Bastidores do Desafio Pet – caso Piauí

desafio_pet_piauiAssistiram ao Desafio Pet?

O Programa da Eliana (SBT) acabou de exibir hoje o caso do Piauí, um cão SRD que foi encontrado ainda filhotinho em um ponto de ônibus.

A Sônia, que adotou o Piauí, resolveu chamar o especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi e sua equipe, porque o cão estava bastante agressivo.

Ela contou que esse comportamento começou a se manifestar quando ele tinha sete meses, o que fez com que todos da família ficassem com medo dele. Ainda mais depois de ele ter mordido a neta, a filha e a própria Sônia. Piauí passou a ficar isolado no quintal.

Como o cão não era castrado, Alexandre sugeriu esse procedimento. Mas, para se ter uma ideia, o cão não aceitava a guia e demonstrava bastante agressividade quando a equipe tentava colocá-la.

Segundo o especialista, Piauí o assustou bastante, mesmo com a roupa e o capacete de proteção. “Ele queria atacar o meu rosto. Não tinha certeza de que a grade do capacete resistiria. Até brinquei com a Eliana no palco do programa sobre o risco que o meu nariz correu e como consegui diminuí-lo para ele não ser devorado pelo Piauí, que ficou me encarando por um bom tempo”, conta Alexandre.

Treinamento

Entre outras ações, a equipe fez associações positivas do cão com as pessoas, utilizando, para isso, recompensas. A Sônia e a família também foram estimuladas a interagirem mais com o Piauí. Tudo com muito cuidado, como o quadro mostrou.

“O caso Piauí nos ensinou algumas lições”, explica Alexandre. “Enquanto estávamos no palco, a família estava no camarim e Piauí estava ouvindo os rosnados e latidos dele, pois estávamos gravando. Por causa de um movimento de um membro da família, ele deve ter levado um susto e atacou sem pensar, mas logo voltou ao normal. Como ele melhorou muito rápido e estava se comportando como um cachorro extremamente dócil, todos relaxaram demais e, nesse susto, ele teve a reação de atacar. Isso ocorreu  porque ele reagiu dessa forma tantas vezes, que essa resposta pode vir como uma espécie de reflexo.  Por isso, é importante ganharmos confiança aos poucos, e irmos testando o limite sempre com muito cuidado e com a devida proteção. Com o tempo, o animal vai aprendendo a controlar essas reações”, ressalta. O membro da família atacado está se recuperando bem da mordida.

No vídeo abaixo, você vai poder acompanhar um pouco do que aconteceu nos bastidores do treinamento do Piauí, além de comparar o antes e o depois do comportamento do cachorro.

Dicas e cuidados básicos com filhotes

cuidados-filhotes
Photo credit: holl7510 / Foter / CC BY

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da Cão Cidadão.

Filhotes são muito fofos, mas também podem dar trabalho até se adaptarem à rotina da casa e da família. A palavra-chave quando falamos em filhotes é paciência, afinal, os pequenos têm uma mudança enorme na rotina de tudo o que eles conheciam. Vão para um ambiente diferente, não conhecem as pessoas, os cheiros ou os sons.

Por isso, é comum que alguns chorem à noite, façam as necessidades em qualquer canto, comportem-se de maneira errada, porém, cabe aos novos donos ensiná-los. Sempre visite o canil antes de adquirir um filhote. Se você for adotar, também conheça o local onde o animal vive e, se possível, visite o filhote algumas vezes durante a fase em que ele precisa conviver com os irmãozinhos e a mãe.

Prepare a casa para receber esse filhote. Ele vai precisar de um espaço para água, comida, caminha e para o banheiro dele. O banheirinho, aliás, não deve ficar próximo de outros itens. O ideal é colocá-lo em mais de um local no início, para o pet fazer xixi. Nunca dê bronca, caso escape um ‘xixizinho’ fora do jornal ou do tapete higiênico. Ensine o lugar correto antes e o recompense com um petisco e muitos elogios quando ele fizer no banheirinho.

Nas primeiras noites, permita que o filhote durma próximo de você para ele ficar mais ambientado ao novo lar. Para dormir, uma garrafa pet com água morna na caminha ajuda. Só o deixe solto na casa com supervisão. Filhotes são curiosos e é preciso tomar muito cuidado com objetos que ele possa derrubar e se machucar, ou com um fio ligado na tomada que ele possa roer.

Acostume o seu filhote com as situações que ele vivenciará com bastante carinho e paciência, como o banho, passeios de carro, sons de aspirador de pó, secador, sempre com reforço positivo. Não se esqueça da consulta com o veterinário.

Nessa fase, o filhote precisa de vacinas, vermífugo e acompanhamento para saber se está tudo bem. Procure ajuda também de um adestrador para auxiliá-lo nesse período.

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!