Como aproximar gatos que brigam

Photo credit: Paul Anglada / Foter / CC BY-NC-SA
Photo credit: Paul Anglada / Foter / CC BY-NC-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Princípio da amizade
A lógica do comportamento dos gatos é simples: para serem amigos, um precisa proporcionar vantagens ao outro. Essas vantagens podem ser em forma de lambidas, de alimentos, de carinhos, de aconchego para dormir e até de brincadeiras. Mas há um problema: o gato vê instintivamente seus similares como possíveis fontes de disputas nas áreas de alimentação, sexo e território. Por esse motivo, quem quer aproximar dois gatos precisa ter o objetivo de transformar um possível “competidor” em um “amigo”.

Princípio da tolerância
É bastante comum os gatos simplesmente se tolerarem, sem nunca ficarem “amigos”. Para isso acontecer, basta que um não dê sustos no outro, nem o deixe temeroso de ser expulso facilmente do território. Nesse tipo de relacionamento acontecem pequenos desentendimentos, como quando um chega muito perto do outro e recebe algumas patadas, mas sem perseguições constantes, daquelas que levam um felino a se esconder do outro por grande parte do tempo.

Técnicas de aproximação
Há dicas específicas para reaproximar gatos que tiveram de ser separados, seja por uma briga séria ou apenas por desentendimento.

Durante o trabalho de aproximação, é preciso fazer o gato agressor perceber que não tem poder para afastar o “rival” de seu território e o outro gato compreender que não precisa fugir para não ser atacado. A melhor maneira de fazer isso e de não prejudicar o sucesso da aproximação, evitando sustos e outras sensações desagradáveis, é colocar o gato mais medroso numa caixa de transporte ou numa gaiola à qual esteja acostumado. Com esse cuidado, protegemos o felino menos agressivo e menos corajoso de ser assustado ou afastado por possíveis ataques do outro gato. Impedimos, também, que o gato atacado fuja, o que seria visto como uma “recompensa” pelo agressor e motivaria repetições futuras do gesto.

É preciso também fazer o gato agressor perceber que não deve chegar muito perto da caixa de transporte ou da gaiola. Se ele se aproximar demais ou mostrar clara intenção de atacar, será punido com um spray de água ou de ar comprimido direcionado ao seu focinho (costumo utilizar bombinha de CO2, de encher pneu de bicicleta).

Proporcionar bons momentos aos gatos quando estão próximos é fundamental para que os associem à proximidade entre eles. Alimentá-los nessas ocasiões é uma ótima estratégia. Mas é comum que em situações de estresse os gatos percam um pouco de apetite. Por isso, convém que, ao servi-los, estejam sem comer há algumas horas. Ou, então, podem-se dar petiscos que considerem maravilhosos e que não rejeitem por falta de apetite. Caso aceitem comer, deverão receber também carinho e brinquedos.

Duração e freqüência do exercício
As tentativas de aproximação poderão ser feitas diversas vezes por dia ou apenas algumas vezes por semana, dependendo do tempo disponível. O importante é que toda vez que os gatos se encontrem recebam coisas gostosas e sejam totalmente impedidos de brigar ou de um afugentar o outro. É preciso, ainda, manter-se atento para não estressá-los demais. Assim, em pouco tempo, as aproximações poderão se tornar um evento agradável para eles e deixá-los à espera do próximo encontro.

Finalmente soltos juntos
Só devemos deixar dois gatos soltos juntos quando tivermos segurança de que não brigarão. Isso acontecerá quando conseguirmos que eles se alimentem um perto do outro, sem demonstrar estresse ou agressividade, estando um do lado de dentro da caixa de transporte ou gaiola e o outro, do lado de fora. Ao soltá-los, fique preparado para inibir prontamente qualquer confronto provocado pelo “agressor”. Só deixe os dois sozinhos depois de terem permanecido soltos juntos, várias vezes, sem brigas nem agressões.

Modere suas expectativas
O procedimento de aproximação gradativa é o mais seguro e eficiente que conheço, mas pode levar meses para chegar ao fim, dependendo dos gatos envolvidos. Em alguns casos, o equilíbrio das relações precisará de uma contínua influência humana para a hostilidade não voltar com o tempo. E se a aproximação não evoluir, criam-se dois ou mais grupos de gatos que se tolerem naturalmente ou que sejam amigos.

Linguagem dos gatos

Photo credit: austinpaulwhite / Foter / CC BY
Photo credit: austinpaulwhite / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Os gatos têm uma linguagem própria, com propósitos que vão desde atrair parceiros sexuais até afugentar outros gatos. Entendê-la é importante para uma melhor compreensão do comportamento felino. Grande parte desses sinais fica no ambiente. São cheiros e arranhaduras que outros gatos podem “ler” sem ter que encontrar o gato que os deixou. Alguns autores comparam esses sinais com bilhetes que pessoas trocam entre si, sem precisar se encontrar.

Linguagem aprendida

Os gatos aprendem a se comunicar com seus donos e demais animais da casa. Podem desenvolver sinais e comportamentos para mostrar o que desejam. É o caso do gato que mia e corre para perto do armário onde estão os petiscos ou que rodeia o prato de ração quando quer comer. Esse tipo de comunicação é aprendido e se desenvolve muito mais quando existe grande interação com as pessoas da casa, principalmente se forem bastante atentas ao gato.

Linguagem “instintiva”

Diversos comportamentos comunicativos não são aprendidos. Independem de qualquer condicionamento ou da observação de outros gatos. Mas nem todos são exibidos desde filhote. Alguns só surgem depois de determinada idade. Outros, na falta de estímulo, podem nunca se manifestar.

No caso da linguagem “instintiva”, é possível criar uma espécie de dicionário para entender o que o gato diz, ao contrário do que acontece com a linguagem aprendida, que pode se desenvolver de modo diferente em cada gato. Possivelmente, só quem convive com o felino saberá exatamente o que ele quer comunicar.

Dicionário felino

À medida que os estudos de etologia felina se aprofundam, mais comportamentos comunicativos são decifrados e adicionados ao “dicionário felino”. Descrevo alguns:

Mordida – Gatos podem morder para demonstrar afeto, agredir ou brincar. A mordida de afeto costuma ser a mais delicada. Ocorre enquanto o gato recebe carinho ou sente prazer com a companhia humana ou felina. Já a mordida por brincadeira é um treino para briga ou caça, mas sua intensidade sinaliza que a intenção não é machucar. A força dessa mordida muitas vezes precisa ser controlada, já que alguns gatos acabam por morder forte demais outros gatos ou humanos.

Comunicação vocal – Os gatos emitem dezenas de sons com diferentes significados. Existem os de “agradecimento”, de chamado, de frustração, de ansiedade, de aviso para não se aproximar, etc. Com esses sons, uma gata pode avisar seus filhotes para se esconderem ou se aproximarem dela, evitando assim ataques de outros animais. Os sons também podem indicar prazer, como acontece quando o gato ronrona ao mamar ou ao receber carinho. Dependendo da vocalização, o gato consegue evitar que outros gatos ou animais se aproximem demais, como ocorre no caso do “rosnado”.

Comunicação postural – Pelas variações de postura, podemos interpretar as emoções e intenções do gato. Esfregar a cabeça em outro gato ou pessoa demonstra afeto, além de ser uma demarcação com cheiros específicos presentes na cabeça do felino. Quando ele se arrepia, parece maior do que realmente é, comportamento adotado para se defender de um cão, por exemplo. Abaixar a cabeça e ficar com as patas traseiras bem apoiadas, prontas para saltar, pode sinalizar o início de uma brincadeira, já que essa posição antecede um bote. Durante uma briga ou uma brincadeira agressiva, é comum o gato dobrar as orelhas, rente à cabeça. Isso impede que sejam machucadas pelo adversário ou presa.

Comunicação por demarcação – O gato tem glândulas nas regiões da boca, das orelhas e do ânus que produzem odores específicos. Com o uso desses cheiros, ele consegue deixar sua “assinatura” nas pessoas, animais e objetos. Os odores têm a capacidade de mudar o estado psicológico de outros gatos. Tanto que alguns desses odores são produzidos e comercializados com o intuito de acalmar gatos estressados e evitar que eles demarquem móveis e outros objetos com urina. Nessa demarcação, a urina é espirrada para trás, normalmente em superfícies verticais. Os machos não castrados são os que mais demarcam o ambiente dessa maneira, mas as fêmeas também o fazem. Existe também a demarcação com fezes. Alguns gatos deixam as fezes descobertas em pontos estratégicos. Avisam, assim, a “concorrência” de que estão na área e que a região deve ser evitada.

Gatos também podem deixar demarcações visuais. Por meio de arranhaduras, demarcam objetos e, ao mesmo tempo, removem de suas garras pedaços soltos de unha e praticam uma espécie de alongamento.

Gato: fim do medo do veterinário

Photo credit: Paul Rysz / Foter / CC BY
Photo credit: Paul Rysz / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Muitos gatos desenvolvem pavor de ir ao veterinário. Saiba como conseguir que eles se estressem menos nessas visitas

Exames comprometidos
Fica difícil dar bom tratamento a um gato com pavor de veterinário. Manuseá-lo e analisá-lo torna-se quase impossível. O pânico modifica os batimentos cardíacos, muda a freqüência da respiração e até altera o resultado de alguns exames de sangue.

Pavor perigoso
Nas campanhas gratuitas de vacinação, quando um gato é levado num saco por estar apavorado, costuma-se fazer a aplicação sem tirá-lo de lá, de tão difícil que é segurá-lo. É o jeito para evitar que escape ou morda e arranhe seriamente as pessoas, agitação que acabaria por deixar o felino ainda mais estressado.

Medo por associação
O sufoco pode começar antes da chegada à clínica, com o gato escondido, arisco e agressivo ainda quando está em casa. Isso acontece se ele associar com consulta veterinária os preparativos para a partida ou a caixa de transporte.

Motivos do pavor
Para grande parte dos gatos, perder o controle sobre o ambiente ou sobre uma situação é suficiente para entrar em pânico. O felino fica ainda mais assustado se for submetido a um procedimento que julgue perigoso, em ambiente não familiar. E o sofrimento dele aumenta com a dificuldade causada para ser segurado pelo médico-veterinário.

Situação ideal
As consultas veterinárias deveriam proporcionar momentos agradáveis e não de tortura para o gato. O ideal é que o proprietário e o veterinário tomem juntos os cuidados para evitar que a consulta cause trauma ou se torne uma experiência negativa para o felino.

Esse procedimento, mesmo que consuma um pouco mais de tempo, faz o gato oferecer menos resistência, o que é uma vantagem, pois permite ao médico-veterinário examiná-lo e tratá-lo melhor.

Alimentação aliada
A comida pode ajudar bastante a acostumar o gato a aceitar as situações diferentes e os procedimentos desagradáveis. Mas, para o alimento se tornar um aliado, será preciso que seja desejado pelo felino. Para intensificar o desejo, precisamos controlar a quantidade de ração que o gato ingere, zelando sempre para não deixá-lo abaixo do peso ideal.

Deixar o gato com comida disponível o dia todo prejudica o treino feito com uso de alimento. Atenção: um gato adulto não deve ser alimentado menos de duas vezes por dia.

Transporte sem medo
Acostume o gato a gostar de entrar na caixa de transporte. Alimente-o lá dentro freqüentemente. Quando ele começar a se enfiar nela espontaneamente, recompense-o com petisco. Aos poucos, comece a simular as etapas de ida para o veterinário. Antes de dar o petisco, simplesmente feche a porta da caixinha com o gato dentro. Na fase seguinte, dê o petisco só depois de erguer a caixa com o gato no seu interior, sacudindo-a levemente. Depois, leve-a para o carro, etc. Evolua etapa por etapa, sempre de maneira gradativa.

Aceitação de novos lugares
Para o gato se acostumar a associar um novo ambiente a uma situação agradável, comece a alimentá-lo em cômodos diferentes da casa. Depois, dê-lhe comida fora de casa, em locais diferentes. Se possível, inclua nessas variantes uma ou mais salas semelhantes às de clínicas veterinárias.

Manipulação por estranho
É possível habituar o gato a ser manejado por uma pessoa desconhecida. Para tanto, comece por segurá-lo firmemente por alguns segundos e recompense-o imediatamente ao soltá-lo. Aos poucos, aumente o tempo de restrição e aproveite para apalpar delicadamente cada pedacinho do corpo dele. Se o gato demonstrar um interesse contínuo pelo alimento oferecido, é sinal de que ele associa o procedimento a algo positivo e de que não está estressado demais.

Ao segurar o gato firmemente, tenha certeza de que não há como ele escapar. Se o gato perceber que existe possibilidade de fuga, ficará mais ansioso e esperneará cada vez mais. Para poder pegá-lo mais facilmente, caso ele saia das suas mãos, deixe-o com um peitoral durante os treinos iniciais. Nessa fase, convém também usar jaqueta jeans, para evitar arranhões nos braços e no peito.

Num estágio mais avançado, o ideal é contar com a ajuda de alguém que saiba segurar gatos corretamente, para verificar se o seu se deixa manusear por diferentes pessoas. Caso isso não ocorra, será preciso acostumá-lo a diferentes manejadores.

Terapia para gatos com ferormônios

Photo credit: ansik / Foter / CC BY
Photo credit: ansik / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Esse novo tipo de terapia, surgido nos últimos anos, tem demonstrado bons resultados apesar de ser ainda pouco conhecido

Renomados comportamentalistas, como Daniel Mills, da Inglaterra, comprovaram cientificamente a eficiência dos ferormônios no tratamento de diversos distúrbios de comportamento, bem como na prevenção do estresse, por exemplo.

O que são?
Ferormônios são odores produzidos por animais, capazes de alterar o comportamento de outros animais à sua volta. Ao sentir medo, o animal pode exalar um odor que deixe o resto do grupo mais atento e estressado. Um ferormônio pode também sincronizar o cio de um grupo de fêmeas e facilitar, assim, aspectos reprodutivos.

Até nós, humanos, somos influenciados por ferormônios. Freqüentemente, mulheres que moram juntas captam o ferormônio uma das outras e menstruam na mesma data. Por funcionar de maneira parecida com um hormônio, mas atuar fora do corpo e em outros organismos, também é chamado de odor social ou de ectohormone (hormônio externo).

Ferormônios sintetizados
Foram identificados treze componentes químicos presentes em odores secretados por gatos, por meio de análises feitas por pesquisadores. Dois desses componentes já são sintetizados artificialmente. Funcionam como ferormônios e são utilizados em terapias. As fórmula comercial que contém o ferormônio F3 chama-se Feliway e a que contém o ferormônio F4 chama-se Felifriend.

Uso prático
Muitos estudos científicos foram feitos para entender melhor o efeito desses ferormônios sobre o gato. As pesquisas mostraram que eles podem ser utilizados para o controle de diversos problemas comportamentais, com a vantagem de não provocar os efeitos colaterais de alguns medicamentos. Podem, também, ser aproveitados em conjunto com terapias comportamentais e medicamentosas. Borrifa-se a substância no ambiente diariamente ou deixa-se que se espalhe por um difusor elétrico, comercializado costumeiramente junto com a substância.

Estresse
Reduzir o estresse parece ser o principal efeito desses ferormônios. Podem ser aproveitados, portanto, para combater diversos problemas de comportamento que resultam de estresse ou o causam.

Um experimento demonstrou que gatos hospitalizados postos em contato com ferormônio voltam a se alimentar normalmente em menos tempo do que os que não têm esse contato. Outro experimento mostra que gatos se adaptam mais rapidamente a locais em que o ferormônio foi borrifado.

Demarcação com urina
Diversos gatos, principalmente os machos não castrados, demarcam objetos da casa com urina. Isso resulta em enorme transtorno, seja pelo dano causado a objetos, seja pelo cheiro de urina que se espalha pela casa. Vários experimentos científicos conduzidos por especialistas concluíram que esses ferormônios reduzem as demarcações com urina em mais de 70% dos casos. Provavelmente porque o ferormônio alivia o estresse do gato e, conseqüentemente, reduz o comportamento agressivo dele ligado à proteção de território.

Móveis arranhados
Móvel borrifado com ferormônio é menos arranhado pelo gato. Mas será preciso borrifar diariamente as superfícies proibidas, até o gato aprender onde pode arranhar e onde não pode. Em outras palavras, o ferormônio facilita o condicionamento correto do animal, de modo que ele passe a arranhar somente locais desejados por nós, como arranhadores, e deixe de arranhar a mobília.

Visitas e desconhecidos
O medo de visitas e de pessoas estranhas pode ser também reduzido nos gatos com o uso de ferormônio. Aplica-se algumas horas antes de receber os amigos, para evitar que o gato fique estressado demais. Nesse caso, o F4 parece ser mais eficaz que o F3.

Brigas
A agressividade entre gatos que vivem juntos também pode diminuir com a ajuda de ferormônio. Mas nem sempre, pois torna alguns gatos ainda mais agressivos com os demais. Não se sabe direito por que isso ocorre, mas talvez esteja relacionado com o aumento da coragem ou, ainda, com o conflito entre informações visuais e olfativas. O gato percebe um cheiro amigável, mas enxerga um inimigo. Esse conflito poderia aumentar a ansiedade e a agressividade dele.

Cheiros e seu efeito sobre o comportamento dos gatos

Photo credit: Takashi(aes256) / Foter / CC BY-SA
Photo credit: Takashi(aes256) / Foter / CC BY-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Pelo conhecimento do efeito que os cheiros têm os gatos, podemos deixar a vida deles mais interessante, corrigir e evitar problemas de comportamento e reduzir o estresse

Os gatos, mesmo os mais domesticados, continuam capazes de perceber cheiros que nem imaginamos e de reagir a eles. Graças a numerosos estudos e observações, temos, hoje, um pouco mais de noção sobre a importância e a influencia dos odores no mundo felino.

Para os gatos, os odores presentes no ambiente possuem uma enorme importância. Ser capaz de detectar um odor e reagir a ele, seja de maneira aprendida, seja instintivamente, pode garantir a sobrevivência, a alimentação e a reprodução.

Efeito do odor na caça
Embora o olfato não seja importante no momento do bote, costuma ser importantíssimo para o gato detectar a presença de um roedor escondido, por exemplo. Ao perceber o cheiro da presa, o felino pode ficar esperando por horas até que ela saia da toca e possa ser capturada. Gatos chegam a detectar por onde um rato andou dias depois do acontecimento.

Para a infelicidade do gato, os ratos também detectam facilmente o cheiro dele. Esse é um dos motivos que fazem os gatos procurar manter-se limpos. Ou até disfarçar seu cheiro, esfregando-se em algo fedido, como carniça. Quando um rato sente cheiro de gato, fica mais ansioso e procura evitar a área. O interessante é que esse medo do cheiro de gatos nos ratos é instintivo, ou seja, o rato, mesmo sem nunca ter encontrado um felino na vida, tem medo do cheiro de gato.

Até mesmo o rato branco de laboratório fica estressado quando se coloca em sua gaiola um pano que foi esfregado num gato. O fato de o cheiro de gato assustar a caça faz com que os gatos abominem ainda mais a invasão de seu território por outros gatos. Se outros gatos ficarem rondando o território, os ratos ficarão menos relaxados, mais cautelosos. Também foi demonstrado que os ratos param de cantar quando percebem cheiro de gato próximo às suas gaiolas (os ratos cantam para atrair fêmeas; só não os ouvimos porque a freqüência do canto é alta demais para os nossos ouvidos).

Detecção de fêmeas no cio
A gata no cio usa o cheiro para atrair machos da área. Ela urina mais vezes e em mais lugares. O macho que percebe fêmea no cio torna-se mais agressivo e agitado. É, na verdade, um preparo fisiológico para que ele tenha mais chances ao brigar com outros machos da redondeza, também interessados em acasalar com a fêmea no cio. Machos não castrados que vivem numa mesma casa podem começar a brigar ao detectar o cheiro de uma fêmea no cio, mesmo que ela esteja em outro prédio próximo ou em outro andar. Alguns machos também passam a demarcar a casa com urina, para infelicidade dos moradores.

Essa alteração comportamental não costuma ocorrer com machos castrados, mesmo se a castração ocorrer depois de adultos. Por isso, para evitar demarcações por urina ou até por fezes, recomenda-se castrar, principalmente os machos.

Proteção do território
Gatos são obsessivos por controlar seus territórios. Procuram conhecer todos os espaços e objetos. Só relaxam quando está tudo sob controle. Claro que alguns gatos relaxam antes que outros, mas, de maneira geral, não estão completamente à vontade até se acostumarem ao novo ambiente. Cheiros conhecidos os relaxam, enquanto que cheiros novos e diferentes deixam-nos excitados ou estressados.

Quando um gato percebe alguma coisa estranha ou diferente em seu território, procura observá-la e analisá-la. Ao cheirá-la, percebe se é algo realmente novo ou se já estava lá. Toma mais cuidado e analisa por mais tempo objetos com cheiros desconhecidos. Para não ter de checar o mesmo objeto por dias seguidos, até reconhecê-lo como parte do ambiente, pode demarcá-lo com seu cheiro, esfregando-se e urinando nele. Assim, no dia seguinte, quando for explorar o ambiente novamente, reconhecerá o cheiro e saberá que o objeto já foi analisado e que não é “perigoso”.

Isso explica por que alguns gatos fazem xixi em cima das compras que foram deixadas na sala ou sobre a mala de uma visita, em cima de tapetes ou mobílias novas. Nesses casos, a dica é esfregar a mão ou o corpo sobre o objeto novo, para deixá-lo com cheiro conhecido. Passar a mão no gato e em seguida no objeto novo ou fazer com que o gato se esfregue nele também são ótimas opções. Para estimular o gato a andar por cima do objeto, podem ser usadas brincadeiras, petiscos e até catnip (erva do gato).

Aventuras com os gatos

Photo credit: BAOCHUN.S / Foter / CC BY-SA
Photo credit: BAOCHUN.S / Foter / CC BY-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Tenho verdadeira paixão por gatos. Acho que o meu interesse por diversas espécies de felinos me ajudou a conhecer mais profundamente o gato doméstico. Muitos dos seus comportamentos, bem como a verdadeira natureza felina, só são realmente compreendidos quando conhecemos e estudamos a estratégia de sobrevivência dos parentes selvagens. Neste artigo irei compartilhar algumas das minhas experiências com felinos.

Jaguatirica mansinha, só no filme Tainá II A jaguatirica Shiva ainda era filhote quando fez o papel de bichinho de estimação de uma indiazinha no filme Tainá II. Mas era extremamente agressiva e, de acordo com o roteiro, tinha que aparentar ser supermansa. Depois de algumas semanas de desespero total, pois não estavam conseguindo fazer nenhuma cena com ela, chamaram-me para amansá-la. Aceitei o trabalho e conseguimos fazer todas as cenas previstas no roteiro, mas Shiva continuou ranzinza e agressiva. Aprendi a identificar os estados de humor dela e, assim, eu conseguia avisar a indiazinha sobre quando podia passar a mão na jaguatirica e dar beijinhos, como fazê-lo e quando parar. Mas, se a indiazinha não interrompesse os carinhos no exato momento da minha recomendação, eu pulava como se fosse um goleiro defendendo o gol e tirava a jaguatirica de perto. A felina mastigava a minha mão e me arranhava inteiro. Uma vez ela resolveu levar para a casinha dela a minha mão e dormir com ela na boca, enquanto uma poça de sangue se formava logo embaixo. Eu não conseguia acreditar. Não sabia se chorava ou se dava risada. Apesar do mau humor de Shiva, procuramos tratá-la sempre com muito respeito. Afinal, esse é o nosso dever.

Tigres na Tailândia Enquanto estive na Tailândia, fui conhecer os bastidores de parques de conservação e zoológicos. Grande parte dos turistas volta para casa com a idéia de que filhotinhos de tigre são mansos. Para comprovar o que dizem, carregam uma foto deles mesmos dando mamadeira ao filhote. Pura ilusão. Os funcionários do parque sabem que o filhotinho só não representa perigo para o turista enquanto toma mamadeira. Começam a dá-la com o maior cuidado e antes de o filhote tomar tudo, o colocam rapidamente no colo do turista, batem as fotos e o retiram. A coisa é tensa, mas o turista nem percebe. Cheguei a ouvir comentários do tipo: “Pena que tem tanta gente para tirar foto, pois eu gostaria de continuar abraçando este bebezinho…”

Leões na África Tive a oportunidade de acompanhar uma pesquisa sobre alimentação dos leões na África do Sul por muitos dias e me deparei com algumas cenas interessantíssimas e chocantes. Num dos grupos de leões, houve uma mudança de líder e todos os filhotes do antigo líder foram mortos pelo novo. Foi uma cena horrível, pois algumas mães tentaram arduamente defender suas crias. A explicação é que o macho, ao fazer isso, em pouco tempo consegue deixar um grande número de descendentes. As fêmeas, quando ficam sem filhotes, entram logo no cio e cruzam com o novo líder, que será desta vez o pai dos novos filhotes produzidos!

Promiscuidade na Inglaterra Também acompanhei uma pesquisa científica na Inglaterra que testou a paternidade de diversos filhotes de gatos domésticos que viviam com seus proprietários. Para surpresa dos pesquisadores e, mais ainda, dos proprietários dos gatos, os filhotes geralmente não eram do gato macho que vivia na casa. Grande parte das fêmeas tinha se acasalado com um macho vindo de outra casa, na maioria das vezes sem que o proprietário da fêmea notasse. A explicação dos cientistas foi que as fêmeas, intuitivamente, procuravam aumentar a diversidade genética com machos de outro grupo, além de procurar machos mais ousados, com condições de invadir o território alheio.

Zoológico de Lisboa Ao visitar o Zôo de Lisboa, há uns 5 anos, notei que a maioria dos felinos apresentava comportamentos estereotipados ou compulsivos. Por falta de espaço e de atividades para desenvolver, os animais ficavam andando de um lado para outro, exatamente da mesma forma. Cheguei a gravar essas cenas por horas em fitas e fiquei impressionado ao assistir a elas: quando as adiantava, via os animais repetindo os comportamentos exatamente da mesma forma, inclusive as levantadas de perna e as sacudidas de cabeça. Uso essas imagens para demonstrar como é importante cuidarmos da qualidade dos recintos dos felinos, incluindo aí as nossas casas. Espero que os recintos do Zôo de Lisboa já tenham sido melhorados.