Compulsão em pets: o que é preciso saber?

Photo credit: Matt Salas / Foter / CC BY
Photo credit: Matt Salas / Foter / CC BY

Por Cássia Rabelo Cardoso dos Santos, adestradora e consultora comportamental da equipe Cão Cidadão. 

Assim como ocorre com os seres humanos, os pets também podem apresentar comportamentos obsessivos. A chamada compulsão se caracteriza por comportamentos repetitivos, sem motivo aparente e não vantajosos, que podem, inclusive, levar o animal de estimação a se ferir.

Alguns exemplos comuns, que costumam ser relatados pelos donos: o cão que se lambe excessivamente até ferir partes do corpo, como as patas, rabo, dorso; gato que arranca tufos do próprio pelo; o papagaio que arranca as penas; o cão que persegue o próprio rabo ou a própria sombra.

Mas, como saber se determinado comportamento do amigo de estimação consiste, efetivamente, em compulsão?

Diagnóstico

Caso haja a desconfiança de que o pet está apresentando algum comportamento repetitivo, antes de qualquer coisa, é preciso buscar ajuda de um médico veterinário de confiança. Esse profissional fará toda a avaliação necessária, para descartar alguma doença clínica, como possível deflagrador do comportamento. Por exemplo: um cão que começa a lamber as patas excessivamente pode estar apresentando algum problema dermatológico, que o leva a agir assim. Caso seja constatada alguma causa clínica para o comportamento, é necessário que ela seja devidamente tratada.

Mas, caso os exames clínicos descartem qualquer sinal de doença ou problema de saúde, aí sim é necessário consultar um especialista em comportamento animal, para que sejam tomadas as medidas necessárias para a modificação comportamental. Lembrando que, para os comportamentos compulsivos, há uma predisposição genética herdada, geralmente em razão de desequilíbrio químico de neurotransmissores do cérebro. Esse fator pode levar à necessidade de utilização de medicação, a ser prescrita pelo médico veterinário.

O que fazer?

Muitas vezes, a “mania” surge apenas por falta de atividades para um cão bastante ativo, estresse gerado pelo ambiente onde ele vive ou mudança brusca na rotina. Aliás, o estresse é um dos principais deflagradores de comportamentos compulsivos.

Assim, uma das medidas é promover enriquecimento ambiental para o pet, ou seja, proporcionar atividades que ele possa se entreter bastante e que sejam adequadas às necessidades da espécie. Exemplo: cães são animais sociais, precisam de convívio com outros cães e com os humanos; gatos são caçadores por natureza e precisam dar vazão a esse comportamento.

Nesse sentido, é também importante dar ao animal de estimação oportunidade para extravasar sua energia com atividades físicas, como longos passeios diários aos cães ou criar ambientes em que os felinos possam escalar e “caçar” sua comida. Pode-se, também, direcionar o comportamento compulsivo de cães para objetos determinados, como ossos recreativos e brinquedos que liberam comida.

O ambiente e relacionamento do cão e gato com o dono também devem ser avaliados, para verificar se estão adequados para a espécie. Cães muito ligados ao dono podem ficar bastante ansiosos ao serem deixados confinados por longos períodos de tempo, e esse fato pode deflagrar comportamentos compulsivos. Gatos submetidos a mudanças drásticas no ambiente em que vivem podem ficar bastante ansiosos e incomodados.

Assim, sempre observar o pet e proporcionar a ele as condições necessárias para seu bem-estar. São medidas que ajudarão a evitar e combater comportamentos compulsivos.

Fonte: The Pet News.

Share and Enjoy !

0Shares
0 0

Como lidar com a compulsão em gatos

Photo credit: Wolfgang Lonien / Foter / CC BY-SA
Photo credit: Wolfgang Lonien / Foter / CC BY-SA

Por Cassia Rabelo Cardoso dos Santos, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Gatos e outros pets podem apresentar determinados comportamentos, sem razão efetiva de ser, denominados compulsivos. Nos seres humanos, esse tipo de distúrbio é mais conhecido como obsessivo-compulsivo, bastante estudado e debatido no âmbito da Psicologia.

Nos animais de estimação, inclusive gatos – foco deste texto – a chamada compulsão pode ser definida como a adoção de comportamentos repetitivos, sem motivo aparente e não vantajosos, que podem, inclusive, levar o bichano a se ferir. São exemplos que costumam ser relatados pelos proprietários: marcha em círculo, ficar paralisado, olhar fixamente para sombras/paredes, ataque à cauda, auto-higiene exagerada, sucção de pelos, ingestão de itens não alimentares, lambedura de objetos ou dos proprietários, e autolambedura excessiva.

Importante destacar que os comportamentos acima descritos, para serem considerados como compulsivos, devem ser apresentados de forma crônica e bastante evidente. Assim, como saber se determinado comportamento do gato pode ser considerado, efetivamente, como compulsão?

Antes de mais nada, é preciso buscar ajuda de um médico veterinário de confiança. Esse profissional fará toda a avaliação necessária para descartar alguma condição clínica, como possível deflagrador do comportamento. Por exemplo: um gato que esteja se lambendo excessivamente, muito além do que seria o normal para a higiene diária, pode estar com algum problema dermatológico que gera desconforto.

Assim, caso seja diagnosticado algum quadro clínico, é necessário que a condição seja devidamente tratada. Mas, na hipótese dos exames clínicos descartarem qualquer sinal de doença ou problema de saúde, é necessário tomar as medidas para a modificação comportamental.

Agora, por quais motivos um gato pode se tornar compulsivo? Inicialmente, sabe-se que há um forte componente genético herdado, que interfere na parte neuroquímica cerebral. Aliado a esse fato, comportamentos compulsivos podem surgir em razão de estresse excessivo, tais como conflitos, frustração constante e falta de escapes para a apresentação dos comportamentos normais de felinos.

Situações como estimulação mental e física insuficiente, alterações drásticas na rotina, exposição a situações que, rotineiramente, geram medo, ansiedade, conflito ou frustração, podem deflagrar compulsões que, ao longo do tempo, podem se tornar mais duradouros e frequentes.

Dessa forma, quando diagnosticado o comportamento compulsivo, uma das medidas é promover enriquecimento ambiental para o gato, ou seja, proporcionar atividades com as quais ele possa se entreter bastante e que sejam adequadas às necessidades da espécie felina. Exemplo: gatos, que são caçadores por natureza e precisam dar vazão a esse comportamento, podem ser estimulados através de brinquedos que liberam comida; área segura e confortável (de preferência em local alto, a ser escalado), onde ele possa observar o ambiente; adestramento; brinquedos que podem ser perseguidos e golpeados.

É também importante proporcionar ao bichano oportunidade para extravasar sua energia com atividades físicas, especialmente em situações que eles possam escalar e “caçar” sua comida.

É fundamental verificar se o ambiente e o relacionamento do gato com o dono estão adequados para o comportamento da espécie.

Gatos submetidos a mudanças drásticas no ambiente e/ou rotina em que vivem podem ficar bastante ansiosos e, consequentemente, estressados. Assim, proporcionar uma rotina previsível ajudará na modificação comportamental.

Em muitos casos em que o comportamento compulsivo compromete o bem-estar físico do gato, pode ser necessária a utilização de medicação específica, a ser prescrita por médico veterinário de confiança, visando auxiliar na terapia comportamental.

De toda forma, com paciência e compreensão do problema, é possível controlar um comportamento compulsivo apresentado pelo gato e garantir ao pet uma vida saudável e livre de desconforto!

Share and Enjoy !

0Shares
0 0