Aventuras com os gatos

Photo credit: BAOCHUN.S / Foter / CC BY-SA
Photo credit: BAOCHUN.S / Foter / CC BY-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Tenho verdadeira paixão por gatos. Acho que o meu interesse por diversas espécies de felinos me ajudou a conhecer mais profundamente o gato doméstico. Muitos dos seus comportamentos, bem como a verdadeira natureza felina, só são realmente compreendidos quando conhecemos e estudamos a estratégia de sobrevivência dos parentes selvagens. Neste artigo irei compartilhar algumas das minhas experiências com felinos.

Jaguatirica mansinha, só no filme Tainá II A jaguatirica Shiva ainda era filhote quando fez o papel de bichinho de estimação de uma indiazinha no filme Tainá II. Mas era extremamente agressiva e, de acordo com o roteiro, tinha que aparentar ser supermansa. Depois de algumas semanas de desespero total, pois não estavam conseguindo fazer nenhuma cena com ela, chamaram-me para amansá-la. Aceitei o trabalho e conseguimos fazer todas as cenas previstas no roteiro, mas Shiva continuou ranzinza e agressiva. Aprendi a identificar os estados de humor dela e, assim, eu conseguia avisar a indiazinha sobre quando podia passar a mão na jaguatirica e dar beijinhos, como fazê-lo e quando parar. Mas, se a indiazinha não interrompesse os carinhos no exato momento da minha recomendação, eu pulava como se fosse um goleiro defendendo o gol e tirava a jaguatirica de perto. A felina mastigava a minha mão e me arranhava inteiro. Uma vez ela resolveu levar para a casinha dela a minha mão e dormir com ela na boca, enquanto uma poça de sangue se formava logo embaixo. Eu não conseguia acreditar. Não sabia se chorava ou se dava risada. Apesar do mau humor de Shiva, procuramos tratá-la sempre com muito respeito. Afinal, esse é o nosso dever.

Tigres na Tailândia Enquanto estive na Tailândia, fui conhecer os bastidores de parques de conservação e zoológicos. Grande parte dos turistas volta para casa com a idéia de que filhotinhos de tigre são mansos. Para comprovar o que dizem, carregam uma foto deles mesmos dando mamadeira ao filhote. Pura ilusão. Os funcionários do parque sabem que o filhotinho só não representa perigo para o turista enquanto toma mamadeira. Começam a dá-la com o maior cuidado e antes de o filhote tomar tudo, o colocam rapidamente no colo do turista, batem as fotos e o retiram. A coisa é tensa, mas o turista nem percebe. Cheguei a ouvir comentários do tipo: “Pena que tem tanta gente para tirar foto, pois eu gostaria de continuar abraçando este bebezinho…”

Leões na África Tive a oportunidade de acompanhar uma pesquisa sobre alimentação dos leões na África do Sul por muitos dias e me deparei com algumas cenas interessantíssimas e chocantes. Num dos grupos de leões, houve uma mudança de líder e todos os filhotes do antigo líder foram mortos pelo novo. Foi uma cena horrível, pois algumas mães tentaram arduamente defender suas crias. A explicação é que o macho, ao fazer isso, em pouco tempo consegue deixar um grande número de descendentes. As fêmeas, quando ficam sem filhotes, entram logo no cio e cruzam com o novo líder, que será desta vez o pai dos novos filhotes produzidos!

Promiscuidade na Inglaterra Também acompanhei uma pesquisa científica na Inglaterra que testou a paternidade de diversos filhotes de gatos domésticos que viviam com seus proprietários. Para surpresa dos pesquisadores e, mais ainda, dos proprietários dos gatos, os filhotes geralmente não eram do gato macho que vivia na casa. Grande parte das fêmeas tinha se acasalado com um macho vindo de outra casa, na maioria das vezes sem que o proprietário da fêmea notasse. A explicação dos cientistas foi que as fêmeas, intuitivamente, procuravam aumentar a diversidade genética com machos de outro grupo, além de procurar machos mais ousados, com condições de invadir o território alheio.

Zoológico de Lisboa Ao visitar o Zôo de Lisboa, há uns 5 anos, notei que a maioria dos felinos apresentava comportamentos estereotipados ou compulsivos. Por falta de espaço e de atividades para desenvolver, os animais ficavam andando de um lado para outro, exatamente da mesma forma. Cheguei a gravar essas cenas por horas em fitas e fiquei impressionado ao assistir a elas: quando as adiantava, via os animais repetindo os comportamentos exatamente da mesma forma, inclusive as levantadas de perna e as sacudidas de cabeça. Uso essas imagens para demonstrar como é importante cuidarmos da qualidade dos recintos dos felinos, incluindo aí as nossas casas. Espero que os recintos do Zôo de Lisboa já tenham sido melhorados.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn