenhum problema aconteceu! Eles brincaram na pista que preparamos e isso ajudou a terem uma sessão tranquila e sem muitos latidos ou agitação”, ressaltou.

Além dessas atividades, a Cão Cidadão teve papel fundamental para auxiliar os jurados do Guiness Book, que estiveram presentes para registrar o recorde. Svevo ficou satisfeito com o sucesso da parceria. A ONG Adotar é chic também esteve presente no evento, promovendo uma feira de adoção.

Dica da Cão Cidadão: não perca Pets – a vida secreta dos bichos 2

A continuação da franquia de 2016 mostra as transformações vividas pelo protagonista Max. Nesta nova fase, sua dona está casada e tem um filho, Liam. O foco de Max é defender a criança dos perigos que ela pode enfrentar fora de casa. Ao mesmo tempo, o nosso herói lida com alguns problemas emocionais que rendem um acompanhamento veterinário.

De forma lúdica, divertida e envolvente, o universo do filme nos faz entender melhor as emoções vividas por cada bichinho de estimação, como eles externalizam suas preocupações e as diferentes maneiras que demonstram como se importam com seus donos. É um mergulho descontraído no mundo animal que leva o público a aprender coisas interessantes sobre comportamento animal.

Para quem gosta de uma boa trama de aventura, a Cão Cidadão recomenda o filme para toda a família! A estréia nos cinemas brasileiros acontece no dia 27 de junho. Excelente programa para abrir as férias escolares com chave de ouro, certo? Quer ficar por dentro de tudo que há de mais interessante no universo Pet? Fique de olho nas dicas da Cão Cidadão!

Dormir com o pet faz mal?

per na cama

Dormir com o pet no quarto ou até mesmo na cama. Quase todo tutor de cão e gato já viveu essa experiência ao menos uma vez na vida. Mas, esse é um hábito que divide opiniões. Os que gostam e defendem a prática dizem que se sentem mais relaxados com o pet por perto na hora de dormir e que essa proximidade cria um laço afetivo mais forte entre humano e animal. Já os que não gostam dizem que o bichinho no quarto ou na cama atrapalha o sono, tira a privacidade de casais e que pode até causar problemas de saúde.

Mas, afinal, dormir com o pet é bom ou ruim? Algumas pesquisas apontam que esse costume pode trazer benefícios, tanto para o dono quanto para o animal. Porém, para usufruir deles é preciso alguns cuidados. Confira.

Pontos positivos e negativos de dormir com o pet

Segundo um estudo realizado nos Estados Unidos com 40 pessoas e seus animais de estimação, algumas confirmaram que realmente dormem melhor com a companhia do bichinho.

Outra pesquisa, ainda em desenvolvimento, realizada pelo especialista em comportamento animal Alexandre Rossi, sugere que animais que dormem pelo menos dentro de casa apresentam menos sintomas de ansiedade de separação e agressividade.

Porém, antes de liberar o acesso de cães e gatos à sua cama, é importante observar se esses benefícios se aplicam na sua relação com o animal. Apesar de os estudos indicarem que há vantagens tanto para o pet quanto para o tutor, há casos que essa proximidade pode acabar atrapalhando e até estimulando comportamentos negativos.

Se ao dormir em sua cama, o cão ou o gato se mexe muito durante a noite e acaba te acordando muitas vezes, talvez seja bom repensar se vale a pena continuar dormindo com ele. Uma boa saída, tanto para você quanto para o bichinho, é permitir que ele durma no quarto, mas em uma caminha separada.

Além disso, alguns animais que dormem tão perto de seus donos podem acabar desenvolvendo sentimentos excessivos de posse ou de dependência, o que acaba aumentando sua agressividade e ansiedade de separação. Se esse for o seu caso, treinar o bichinho para que ele fique bem e se divirta sem você por perto é uma alternativa. Além disso, é importante acostumá-lo a dividir sua companhia e atenção com outras pessoas, para que ele não se torne um animal ciumento.

Caso você precise de ajuda para treinar seu animal ou acostumá-lo a dormir fora do quarto e em sua própria cama, você pode contar com a ajuda da Cão Cidadão. Agende uma visita gratuita e conheça nossos serviços e método de treinamento.

Cuidados com a saúde e higiene do pet são fundamentais

Para evitar problemas ao dormir com seu animal de estimação, é preciso tomar alguns cuidados.

O primeiro deles é sempre manter as vacinas, vermifugações e proteção contra pulgas e carrapatos em dia. Também é importante seguir uma rotina frequente de escovação, corte de unhas, banho e tosa.

Se o cão ou o gato dorme na mesma cama que você, reforce a troca e limpeza de lençóis e cobertas, para evitar o acúmulo de pelos. Caso ele durma em sua própria caminha, mas dentro do quarto, também garanta que a higienização dela seja frequente. Assim, você evita diversos problemas que podem por em risco sua saúde e de sua família – desde alergias até doenças mais sérias. Então, você é do time que dorme com o pet ou sem? Conte para a gente em nossas redes sociais!

Sobre proteção contra pulgas e carrapatos

Nós da equipe Cão Cidadão, junto ao nosso especialista Alexandre Rossi e seus cães Estopinha e Barthô, temos uma longa parceria com a MSD Saúde Animal e recomendamos o uso de Bravecto contra carrapatos e pulgas.

Alexandre, Estopinha e Barthô

A maioria dos produtos antipulgas e carrapatos possui duração de 4 semanas, o que é suficiente pra matar os que estão presentes no cão, mas, infelizmente, eles representam apenas 5% dos parasitas, o restante encontra-se no ambiente.

O que ocorre é que quando uma pulga “pousa” no cão, ela pode pôr até 50 ovos por dia, que vão acabar se espalhando na sua casa, no sofá, no tapete e, como falamos, até mesmo na sua cama.

O grande problema é que, o ciclo de vida dos 95% pode durar 8 semanas ou mais! Ou seja, mais do que o tempo de duração destes produtos.

Recomendamos Bravecto porque é o único protege o seu pet e a sua casa contra carrapatos e pulgas por 12 semanas, com uma única dose, eliminando o ciclo de vida desses parasitas. Como somos parceiros, oferecemos 20% DE DESCONTO NA COMPRA ONLINE ATRAVÉS DESTE LINK. Aproveite e compre agora.

bravecto

Adestramento Inteligente: tudo sobre a metodologia criada por Alexandre Rossi

Adestramento Inteligente: tudo sobre a metodologia criada por Alexandre Rossi

Ter um animal de estimação é muito bom! Mas, alguns problemas de comportamento podem transformar uma linda relação de amor em um pesadelo. Por isso, é muito importante educar os bichinhos para que nossa relação com eles seja sempre harmoniosa e positiva.

Nos adestramentos realizados pela Cão Cidadão, nós utilizamos o método Adestramento Inteligente e neste artigo você vai entender tudo sobre essa metodologia.

O que é Adestramento Inteligente

O Adestramento Inteligente é um método para educar animais baseado no reforço positivo de comportamentos desejados. Com esse método, sempre que o bichinho realizar uma ação correta ou esperada ele será recompensado.

Essa metodologia traz benefícios tanto para o aprendizado dos animais, quanto para os tutores dos bichinhos, que aprendem a lidar com os pets de uma maneira mais calma e clara, gerando resultados cada vez mais positivos.

Como surgiu a metodologia de Adestramento Inteligente?

O Adestramento Inteligente é uma metodologia desenvolvida pelo Alexandre Rossi. Formado em Zootecnia pela Universidade de São Paulo (USP) e graduando de Medicina Veterinária, possui especialização em Comportamento Animal e obteve o primeiro título de especialista na área na Universidade de Queensland (Austrália), em 1997.

Alexandre começou a se interessar por comportamento animal aos seis anos, observando seus peixes no aquário. Nessa época, ele ensinou os peixes a fazerem alguns truques, como passar por argolas e a tocar pequenos sinos na hora de comer. Mais tarde, esses treinamentos se estenderam a coelhos, hamsters e a bichos de estimação de amigos.

Após se especializar na área, Alexandre Rossi trabalhou e desenvolveu pesquisas em zoológicos de diversos países, adquirindo experiência no adestramento das mais variadas espécies de animais.

No Kruger Park, na África do Sul, por exemplo, ele participou de pesquisas e projetos de reabilitação de animais selvagens com o objetivo de ajudá-los a retomar à natureza.

Na Austrália, ele trabalhou sociabilizando cangurus e outros animais que viviam em parques e apresentavam comportamento agressivo com relação a humanos.

Foi em razão dessas experiências que ele acabou desenvolvendo o método Adestramento Inteligente, ao treinar cães pastores de ovelhas que, além de cuidar do rebanho, exerciam diversas atividades longe de seus tutores durante jornadas exaustivas de trabalho.

Hoje, Alexandre Rossi leciona técnicas contemporâneas de adestramento e participa frequentemente como palestrante em eventos reconhecidos na área. Ele também é o fundador da Cão Cidadão.

Quais animais podem ser adestrados com esse método?

Qualquer animal pode ser educado pelo Adestramento Inteligente, como gatos, papagaios, peixes etc. Utilizando a metodologia, é possível, por exemplo, ensinar gatos obedecerem a comandos, papagaios a não bicarem pessoas, e peixes a realizarem pequenos malabarismos.

O especialista, Alexandre Rossi, já utilizou o Adestramento Inteligente para educar até mesmo porcos, elefantes e girafas!

Seja qual for a espécie, o importante é que o adestrador busque entender os instintos e comportamentos do animal para que possa agir da melhor maneira possível a fim de melhorar a comunicação com os humanos e, assim, ensiná-los formas de conviver melhor com seus tutores e em sociedade.

Por que adotar o método Adestramento Inteligente?

Muito mais do que ensinar um animal de estimação a realizar alguns truques, o adestramento tem o objetivo de integrar o bichinho da melhor maneira possível na sociedade e oferecer a ele – e ao seu tutor – melhor qualidade de vida e de relacionamento.

Ao aprender a respeitar a autoridade de seu tutor e o que pode ou não fazer, o animal passa a ter uma convivência muito melhor com a sua família, evitando aborrecimentos e frustrações. Com isso, o bichinho tem a oportunidade de ficar mais tempo perto de seus tutores, recebendo atenção e carinho, que é tudo o que eles querem.

Por outro lado, os tutores dos animais também começam a entender melhor o comportamento de seus bichos, seus instintos, e passam a respeitar mais as características próprias do pet.

Com essa relação de respeito mútuo, a convivência se torna mais harmônica e o laço afetivo entre o animal e os humanos fica mais forte.

Quando optar pelo método Adestramento Inteligente?

Os animais de estimação podem ser ensinados desde o primeiro momento que eles chegam à casa dos tutores. E, quanto antes você começar a adestrá-lo, mais fácil será esse processo, pois os filhotes aprendem tudo com mais rapidez e facilidade.

Existem outros tipos de adestramento?

Sim, existem vários tipos de adestramento de animais. Alguns dos mais conhecidos são:

Adestramento tradicional de cachorros:

O objetivo dessa modalidade de treinamento é reforçar a figura do tutor do animal como a autoridade na relação.

Nesse tipo de adestramento, não são utilizadas recompensas para comportamentos positivos, mas repreensões para que o animal entenda que o líder da matilha é o seu tutor. Demonstrações de afeto só ocorrem quando o pet já apresenta uma postura calma e submissa.

Treinamento de agilidade

Também conhecido como agility, esse treinamento é voltado para treinar cães para competições de agilidade, onde o animal tem que passar por vários obstáculos no menor tempo possível.

A vantagem de adestrar seu cão nessa categoria é que ele gasta bastante energia e se diverte bastante nos treinos. Isso pode fazer com que ele abandone hábitos ruins que tenha desenvolvido por ficar entediado.

Adestramento para cães de guarda

Nessa modalidade de treinamento, o cachorro é ensinado a atacar segundo o comando de seu tutor. É muito importante que os responsáveis pelo cão participem do treinamento para que possam controlar o animal em casa.

Como aplicar o método Adestramento Inteligente

Como já dissemos, o Adestramento Inteligente se baseia no reforço positivo do comportamento do animal. Portanto, sempre que seu animal realizar uma ação da forma como deseja, ele será recompensado.

E o que pode ser considerada uma recompensa? Isso varia muito de animal para animal e de acordo com as situações, mas geralmente são elogios, carinho, brinquedo, petiscos e passeios.

Nenhum tipo de violência é admitido durante o Adestramento Inteligente, nem mesmo quando o animal age de forma indesejada. Ações repreensivas não resolvem o comportamento negativo e podem fazer com que o animal desenvolva uma personalidade agressiva. As recompensas, ao contrário, estimulam o aprendizado, deixam o pet mais feliz e geram uma relação de afeto com o tutor.

Quando o animal tiver um comportamento indesejado, você deve repreender imediatamente, mas sem agredi-lo ou assustá-lo. Falar um “não” firme ou utilizar um objeto que faça barulho quando ele estiver fazendo algo errado, ignorar o animal quando ele começar a se exceder em alguma brincadeira ou então aplicar uma substância com gosto amargo no pé do sofá para que ele não roa, são exemplos de como repreender o bichinho sem agredi-lo.

Um dos fundamentos do Adestramento Inteligente é a paciência. Ser paciente é fundamental para o sucesso do treinamento, pois para que o animal aprenda um truque, como agir ou o que não fazer, você precisará repetir várias vezes a ação e dar a recompensa (ou repreender o comportamento).

Quem deve aplicar o método?

Com um pouco de conhecimento sobre o comportamento animal e a metodologia de Adestramento Inteligente, qualquer pessoa pode treinar um bichinho. Entretanto, o ideal é adestrar o animal com profissionais especializados que tenham uma ampla experiência, desta forma os resultados tendem a ser mais positivos e duradouros.

Por isso, recomendamos sempre que os interessados em adestrar seus animais busquem adestradores qualificados, com boas referências e experiência comprovada na área.

Quanto tempo leva para o cachorro ser adestrado?

Para definir por quanto tempo um animal precisa ser adestrado, uma série de fatores precisam ser avaliados por um especialista. O tempo para que o cão seja bem treinado varia muito de caso a caso. Por isso, agende uma visita gratuita, converse com um de nossos adestradores e saiba mais sobre nosso método e planos.

Quanto custa adestrar um cachorro?

Adestrar seu cachorro pode ser considerado um investimento. Além de você evitar comportamentos negativos (como medo excessivo ou agressividade) que podem resultar em danos físicos tanto para sua família quanto para o animal, um pet bem treinado também causa menos prejuízos em sua casa. Isso porque, ele aprenderá, desde pequeno, que não pode fazer xixi fora do lugar, roer móveis ou estraçalhar outros objetos que não sejam os seus brinquedos.

Na Cão Cidadão, o serviço de adestramento é cobrado por aula, de 40 minutos cada, independentemente do número de cachorros a serem treinados. Nossos planos têm custo a partir de R$ 93 por aula. Para mais detalhes, clique aqui.

Como escolher a melhor opção de adestramento para o meu animal?

Para que você e seu animal tenham a melhor experiência possível no processo de adestramento, alguns pontos devem ser observados antes de contratar esse serviço:

Referências do profissional

Antes de contratar um adestrador, se informe sobre esse profissional e busque referências. Procure saber se ele possui formação na área, quantos anos de experiência ele já tem, se ele está atualizado em relação às técnicas mais modernas de treinamento etc.

Método a ser utilizado no adestramento

Existem diversos métodos para o adestramento de animais. Procure saber qual é o utilizado pelo profissional que você deseja contratar e avalie se será confortável para você e seu bichinho.

Participação do tutor nos treinamentos

A participação do tutor durante o processo de treinamento do animal é muito importante, afinal, desenvolver uma boa relação entre o bichinho e seu tutor é um dos objetivos do adestramento. O profissional deve ensinar o responsável a como educar o pet e incentivá-lo a reconhecer a sua liderança. Dessa forma, estimulará a criação de laços de afeto e respeito que durarão por toda a vida.

Além disso, o responsável pelo animal e deve supervisionar o trabalho feito pelo adestrador para garantir que ele está sendo tratado de forma adequada.

Como agir caso encontre um cachorro abandonado

Como agir caso encontre um cachorro abandonado

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que no Brasil exista aproximadamente 20 milhões de cães abandonados vivendo nas ruas. Essa realidade é muito triste e que mexe demais com as pessoas que são apaixonadas por bichos. Muitas vezes, ao encontrar um cachorro abandonado, pensamos: como podemos ajudar esse animalzinho? Para te ajudar em momentos como esse, a Cão Cidadão preparou algumas dicas. Confira.

Primeiro passo: Tire o cachorro da situação de risco

Ao encontrar um animal abandonado e tentar ajudá-lo, a primeira coisa que devemos fazer é tirá-lo da situação de risco em que se encontra. Na rua, ele corre o risco de ser atropelado, sofrer alguma forma de violência ou contrair uma doença.

Aproxime-se do cachorro com cuidado, para evitar ser mordido ou arranhado, e fale de forma afetuosa para conquistar a confiança dele. Você também pode oferecer comida para que ele se aproxime de você.

Passo dois: Verifique se ele possui algum tipo de identificação

Quando o animal permitir que você se aproxime com segurança, tente verificar se ele usa coleira com plaquinha de identificação. Muitas vezes, um cachorro vagando na rua sozinho não é um cão abandonado, mas sim um animalzinho perdido, que está sendo procurado pela família.

Passo três: Leve o cachorro ao veterinário

Ao resgatar um animal perdido ou abandonado, antes de permitir que ele tenha contato com outros animais saudáveis ou com sua família, é muito importante levá-lo a um veterinário para que o profissional verifique se ele não possui nenhuma doença ou ferimento que precise ser tratado.

Além disso, o veterinário pode ainda verificar se ele possui algum chip de identificação, o que irá facilitar muito o contato com os donos do animal.

Passo quatro: Decida o que fazer com o animal

Agora que você já tirou o animal da rua, se assegurou que ele está em boas condições de saúde é hora de pensar sobre o que fazer com o cachorro. Cada caso é um caso e por isso, iremos apresentar diversas opções:

1) Se o animal tiver plaquinha de identificação ou microchip

Caso o animal esteja identificado, você deverá entrar em contato com os donos dos animais. Combine com eles a melhor forma para que você possa entregar o animal de volta a sua família de origem.

E lembre-se: cuidado com a sua segurança. Marque o encontro, se possível, em um lugar público e vá acompanhado.

2) Se o animal não estiver identificado

Quando o animal não possui identificação, antes de qualquer coisa, você deve tentar buscar o verdadeiro dono do cachorro. Para isso, você pode:

  • Divulgar fotos do animal no bairro onde ele foi encontrado e em regiões próximas, informando dia e local onde você o achou e um telefone, e-mail ou outra forma de contato. Uma dica muito legal é ir em clínicas veterinárias e pet shops da região para verificar se alguém conhece esse animal ou se eles sabem de uma pessoa que perdeu o bichinho recentemente.
  • Divulgar imagens do cãozinho em suas redes sociais e pedir para seus conhecidos compartilharem essa postagem. Divulgue essa informação também em grupos de moradores da região.

Caso apareçam pessoas afirmando serem os donos do animal, não se esqueça de garantir sua segurança. Marque o encontro para a entrega do cachorro em lugar público e vá, de preferência, acompanhado ao local.

E, atenção: antes de entregar o cachorro para a primeira pessoa que aparecer se dizendo ser a dona, tente verificar esse fato pedindo fotos dela com o animal e sua família. Avalie também a reação do bichinho ao reencontrar o suposto dono.

O que fazer caso você não encontre o dono do cachorro?

Se você não tiver sucesso em encontrar o verdadeiro dono do animal, é hora de tomar outra decisão: ficar com o bichinho para você ou entregá-lo para adoção.

Caso você decida ficar com o bichinho, tenha certeza de que ele ficará confortável em sua casa, se adapte bem a sua rotina e de sua família e que terá todos os cuidados necessários para garantir sua saúde e bem-estar até sua velhice. E, para te ajudar nesse processo, a Cão Cidadão tem um material com tudo o que você precisa saber antes de adotar um animal.

Porém, se você não puder ou quiser manter o animal, você pode entrar em contato com instituições que acolhem bichinhos abandonados para que eles possam te orientar e ajudar a encontrar uma nova família para o cachorrinho. A Cão Cidadão é parceira de algumas ONGs que realizam esse trabalho em diversas cidades do Brasil. Confira aqui a lista.

Dicas para facilitar que seu cachorro seja encontrado caso ele fuja

Uma pequena distração, um momento de descuido e pronto: seu animalzinho de estimação saiu de casa sem você ver e agora você precisa encontrá-lo. O que você pode fazer para facilitar essa busca e que ele volte para você são e salvo? Confira algumas dicas:

1. Sempre use algum tipo de identificação no animal. Pode ser uma coleira com uma plaquinha com o nome e telefone e/ou um chip com os dados do bichinho e os seus. O importante é que ele esteja identificado o tempo todo, mesmo dentro de casa. Assim, caso aconteça algum imprevisto, será muito mais fácil você conseguir reaver seu amiguinho;

2. Assim que você perceber que seu cachorro fugiu, inicie as buscas imediatamente. Procure nas proximidades do local de desaparecimento. Nessa hora, tente chama-lo pelo nome, assoviar, fazer barulho com o pote de ração ou com o brinquedo que ele mais gosta;

3. Converse com seus vizinhos, funcionários de comércios locais, porteiros de prédios dos arredores, pessoas na rua. Pergunte se eles viram um cachorro como o seu pela região – leve uma foto do bichinho para ajudar no reconhecimento;

4. Espalhe cartazes com fotos e informações sobre o cachorro nos arredores de onde ele desapareceu. Peça para colar cartazes em lojas, clínicas veterinárias e pet shops da região;

5. Divulgue a informação do desaparecimento do seu cãozinho nas redes sociais e peça para seus contatos compartilharem;

6. Procure o centro de zoonoses de sua região. Muitos animais são recolhidos e levados para esses locais.

Gostou desse conteúdo? Não perca nenhuma publicação da Cão Cidadão! Assine nossa newsletter.

Cachorro que fica sozinho: saiba o que fazer e o que evitar

Cachorro que fica sozinho: saiba o que fazer e o que evitar

Uma das maiores preocupações de donos de cachorros é garantir que os bichinhos fiquem bem durante os períodos que precisam ficar sozinhos. Entretanto, por mais que os tutores tentem assegurar o bem estar dos animais nesses momentos, alguns cães acabam sofrendo mais com a solidão do que outros e podem desenvolver comportamentos indesejados e prejudiciais.

Esse é um problema muito comum e que, com algumas atitudes simples, pode ser facilmente solucionado. Confira neste artigo algumas dicas.

O que é ansiedade de separação?

Se você passa muitas horas fora de casa e tem observado alguns comportamentos diferentes em seu cachorro – como empolgação exagerada quando você volta para casa, excesso de latidos, xixi e cocô fora de lugar, aumento da destruição de objetos, ou até mesmo apatia, falta de apetite e automutilação – isso pode ser sinal de que seu bichinho está sofrendo de ansiedade de separação.

Como os cães são seres sociais, eles desenvolvem fortes laços afetivos com o grupo ou indivíduo com o qual vivem. Essa é uma das características que os tornam tão amigos dos homens. Porém, algumas vezes os animais acabam desenvolvendo uma dependência muito forte de seus donos, o que pode ser prejudicial tanto para o cachorro quanto para o tutor.

Essa dependência prejudicial pode se desenvolver por diversos motivos. Algumas raças, por exemplo, têm mais tendência a se tornarem excessivamente apegadas a seus donos do que outras. Se você tem um estilo de vida que te obriga a ficar muitas horas fora de casa, é recomendado que, antes de adotar ou comprar um cachorro, se informe e busque por animais que sejam mais independentes. Algumas raças que costumam ter esse tipo de comportamento são: fox paulistinha, beagle, schnauzer e pug.

Outro fator que colabora para o desenvolvimento da ansiedade de separação é a forma como criamos o animal. Muitas pessoas se sentem tão culpadas por ter que sair por longos períodos de casa e deixar o cachorro sozinho que fazem uma longa cena de despedida antes de sair e uma enorme festa quando voltam. Porém, esse comportamento dos humanos é um dos principais fatores que levam os cães a desenvolverem a ansiedade de separação.

Esse tipo de atitude faz com que o animal entenda o momento da separação como algo que pode ser ruim, tanto para ele quanto para o humano, pois ele sente sua tristeza e preocupação. Sendo assim, ele passa a desejar que o dono não saia de casa. Além disso, ao voltar e dar atenção excessiva ao cachorro você está ensinando ao animal que aquele é o melhor momento do dia para ele, no qual você oferece petiscos e faz muito carinho. Dessa forma, o bichinho passa a esperar ansiosamente pela volta do tutor, o que acaba sendo um problema.

Além disso, a falta de estímulos para ele brincar enquanto está sozinho também colabora para que ele desenvolva a ansiedade de separação. Se você não oferece um ambiente rico ao animal em sua casa quando não está presente, como brinquedos, dispensers de petiscos e etc., a chance de cãozinho ficar entendiado é muito grande e isso aumenta a probabilidade dele desenvolver comportamentos indesejados.

Como acostumar o cachorro a ficar bem quando está sozinho?

1. Treine deixá-lo sozinho aos poucos

Se você já sabe que seu cachorro irá precisar se acostumar a ficar sozinho por longos períodos, uma maneira de amenizar esse problema é treinando-o desde pequeno para aprender a lidar com essa situação.

Você pode fazer isso oferecendo um brinquedo ou ossinho. Quando ele estiver entretido, vá para outro cômodo da casa e deixe-o um tempo brincando sozinho. Volte depois de alguns minutos e aja naturalmente, sem fazer grandes festas para ele entender esses momentos como normais.

Alguns animais ficam ansiosos quando notam algum estímulo comum ligado a sua saída – como calçar o sapato ou mexer nas chaves. Para deixá-lo calmo durante esses momentos, também vale treinar o cachorro para se acostumar com essas situações. Então, você pode calçar o sapato ou fazer barulho com a chave e continuar na casa normalmente. Assim que perceber que o cachorro está distraído, deixe ele um tempo sozinho e volte. Repita esse processo algumas vezes. Com o tempo ele entenderá que essas são ações normais, que não representam um problema.

2. Aumente a atividade física

Insira na sua rotina e na do animal a prática de atividades físicas antes de você sair de casa – seja um passeio longo ou uma brincadeira intensa. Assim, o cachorro estará com a energia mais baixa quando estiver sozinho, o que diminuirá a sensação de ansiedade para a sua volta.

3. Prepare o ambiente para a sua saída

Ao invés de fazer uma cena triste antes de sair de casa, torne sua ausência algo legal para o cachorro. Espalhe petiscos pela casa para que ele brinque de caça ao tesouro e deixe os brinquedos preferidos à disposição. Tente sair quando ele estiver distraído e de forma natural.

4. Volte para casa sem fazer festa

Ao voltar para casa depois de um período fora, segure a vontade de fazer uma festa com o cãozinho. Evite dar muita atenção ao animal enquanto ele estiver muito agitado. Aja como se nada estivesse acontecendo e só depois que o cachorro se acalmar dê atenção para ele.

Com o tempo e paciência, seu cachorro irá entender que não precisa ficar desesperado quando você não está junto a ele e poderá até gostar de passar um tempo sozinho.

Caso você prefira, você pode optar por deixar seu animal em uma creche para cachorros, que são locais onde os bichinhos passam um ou dois dias por semana, brincando e interagindo com outros animais.

Em casos muito graves de sofrimento por ansiedade de separação, converse com seu veterinário e ele poderá indicar alguma medicação para acalmar o cãozinho.

Além disso, você pode contar com a ajuda de um adestrador profissional para acostumar o cachorro a ficar mais tranquilo nos momentos que precisa estar só. Se você precisa de ajuda, entre em contato com a Cão Cidadão e agende uma primeira aula gratuita com um de nossos profissionais e saiba mais sobre nosso método e planos.

Como os cachorros entendem nossos sentimentos?

Como os cachorros entendem nossos sentimentos?

Para os tutores de cachorros não há dúvidas: os cães são capazes de entender nossos sentimentos e emoções. Porém, é realmente possível afirmarmos isso? De acordo com algumas pesquisas já realizadas, sim.

Cada vez mais estudos têm comprovado que os cães realmente têm habilidades para compreender as emoções humanas. Para isso, eles utilizam seus sentidos. Entenda como esse fenômeno ocorre.

Como os cachorros são capazes de entender os sentimentos humanos?

Segundo pesquisas realizadas, os cães usam seus sentidos para compreender como os humanos se sentem. De acordo com um estudo realizado na Hungria, por exemplo, os cientistas descobriram que os cachorros conseguem, ao escutar sons de choro e risada de seres humanos, diferenciar essas emoções e como nos sentimos.

Além disso, outro estudo, desta vez realizado em Viena, indica que os cachorros também conseguem saber se estamos felizes ou tristes só ao observar as nossas expressões faciais.

Por que a relação entre humanos e cães é tão forte?

A relação entre humanos e cães existe desde muito tempo. Muito antes dos humanos aprenderem a plantar, antes deles começarem a se estabelecer em um só lugar, quando eram caçadores nômades, homens e cães já se relacionavam.

Há muitos anos cientistas tentam entender como essa relação começou: se foram os homens que domesticaram os cães ou se os cachorros que se aproximaram dos humanos para conseguirem alimento e outras mordomias com mais facilidade.  Devido a essa dúvida, alguns cientistas questionam o sentimento de amor e lealdade que o melhor amigo do homem tem em relação ao seu dono.

A resposta definitiva para esses questionamentos a ciência ainda não tem, mas estudos comprovam que os cães, assim como os humanos, produzem um hormônio chamado oxitocina, também conhecido como o hormônio do amor, quando passam cerca de 10 minutos juntos. Além disso, também se sabe que, ao sentirem cheiros que tenham relação com seus donos, os cachorros experimentam sensações de bem estar.

Ou seja, essas pesquisas mostram que, não importa o que levou cães e homens a começarem a se relacionar no passado, hoje em dia os cachorros sentem, de fato, amor por seus donos e nutrem por eles um forte sentimento de lealdade.

Como entender os sentimentos do seu cão?

Bom, já que nossos animaizinhos são tão atenciosos e buscam entender o que estamos sentindo, como nós humanos podemos retribuir e também compreender as emoções de nossos cães? Veja como a seguir:

Felicidade

Além de abanar o rabo quando estão contentes, você sabia que os cachorros podem rir? Uma pesquisa da Universidade de Serra Nevada descobriu que, ao brincar, algumas vezes os cães respiram e exalam o ar de forma diferente do normal. Ao reproduzir esse som para outros cachorros, eles ficavam mais dispostos a brincar.

Vergonha

No geral, os donos quase sempre sabem quando seus cachorros fizeram algo errado ao observarem a postura dos animais: cabeça baixa, rabo entre as patas, olhar triste, etc. Geralmente, associamos esse comportamento ao sentimento de culpa ou de vergonha.

Porém, essa postura indica submissão, que muitas vezes ocorro por ansiedade e medo de ser repreendido. Com essa atitude, o cachorro tenta te deixar mais calmo demonstrando que irá te obedecer.

Tristeza

Quando os cães ficam muito tristes, em uma situação de luto, por exemplo, eles demonstram sua emoção nos seguintes comportamentos: perda de apetite; apatia; muito ou pouco sono; ansiedade.

Ao conhecer e entende melhor seu cão, a relação entre vocês dois tende a se tornar muito mais forte e melhor.

Para não perder nada do que publicamos por aqui, assine nossa newsletter e receba nosso conteúdo direto em sua caixa de e-mail.

Seu cachorro é possessivo? Saiba como lidar

Seu cachorro é possessivo? Saiba como lidar

Em muitos momentos, seu cãozinho é dócil, carinhoso, bem comportado e brincalhão. Porém, é só uma pessoa ou outro animal chegar perto do seu brinquedo favorito, comida ou de algum membro de sua família que ele se torna agressivo. Ele rosna, late, avança e até mesmo ataca quando sente que alguém pode querer tirar algo dele, seja um objeto ou até mesmo a atenção de uma pessoa. Todos esses comportamentos caracterizam um cachorro possessivo.

Diversos aspectos podem levar um animal a desenvolver sentimentos excessivos de posse, desde a forma como foi feita a sociabilização do filhote até fatores genéticos. Mas, com dedicação e paciência, é possível corrigir e evitar esse tipo de comportamento.

Confira a seguir os motivos que levam um cachorro a ser tornar possessivo e como resolver esse problema.

Razões que podem tornar um cachorro possessivo

O comportamento possessivo dos cachorros tem origem em seus ancestrais. Quando viviam livres na natureza, os cães precisavam defender seu território e alimentos de outros predadores para conseguirem sobreviver. Sendo assim, uma das razões da possessividade de um animal tem origem genética. Desde filhote, é possível notar que alguns cãezinhos da ninhada são mais dominantes ou submissos, mais medrosos ou mais curiosos, mais possessivos ou mais sociáveis.

Algumas raças também são mais propensas a terem cachorros possessivos, como golden retriever, jack russell, rottweiler, cocker spaniel e – talvez a raça mais ciumenta de todas – pinscher.

Outro fator que pode estimular o sentimento de posse no cão é a forma como criamos nossos animais. Por exemplo, se o cachorro rosna quando você chega perto de um brinquedo e você se afasta, ele pode entender que com esse comportamento ele irá evitar que alguém tire o objeto dele. Com isso, ele passa a reproduzir esse comportamento cada vez mais, intensificando sua agressividade.

Como evitar que seu cachorro seja possessivo?

A melhor forma de evitar que seu cachorro se torne um animal possessivo é o educando desde cedo e inibindo esses comportamentos desagradáveis.

Um bom treino – que serve tanto para filhotes quanto adultos – é oferecer um petisco para o animal sempre que ele estiver com um osso ou um brinquedo. Jogue o petisco perto do cachorro quando ele estiver relaxado e tranquilo ao comer ou brincar, em algum momento que ele não rosne ou reaja negativamente a sua aproximação. Não demonstre que você está interessado no objeto que está em posse do cãozinho. Com isso, ele passará a associar a aproximação de outras pessoas como algo agradável, natural, que não representa ameaça.

Não tente retirar, à força, o objeto do cachorro quando ele está desconfiado. Isso apenas aumentará a insegurança do animal e pode piorar o problema (você pode até levar uma mordida).

Para inibir a possessividade em relação a um membro de sua família, você pode utilizar a mesma técnica. Ao se aproximar da pessoa de quem ele tem ciúmes, ofereça um petisco quando ele estiver tranquilo. De forma gradativa, aproxime-se mais e mais. Desse jeito ele irá compreender que você não representa riscos.

É importante tomar bastante cuidado sempre que for tentar educar um cachorro possessivo, pois eles podem se tornar agressivos de uma hora para outra e acabar te machucando gravemente. Preze sempre pela segurança. Caso precise de ajuda profissional para solucionar esse problema, entre em contato com a Cão Cidadão e agende uma visita gratuita. Nossos profissionais são capacitados e ficarão felizes em ajudar a melhorar sua relação com o seu bichinho.