Para continuar habilite o JavaScript






Adotar faz bem!

Postado por Cão Cidadão em 02/mar/2017 -

dicas_interna-1
Já pensou em adotar um melhor amigo? Ou já tem algum adotado? Essa é uma das melhores escolhas que você pode fazer se for uma pessoa apaixonada por pets! A Thais Rocha, cliente da Cão Cidadão, tem cinco cães: alguns adotados e outros resgatados. A história dela é uma verdadeira lição de vida.

Em setembro de 2013, ela e o marido adotaram o Rodolfo, com a ajuda da cunhada dela. Seis meses depois, resolveram dar um irmãozinho para ele. “A gente trabalhava e ele ficava o dia inteiro sozinho. Achamos melhor deixá-lo com uma companhia”, contou Thais. Então, adotaram o Romeu. Mas ela conta que no início seu esposo queria uma fêmea, mas ela tinha um certo preconceito com “meninas”, por achar que davam mais trabalho.

Um mês depois, Thais lembra que eles voltaram à feira, e a fêmea, irmã de Romeu, ainda estava lá para adoção, depois de ser devolvida duas vezes por chorar demais. “Meu marido estava decidido e disse que naquele sábado ela não ficaria sem família. Que se ninguém a quisesse ela seria nossa! Mas eis que apareceu uma moça querendo levá-la. Ufa (eu pensei)! Três cachorros é loucura!”, brinca. No dia seguinte, ligaram do abrigo dizendo que a fêmea tinha sido devolvida pela terceira vez, então, eles a adotaram e deram a ela o nome de Rosinha.

Em menos de um ano, o casal estava com três cachorros em um apartamento. Então, decidiram mudar para uma casa para que conseguissem se acomodar melhor.

Em novembro de 2014 receberam a notícia de que um cachorro foi abandonado na frente do abrigo e junto com ele tinha um bilhete de um menino de 10 anos. “Lá estava escrito que ele gostava muito do cachorrinho, mas que precisava deixá-lo lá porque não podia cuidar. Disse ainda que esse cachorrinho foi parar na comunidade onde morava, pois a família dele havia vindo para o Rio de Janeiro após a casa deles, na região serrana do Rio, ter desmoronado por causa de fortes chuvas. Como a família que os acolheu não aceitou o cachorrinho, ele ficou vagando pelas ruas. Com isso, era maltratado (como consequência de uma pedrada no olho, ele estava com um tumor). Assim, o abrigo pediu ajuda com lar temporário para o tratamento de quimioterapia e nós demos.”, conta Thais.

Ela acrescenta ainda que ficou preocupada pois era um cachorro adulto e muito sofrido, além de ter chegado muito arisco. Mas, com o tempo e muito carinho e paciência, ele se revelou bastante dócil. “O tratamento durou quatro meses e, depois desse período, não o devolvemos e oficializamos a adoção. Assim, em março de 2015, estávamos com quatro cachorros. Mantivemos o nome dele que estava no bilhete do menininho. Era Tapioca, pois ele se escondia embaixo de uma barraca de tapioca da comunidade.”

A última adoção foi feita em uma viagem de férias, em 2015, em que Thais e o marido foram para um hotel e encontraram uma cachorrinha que estava perto do quarto deles. O filhote estava com sarna e, então, decidiram levá-la a um veterinário que ficava próximo. Deixaram ela sob cuidados médicos até o fim da estadia, para que pudesse se recuperar. “Trouxemos a pequena Channel para o Rio de Janeiro no intuito de colocá-la para adoção. O tratamento da sarna demorou e nós nos apegamos. Já estávamos oficialmente com cinco cachorros em casa, em outubro de 2015”, recorda Thais.

Com todos esses cachorros, o casal optou por adestrá-los. Foi então que conheceram a Cão Cidadão e contrataram a Ariane, franqueada do Rio de Janeiro, para ajudá-los nessa missão.

“Como acreditamos que cachorros são parte da família, é muito importante que eles sejam educados, afinal, eles têm acesso livre à casa, não ficam só no quintal”, finalizou.

Adotar com responsabilidade

Ter um animal é muito bom, mas é necessário que você tenha consciência de que eles precisam de cuidados e atenção. Escolher o pet que mais se adepta a sua família, por exemplo, também é fundamental.

A guarda responsável é essencial para o bem-estar da família e do novo integrante. Por isso, leve em consideração os pontos abaixo:

1. Um animal precisa de carinho, amor e atenção.
2. Disponibilize um tempo do seu dia para se dedicar ao seu pet.
3. Leve-o passear.
4. Visite o médico veterinário mesmo quando o animal estiver saudável.
5. Saiba que um bichinho dá gastos, mas em troca traz muita alegria.
6. Cuide do seu animal. Ele é sua responsabilidade.
Agora, boa sorte com a adoção do pet!