Amizade sem mordidas – Parte 1

Photo credit: Mustafa Sayed / Foter / CC BY
Photo credit: Mustafa Sayed / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.  

O que fazer quando aquele cãozinho que parecia tão amigável mostra-se pronto a atacar? Acidentes com cachorros são um problema sério – no ano passado, foram registrados 400 mil casos de mordidas no Brasil -, mas muitos poderiam ser evitados se houvesse maior conscientização sobre o comportamento desses cidadãos de quatro patas. As situações que envolvem as mordidas são muitas, mas algumas medidas podem evitá-las.

Os cães geralmente mordem quando:
. sentem-se ameaçados ou estão com medo;
. estão protegendo seu território, comida, brinquedos ou filhotes;
. algo se move rápido (instinto predatório);
. estão irritados ou com dor;
. sua posição hierárquica está sendo ameaçada.

O local do corpo mais atingido pelas mordidas é o rosto (cerca de 70% dos casos). Além da pele da região ser mais frágil, é o local em que as cicatrizes mais incomodam. Portanto, a primeira dica é manter o rosto a uma distância segura de uma eventual mordida. Aquele abraço carinhoso, fuça a fuça, e beijos no “rosto” do cachorro devem ser evitados sempre que você não ti-ver certeza de que o cão é extremamente dócil. Toda vez em que você for re-tirar seu cão ran-zinza do sofá, procure proteger o rosto, virando-o ou mantendo-o distante do cão, pois grande parte das mordidas ocorre por conta de cães dominantes quando contrariados.

Fixar o olhar diretamente no olho do cão também pode causar acidentes. Para os cães, isso pode ser considerado uma situação de confronto. Até conhecer bem o animal, ou ter certeza sobre a docilidade dele, evite confrontá-lo. Além de não olhar diretamente para os olhos dele, não o acue em algum canto e também não se curve sobre ele. Ficar ligeiramente de lado é menos ameaçador para o cão do que se você ficar de frente para ele. Falar em tom neutro e evitar movimentos bruscos também são artifícios válidos.

Confiança

Como nós, humanos, os cães também muitas vezes exigem preliminares antes de se entregar totalmente ou de confiar em nossos gestos e movimentos. Esse “aquecimento” da relação faz o cão se sentir mais confiante e menos ameaçado.
Pergunte para o proprietário se o cão é manso, se você pode fazer carinho nele etc. Além de você mostrar educação, alguns cães, percebendo que seu proprietário não se assustou com a sua presença, ficam mais confiantes. Muitos animais reagem de acordo com a reação do proprietário – se ele agir de maneira natural e calma, passará mais confiança para o cão.

Deixe o dono do cão se aproximar de você. Caso você queira chegar perto do animal, faça-o sem movimentos bruscos. Deixe o cão cheirar você antes de começar a interação. Continue falando com o proprietário, como se não estivesse dando muita importância para o bichinho. Ofereça a mão para o cão cheirar, deixando o braço relaxado e o punho fechado, já que os cães podem morder os dedos.

Se você sentir que o cão está seguro e relaxado, escorregue a mesma mão que ele estiver cheirando para o peito do cachorro e comece a acariciá-lo. O peito e a parte debaixo do pescoço são áreas em que o cão se sente menos ameaçado do que quando lhe fazem carinho na cabeça ou na nuca. Caso o cão ainda esteja com medo, procure não olhar ou falar diretamente com ele.

Na maioria dos casos, nesse instante os cães já se mostram bastante receptivos, mas, se você ainda não estiver totalmente seguro, retire a mão vagarosamente. Muitas mordidas ocorrem quando a pessoa está retirando a mão, principalmente quando fazem um movimento brusco.

Algumas vezes, no entanto, o ataque é inevitável. No próximo mês, esta coluna trará dicas de como reagir para minimizar acidentes maiores nesses momentos.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn