Comportamento dos gatos: o que é preciso saber?

O número de gatos nos lares brasileiros vem aumentando cada vez mais, ano a ano. E, em alguns países, o número de gatos já supera o de cachorros. Se esse é o seu caso, existem algumas características desse animal que devem ser levadas em conta na hora de escolher um bichano.

Independência

Apesar dos felinos serem autossuficientes em vários aspectos, isso não significa que eles não precisem de atenção e interação com os moradores da casa. Qualquer dono sabe o quanto eles são capazes de demonstrar carinho. Eles são desconfiados, por isso, precisam ter o controle do ambiente e da situação para, então, começarem a interagir com mais confiança.

Gatos são extremamente limpos e prezam, realmente, por sua higiene. Quanto ao quesito necessidades, não é preciso treiná-los para utilizar um determinado local como “banheiro”: eles já nascem sabendo! Basta colocar uma caixa de areia e o gato naturalmente procurará esse lugar para cavar, fazer as necessidades e enterrá-las.

Atividades

Escalador: controlar e observar tudo do alto é um dos maiores prazeres dos bichanos. Assim, instalar prateleiras pelas paredes da casa, de forma a permitir que possam ser escaladas e servir de refúgio, será garantia de bem-estar ao gatinho.

Caçador: trata-se de um comportamento natural e cabe ao dono providenciar que seu gatinho possa exercitar essa sua habilidade. Nesse caso, valem bolinhas de pingue-pongue e brinquedos que se movimentam e podem ser “perseguidos”.

Dicas para o cachorro não sofrer quando ficar sem você!

dicas-cao-nao-sofrer_interna

É só você sair de casa que seu pet começa a entrar em desespero? É preciso ficar atento a algumas dicas e colocar em prática certos cuidados para garantir a saúde de seu cachorro.

Segundo o especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, esse sofrimento pode se tornar uma ansiedade de separação, que é quando o pet sente medo de ficar sozinho até em casa.

Veja o que você pode fazer para amenizar essa situação:

– Quando for deixar o cachorro em algum hotel, leve um brinquedo, caminha ou paninho com o cheiro dele e do dono.

– Duas semanas antes de viajar, diminua a comida do pet, pois, dois dias depois da viagem, ele pode se recusar a comer.

– Evite o grude com o cachorro antes das férias, isso pode causar uma mudança drástica no comportamento do animal.

Confira aqui a matéria completa.

NÃO VÁ AINDA!!

Agende agora mesmo uma primeira aula gratuita (on-line ou presencial) com um dos nossos adestradores!!