Para continuar habilite o JavaScript






Como lidar com cães hiperativos

Postado por Cão Cidadão em 20/May/2015 -

Photo credit: paeppi / Foter / CC BY

Photo credit: paeppi / Foter / CC BY

Muitos cachorros podem desenvolver hiperatividade ao longo da vida, ou então, herdar essa característica de pais ou avós. Se seu animal é do tipo que sempre está correndo para todo lado em busca de atrações, fica atrás de você o tempo todo, quer brincar a todo momento, é muito agitado no passeio, preste atenção no que você pode fazer para amenizar esse problema!

Além de serem muito ansiosos, os cães hiperativos podem desenvolver problemas comportamentais que afetem sua saúde e convívio com o dono. A hiperatividade, quando não trabalhada adequadamente, pode acarretar em transtornos compulsivos, como lambedura excessiva, girar em círculos, latido em excesso ou mesmo destruição de objetos, como uma forma de compensar e transferir essa agitação.

Muitas vezes, um ambiente incompatível às necessidades do bicho pode deixá-lo mais agitado, pois ele não gasta a energia que deveria ser gasta. Por isso, é importante que o dono conheça e entenda o perfil do seu cão, e observe em quais situações ele se torna mais ansioso ou agitado, ou se esse comportamento é constante.

De uma maneira geral, o cão hiperativo demanda mais atividades físicas e mentais, e o dono deve tornar a vida do mascote mais rica em atividades e estímulos positivos. “Passeios diários, brincadeiras com bolinhas ou outro brinquedo que o agrade, brincadeiras e atividades apropriadas para os momentos em que ele estiver sozinho são boas opções. Creches caninas, conhecidas como day care, podem também ser uma alternativa para cães com muita energia e que passam muito tempo sozinhos e ociosos”, diz Tarsis Ramão, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Em alguns casos, é recomendado também uma consulta a um veterinário, para verificar se o cão apresenta algum distúrbio fisiológico, que acarreta esses comportamentos.

Adestramento em domicílio

O adestramento também pode ser muito positivo para enriquecer a vida do cachorro e ajudar a ensinar e a orientar o dono sobre as características biológicas, de personalidade e outras particularidades da espécie e de seu animal.

Nos treinos, o adestrador e o dono podem ensinar e praticar comandos que ajudem na concentração e no controle emocional do animal. Existem também comandos divertidos, que entretém o cão, gastam sua energia e são uma ótima maneira de interação com o dono.

Na prática

Tarsis descreve um caso de hiperatividade que atendeu. A Maya, uma Golden Retriever de cinco meses, era uma cachorra muito agitada, que destruía móveis e outros objetos. Sempre estava muito ofegante, não conseguia interagir com os donos e apresentava episódios eventuais de coprofagia. Além disso, o dono relatou que, algumas vezes, perdeu a paciência com a cadelinha.

“Após algumas aulas orientando o proprietário a não repreendê-la com violência e a proporcionar mais atividades de interação, o comportamento da Maya começou a mudar. Ela foi instruída com brincadeiras, atividades e a interagir sob comandos de obediência, como ‘senta’ e ‘fica’. Gradativamente, ela se tornou uma cachorra mais equilibrada, os episódios de destruição diminuíram e as ocorrências de coprofagia cessaram logo de início”, indica a adestradora.

Se você tem um pet interativo em casa, agende uma visita com a equipe Cão Cidadão.

Minimum 6 characters

Receba dicas e novidades

No seu e-mail!




Navegue pelo site