Ignorar pode ser uma grande arma na hora de educar o cachorro

dicas_interna-pet-na-pan

Adestrar um cachorro pode não ser uma tarefa muito fácil e existem diferentes maneiras de conseguir a atenção do animal

Existem diferentes formas de educar o cachorro e ignorar determinados comportamentos pode ser uma bastante eficaz. Pode ser bastante desagradável ter, por exemplo, um cachorrinho que pula nas visitas, tenta destruir os sapatos, mexe em objetos perigosos. Essas atitudes, muito corriqueiras, podem estar sendo incentivadas pelo próprio tutor.

Especialmente quando ainda são filhotes, tendemos a nos comover com a fofura e até a pedir que o pet pule nas nossas pernas para facilitar o carinho que temos a oferecer. Ou, como forma de repreendê-lo, caso ele pegue algo que não é dele, o tutor corre atrás, tornando o que deveria ser uma bronca uma divertida brincadeira de pega-pega.

O que ignorar tem a ver?

Ignorar é algo muito simples e eficiente, e pode funcionar bastante. Mas lembrando que é necessário um pouco de frieza por parte do tutor, com a certeza de que essa é a atitude acertada. É importante deixar aquele sentimento de dó de lado, especialmente quando o pet fizer aquela cara de “pidão”.

Um exemplo clássico de como ignorar comportamentos indesejados pode ser eficiente são os latidos. Os cães vocalizam por vários motivos, entre eles, para chamar a atenção daqueles que fazem parte do grupo, inclusive os seres humanos da família.

Quando os tutores não estão dando atenção para o cachorro, a reação normal quando ele late é ao menos olhar na direção dele. Ponto para ele: quis atenção e conseguiu.

Assim, rapidamente ele aprende que os latidos geram atenção e começa a agir assim com mais e mais frequência, o que pode se tornar um inconveniente e tanto.

Por isso, o ideal é, quando o cão latir, não fazer nem contato visual com ele. Isso mesmo, esperar um pouco e somente quando ele estiver quieto, fazendo outra coisa, é que damos atenção.

Para o animal, começa a fazer mais sentido esperar quieto para obter interação do que latir. Mas é muito importante prestar atenção nesses detalhes (quando dar e quando não dar atenção) e ser consistente nas atitudes.

Investir no treinamento global

É claro que o treinamento completo se torna muito mais eficaz do que somente ignorar o animal, especialmente quando o comportamento indesejado já está instalado há muito tempo. Mas ter em mente que ignorar serve para fazer com que o cão não tenha sucesso com aqueles comportamentos indesejados (exemplo: não conseguir interação quando pula nas pessoas) já vai ajudar bastante.

Lembrando que educar o cão deve ser visto como prioridade para alcançar os resultados esperados e uma convivência mais bacana para todos.

Todo o processo pode e deve ser muito proveitoso para o animal e para o tutor. Os cães são animais muito apegados a nós e precisam de um tempo de dedicação e de interação, além de associações positivas e atividades condizentes com os seus comportamentos naturais.

Conte com a ajuda de um adestrador profissional para educar o cachorro sempre. Ele poderá auxiliar no treinamento e otimizar o aprendizado do pet para melhorar ainda mais a convivência com a família.

Um abraço,
Alexandre Rossi

Fonte: Canal do Pet – iG

Massagem para pets: conheça os benefícios

dicas_interna-massagem-pet

A massagem é muito benéfica para os animais. Esse hábito, além de criar um vínculo de afeto mais intenso entre o bichinho e o seu tutor, ajuda também em diversos outros problemas.

Acostumar o pet a receber uma boa massagem pode tornar mais fácil para ele enfrentar processos que podem ser tensos para eles, como consultas no veterinário e banho e tosa. Desta maneira, o bichinho fique relaxado, facilitando o seu manuseio nessas situações.

Um dos principais benefícios desse hábito é a identificação de feridas, caroços e inchaços, sensibilidade ou dor, que podem sinalizar que o pet está com problemas de saúde. A identificação precoce pode fazer toda a diferença no diagnóstico dele e, assim, agilizar o tratamento e impedir que o problema se agrave.

As massagens servem tanto para os cachorros quanto para os gatinhos. Abaixo, é possível conferir dicas de como realizar esse agrado ao bichinho:

• Escolha um local calmo e agradável, sem muitas distrações e um horário no qual você não esteja com pressa.

• Comece aos poucos e com muita calma, apalpando as patas, a cabeça, o corpinho, as orelhas e o rabinho do pet. Aproveite esse momento para verificar os dentes do bichinho e ter certeza de que está tudo em dia.

• Observe alguma mudança de comportamento que indique que o pet esteja desconfortável ou sentindo alguma dor.

• Aos poucos, confira a pele do animal e veja se encontra alguma alteração ou descoloração.

Em caso de qualquer problema, visite o veterinário imediatamente, para que ele possa examinar o pet e diagnosticar se tem algo errado.

Mas, acima de tudo, curta esse momento especial com seu amigo. Com o tempo, você aprenderá qual o tipo de carinho e os locais que o peludinho mais gosta de receber esse agrado!

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Passeando com o cachorro: como evitar problemas

dicas_interna-ig-3

Levar o pet para um passeio é divertido para o dono e para o animal. Saiba como aproveitar ao máximo o momento e evitar qualquer problema

O momento de passear com cachorro é extremamente importante: ele se exercita, faz as necessidades, cheira e se socializa com outros animais da mesma espécie e também com seres humanos.

Para o tutor, também há benefícios ao passear com cachorro: além de ser uma oportunidade de se movimentar, passear com o cão é uma ótima chance para conhecer pessoas novas. Estudos já demonstraram que os passeios com os cães funcionam como verdadeiros facilitadores sociais para os humanos.

Por outro lado, a experiência pode levar a situações difíceis, com o condutor sendo praticamente derrubado no chão quando o cão vê algo mais interessante à frente. Essa é uma situação comum, que pode acontecer tanto com cachorros grandes, quanto com os pequenos. Mas é possível solucionar o problema e, com treinamento, tornar o passeio agradável para todos.

O que fazer?

Antes de sair com o cão, é muito importante que tudo seja feito de forma calma e até “sem graça”, especialmente se estamos falando de um cão que fica ansioso só de ver a guia e a coleira.

Se o grau de ansiedade for muito alto, é indicado ir primeiro a locais não tão estimulantes, como a garagem do prédio, e dar voltas por ali mesmo até que ele se acalme. Essa providência serve para evitar que o cachorro saia direto de casa para a rua muito agitado, comportamento que tende a durar ao longo do passeio.

No início, esse treino pode parecer impossível, mas, com paciência e consistência, a saída passará a ser um evento não tão excitante e o cão tende a sair mais calmo.

E se ele puxar muito?

Já na rua, para evitar um passeio com puxões o tempo todo, algumas coleiras de treinamento são indicadas. A chamada “cabresto” é colocada no focinho do cão e fechada atrás das orelhas. É muito útil, pois permite um controle da cabeça, sendo recomendado, antes de começar a ser usada, fazer alguns treinos de associações positivas, pois o cachorro pode não se adaptar tão rápido a um objeto em seu focinho.

A coleira de treinamento com clipe frontal se assemelha a uma peitoral comum, mas a guia é acoplada em um clipe localizado no peito do cão. Assim, de forma mecânica, é possível controlar o cachorro quando ele faz pressão para frente.

É muito importante recompensar o cão toda a vez que ele se portar de forma tranquila ou focar sua atenção no tutor. Vale levar um petisco ou o brinquedo preferido dele para, depois de elogiar um momento de atenção, sem puxões, ele seja logo recompensado. Uma dica bacana: recompensar o cão andando, deixando-o chegar aonde quer. Com o tempo, eles passam a perceber que não precisam arrastar as pessoas para ir cheirar um arbusto, por exemplo.

Finalmente, vale lembrar um detalhe fundamental: em qualquer situação de passeio, é importante que o cão esteja identificado, para o caso de ele se perder acidentalmente. E a condução deve ser sempre com a utilização de guia, para evitar acidentes.

Se a situação estiver muito difícil, vale consultar um adestrador para facilitar a hora de passear com cachorro e para que os treinos possam ser planejados de forma adequada à realidade de cada cão e tutor.

Fonte: Canal do Pet – iG

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

O que fazer com os cães que tem medo de ir ao veterinário ou pet shop

dicas_interna-ig1

O medo que alguns cachorros desenvolvem de alguns lugares específicos pode influenciar negativamente no bem-estar deles

Hoje vim falar um pouquinho sobre os cães que tem medo de ir ao veterinário ou ao pet shop tomar um banho, por exemplo.

Algumas reações de medo ao entrar nestes lugares são situações comuns do dia a dia, principalmente dos profissionais que ali estão, mas também dos donos. Tentar tornar estes momentos menos estressantes é uma medida voltada para o bem-estar do animal de estimação, até porque as atividades fazem parte da vida dele.

Comportamentos relacionados ao medo

Alguns sinais são indicativos de que o cão não está confortável ou seguro em determinadas situações ou lugares, como é o caso das clínicas veterinárias e pet shops. Dentre eles, podemos citar: ficar estático; apresentar comportamento de fuga (pode ser muito perigoso, pois pode ser atropelado na rua caso consiga escapar); salivação excessiva ou respiração ofegante (ou ambos); tremedeira, taquicardia; agressividade; pupilas dilatadas; não demonstrar interesse por petiscos que normalmente adora.

O que fazer?

Em casos mais leves, onde o cachorro apresenta apenas um certo desconforto em clínicas veterinárias ou pet shops, a exposição repetida e associada a coisas positivas pode fazer o cão se acostumar gradualmente.
Mas em casos considerados moderados ou graves, a orientação é para que seja feito um treinamento que terá por objetivo proporcionar experiências positivas para o cão próximo a esses locais e situações, para que não sejam mais tão apavorantes para ele e evoluir aos poucos.

O treino consiste em fazer com o cão atividades que ele goste próximo ao local que gera reações de medo, como, por exemplo, na rua onde fica o pet shop. É importante assegurar de que a distância do local, no início do treinamento, não gere qualquer reação de medo no cão, pois o objetivo é que a aproximação ocorra de forma gradual e que ele esteja tranquilo para que sejam realmente eficazes as associações positivas que serão feitas.

Assim, utilizando recompensas bem valorizadas pelo cão (petiscos saborosos, brinquedos que ele adora), fazemos uma série de brincadeiras e o cão deve ser muito recompensado e manter-se calmo e relaxado.

O ideal é que sejam feitas sessões frequentemente, e a aproximação do local que deflagra o medo só deve ser feita quando o cão estiver demonstrando tranquilidade. Este ponto é importante: nunca evoluir no treino em caso de qualquer sinal de medo. O treinamento pode se iniciar numa casa próxima a clínica, depois no estacionamento, depois na sala de espera, depois na sala do médico veterinário ou na banheira do pet shop.

O objetivo do treino é fazer o cachorro relacionar os treinos de adestramento com recompensas que ele valoriza bastante com a aproximação do local que antes lhe causava medo excessivo.

Quando já está sendo possível ir com o cão até o estabelecimento sem que ele demonstre insegurança, é importante que seja uma experiência bacana e divertida ou seja, sem injeções, banho, tosa. Assim, ele tende a começar a associar a clínica veterinária e o pet shop com coisas legais, e não somente a sensações ruins.

Prevenção

Para evitar que este comportamento de medo excessivo de locais determinados seja uma constante na vida do cão, é importante expô-lo desde cedo a esse tipo de estabelecimento, nos primeiros meses de vida, sempre fazendo muita associação positiva. A isso damos o nome de sociabilização. Ou seja, vale um passeio com o filhote até a clínica veterinária ou pet shop mesmo que não seja dia de consulta ou banho.

Fonte: Canal do Pet – iG

Hipertermia: o super aquecimento do corpo dos cães no calor

dicas_interna-ig2

Os cães possuem uma dificuldade maior de manter a temperatura corporal em dias quentes, por isso muitos deles sofrem com a hipertermia

Vocês sabem o que é hipertermia? É uma condição grave que provoca um aquecimento exagerado do corpo dos cães. Dias bem quentes já estão a caminho. Por isso, acho muito importante falar desde já sobre a hipertermia e todos os cuidados de prevenção que devem ser tomados pelos donos.

Razões para se com a hipertermia

Os cachorros não possuem muitas glândulas sudoríparas. Há algumas nas “almofadinhas” das patas (coxins) e nas narinas, mas, a regulação térmica corporal é feita, basicamente, através da respiração. Esse sistema costuma não dar conta quando o animal fica exposto a temperaturas muito altas.

Raças com focinho achatado (braquicefálicas), como Pugs, Bulldogues e Shih Tzus, têm maior dificuldade para fazer essa regulação de temperatura. Isso porque o “canal” nasal é mais curto, o que torna a respiração mais difícil, já que a passagem do ar apresenta maior resistência.

Vale lembrar que não são somente cães com essa característica anatômica que podem sofrer os efeitos do calor excessivo. Animais obesos e idosos também estão mais predispostos a hipertermia. Mas o problema pode atingir qualquer animal.

O que é hipertermia?

A temperatura corporal normal dos cães gira em torno de 38 e 39ºC. Quando expostos a situações de calor excessivo, associadas ou não ao exercício físico intenso, seu organismo pode não conseguir fazer a regulação térmica, a temperatura aumenta e se inicia um quadro de hipertermia. Algo como se fosse um “hiperaquecimento” do corpo, que vai comprometendo o funcionamento dos órgãos, podendo causar a morte do animal se não for tratado a tempo.

Sintomas

Um cão que em quadro de hipertermia pode apresentar os seguintes sintomas:
– salivação excessiva (em geral, a saliva tem aparência de “espuma”);
– mostra-se extremamente ofegante, mesmo quando já tirado da situação de calor;
– cianose de mucosas (língua azul);
– mucosas hipercrômicas (muito coradas);
– gengivas cor de tijolo;
– andar cambaleante e desorientado;
– apresenta vômitos e diarreia;
– pode ter convulsões e perda de consciência.

Um sintoma comportamental seria puxar a guia em direção a sombras e querer parar de andar.

O que fazer

Caso o cão apresente alguns dos sintomas de hipertermia, medidas simples podem ser tomadas para salvar a sua vida:
– tirar o cão da situação de calor;
– colocar sobre ele uma toalha molhada e mantê-la úmida, para que a temperatura corpórea vá diminuindo;
– levar o cão imediatamente ao veterinário, para as providências médicas necessárias.

Como prevenir

Não é necessário deixar de fazer caminhadas com o cão em dias quentes, mas é importante sair em horários com temperaturas mais amenas: bem cedo pela manhã e no final da tarde.
É importante também lembrar que o cão fica mais perto do solo. Uma boa maneira de conferir se o chão está muito quente é verificar o asfalto com a sola do pé: se estiver tão quente que seja impossível caminhar descalço, está quente demais para o animal também.

Tome cuidado ao deixar um cachorro dentro do carro, mesmo que rapidamente, especialmente em locais onde o veículo possa estar debaixo do sol. A temperatura interna de um automóvel pode chegar rapidamente a 70ºC.
Em dias muitos quentes, pode-se oferecer pedras de gelo para o cachorro ou mesmo verduras (como cenoura) congeladas. Além de refrescantes, o pet vai adorar o brinquedo comestível gelado. E, finalmente, para evitar a hipertermia, nunca se esqueça de deixar água fresca e à disposição durante todo o dia, em mais de um local dentro de casa.

Fonte: Canal do Pet – iG

Lista de ‘desejos pet’ para 2017

dicas_interna-promessas-2017

Com 2017 batendo à porta, é natural que todos comecem a repensar o ano que passou e a lembrar de tudo o que foi bom e ruim, inclusive, o que poderia ter sido feito e não foi. Felizmente, a virada do ano significa novas chances, recomeço e perseverança.

Se assim que você viu a palavra “desejos”, você já começou a pensar naquela lista de coisas que não conseguiu terminar, como passear mais com o animal de estimação, por exemplo, aproveite o novo ano para se planejar melhor, aumentar a qualidade de vida do pet e, consequentemente, a sua, e ter um relacionamento muito mais saudável com todos da família.

Educação

O grande segredo de uma convivência harmoniosa e agradável com o pet é estabelecer uma comunicação clara com ele, ou seja, ele precisa saber o que pode ou não fazer. É aí que entra o adestramento.

Educar o pet não significa apenas ensiná-lo a fazer as necessidades no lugar certo ou realizar comandos. O adestramento também ajuda no estreitamento dos laços com o animal de estimação. A prática e os treinos aproximam o dono do seu bichinho e fazem com que ele se comunique (e entenda) melhor o que é esperado dele, evitando problemas comportamentais.

Estímulos

Invista no enriquecimento ambiental para quando o pet tiver que passar um tempo sozinho. Disponibilize brinquedos interessantes, de diferentes formatos e texturas, que o incentivem a usar os seus sentidos. Passeios, novos cheiros e encontro com outros indivíduos são fundamentais para a saúde física e mental do amigo de quatro patas.

Saúde

Visite o veterinário com frequência e torne a alimentação do peludinho mais saudável.

Pense em tudo o que você pode mudar no novo ano e se planeje! A equipe Cão Cidadão deseja a você um 2017 de muitos momentos bons ao lado do melhor amigo!

Expediente de fim de ano

noticias_interna-expediente Durante o período das festas de fim de ano, a Central de Atendimento da Cão Cidadão estará à disposição para o esclarecimento de dúvidas relacionadas ao comportamento animal e aos serviços oferecidos, porém, em expediente especial.

Somente nos dias 23 e 30 de dezembro, o horário de atendimento será realizado das 9h às 18h. Lembrando que ele não está ativo aos finais de semana. A partir do dia 2 de janeiro, a Central volta ao expediente normal, com atendimento até as 20h, de segunda a sexta-feira.

Dúvidas?

Caso tenha interesse em adquirir os nossos serviços ou queira tirar alguma dúvida, visite a seção de Serviços do site e confira todas as informações sobre o adestramento em domicílio e consultas comportamentais. Você pode, inclusive, solicitar uma visita com um especialista!

Se estiver precisando de dicas para lidar com o melhor amigo, acesse a seção de Dicas. Lá, você encontrará diversas orientações sobre como lidar com os mais diversos problemas comportamentais.

Boas festas!

Roupinha de Natal: será que o pet está confortável?

dicas_roupas_pet_interna

O Natal está quase chegando e muitos tutores aproveitam a época para colocar roupinhas, apetrechos e fantasias no animal de estimação. Afinal, é preciso entrar no clima da festa, certo?

Para que seu pet fique bem em seus trajes de comemoração, é preciso que você fique atento a alguns sinais que indicam se ele está confortável ou não de acordo com Priscila Fadelli, adestradora da Cão Cidadão. “Preste atenção na maneira como o animal está agindo depois que vestiu a roupa ou o acessório”, recomenda a profissional.

Identificar esses sinais não é uma tarefa complicada! Basta seguir as orientações abaixo!

Personalidade: conhecer a personalidade do animal de estimação é fundamental para você avaliar se ele está em uma situação desconfortável. Se após vestido ele continuar agindo normalmente (brincando, bagunçando e correndo), significa que a vestimenta não o incomoda.

Tensão: se o seu cachorro estiver parado, demonstrando tensão ou andando em círculos, significa que ele não está se sentindo bem. Nesses casos, retire a roupinha imediatamente. É importante sempre respeitar os limites do seu animal de estimação para garantir o bem-estar dele.

Sinais: tentativas de rasgar ou tirar a roupinha e/ou o acessório também são sinais de que a sensação causada pelos apetrechos é desconfortável para o seu amigo.

Como adaptar o pet?

É possível ajudar o bichinho a se acostumar com esses acessórios. Para isso, basta ter paciência e oferecer o treinamento correto. “Quando você comprar a roupinha, deixe que o animal interaja com ela antes de colocá-la nele. Deixe a roupa no chão para que o seu cachorro ou gato a cheire. Enquanto isso, ofereça a ele um petisco bem gostoso. Isso fará com que ele associe a fantasia a algo legal”, ressalta Priscila.

A adaptação deve ser feita aos poucos para que o pet se acostume com a sensação de ter algo “acoplado” ao seu corpo. Coloque a roupa nele uma vez e deixe por alguns minutos. Na sequência, recompense-o e, em seguida, retire o acessório. Repita o processo, sempre premiando o animal para que ele faça associações positivas com o traje.

Dica especial

“Como o Natal é uma época muito quente aqui no Brasil, preste atenção para ter certeza de que o seu cachorro não está passando calor. Se a língua dele estiver para fora o tempo todo, significa que ele está sentindo muito calor e, nesses casos, não é recomendável colocar essas roupas”, finaliza a adestradora.

Verifique também se a roupinha não está apertando as patinhas e o pescoço do amigo peludo, impedindo que o sangue dele circule naturalmente. Ofereça muita água para que o pet se mantenha hidratado e, acima de tudo, curta muito as festas ao lado do seu melhor amigo!

Feliz Natal para você, sua família e seu dog Noel!

Por que um cachorro fica com falta de apetite e o que precisa ser feito

dicas_interna-canal-do-pet

A falta de interesse pela comida pode ser causado por um problema comportamental e pro uma doença, é preciso ficar atento

Olá, amigos do Canal do Pet, tudo bem? O cãozinho de vocês está sofrendo com a falta de apetite?
Esta é uma questão que gera muitos questionamentos e preocupação por parte do tutores. A falta de apetite faz com que o cão simplesmente olhe para o pote de ração e não queria comer, recuse qualquer outro tipo de comida e até o petisco favorito dele.

O apetite

Estar sempre pedindo por uma comida diferente e ter o apetite voraz é um comportamento normal dos cães, mas isso não significa que eles estejam com fome. É instintivo querer comer um pouco a mais, pois seus ancestrais eram caçadores e não sabiam quando seria a próxima refeição.

Claro que isso não significa que os nossos cachorros devam ter atendido esse capricho genético, já que, atualmente, eles não precisam manter uma reserva de energia para garantir sua sobrevivência.

E por que a falta de apetite?

Quando nos vemos diante de um cachorro com falta de apetite, é importante observar se esse comportamento começou de uma hora para outra, pois pode ser sintoma de algum doença. Consultar um veterinário, portanto, é uma providência importante.

Por outro lado, é bem comum que essa conduta esteja sendo reforçada. Isso ocorre, por exemplo, quando o tutor, ao notar que o cão cheira a ração e sai sem comer, se desespera e coloca um atrativo delicioso para deixar a ração mais saborosa. Assim, o cão aprende que, ao simplesmente olhar para a comida e não comer, ganhará coisas mais gostosas em seguida, além de atenção e carinho. Ele pode, em grande partes dos casos, se tornar obeso, o que piora ainda mais a situação.

Por isso, a orientação é fazer exatamente o contrário: somente elogiar quando o cachorro estiver comendo, e não se deve pegar o pote, colocar algo mais gostoso e devolvê-lo ao cão. Essa atitude é uma das principais causas de um cachorro sem apetite.

Não ao jejum prolongado

Por outro lado, não recomendo deixar o cão sem comer por longos períodos até que tenha fome. Não se deve fazer uma dieta radical com o animal. Isso pode gerar problemas sérios de saúde, como gastrite.

Caso o pet não esteja aceitando a ração pura de forma alguma, deve-se manter as coisas gostosas, mas adequar a quantidade menor de acordo com as orientações do veterinário. Prepare a mistura antes de oferecer ao pet: não devemos esperar o cão não comer para fazer o prato gostoso.

Com o tempo, a tendência é que ele comece a perder peso, o apetite aumente e, aí sim, pode-se ir retirando aos poucos as guloseimas acrescidas às refeições.

Dicas para o cão ter aquele apetite

Além de oferecer a ração na quantidade correta para o cachorro com falta de apetite, tornar a hora da alimentação um momento divertido também ajuda no problema. Ou seja, deixar a alimentação mais ativa.

Lembrando que, na natureza, os canídeos teriam que andar, caçar e abater uma presa para poder se alimentar. Nós tornamos a vida deles muito fácil e tediosa simplesmente colocando um pote de ração em sua frente.
Portanto, que tal tornar esse momento algo prazeroso e divertido? Usar brinquedos que liberam comida em vez de oferecer toda a refeição em um pote é uma ótima pedida. Assim, os cachorros terão que “trabalhar” para obter a ração, o que é ótimo.

Esconder pequenas quantidades pela casa, para que ele precise farejar para encontrar também é muito bacana. Mais um comportamento natural dos cães que será incentivado.

Devemos sempre lembrar que a alimentação adequada é uma das condições para uma vida saudável. Assim, cabe a nós o dever de tornar esse momento divertido e garantir ao pet os nutrientes necessários e nas quantidades adequadas. Seguindo essas dicas, será muito difícil ter um cão com falta de apetite, a não ser que o motivo seja uma doença.

Fonte: Canal do Pet – iG

Gostou da dica? Se quiser contratar os profissionais para realizar o adestramento, fale com a Central de Atendimento da Cão Cidadão, pelos telefones: (11) 3571-8138 (São Paulo) e (11) 4003-1410 (demais localidades).

Dicas do Alexandre Rossi no É de Casa

dicas_interna-cachorro-medo-fogos

O zootecnista e especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, esteve no programa É de Casa, da Globo, e deu diversas orientações para ajudar o pet a passar pelas festividades de fim de ano sem estresse.

Abaixo, é possível conferir um resumo de algumas orientações.

Medo de fogos

Nesta época do ano, é muito comum que os cães mais medrosos fiquem estressados por conta dos fogos de artifício. Uma boa dica para ajudá-los é permitir que o bichinho fique dentro de casa, em um local que se sinta seguro e rodeado de objetos que tenham o cheiro do tutor. Eles se sentem mais tranquilos e protegidos dessa forma. Veja mais dicas aqui.

Evitando acidentes

É inegável que o brilho da árvore e das decorações de Natal chamam a atenção dos pets e alguns deles podem querer brincar, por exemplo, com o pisca-pisca e acabar se envolvendo em acidentes. Colocar as decorações em locais onde o pet não tenha acesso é uma forma de garantir a segurança dele e, de quebra, manter a casa em clima festivo. Saiba mais sobre o assunto clicando aqui.

Comidas proibidas

Todos os cheiros da ceia de Natal são muito atrativos e estimulantes para o pet, que pode apelar para uma carinha de “pidão” para conseguir um pedacinho do peru ou das frutinhas que enfeitam a mesa. Porém, muitos desses alimentos podem fazer mal para ele, colocando-o até em risco de morte. Saber quais dessas substâncias são proibidas para os cachorros e gatos e ensiná-los a respeitar a palavra “não” pode ajudar você, tutor, a evitar problemas e a manter o pet seguro. Saiba mais aqui.

Seguindo essas orientações, você e o seu pet terão um fim de ano muito mais harmonioso e feliz. Boas festas!

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!