Gatos que miam em excesso

gatos

Por Malu Araújo, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão.

Se o seu gato está miando muito, para poder resolver isso é preciso primeiro descobrir a causa desse comportamento.

Gatos idosos podem miar quando estão desorientados, machos podem miar porque têm uma fêmea no cio nas proximidades, outros miam porque querem pedir alguma coisa, como água, comida, que você abra uma porta, enfim, para satisfazer alguma necessidade ou desejo deles.

Mantenha sempre a caixa de areia limpa, água fresca e limpa, e alimentação nos horários – não quando ele miar.

Estimule outros comportamentos! Quando ele mia e você olha, você o está ensinando a miar quando ele quiser chamar a sua atenção. Na verdade, seria bem melhor olhar para ele e fazer carinho quando ele estiver sentado ou brincando.

Os gatos também gostam de brincar, de carinho e de interação, por isso, procure fazer essas coisas quando ele não estiver miando. Estimule-o a brincar com caixas de papelão e brinquedos próprios para os bichanos. Ofereça locais para ele subir, como prateleiras, porque, às vezes, os miados também podem significar falta de atividade.

É possível ainda dar uma borrifada com um spray de água no focinho dele, como uma bronca, para que ele não use a vocalização como um recurso para chamar sua atenção.

Fonte: Meu Amigo Pet.

Cães que pulam: saiba como agir!

caes_que_pulam
Photo credit: Derek Purdy / Foter / CC BY-ND

Alguns cãezinhos adoram recepcionar as visitas com aquele carinho especial: pulando! Esse comportamento pode ser moldado, sabia? E, acredite, são os próprios donos que incentivam que o animalzinho aja dessa forma.

Antes de mais nada, é preciso entender que os cães que pulam querem receber atenção. Para eles, o pulo nada mais é do que um comprimento, o nosso “oi”. Por isso, quando alguém chega em casa, eles ficam eufóricos e começam a pular. Essa é uma forma de eles interagirem e pedirem atenção!

Agora, que já desvendamos o por quê dos pulos dos cães, devemos ensiná-lo os comandos  “senta” e “deita”. Dessa forma, será mais fácil controlar os pulos.

Treinamento 

Para que o cão obedeça e consiga realizar os comandos, você pode utilizar petiscos. Com uma das mãos, levante o petisco acima da cabeça dele e leve para frente – indo em direção ao focinho dele. Conforme ele for seguindo o petisco, ele se sentará. Repita esse comando mais vezes, até que o cão aprenda.

Para que ele se deite, é preciso levar o petisco para baixo, até que o cão encoste o corpo no chão. Quando ele acertar, recompense. Assim que ele aprender a sentar e a deitar, comece a pedir esses comandos sempre que for fazer carinho, dar petisco ou realizar alguma brincadeira com ele. Ele começará a entender que essas são boas formas de chamar a sua atenção.

Cães que pulam demais 

Se o cão continuar a pular, a melhor de forma de interromper esse comportamento é ignorar: cruze os braços e vire de costas. Muitas pessoas seguram o pet pelas patas, falam “não” e o colocam de volta no chão, mas isso pode ser encarado como uma interação com o dono e só piorar o comportamento.

Quando ele estiver vindo em sua direção, antecipe-se e peça para que ele se sente. Após ele ter se sentado, agradeça e o recompense pelo comportamento calmo apresentado. Durante um tempo, faça o treinamento quantas vezes forem necessárias: peça para que ele se sente e  ignore quando ele tentar pular. Logo ele entenderá que pular é errado.

Atividades físicas são importantes!

Os treinamentos de obediência básica, comandos, limites e exercícios físicos podem ajudar a lidar com cães que pulam. Esse comportamento, muitas vezes, pode ser energia acumulada, por isso, o ideal é praticar algumas atividades com ele: mantenha uma rotina de passeios!

Nós já demos algumas dicas sobre exercícios que podem ser feitos ao lado do pet.  Confira aqui essas dicas!

Xixi no lugar certo

xixi
Photo credit: anko.gaku_ula / Foter / CC BY

Por Carlos Antoniolli, adestrador da equipe Cão Cidadão 

Umas das principais queixas de proprietários de cães que vivem em apartamento é a questão do xixi fora do lugar, e isso realmente gera muito incomodo. O treino para ensinar o cão a fazer o xixi no lugar certo (ex: tapete higiênico) é basicamente simples, mas dependerá de muita paciência, repetição e carinho.

O primeiro passo para o sucesso é nunca dar broncas quando o cãozinho fizer o xixi no lugar errado. Isso pode leva-lo a criar associações erradas, como por exemplo, fazer o xixi para chamar sua atenção, ou ficar com medo e fazer o xixi escondido, em lugares que não possa vê- lo e nem puni-lo.

Antigamente, as pessoas esfregavam o focinho do cão no xixi e davam broncas, o que é péssimo para o treino e pode causar danos psicológicos sérios no cão e, como descrito anteriormente, o cão evitará fazer o xixi na sua frente. Algumas pessoas acreditam que essa técnica funcione por ter exemplos do passado, quando normalmente o cão vivia no quintal e para evitar a bronca, dava preferência em se afastar das pessoas.

O segundo passo é dar opção do cão acertar, ou seja, manter sempre um banheiro próximo. Inicialmente, com uma ampla superfície e sempre que fizer o xixi no lugar correto deverá recompensa-lo. Procure premiar com um petisco especial, algo que só poderá comer nesses momentos. Assim, a associação poderá ocorrer mais rapidamente.

Quando filhotes, os cães não possuem um controle adequado dos esfíncteres e este é um dos motivos da maior frequência na micção e neste caso, fica evidente a importância do banheiro próximo.

O terceiro passo é estruturar a área que o cão permanecerá, ou seja, cama e vasilhas de água e comida devem ficar em local oposto ao banheiro. Os animais em geral costumam fazer as necessidades longe do local que encontram alimentos e é importante que os “ajudemos” a manter essa higiene nata.

Latido em excesso: saiba como lidar com esse problema

Photo credit: mksystem / Foter / CC BY
Photo credit: mksystem / Foter / CC BY

O seu cão anda atraindo a atenção da vizinhança pelo latido em excesso? Esse é um dos comportamentos que os donos – e vizinhos – costumam se queixar bastante? Se o pet anda latindo demais, é preciso entender o por que disso.  Você sabia que esse comportamento pode se manifestar por diversos fatores?

Algumas raças têm o hábito de latir mais do que outras, mas o latido em excesso não é normal, por isso, a primeira coisa a se fazer é levar o pet ao médico veterinário, para uma avaliação. Caso a causa não esteja relacionada à saúde, é preciso verificar o lado comportamental.

Como agir

Como é normal, e todo mundo sabe, muitos cães latem apenas para chamar a atenção de todos e, principalmente, do dono. Por isso, a melhor forma de lidar com essa situação é sempre recompensar o cachorro quando ele esperar, antes que ele comece a latir. Sempre que ele respeitar e não latir, elogie e ofereça um petisco a ele. Caso ele comece a latir, ignore e vire para o outro lado.

Para os cães que não param de latir quando estão sozinhos, é preciso praticar alguns treinos para poder aumentar a independência dele. Se possível, comece espalhando brinquedinhos pela casa e o incentive a brincar sozinho. Ao escolher os brinquedos, opte por ossos ou os interativos, que soltam comida.

Uma dica importante: não deixe que o cachorro siga as pessoas o tempo inteiro, e o recompense quando ele se mantiver calmo ao ficar sozinho!

Ansiedade

Você sabia que o latido em excesso também pode ser uma consequência de algum tipo de ansiedade do pet? Em função disso, não se pode simplesmente eliminar o comportamento sem trabalhar o que causa todo o estresse no animal.

Por exemplo, se o cão começar a latir a toda vez que ele está agitado e você der uma bronca nele apenas pelos latidos, sem identificar e tratar a causa da agitação, ele pode passar a lamber as patinhas até se machucar, começar a se coçar ou até destruir os objetos da casa, como forma de aliviar a ansiedade, pois ele continuará estressado.

Para ajudar o cãozinho a superar esse comportamento, conte com a ajuda de um profissional especialista em comportamento animal. A Cão Cidadão pode te ajudar! Conheça aqui os nossos serviços.

Ansiedade de separação é tema de palestra da Cão Cidadão

Photo credit: emerille / Foter / CC BY-SA
Photo credit: emerille / Foter / CC BY-SA

O seu cãozinho sofre de ansiedade de separação? Você sabe o que é esse comportamento? Não? A ansiedade de separação é um problema muito comum atualmente, especialmente para os cães que vivem em cidades grandes e passam a maior parte do tempo sozinhos em casa.

Entre os sintomas, estão latir sem parar, uivar, destruir móveis e objetos. Alguns chegam até a se mutilar: lambem as patas até que acabam se machucando!

Saiba como agir!

Para diminuir a ansiedade de separação do cão, torne as chegadas mais discretas. Nós sabemos que isso é complicado, mas não chegue brincando ou festejando com o pet. Se possível, ignore-o e aguarde até que ele se acalme. Assim que notar que ele já está mais calmo, faça carinho nele. As saídas também devem ser mais sutis.

Caso vá sair de casa, deixe o cão em um ambiente conhecido. O enriquecimento ambiental também pode fazer a diferença, pois, distrações como ossinhos e brinquedos, são boas opções para o animal.

Se interessou pelo assunto? Participe da palestra gratuita!

Para ajudar os donos e os pets a se relacionarem de forma mais saudável e feliz, a equipe de adestradores da Cão Cidadão fará neste sábado, 8 de novembro, às 17h, uma palestra comportamental sobre ansiedade de separação na Pet Center Marginal, em São Paulo. O evento será gratuito.

Anote as suas principais dúvidas e Participe. Esperamos por você!

Confira mais informações Agenda.

‘Filhotes’ é tema de palestra da Cão Cidadão

noticia_filhotesPara quem deseja aprender um pouco mais sobre o comportamento dos filhotes, a equipe de adestradores da Cão Cidadão vai realizar hoje, 1 de novembro, às 17h, uma palestra gratuita sobre o tema na Pet Center Marginal, em São Paulo.

Se você está com um filhotinho em casa e está cheio de dúvidas, não perca essa oportunidade!

Afinal, em alguma situações, é um tal de morde para cá, chora para lá e, nessas horas, muitos donos ficam sem saber como lidar com o comportamento do pequeno.

Antecipamos abaixo algumas orientações que podem ajudá-lo no dia a dia com o filhotinho. Confira:

Primeiros dias

Geralmente, a adaptação é mais fácil para o filhotinho se ele ficar em um local onde ele tenha a companhia das pessoas da casa, em vez de um lugar distante e pouco visitado, como a área de serviço, por exemplo. Depois de alguns dias, quando ele já estiver habituado com novo lar e pessoas, o filhote poderá dormir em outro local, pois estará mais confiante.

Choro

Para que o filhote chore menos durante as primeiras noites, providencie, se possível, um pano com o cheiro da mãe e dos outros filhotes, pois um odor familiar poderá acalmá-lo.  Se o filhotinho continuar chorando, o ideal é ignorá-lo até que ele pare. Se sempre que o filhotinho chorar, alguém aparecer, mesmo que seja para dar uma bronca, ele poderá aprender a chorar cada vez mais, pois esse comportamento é recompensado com a chegada de alguém.

Mordidinhas

Por volta dos três meses, já se inicia a troca dos dentes de leite do cãozinho. Essa fase se estende até os sete meses e, por isso, durante esse período, podem ocorrer vermelhidão, inchaço e irritação na gengiva dele. Para se aliviar dessa irritação, os filhotes saem mordendo tudo o que encontram pela frente. Você pode ajudá-lo, oferecendo objetos ou brinquedos geladinhos. Isso vai ajudar a minimizar a coceira.

Quer ler outras orientações? Acesse a nossa seção dicas!

Esperamos você na palestra de hoje! Não se esqueça: a partir das 17h, na Pet Center Marginal.  

Galeria de vídeos Cão Cidadão: você a conhece?

videosPara quem está à procura de dicas e orientações sobre comportamento animal, a Cão Cidadão também oferece um canal de vídeos em seu site e no YouTube.

Além de produções institucionais, entrevistas e aparições em programas de televisão, o internauta encontrará dicas para lidar melhor com alguns dos problemas comportamentais mais comuns entre os pets, como coprofagia, latido em excesso, passeios etc.

Alexandre Rossi ainda divide outro canal com a Estopinha no Youtube. Nele, além de vídeos das sapequices que a pequena faz, também são publicadas dicas sobre comportamento e os quadros do Desafio Pet, exibidos no Programa da Eliana (SBT).

Que tal conferir os canais de vídeo da Cão Cidadão e do Alexandre Rossi? Não perca!

O pet tem medo de fogos? Procure o auxílio de um especialista!

infografico-auxilio-especialistaVai Brasil!

Hoje, 23 de junho, é o último jogo do Brasil na primeira fase do mundial. Rumo às oitavas-de-final!

E, como o pet tem se comportado frente às festividades, fogos e barulhos altos? Desde o início da competição, estamos trazendo dicas para ajudá-lo a amenizar o medo do pet e tornar esse período agradável para todos.

Você seguiu as orientações que apresentamos por aqui? Ainda assim o pet não melhorou muito? Você também pode contar com o suporte de um veterinário, para recorrer a medicamentos. Um especialista em comportamento animal também pode ajudar a minimizar o estresse do bichinho.

Conte com o suporte da Cão Cidadão!

Terapia felina com feromônio

Por Alexandre Rossi, zootecnista, mestre em psicologia (neurociência e comportamento).

Você já ouviu falar em feromônios? Trata-se de um novo tipo de terapia, que surgiu nos últimos anos e, apesar de ainda não ser tão difundida, tem apresentado bons resultados no tratamento de distúrbios comportamentais de felinos. Especialistas renomados em comportamento animal, como o britânico Daniel Mills, já comprovaram cientificamente a sua eficiência.

Para quem nunca tinha ouvido falar, feromônios são “odores” produzidos por animais que possuem a capacidade de alterar o comportamento de outros animais da mesma espécie a sua volta. Através de análises químicas dessas substâncias secretadas pelos gatos, pesquisadores conseguiram identificar 13 componentes químicos presentes em todos os felinos, e dois desses já estão sendo sintetizados artificialmente: a fórmula comercial que contém o feromônio F3 se chama Feliway, e a que possui o feromônio F4, tem o nome de Felifriend.

Por funcionar de maneira parecida com um hormônio, mas que atua fora do corpo e em outros organismos, o feromônio também é chamado de odor social ou de ectohormone (hormônio externo).

Um animal com medo, por exemplo, pode exalar um odor que deixe o resto do grupo mais atento e estressado. O feromônio pode servir também para sincronizar o cio das fêmeas de um grupo, facilitando, assim, diversos aspectos reprodutivos. Alguns estudos sugerem que até nós, humanos, somos influenciados por feromônios. Frequentemente, mulheres morando juntas passam a menstruar na mesma data, pois seriam capazes de captar o feromônio das outras.

Muitos estudos científicos foram feitos para se entender melhor o efeito desses componentes sobre os gatos. As pesquisas mostraram que os feromônios podem ser utilizados para o controle de diversos problemas comportamentais, com a vantagem de não provocarem os efeitos colaterais que alguns medicamentos apresentam. Até hoje não se encontrou nenhuma contraindicação para o seu uso.

Os odores podem ser utilizados isoladamente ou em conjunto com outras terapias comportamentais e medicamentosas. A substância precisa ser borrifada no ambiente diariamente ou pode ser espalhada por um difusor elétrico, que já costuma ser comercializado junto com a substância.

Benefícios

– Redução do estresse: parece ser o principal efeito desses feromônios e, como diversos problemas de comportamento estão associados ao estresse, pode ser utilizado em variadas situações. Um dos experimentos demonstrou que gatos hospitalizados, em contato com o feromônio, voltavam a se alimentar normalmente em menos tempo do que os que não recebiam a substância. Outro experimento demonstrou que gatos se adaptam mais rapidamente a locais em que o feromônio foi borrifado.

– Demarcação com urina: diversos gatos, principalmente os machos não castrados, demarcam objetos da casa com urina. Isso causa um enorme transtorno para as pessoas, pois objetos são destruídos e a casa fica com cheiro de urina. Vários experimentos científicos, conduzidos por diversos especialistas, mostraram que o feromônio reduz as demarcações com urina significativamente. Provavelmente, a demarcação de território pelo gato está ligada a um comportamento agressivo relacionado à proteção de território. A substância alivia o estresse e, consequentemente, o comportamento agressivo.

– Móveis arranhados: os gatos também arranham menos os móveis que foram borrifados com esses feromônios. Um dos cuidados é que a substância deverá ser borrifada diariamente sobre as superfícies proibidas até que o gato já esteja habituado a arranhar os lugares corretos (indica-se pelo menos um mês). Esses hormônios ajudam a criar um hábito no animal, mas o condicionamento para arranhar nos locais corretos, como arranhadores, e o de não arranhar a mobília pode ser feito em conjunto com a utilização da terapia hormonal.

Contato com visitas e outras pessoas estranhas: há também uma redução do medo demostrado por gatos na presença de visitas ou de pessoas estranhas a eles. Algumas horas antes de receber amigos, pode-se utilizar a substância para evitar que o gato fique estressado demais.

Brigas entre gatos: a agressividade entre animais que vivem juntos também diminui na presença da substância, mas não em todos os casos. É importante supervisionar as interações até que haja confiança suficiente para deixar os gatos juntos, sem que haja brigas perigosas. Gatos mais relaxados poderiam se aproximar mais de outros desconhecidos, podendo se colocar em risco de serem agredidos. Também por esse motivo é importante aproximar os gatos desconhecidos com cautela e segurança.

Onde encontrar

Apesar de já ser um sucesso de vendas nos EUA e Europa, era bastante complicado encontrá-lo no Brasil. Hoje já se encontra o Feliway com facilidade em diversos pet shops. A produção é feita na França pela CEVA, que possui a patente do produto.

Experiência pessoal e apoio

Eu já usava e recomendava essa terapia, mas, infelizmente, obter o produto era algo complicado, pois no Brasil quase ninguém conhecia e era difícil de encontrar. Ficamos muito contentes com o fato de a CEVA Brasil nos procurar para testar e divulgar o uso de feromônios.

O produto Feliway, produzido pela CEVA, foi testado por diversos cientistas renomados, dos quais conheço alguns pessoalmente, o que traz uma confiança e segurança necessária para podermos indicar tal produto.

É importante deixar claro que essa terapia não deve substituir os cuidados necessários para promover o bem-estar dos gatos, como enriquecimento ambiental, locais altos e tocas para se esconderem, fornecimento de água em mais de um local etc.

O comportamento dos bichanos

comportamento-gatosEstá cada vez maior o número de bichanos nos lares dos brasileiros. Em alguns países, como nos Estados Unidos, o número de gatos já supera o de cães, como animais de estimação.

O fascínio que esse pet exerce sobre aqueles que convivem com ele é grande. Por outro lado, o que dizer para uma pessoa que jamais conviveu com um gato, mas pensa em ter um como companheiro de quatro patas?

Primeiro, existem algumas características desse animal que devem ser destacadas. Além, é claro, do esclarecimento de alguns mitos que ainda perduram quando o assunto é o comportamento dos bichanos.

Independência

Diferentemente dos cães, sociáveis por natureza (em sua grande maioria), os gatos precisam ter absoluta certeza de que a pessoa ou animal não causará a ele qualquer sensação desagradável para, daí sim, passar a demonstrar afeto. Apesar de terem a fama de autossuficientes em vários aspectos, isso não significa que eles não precisem de atenção e interação com os moradores da casa. Qualquer dono de gato sabe o quanto eles são capazes de demonstrar carinho e desejo de estar perto daqueles em quem confiam.

Higiene

Os felinos são animais extremamente limpos. Eles se lambem o tempo todo e a saliva retira os pelos mortos, poeira e outros detritos. Sua língua áspera auxilia nesse processo.

Atividades

Escalador: controlar o mundo do alto é um dos maiores prazeres dos gatos. Assim, instalar prateleiras pelas paredes da casa, de forma a permitir que elas possam ser escaladas e servir de refúgio, será garantia de bem-estar ao gatinho.
Caçador: felinos são caçadores natos e esse instinto prevalece de forma bem acentuada nos gatos domésticos. Trata-se de um comportamento natural e cabe ao dono providenciar que seu gatinho possa exercitar essa sua habilidade

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!