Treinando comandos com o cachorro

comandos
Photo credit: andreaarden / Foter / CC BY

Que tal aproveitar o tempo livre para ensinar alguns truques ao pet? No começo, pode parecer um pouco difícil, mas, com prática e treino, o cãozinho aprenderá rapidinho a realizar os comandos. Lembre-se: é preciso paciência e persistência para ensiná-lo!

Para iniciar o treinamento, o ideal é induzir o cãozinho a fazer o movimento esperado e, após realizado, recompensá-lo exatamente no mesmo instante em que ocorrer. Você pode utilizar um petisco, um brinquedo que o pet gosta muito ou mesmo um clicker – um aparelhinho que emite um som metálico ao ser pressionado, que é usado para marcar o exato momento em que o comportamento esperado foi realizado.

Agora, vamos começar os comandos?

Senta

Mantenha um petisco pequeno entre os dedos, bem perto do focinho do cãozinho. Faça um movimento levantando a mão para a parte traseira dele.  Assim, aos poucos, vá direcionando a cabeça dele para trás. Ele tentará olhar para a sua mão, seguindo o petisco, e irá sentar para ficar em uma posição melhor. Quando ele sentar, entregue a recompensa! Repita o movimento algumas vezes e, quando o cachorro estiver sentando mais rápido, diga, junto com o movimento, a palavra “senta”. Dessa forma, ele aprenderá o comando gestual e verbal.

Deita

Após ensinar o comando senta, o deita ficará bem mais fácil para o amigão. Coloque-o sentado e segure um petisco na mão. Posicione o petisco em frente ao focinho do cão e, devagar, abaixe a mão até o chão. O cachorro seguirá o movimento e, assim que ele abaixar as patinhas da frente e encostar no chão, entregue a recompensa. Repita algumas vezes e, quando ele estiver repetindo o movimento com mais frequência, fale a palavra “deita”.

Dar a pata

Posicione-se em frente ao cão, de preferência quando ele estiver sentado, e com um petisco escondido na palma da mão, fique à direita do corpo dele. O animal tentará tirar o petisco da sua mão e, para não perder o equilíbrio, colocará a pata oposta. Faça a mesma coisa do outro lado, para que ele dê a outra pata, e dê a recompensa. Quando ele começar a entender o toque, faça o mesmo gesto, só que com a mão vazia. 

Faça esses comandos com o seu cãozinho em casa. Vocês dois vão se divertir juntos, e o amigão ainda vai aprender bastante. Depois que tentar, conte para nós como foi. Boa sorte! 

Comportamento: gatos são sempre ariscos?

Photo credit: frankieleon / Foter / CC BY
Photo credit: frankieleon / Foter / CC BY

Por Malu Araújo, adestradora da Cão Cidadão.

Eles gostam, sim, de carinho e de contato com as pessoas – claro que alguns podem ser mais reservados, e a maioria deles se torna arredia quando sente algum tipo de perigo, mas essa não é uma característica de todos os gatos.

Assim como os cães, os gatos também têm uma fase de socialização, que dura até mais ou menos a 16º semana. Nessa etapa, o gatinho precisa ser apresentado aos estímulos e pessoas. Tudo com muita calma, cuidado e sempre associando com coisas boas, como petiscos e carinho.

Se o seu gatinho já chegou a casa mais reservado, tenha paciência e vá o acostumando, aos poucos, com pessoas e situações, de uma maneira agradável. Não o obrigue a enfrentar o que ele tem medo. Gatos aprendem em qualquer idade, mas é preciso ir com cuidado, para não assustar e intensificar o medo.

Algumas coisas podem ajudar neste processo. O feromônio, por exemplo, é uma ferramenta que auxilia muito, tanto na socialização, quanto nos casos do gatinho já ser mais receoso.

A ajuda de um adestrador também é muito bem-vinda, para tirar as dúvidas e orientar sobre o que deve ser feito.

Fonte: PetShop Magazine

Acidentes natalinos com pets: aprenda a evitá-los!

acidentes-natalinos
Photo credit: discgolfer1138 / Foter / CC BY

O Natal está chegando e muitas casas já estão decoradas para esse momento. Árvores, bolas, luzes, entre outros enfeites deixam o ambiente mais alegre e bonito. No entanto, quem tem um pet em casa, principalmente cães e gatos, precisa ficar atento para que eles não se machuquem, mastiguem algum enfeite ou até levem choque com os fios dos pisca-piscas. Evite os acidentes natalinos!

A adestradora da equipe Cão Cidadão, Thaís Oliveira, explica que é possível ter a casa enfeitada para o Natal e manter o pet em segurança. Mas, para isso, o dono precisa tomar alguns cuidados. Confira abaixo as orientações da especialista!

  • O ideal é montar a árvore em um local onde seu pet não consiga entrar. Mas, se isso não for possível, procure restringir o acesso do bichinho quando você não está por perto para supervisioná-lo.
  • Passe spray repelente nos locais onde ele não pode mexer, por exemplo, nos fios dos pisca-piscas.
  • Para evitar que o pet mexa nos enfeites e fios por tédio, ansiedade ou falta do que fazer, sempre deixe à disposição dele brinquedos e atividades como o enriquecimento ambiental. Além disso, realize passeios frequentes com o animal.
  • Ofereça petiscos e a alimentação do seu amigão dentro de brinquedos interativos, para que ele se distraia e gaste energia.

Seguindo essas dicas, você terá um Natal tranquilo e seguro ao lado do seu pet!

Gatos que miam em excesso

gatos

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Se o seu gato está miando muito, para poder resolver isso é preciso primeiro descobrir a causa desse comportamento.

Gatos idosos podem miar quando estão desorientados, machos podem miar porque têm uma fêmea no cio nas proximidades, outros miam porque querem pedir alguma coisa, como água, comida, que você abra uma porta, enfim, para satisfazer alguma necessidade ou desejo deles.

Mantenha sempre a caixa de areia limpa, água fresca e limpa, e alimentação nos horários – não quando ele miar.

Estimule outros comportamentos! Quando ele mia e você olha, você o está ensinando a miar quando ele quiser chamar a sua atenção. Na verdade, seria bem melhor olhar para ele e fazer carinho quando ele estiver sentado ou brincando.

Os gatos também gostam de brincar, de carinho e de interação, por isso, procure fazer essas coisas quando ele não estiver miando. Estimule-o a brincar com caixas de papelão e brinquedos próprios para os bichanos. Ofereça locais para ele subir, como prateleiras, porque, às vezes, os miados também podem significar falta de atividade.

É possível ainda dar uma borrifada com um spray de água no focinho dele, como uma bronca, para que ele não use a vocalização como um recurso para chamar sua atenção.

Fonte: Meu Amigo Pet.

Cuidados no passeio de carro com o cachorro ou gato

Photo credit: Takashi(aes256) / Foter / CC BY-SA
Photo credit: Takashi(aes256) / Foter / CC BY-SA

Por Cassia Rabelo Cardoso dos Santos, adestradora e consultora comportamental da equipe da Cão Cidadão.

Dificilmente uma pessoa que tenha a companhia de um cão ou gato conseguirá mantê-lo longe de um carro. Ou seja, em algum momento, o pet terá que ser transportado em um automóvel e, considerando a vida nos grandes centros urbanos, essa necessidade será ainda maior. Assim, é preciso tomar alguns cuidados simples, mas que podem fazer toda a diferença para que uma simples ida à casa de um parente, não se torne um verdadeiro sufoco para o animal.

Cuidados no transporte de pets

Cães

As dicas abaixo podem fazer toda a diferença para que o passeio de carro seja algo tranquilo e até prazeroso para ele:

– É aconselhável mantê-lo seguro por um cinto de segurança próprio para cães, ou confortavelmente instalado na caixa de transporte – a qual ele deve ser acostumado, previamente, de forma positiva.

– Se o cachorro enjoa no carro, situação especialmente comum em filhotes, vale uma conversa com o veterinário, para a indicação de medicamentos que evitam esse desconforto, até que ele se habitue.

– Se o amigo peludo não está acostumado com carro, não é interessante percorrer longas distâncias com ele desde o início. Ele deve ser habituado antes a essa “casa que anda”, primeiramente em trajetos bem curtos, que vão aumentando em tempo e distância, à medida que o peludo se sentir confortável e relaxado.

– Cães, em nenhuma hipótese, devem ser deixados em carros quando está muito quente, nem mesmo com a janela parcialmente aberta: os efeitos da hipertermia ocorrem rapidamente e podem levar à morte! Algumas raças, chamadas braquicéfalas (com nariz achatado), como Pugs e Buldogues, não devem sequer viajar em carros que não disponham de ar condicionado, especialmente no verão, pois o risco de hipertermia é maior ainda.

– Em casos de viagens, é importante fazer paradas a cada duas horas, para que o cão fique confortável, pois poderá se aliviar, esticar as pernas e beber água. Se estiver muito quente, em cada parada, vale molhar uma toalha em água fria, para ir refrescando o cão dentro do carro.

Gatos

As dicas acima valem também para os felinos, mas com a ressalva de que gatos se estressam bastante com mudanças de ambientes.

– Assim, o bichano deve ser previamente acostumado à sua caixa de transporte, que deve ser transformada em seu local de descanso, uma ambiente onde ele se sinta seguro. Gatos só devem ser transportados em caixas de transporte, pois sua extrema agilidade e a facilidade com que se assustam podem gerar fugas. Dentro da caixa, a tendência é que ele se sinta mais tranquilo e protegido.

– Antes de percorrer qualquer distância com um gato no carro, vale acostumá-lo, primeiramente, ao automóvel parado, depois ligado, e somente depois em movimento. Assim, ele poderá se familiarizar aos poucos com esse local diferente.

– As dicas acima visam priorizar o bem-estar do amigo de quatro patas durante o transporte em carros, o que garantirá também tranquilidade para toda a família!

Fonte: The Pet News.

Personalidade de gato

http://foter.com/f/photo/9656522377/646672149a/
http://foter.com/f/photo/9656522377/646672149a/

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Para os donos, cada bichano é um indivíduo diferente. Brincalhões ou reservados, atrevidos ou recatados, audaciosos ou prudentes, melindrosos, modestos, egocêntricos, ou até temperamentais, cada gato parece ter sua própria identidade. Alguns deles, ao longo da história, alcançaram a fama e até ficaram imortalizados em nossas lembranças graças aos seus temperamentos marcantes. Quem não se lembra do criativo gato Félix, sempre cheio de truques, malabarismos e artimanhas? E do melindroso, guloso e preguiçoso Garfield? Sem disfarces e com ar de declaração (“gostem de nós do jeito que somos”), os gatos deixam cada vez mais claro que “personalidade” é algo que não lhes falta!

Até bem pouco tempo atrás estava muito longe da ciência aceitar que gatos poderiam diferir uns dos outros, quer seja no relacionamento com as pessoas ou nas interações com outros gatos. Felizmente, a realidade mudou e atualmente diversas pesquisas têm comprovado que, de fato, o que proprietários observam e relatam é verídico: cada gato tem sua própria identidade. Estudo recente realizado nos EUA filmou inúmeras sessões onde diferentes gatos eram colocados junto de pessoas não familiares. Verificou-se que os gatos exibiam comportamentos bem diferentes, de modo que foram classificados em: gatos amigáveis reservados (sem iniciativa), gatos amigáveis com iniciativa e gatos não-amigáveis. Dentre os gatos amigáveis, por exemplo, havia aqueles que preferiam contato através de brincadeiras, outros preferiam afagos e carícias, e por fim, havia aqueles que procuravam manter um contato à distância, como num verdadeiro “amor platônico”.

Mas o que será que determina esses diferentes temperamentos dos gatos domésticos? De onde vem esta tal “personalidade”? Estudiosos do assunto acreditam que o temperamento de um gato seja resultado de uma combinação de fatores, tais como genética, experiências com a mãe e irmãos de ninhada enquanto filhote, ambiente onde vive e até a própria personalidade do dono. Por exemplo, um gatinho órfão que foi privado das lambidas e esfregamentos de sua mãe e irmãos de ninhada terá grandes chances de se tornar um gato adulto medroso e intolerante às carícias. Da mesma forma, um gatinho vivendo em um ambiente com crianças lhe importunando o tempo todo (obrigando-o a ficar no colo e até usando seu rabo como brinquedo) provavelmente se tornará um adulto assustado e até agressivo.

Mas, sem dúvida, a genética tem uma notável parcela de contribuição no temperamento de um gato. É bastante comum aconselharmos as pessoas a investigarem o temperamento dos pais de um gato, principalmente quando se busca um bichinho bastante dócil. Quem nunca ouviu dizer que gatos amigáveis tendem a gerar filhotes também amigáveis? Isso é verdade, já que mãe e pai transferem para os filhotes genes que contêm toda informação referente a seu organismo, incluindo seu temperamento. É por isso que os filhos, e aí podemos incluir o ser humano, apresentam características maternas e paternas em sua personalidade. A mãe, no entanto, não transmite simplesmente informação genética para seus filhos. Desde que nascem e enquanto são ainda pequenos a mãe lhes transmite ensinamentos bastante importantes para a vida futura, daí a importância dos primeiros contatos dos filhotes com a gata. Já o pai tem pouco ou nenhuma participação nesta fase de ensinamentos, já que os machos praticamente não atuam na criação dos filhotes.

Dessa mistura de fatores herdados e ensinados é que surgem os diferentes temperamentos dos felinos. Embora apareçam e se desenvolvam enquanto o animal é ainda filhote, irão permanecer também no indivíduo adulto. Uma vez formada, a personalidade do gato permanecerá por anos e talvez até por toda a vida. Se enquanto filhote seu gatinho já demonstra, por exemplo, que é capaz de truques, artimanhas e até trapaças para conseguir comida, tenha certeza, quando adulto, será um gato bem malandrinho; daqueles que atacam sua geladeira para afanar alguns petiscos e guloseimas.

Independente do temperamento do felino, o importante é saber entender e compreender que cada gato é um indivíduo diferente. Devemos aceitá-los tal como são e lembrar que uma das grandes características admiráveis nos gatos é justamente o fato de terem “personalidade”.

Que tal dar um banho no bichano?

banho-no-gatoTomar banho, ficar limpinho e cheirosinho é sempre bom, mas nem todos os pets gostam dessa prática. Não mesmo! É assim com alguns cães e gatos, sempre um sufoco. Por isso, para que o processo seja menos complicado, é preciso iniciar os treinos desde cedo, quando os felinos ainda são filhotes.

Antes de mais nada, apresente-o primeiro a tudo que possa envolver o momento do banho. Comece por pequenas etapas: faça com que ele se habitue ao som do secador, com ele ligado em outro ambiente, depois, com calma, aproxime-o do seu gato.

Faça carinho nele com a toalha, deixe que ele sinta o cheiro dos produtos que você vai usar, como o xampu; use a escova para fazer carinho bem devagar. Procure sempre associar esses momentos com algo agradável, oferecendo um petisco, brincando, fazendo carinho e falando com ele com um tom de voz suave.

É importante que o banho seja sempre um momento agradável e gostoso para o bichano, por isso, tome cuidado com a temperatura da água, não encha muito a bacia e coloque um suporte para que o gato não fique escorregando.

Convivência entre gatos e crianças

crianca-gato

Infelizmente, ainda é comum algumas pessoas terem receio sobre a convivência entre gatos e crianças. Gatos podem adorar as crianças, apesar de não serem tão sociáveis como os cães, eles demonstram carinho e afeição pelo dono. Logicamente que alguns cuidados devem ser tomados, visando o bem-estar de ambos – crianças e gatos – sempre com uma boa dose de paciência e sensibilidade.

É importante ensinar a criança a brincar com o bichano. Eles adoram deixar aflorar seu instinto caçador e, muitas vezes, mãos e pés dos humanos se tornam a caça preferida deles. Por isso, para evitar arranhados e machucados, deve-se ensinar para criança a utilizar sempre um brinquedo quando for interagir com o gato, oferecendo, por exemplo, um bicho de pelúcia para que seja a vítima dos abraços e arranhões do bichano.

Como lidar com a chegada do bebê

Alguns gatos sofrem com mudanças drásticas de rotina, de espaço e com a invasão de território por desconhecidos. Isso tudo pode acontecer quando uma família recebe um bebê em casa, por exemplo. Para evitar estressar demais o felino, procure fazer as mudanças aos poucos, de modo que ele vá se adaptando e perceba que não há problemas ou perigo.

Interações positivas

O gato que recebe carinho, atenção e petisco quando o bebê está por perto passa a adorar essa proximidade. São agrados que podem ser feitos por qualquer pessoa que esteja próxima aos dois.

É importante, em qualquer situação, respeitar o tempo e o espaço do gatinho. Caso ele esteja demorando a se enturmar com bebês ou crianças, deve-se ter paciência e persistência nas associações positivas, para que o objetivo seja alcançado.

Comportamento dos gatos: o que é preciso saber?

O número de gatos nos lares brasileiros vem aumentando cada vez mais, ano a ano. E, em alguns países, o número de gatos já supera o de cachorros. Se esse é o seu caso, existem algumas características desse animal que devem ser levadas em conta na hora de escolher um bichano.

Independência

Apesar dos felinos serem autossuficientes em vários aspectos, isso não significa que eles não precisem de atenção e interação com os moradores da casa. Qualquer dono sabe o quanto eles são capazes de demonstrar carinho. Eles são desconfiados, por isso, precisam ter o controle do ambiente e da situação para, então, começarem a interagir com mais confiança.

Gatos são extremamente limpos e prezam, realmente, por sua higiene. Quanto ao quesito necessidades, não é preciso treiná-los para utilizar um determinado local como “banheiro”: eles já nascem sabendo! Basta colocar uma caixa de areia e o gato naturalmente procurará esse lugar para cavar, fazer as necessidades e enterrá-las.

Atividades

Escalador: controlar e observar tudo do alto é um dos maiores prazeres dos bichanos. Assim, instalar prateleiras pelas paredes da casa, de forma a permitir que possam ser escaladas e servir de refúgio, será garantia de bem-estar ao gatinho.

Caçador: trata-se de um comportamento natural e cabe ao dono providenciar que seu gatinho possa exercitar essa sua habilidade. Nesse caso, valem bolinhas de pingue-pongue e brinquedos que se movimentam e podem ser “perseguidos”.

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!