Pensando em adquirir um gato

Photo credit: CJ Isherwood / Foter / CC BY-SA
Photo credit: CJ Isherwood / Foter / CC BY-SA

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Existe um preconceito muito grande com relação aos gatos. Mas, após conhecê-los realmente, muitas pessoas se tornam amantes de tais criaturas.

Sem dúvida nenhuma, os gatos são diferentes dos cães e qualquer pessoa que espere um comportamento igual poderá se decepcionar. Gatos são mais independentes, donos das próprias vontades — não se submetem ao ser humano com tanta facilidade. Mas isso não quer dizer que eles não se apegam a pessoas, que são interesseiros e falsos, como muita gente costuma falar.

As diferenças comportamentais entre cães e gatos são fruto do diferente modo de vida que cada um levava. Os ancestrais dos gatos caçavam animais menores que eles, como ratos e passarinhos. Por isso, podiam caçar sozinhos.

Já os ancestrais dos cães caçavam também animais grandes. Para eles, fazer parte de um grupo era questão de sobrevivência, enquanto que para o gato não era. Daí vem a necessidade de o cão estar sempre por perto do grupo dele ou de seu “proprietário”, enquanto que para o gato nunca existiu essa preocupação. Mesmo não havendo mais necessidade de caçar para se alimentar, tanto os cães como os gatos mantêm comportamentos que já foram essenciais para a sua sobrevivência.

Independência e apego
Apesar de mais independente, o gato também se apega a pessoas, reconhece os seus proprietários, dá carinho e procura companhia. Há quem julgue os cães dependentes demais, querendo sempre chamar a atenção, nunca dispostos a ficar sozinhos. Pessoas assim podem até se sentir “sufocadas” por cães e encontrar nos gatos uma companhia ideal.

Território
De certa forma, os gatos são até mais territoriais que os cães: a maioria dos felinos não relaxa até conhecer bem seu espaço. Demonstrações de carinho só ocorrem depois de o gato ter se adaptado ao ambiente. Antes disso, estará estressado, preferirá ficar sozinho e, para se desvencilhar, poderá arranhar e morder até mesmo pessoas conhecidas.

Higiene e cheiro
Extremamente limpos, os gatos são quase obstinados por limpeza. Exceto algumas raças de pelo longo, são capazes de se limpar perfeitamente. Têm instinto de enterrar as fezes e a urina e, por isso, são facilmente treinados a usar uma caixinha de areia como banheiro.

Levar para passear
Facilmente o gato se sente desprotegido em ambiente novo. Por isso, não costuma ser muito fácil passear com ele, pelo menos da mesma maneira que se passeia com um cão. O gato se assusta com mais facilidade, atrapalhando a marcha constante durante o passeio.

Elegantes e discretos
Gatos são de uma elegância notável e se deslocam discretamente. Embora mais silenciosos que os cães, quando não castrados podem se tornar bastante barulhentos na época do cio, tanto machos como fêmeas, emitindo miados longos e contínuos.

Grandes saltadores
Por saltar mais alto e escalar melhor que o cão, o gato escapa com mais facilidade para a rua. Mantê-lo sem acesso à área externa e colocar telas nas janelas são recursos adotados por algumas pessoas para evitar o problema. Mesmo porque, em um apartamento, saltar pela janela ou cair dela pode resultar em acidente fatal.

Cuidado com os móveis
Raspar as unhas é uma necessidade para os gatos. Muitas vezes, eles escolhem estofamentos para fazê-lo. Existem arranhadores no mercado que podem ajudar a preservar a mobília. Mesmo assim, às vezes, é necessário supervisionar o felino até ele aprender a arranhar somente no arranhador.

Vira-lata ou de raça
Existem diversas raças de gatos, algumas mais calmas como o Persa e outras mais agitadas como o Siamês. Os vira-latas também constituem uma boa opção, já que costumam ser saudáveis e resistentes a doenças. Gatos muito peludos exigem maiores cuidados de limpeza e escovação. Os de pelo curto raramente necessitam de banho.

Filhote ou adulto
Filhotes são mais brincalhões e demandam mais cuidado, atenção e socialização. Os gatos adultos podem se adaptar perfeitamente a novos ambientes e se tornar bastante apegados a novos donos. Uma vantagem de adquirir um exemplar adulto é que o temperamento já está definido. O filhote ao crescer pode se tornar mais medroso e arredio do que se gostaria.

Macho ou fêmea
Gatos, principalmente machos, podem demarcar a casa com urina. Para evitar que isso ocorra, recomenda-se a castração.

Como tornar o gato mais amigável com visitas

Photo credit: .Great Grandpa & Grandma T. / Foter / CC BY
Photo credit: .Great Grandpa & Grandma T. / Foter / CC BY

Por Alexandre Rossi, especialista em comportamento animal.

Esconder-se, ficar sem brincar e até sem comer quando chegam visitas são comportamentos comuns em gatos. Mas isso frustra o proprietário “coruja”, por não conseguir tirar o animal de debaixo dos móveis para mostrá-lo. As visitas também ficam chateadas ao constatarem que o gato não gosta delas, e o bichano, por sua vez, mantém-se na defensiva, com medo, e deixa de receber carinhos e de curtir a novidade.

Tirar o gato do esconderijo, por melhor que seja a intenção, é afastá-lo do lugar que o faz se sentir protegido, deixando-o inseguro. Respeite o esconderijo do gato. Assim, ele ficará um pouco menos ansioso nas situações que julgar estranhas. Antes de se culpar pelo comportamento do bichano ou de considerar as visitas maus elementos, saiba que faz parte da natureza felina ser desconfiado. Imagine um gato explorando as redondezas sem se resguardar. Em pouco tempo poderá ser devorado por um cachorro. O oposto também não é adequado. Se o gato for medroso demais e não se acostumar a novidades, poderá deixar de achar alimentos, de chegar a lugares gostosos para tirar uma soneca e de encontrar parceiros para se acasalar.

O comportamento cauteloso varia bastante de um gato para outro. É fruto em parte da genética e em parte das experiências vividas. Gatos expostos a estímulos diversos quando filhotes costumam se tornar os menos medrosos e os mais preparados para aceitar mudanças.

O Fusquinha precisa associar visitas com coisas boas para diminuir o medo e tornar a vida mais agradável para todos. Coloque-se no lugar dele. Depois da chegada de um estranho, Fusquinha deixa de poder se esparramar em qualquer lugar, de se alimentar e de receber carinho das pessoas em quem confia. Se ele se sentir em perigo e tiver necessidade de ficar escondido em um cantinho, sem acesso a tudo que tinha minutos antes, é claro que não vai curtir visitas! E enquanto estiver isolado, tentando preservar a integridade, não poderá descobrir que as visitas não iriam machucá-lo nem atacá-lo.

É possível tornar a presença de visitas interessantes e agradável para os garotos associando-se a chegada de alguém a algo que o gato adore: por exemplo, dando petiscos e carinho a ele sempre que entrar uma visita. Guarde parte da ração e dos petiscos mais apetitosos para essas ocasiões (a vontade de comer diminui em situações de estresse e se o gato ganhar de tudo o tempo todo não teremos nada de especial para servir naqueles momentos).

No começo, a guloseima é oferecida bem próximo ao esconderijo do gato. Deixe-o comer tranquilamente. Assim que esse costume for usual, coloque o alimento um pouco mais afastado, estimulando o gato a sair parcialmente do esconderijo. Aos poucos, vá colocando o alimento cada vez mais perto das visitas. Qualquer movimento que pareça assustador para o gato, ou mesmo a tentativa de agarrá-lo, pode atrapalhar o processo. As visitas devem procurar ignorá-lo totalmente, pelo menos no começo. Impeça-as de forçar o contato físico com o bichano.

Com o tempo, o gato pode passar a pedir alimento toda vez que chegarem visitas e até mesmo ir diretamente até elas. Se você quiser encorajar esse comportamento, peça para as visitas colaborarem dando também pedaços de petiscos.

Espero que essas dicas ajudem o seu gato a ser mais corajoso e a descobrir como pode ser bom receber visitas!

Resumo das dicas

Respeite o esconderijo do gato. Não o tire de lá e nem o perturbe.
Ofereça alimentos apetitosos e carinho para o seu gato sempre que receber visitas.
Aos poucos, estimule-o a sair do esconderijo para pegar pequenos pedaços de petisco.
Impeça estranhos de assustar o gato ou de forçar o contato físico.

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!