Treinamentos e associações positivas


dicas_interna-associacao-positiva

 

Por Amagoya Garcia, franqueada e adestradora da Cão Cidadão

“O meu pequeno nunca gostou de banho, mas mesmo assim eu tentava dar banho nele distraindo-o com brinquedos e com coisas que eu sei que ele gosta, porém, sem sucesso. Ele rosna e fica muito estressado nessas circunstâncias.

Em uma dessas tentativas, o pelo dele, por ser bastante arteiro, embolou e eu precisei leva-lo ao pet shop para tosar pela primeira vez. Quando fui buscá-lo ele estava tremendo. Já no dia seguinte levei ele ao veterinário, pois estava triste e vomitando. O médico alegou que isso era estresse (e ele tem gastrite). Ele voltou de lá totalmente agressivo.

Eu tenho também dois Borders Collie machos e eles todos se davam muito bem, mas quando Buddy voltou do pet shop eles nunca mais puderam conviver juntos, pois ele acaba brigando com os dois (há uns cinco meses já). O que posso fazer para melhorar a convivência deles?

Por ficar muito agressivo e estressado, Buddy brigou com um dos dois cães e o olhinho dele saltou para fora (Buddy é da raça Shih Tzu). Ele está bem, já fez a cirurgia, mas eu tenho medo de levar ele de novo no pet shop e ele passar mal. Até o veterinário que operou o olho dele quer dar sedativo para deixá-lo mais calmo no próximo banho e tosa. É seguro?

Eu amo muito eles e nunca vou me desfazer de nenhum, mas preciso melhorar a convivência entre eles.”

Oi, Bruna. Tudo bem?

São muitos os fatores que podem deixar um cãozinho desconfortável com o banho.  Para ter um resultado mais positivo, é indicado expor os cães desde pequenos às situações para acostumá-los com todo o tipo de toque, sons e ambientes. Porém, nem sempre isso ocorre e acabamos tendo que lidar com um cão completamente desconfortável e estressado, demonstrando até agressividade em alguns casos.

Mas existem formas de melhorar muito este desconforto ou tornar aquilo que era ruim para o cão em algo prazeroso e tranquilo: treinamentos.

Dependendo do grau de irritação e desconforto do pet, é necessário fazê-los de forma bastante gradual. Tanto para levá-lo ao banho quanto para o pet shop é necessário criar associações positivas. Inicie o treino em um local que o cão se sinta confortável. É importante avançar nestes treinamentos bem lentamente, mostrando a ele que situações legais acontecem a caminho do pet shop ou quando ele está indo para o banho.

Ofereça ao amigo recompensas que chamem a sua atenção, como petiscos, brinquedos, carinhos e passeios no momento em que pegar os objetos de banho. No caminho ao pet shop, use os mesmos recursos para mostrar ao cão que esses momentos sempre vêm acompanhados de algo positivo, divertido.

Quanto à convivência com os outros cães, provavelmente ocorreu algo no pet shop que acionou o gatilho do Buddy para a agressividade. Pode ter sido um toque, uma dor, outro cão que se aproximou de forma errada, um susto. Enfim, seria necessário avaliar melhor a situação. Procurar saber melhor o que houve no dia para que você consiga ajudar o pet da melhor forma.

De qualquer maneira, treinos de reaproximação são positivos para o Buddy voltar a entender que ele ganha mais quando todos estão juntos. Ensinar aos cães vários comandos básicos, tornando o momento divertido, e também comandos de limite para mostrar a eles liderança é fundamental para o bom relacionamento de toda a família.

Para reaproxima-los, faça o treino com calma e garantindo a segurança de todos. Mantenha os cães separados no primeiro momento (pela guia ou por uma porta de vidro). É importante mostrar, principalmente ao Buddy, que quando os outros cães estão presentes ele é recompensado de diversas formas, tornando a situação muito mais legal. Aos poucos, o animal perceberá a associação dos outros cães com petiscos, carinho e atenção e verá como é positiva a situação.

Com relação ao sedativo, é importante saber como está a saúde do Buddy. Talvez seja necessário fazer alguns exames. Busque ajuda de um veterinário sobre a dose correta e avalie se realmente há necessidade, pois qualquer anestesie tem seus riscos.

Como comportamentalista acredito que boas doses de treinos bem feitos, com paciência e muito amor, resultarão na mudança do comportamento do Buddy.

Nossos profissionais estão à disposição para te ajudar.

Fonte: Portal do Dog

 

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Convivência entre pets e crianças

dicas-interna-criancas-e-pets
Por Pérsio Luiz, adestrador da equipe Cão Cidadão.

Crianças e pets podem se tornar grandes amigos, desde que um respeite o outro. Partindo desse princípio, devemos ter o cuidado de garantir que a criança esteja à vontade na presença do animal, ou seja, que não tenha nenhum sentimento de medo ou ciúmes, para que possamos iniciar uma aproximação envolvendo muitas brincadeiras e carinhos.

Por outro lado, devemos garantir também que o pet seja socializado com o maior número de pessoas, principalmente com crianças e barulhos, entre o 50º ao 85º dia de vida dele.

Então, o ideal é iniciar uma aproximação utilizando o reforço positivo. Se preocupe sempre em manter o bom convívio entre os dois, associe positivamente as brincadeiras da criança com algo prazeroso para o cão e oriente o pequeno a oferecer algum brinquedo ou petisco ao pet, para que ele possa cheirar e se aproximar. Se houver interesse, é hora de iniciar a troca liberando o brinquedo ou a guloseima. Permita que a criança afague vagarosamente o peito, a nuca, ou as costas do bichinho, despertando um laço de confiança e amizade entre eles.

Evite que a criança coloque as mãos ou o rosto próximos à cabeça do cachorro, ou que o abrace, pois, a atitude pode despertar desconforto no cão – inclusive, se o pet apresentar qualquer sinal de incômodo, é preciso utilizar uma guia para a segurança de todos.

Além disso, é preciso orientar as crianças sobre como respeitar os momentos de alimentação do pet, por exemplo, ou quando estão se deliciando com algum brinquedo mastigável.

Os adultos podem realizar alguns treinos específicos com os pets para tornar a convivência ainda mais tranquila: afague-o de uma forma mais forte nas orelhas e em outras partes, recompensando-o em seguida com algo que ele goste muito. O treino serve para dessensibilizar o toque mais apertado, evitando que o animal se assuste, caso a criança o aperte.

Para finalizar, é fundamental supervisionar essas brincadeiras, garantindo que seja prazerosa e estimulante para ambas as partes. Dê preferência para brincadeiras que envolvam bolinhas, freesbees e comandos, no caso do cão ser adestrado.

Com alguns cuidados nascerá uma incrível amizade que tornará a convivência extremamente enriquecedora para o desenvolvimento da criança.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0