Lealdade sem tamanho!

Quem tem um cachorro em casa sabe bem que uma das principais qualidades do amigão é a lealdade. Tudo pode acontecer, mas ele sempre estará ali, do seu lado. Não importa se você estiver triste, feliz ou mal-humorado: ele vai querer estar sempre junto!

Ao longo da história, muitos são os relatos de bravura e superação. É comum vermos matérias na imprensa mostrando cães que defenderam os donos, que os salvaram de perigos, ou mesmo que os acompanharam até o fim de suas vidas. Quem aqui não conhece a história do Hachiko? E o Greyfriars Bobby?

Então, confira abaixo. Elas são, de fato, emocionantes!

Hachiko

Vamos voltar no tempo, no Japão de 1923. Hachiko, um cãozinho da raça Akita, tornou-se membro da família do professor universitário Eisaburo Ueno aos dois meses de idade. Iniciava-se, assim, uma história de lealdade que iria conquistar o mundo todo.

Com o passar do tempo, os dois foram construindo uma bonita relação de amizade. Todos os dias, eles caminhavam até a estação de Shibuya, em Tóquio, onde o professor pegava o trem para ir ao trabalho. Curiosamente, como se tivesse um relógio interno, Hachiko sempre voltava à estação para buscá-lo. Ueno descia do trem e lá estava o seu companheiro, esperando para ir para casa.

Durante anos, “Hachi” – como era chamado por seu dono -, se posicionava na estação e o esperava. Mas, um dia a espera durou muito mais do que o normal, pois o professor Ueno faleceu. Durante quatro anos, mesmo após a morte do seu dono, Hachiko ia todos os dias à estação de Shibuya para esperá-lo, da mesma forma como fazia antes. Ele procurava por seu dono entre os passageiros, mas não o encontrava, e só saia quando a fome o obrigava.

Ele fez isso mês após mês, ano após ano, até a sua morte, aos 11 anos de idade.A lealdade do cãozinho fez tanto sucesso que, além de render várias matérias no país e fora dele, se tornou filme: o primeiro, uma produção japonesa chamada “Hachikô Monogatari” e, o segundo, uma adaptação americana chamada “Sempre ao seu lado”, que foi estrelada por Richard Gere. A estação de Shibuya ganhou uma estátua de bronze do Hachiko, para imortalizar esse símbolo de companheirismo.

Greyfriars Bobby

Outra história que também chama bastante atenção e se tornou famosa com o passar dos anos é a do pequeno Bobby, um cãozinho da raça Skye Terrier. Tudo começou quando, em meados de 1850, após se mudar para Edimburgo, na Escócia, John Gray resolveu adotar Bobby para lhe fazer companhia no emprego de vigia que tinha conseguido.O amor entre os dois cresceu e Bobby se tornou o fiel escudeiro de John. O cãozinho o acompanhava por todos os locais, estava sempre ao lado do dono. Mas, por uma doença, essa relação se encerrou. Em 1857, John Gray contraiu uma doença e faleceu logo em seguida, deixando Bobby com sua família.

Nessa época, a tristeza do cachorro era visível e, durante anos, ele fez companhia para o seu dono, mesmo após a sua morte: Bobby ia diariamente ao túmulo de seu dono e ficava vigiando. Ele só saia de perto da lápide quando precisava se alimentar. Esse comportamento durou até 1872, quando Bobby faleceu. Após sua morte, Bobby foi enterrado ao lado de seu dono, no cemitério de Greyfriars.

Sua história foi tão tocante que quebrou barreiras e conquistou pessoas do mundo todo. Após sua morte, em 1872, o cãozinho ganhou uma fonte e uma estátua em sua homenagem. Sua história de lealdade e companheirismo continua viva até hoje, e inspiram milhares de pessoas.

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on linkedin
LinkedIn