Cães medrosos: como ajudá-los?

caes-medrosos

O seu cãozinho é daqueles que tem medo de tudo? Basta ouvir fogos de artifício que tenta se esconder ou late sem parar? Sabia que, com alguns treinos de dessensibilização, é possível ajudar e acabar aos poucos com o medo dele?

Primeiro, é importante esclarecer que, quando apresentamos o filhote a diversos sons, barulhos, objetos e pessoas, as chances de que ele desenvolva medo são bem menores. É o que chamamos de sociabilização: acostumar os cães, dos dois aos quatro meses de vida, com coisas diferentes, com as quais eles vão conviver para o resto da vida, sempre fazendo associações positivas com petiscos, brincadeiras ou carinhos.

Como fazer a sociabilização?

Antes de tudo, é preciso iniciar o treino definindo quais sons assustam o pet – bombas, fogos, trovões, secador etc. Após essa definição, controle esse estímulo. Grave o som que o assusta, para que você comece o treino de dessensibilização com o pet. Escolha os petiscos e brinquedos favoritos do cão e, enquanto pede comandos, recompense-o com os petiscos e brinque com ele, colocando o som no mínimo para tocar.

Nesse estágio, o cão mal deve ouvir o barulho e ficar concentrado em você. Quando perceber que o pet está bem tranquilo, aumente um ponto na regulagem do som. Faça tudo bem gradual, pois um susto nessa etapa pode retroceder o treino todo. Continue, até que possa colocar o som audível e o cão ainda esteja brincando e se divertindo.

Mitos sobre o adestramento

mitos-sobre-adestramento_internaO objetivo do adestramento é apenas ensinar truques? Meu animal só pode ser adestrado após completar seis meses?

Essas são algumas dúvidas e, também, mitos que envolvem o treinamento. Na verdade, o adestramento serve para moldar o comportamento dos animais e ajudar na boa comunicação entre dono e pet.

Outros mitos

O cão só obedece o adestrador?

Não! A diferença de atitudes acontece não exatamente por causa da pessoa do adestrador. Mas porque o cão, por ser inteligente, associa a validade de uma regra a um determinado contexto. Para ele agir do mesmo modo com o dono e com o adestrador, é preciso que ambos usem os comandos em contextos semelhantes.

Não vou adestrá-lo, pois não quero um robô!

Essa frase superestima o poder do adestramento e subestima a inteligência canina. Engana-se quem acha que o cão aprende um determinado comando e passa a obedecê-lo como uma máquina. Ele nos obedece por estar interessado em alguma troca: seja para ganhar algo que goste ou para evitar algo que não goste.

Esclareça outras dúvidas em Artigos.