Coronavírus (Covid-19) e pets: o que você precisa saber

Coronavírus (Covid-19) e pets: o que você precisa saber

Com a pandemia do novo coronavírus, muita gente está preocupada em como isso afeta os hábitos com os pets. Confira as respostas para as perguntas mais frequentes.

Nos últimos dias não houve quem não tivesse a rotina alterada em função do avanço do novo coronavírus (Covid-19), inclusive já com casos de transmissão comunitária no Brasil. Tendo em vista a preocupação geral sobre o tema, trazemos este artigo para esclarecer algumas das principais dúvidas levantadas até agora, indicar as orientações de acordo com o atual cenário e reforçar que estamos acompanhando as pesquisas e novidades das autoridades de saúde a respeito do tema, uma vez que o vírus é novo e muitas investigações ainda estão em andamento.

Vale ressaltar que a Cão Cidadão segue as diretrizes de instituições de referência para o meio veterinário, tais como a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e a World Small Animal Veterinary Association (WSAVA).

Cachorros e gatos podem transmitir o novo coronavírus?

Até o momento, não há evidências de transmissão do Covid-19 por cães e gatos nem para humanos, nem para a própria espécie. Houve um caso em Hong Kong de um cachorro com material genético do vírus que faleceu. No entanto, a Organização Mundial de Saúde aponta que não há evidência que sustente que pets transmitam o vírus ou mesmo fiquem doentes em função dele.

Vale lembrar que a família do coronavírus é imensa e que os tipos de vírus que afetam a saúde de cães e de gatos não têm nenhuma relação com o tipo de vírus que está causando essa pandemia.

Se eu estiver contaminado ou com sintomas de gripe, posso ter contato com meus pets?

A orientação nesses casos é para evitar ao máximo o contato direto com os pets por medida de segurança, tendo em vista que o vírus é novo e informações novas vão surgindo ao longo do tempo. Evite principalmente o contato com secreções, como lambidas no rosto.

Os estudos mais recentes mostram que o vírus tem um tempo de sobrevivência alto em contato com superfícies, ou seja, se você estiver contaminado e passar a mão no seu pet, outra pessoa passar a mão nele também e depois levar a mão no rosto, essa pessoa pode se contaminar.

Posso passear com meus pets?

O mais indicado é passear com os animais em locais ao ar livre e com pouca aglomeração de pessoas. Parques e praças cheios devem ser evitados, por exemplo. Também não é aconselhável deixar que outros humanos acariciem o pet, justamente para evitar que as pessoas transmitam o vírus entre si.

Contratei adestramento e serviço de passeio para os meus pets. Quais cuidados devo adotar?

Vamos frisar aqui as medidas que a Cão Cidadão vem adotando com os adestradores – e que podem servir de orientação também para passeadores.

Caso você pertença ao grupo de risco, ou seja, tem mais de 60 anos, possui alguma doença respiratória, renal ou crônica, é hipertenso ou diabético, recomendamos que evite o contato com outras pessoas. Entretanto, é muito importante que a rotina do pet seja mantida, até mesmo para que o trabalho realizado até o momento não deixe de evoluir. Sendo assim, todos os nossos franqueados estão preparados e foram orientados a seguir com as aulas de forma remota, realizando chamadas de vídeo pelo computador ou celular.

Aos demais clientes, as aulas também serão oferecidas de forma remota, e assim que o governo e Ministério da Saúde emitir novas orientações, retomaremos à rotina normal.

Para os que queiram manter as aulas, elas deverão ser feitas em locais ao ar livre e sem aglomerações. Os adestradores estão instruídos a não deixar que outras pessoas entrem em contato direto com os pets. Ao chegar em casa, também indicamos que os tutores higienizem as patinhas dos pets com álcool em gel.

Todos os nossos franqueados que estiverem apresentando sintomas que podem ser associados ao Covid-19 estão orientados a permanecer de quarentena. Essa também é a nossa indicação para tutores.

Acompanhem nossas redes sociais e as redes diretas do Alexandre Rossi, iremos postar informações e atualizações de relevância para vocês. Lavem bem as suas mãos, procurem ficar em casa o máximo possível e permaneçam firmes, vamos vencer esse momento difícil com muita informação de qualidade e consciência coletiva!

 

Por que é importante ensinar comandos aos cachorros?

O Brasil é o segundo maior mercado pet do mundo. Com uma posição tão relevante neste segmento, não é sem motivo que cada vez mais profissionais demonstrem interesse em trabalhar diretamente com animais. Dentre as profissões, destaca-se a de adestrador. E se você tem interesse em trabalhar com adestramento ou é tutor de pet e quer saber sobre a importância de ensinar comandos inteligentes aos seus animais, esse texto é para você!

Vamos abordar alguns aspectos sobre situações em que o adestramento inteligente pode ser adotado e trazer resultados expressivos.

Em quais situações devo adestrar um cachorro?

Houve um período em que as pessoas associavam o adestramento somente a situações específicas, como é o caso de treinamento voltado para cães de guarda e cães farejadores. No entanto, não é somente nesses casos que o adestramento é indicado.

Antes de mais nada, é preciso pensar na linguagem de comandos como uma forma de aprimorar a sua comunicação com o cachorro. Muitas vezes, o cão desenvolve alguns hábitos e comportamentos em uma tentativa de passar uma mensagem ao dono, mas muitos tutores não compreendem o desejo do animal.

Aprofundar os conhecimentos sobre adestramento também te ajuda a entender mais a fundo sobre comportamento animal. Aqui, é importante pensar no adestramento não somente como forma de comandar o cachorro, mas como uma troca. Encare o adestramento como uma oportunidade de conhecer melhor os cães e o que eles querem comunicar em suas interações.

O adestramento pode ser muito produtivo para sanar situações como:

  • cachorros agressivos e temperamentais;
  • cães que latem demais;
  • cachorros que sofrem muito com a ausência do dono e destroem muitos objetos em casa;
  • cachorros com dificuldade de adaptação a outros animais na família;
  • cachorros com dificuldade de socialização com humanos;
  • educação de filhotes.

Esses são apenas alguns exemplos de situações em que o adestramento pode ser extremamente útil.

Quais os benefícios de adestrar um cachorro?

O adestramento inteligente é uma forma de educar o cão de um modo positivo. Alguns dos benefícios são o estímulo cognitivo do animal, a realização de atividades físicas de treinamento que são divertidas e que deixam o cão ativo, facilidade na socialização do animal, melhoria na comunicação entre tutor e cachorro – o que significa bem-estar para ambos -, redução de estresse e ansiedade no animal.

Por consequência, o adestramento também facilita as consultas veterinárias, que frequentemente simbolizam um momento de desconforto para o cachorro. De um modo geral, não se trata apenas de uma forma de ensinar comandos ao cão. O adestramento é uma forma de dar a ele uma rotina mais feliz!

Aos profissionais que desejam aprender ou aprimorar suas técnicas de adestramento, e também para tutores que querem aprender como adestrar seus cães, a Cão Cidadão oferece uma série de cursos presenciais para ensinar fundamentos do adestramento inteligente. Clique aqui para conferir os cursos disponíveis e faça sua inscrição!

Como adestrar um cachorro filhote?

Como adestrar um cachorro filhote?

A casa que antes só tinha objetos de humanos agora tem uma caminha na sala, tapetes higiênicos e muitos brinquedos espalhados pelos cômodos. A família agora tem um novo membro: um filhote de cachorro que espera viver momentos de muita felicidade com você, seus familiares e amigos. Filhotes mexem completamente com a nossa rotina e chegam cheios de energia para se adaptarem ao novo lar. Neste momento, o adestramento é importante para que vocês tenham uma comunicação mais fluida desde cedo e também para o bem-estar do seu pet.

Há quem pense em adestramento somente na fase adulta, mas essa é uma concepção equivocada. Na verdade, quanto mais cedo você começar a ensinar comandos ao seu cão, melhor para vocês dois. Até os três meses de idade, seu cachorro está mais aberto a absorver novas experiências. Se você acabou de adotar um filhote e quer entender os benefícios de adestrá-lo desde já, a gente te conta tudo que você precisa saber.

Entendendo a personalidade do seu cão

De um modo geral, filhotes gostam muito de explorar novos lugares, são curiosos e cheios de energia. Mas já nessa primeira etapa da vida é possível entender alguns traços da personalidade dele: se é agitado ou não, o quanto é dócil, se é mais agressivo, entre outros detalhes. Essas características vão ganhando mais força ao longo da vida, mas reconhecer alguns desses traços mais significativos durante o adestramento é importante para entender o tipo de treinamento mais adequado para ele.

Socialização

A socialização faz parte da vida do animal, mas muitos tutores não se atentam para a importância desse momento na rotina do cachorro. Um cão que não se acostuma a situações sociais pode crescer com medo de barulhos fortes (como de moto, secador ligado ou mesmo os ruídos de pessoas em locais abertos). Isso pode ter reflexos diretos na personalidade dele: seu cão pode tornar-se medroso ou mesmo agressivo em determinadas situações, justamente por um mecanismo de defesa. Todos esses são fatores de estresse que acabam prejudicando o dia a dia tanto do cão quanto do tutor – e neste momento o adestramento pode ser uma ótima forma de auxiliar a socialização.

Interagindo com pessoas

Quando falamos de pessoas, procure manter seu filhote por perto em situações em que há muitas pessoas, obviamente observando de perto as reações dele e não deixando-o exposto a contextos em que ele pareça estar se sentindo estressado. Se ele estiver demonstrando felicidade, deixe que ele aproveite bastante esse momento: cheire as visitas que você recebe em casa, brinque com elas, receba carinho. Tudo isso ajuda a fazer com que ele entenda que pode se sentir confortável perto daquelas pessoas.

Se tiver crianças ao redor, redobre a atenção. Infelizmente são situações em que tanto os filhotes quanto as crianças acabam ficando mais expostos a incidentes. Mesmo que não façam por mal, as crianças muitas vezes podem fazer brincadeiras ou tomar atitudes que são agressivas ou até mesmo traumáticas para os filhotes. Puxões de rabo, orelha, tapas, enfim, uma série de ações que os pequenos podem tomar se não estiverem sob a vigilância de um adulto. Converse com as crianças para que elas entendam a importância de interações carinhosas e vigie de perto as brincadeiras.

Interagindo com outros animais

O treinamento do adestramento inteligente também é uma forma de facilitar a socialização do seu filhote com outros animais. Ao entender os comandos, você consegue fazer essa aproximação com mais segurança e de um modo que não provoque estresse ou ansiedade no seu filhote.

E por falar em socialização, atente-se ao calendário de vacinas antes de sair com ele para os primeiros passeios. Lembre-se de que nesse período ele ainda está mais frágil, começando a adquirir imunidade, ou seja, é preciso redobrar os cuidados para que ele não fique tão exposto à contração de doenças.

Tem vontade de aprender como adestrar o seu filhote? Quer entender quais os comandos são mais adequados para o treinamento dele? Clique aqui e inscreva-se em nossos cursos presenciais de adestramento inteligente!

Comportamento animal: seu cachorro precisa de adestramento?

seu cachorro precisa de adestramento

Sapatos destruídos, vizinhos reclamando sobre latidos e comportamentos instáveis toda vez que você sai de casa? Reconhece essas situações na sua rotina com o seu cachorro? Talvez seja o momento de procurar adestramento para o seu pet. E se você acha que contratar esse tipo de serviço significa que você falhou ao educar o seu amiguinho, tire essa ideia da cabeça! O adestramento nada mais é do que uma demonstração de amor ao seu cachorro, uma forma de melhorar a qualidade do relacionamento entre vocês.

Histórico do cachorro

Especialmente em casos de adoção, é possível que seu amiguinho traga reflexos comportamentais de uma série de situações pelas quais ele já passou. Sabemos que infelizmente esses cachorros muitas vezes passam por situações de abusos e maus tratos na mãos de outras pessoas – ou mesmo lutando pela sobrevivência nas ruas. Com você sendo um tutor responsável e carinhoso, ele aos poucos vai aprendendo a se soltar e ficando à vontade. Ainda assim, é possível que ele mantenha alguns hábitos nocivos como reflexo dos traumas passados.

Estranhar visitas na sua casa ou esconder-se quando alguém chega; fazer xixi ou cocô quando alguém o pega no colo, distúrbios alimentares. Esses são alguns exemplos de comportamentos que refletem traumas. Sendo assim, o adestramento é um meio de ir muito além do que simplesmente ensinar comandos para o seu cachorro. É uma forma de você entender mais a fundo a personalidade dele e encontrar o melhor caminho para lidar com seus medos, anseios e características gerais.

Há quem pense que o adestramento só funcione quando os cachorros ainda estão filhotes, mas isso não é verdade. Ele pode ser adestrado em qualquer idade, desde que tenha o acompanhamento de um profissional bem preparado.

Encare o adestramento como uma terapia canina

Quando você procura um terapeuta, com certeza pesquisa sobre ele, busca indicações e analisa o tipo de metodologia que ele adota no trabalho, certo? Afinal, você só vai se abrir para dividir suas questões existenciais se houver uma relação de sintonia e confiança. Para o adestramento do seu cachorro a lógica é a mesma.

Para que o processo seja produtivo, é fundamental que haja confiança. Por isso a Cão Cidadão preza tanto por um treinamento completo e rigoroso a todos os franqueados da rede. Nós só garantimos a certificação de profissionais que temos segurança de que estão realmente seguros e muito bem preparados para lidar com situações diversas durante o processo de adestramento.

Além disso, adotamos o método de adestramento inteligente, desenvolvido pelo zootecnista Alexandre Rossi e reconhecido cientificamente. O método é baseado no reforço positivo de comportamentos desejáveis – o que garante um aprendizado mais tranquilo e gostoso para o seu cachorro.

Quer entender mais a fundo os benefícios que o adestramento pode trazer para o seu cachorro? Agende uma aula gratuita com a gente! Clique aqui para reservar o seu horário.

Qual o melhor momento para adestrar um filhote de cachorro?

Qual-o-melhor-momento-para-adestrar-um-filhote-de-cachorro

Eles são fofos, alegres e muito brincalhões. Filhotes sempre trazem alegria por onde passam. Porém, algumas vezes, essa felicidade pode ser substituída por frustração quando o cãozinho passa a apresentar alguns comportamentos indesejados. A boa notícia é que essa situação pode ser corrigida com a ajuda do adestramento.

É comum surgirem muitas dúvidas sobre esse assunto, principalmente relacionada aos filhotes. Qual o melhor momento para adestrar um cachorro? É preciso esperar uma idade certa ou é melhor começar o quanto antes? Essas e outras perguntas serão respondidas a seguir.

Quando começar a adestrar um filhote de cachorro?

Apesar de muitas pessoas acreditarem que é preciso esperar o filhote atingir uma certa idade para começar a treiná-lo, a verdade é que animais de estimação podem ser ensinados desde o primeiro momento que eles chegam à casa dos donos. E, quanto antes você começar a adestrá-lo, mais fácil será esse processo, pois os filhotes – assim como as crianças – são como esponjas e aprendem tudo com mais rapidez e facilidade.

Enquanto o cãozinho não tomar todas as vacinas necessárias, você pode começar a ensinar comandos e noções básicas de bom comportamento em sua própria casa, usando o método de adestramento inteligente, com reforços positivos, utilizado pela Cão Cidadão. Assim, já é possível evitar que o animal faça xixi fora do lugar, morda objetos não apropriados e faça pequenos truques. Depois de realizar a vacinação adequada, o cachorro pode ser levado para outros locais para aprimorar sua aprendizagem e conviver com outros animais.

A vacinação de filhotes pode gerar muitas dúvidas. Conheça a série de vídeos do Alexandre Rossi sobre o assunto:

Vantagens de adestrar seu cão desde filhote

Começar a educar os animais ainda filhotes tem diversas vantagens. Além deles aprenderem mais rapidamente, no começo da vida os cãezinhos ainda são como um folha de papel em branco, pois não criaram manias e hábitos indesejados. Com isso, é mais fácil ensiná-los a se comportarem da melhor forma para conviver harmonicamente com você e sua família.

Além disso, quando o adestramento se inicia desde cedo, o cachorro passa a aceitar mais facilmente a liderança total de seu dono, evitando que no futuro ele se torne um animal muito dominante, com tendências à agressividade.

A falta de coordenação motora dos filhotes também facilita na hora de aprender alguns truques. Como ainda têm dificuldade de andar para trás, por exemplo, sempre que colocamos um petisco acima de sua cabeça ele tende a se sentar para conseguir olhar para cima. Ao recompensá-lo nesse momento, ele irá começar a aprender a repetir essa ação quando solicitado.

Por último, mas não menos importante, quando você realiza o treinamento de seu cão desde as primeiras semanas de vida, cria-se um forte laço de afeto e carinho com o animal. E essa é a melhor forma de começar uma relação que deverá durar por muitos e muitos anos.

E então, pronto para começar a adestrar seu novo amigo? Se precisar de ajuda durante este processo, a Cão Cidadão conta com uma equipe especializada em adestramento de animais, que atende em domicílio. Agende uma visita gratuita e conheça mais sobre nossa metodologia.

Para receber mais informações sobre o universo pet e não perder nenhum conteúdo que publicamos por aqui, assine nossa newsletter.

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!