Halloween e os medos dos pets

Hoje, 31 de outubro, é comemorado o Dia das Bruxas – data em que as pessoas, principalmente nos Estados Unidos, costumam se fantasiar e festejar.

No Brasil, a comemoração tem se tornado cada vez mais frequente. “Gostosuras ou travessuras”? Muitos fogem das travessuras! Independentemente do credo, a data acaba sendo muito associada ao universo do medo.E, por falar nisso, muitos pets também sofrem com os seus medos.

Para alguns animais, barulhos, água e até mesmo o veterinário podem ser equiparados aos “monstros” dos humanos! O que fazer para ajudá-lo a superar a fobia?

Quando filhote, é importante apresentar ao animal diversos sons, barulhos, objetos e pessoas. Assim, as chances de que ele desenvolva medo são bem menores.

Agora, se o pet já for adulto, e morrer de medo de barulhos, por exemplo, é possível ajudá-lo a superar esse desafio, por meio de um treino de dessensibilização.

Confira mais informações sobre cães que têm medo de barulhos.

Saúde bucal do animal

Hoje, 25 de outubro, comemora-se o Dia do Dentista. Aproveitando a ocasião, como é que anda a saúde bucal do seu pet?

Alguns donos podem se perguntar se realmente é necessário escovar os dentes dos cães. Sim, é!

Além da escovação melhorar o hálito do peludo, ela previne o tártaro, que contém muitas bactérias que podem causar sérios problemas de saúde ao seu amigo.

Para escovar os dentes do mascote, é necessário utilizar alguns acessórios: a pasta de dente, que deve ser aquela produzida especialmente para os animais – não utilize o produto de uso humano! – e uma “dedeira” de borracha, que é de fácil manuseio.

Nos primeiros dias, coloque um pouco de pasta no seu dedo mesmo e deixe o pet lamber. Faça sempre carinho e elogie. Depois de algumas repetições, coloque novamente a pasta no seu dedo e comece a fazer uma massagem na gengiva, com movimentos circulares. Depois de alguns dias, coloque a dedeira e, com calma e paciência, faça o mesmo movimento circular que você fez com seu dedo.

Certifique-se de que você conseguiu escovar todos os dentes e, se o cachorro ficar muito agitado, pare e retome a escovação em outro momento.

Guias ideais para o adestramento

tipos-de-guias

As guias ideais para o cãozinho são aquelas que aguentam um bom tranco e, de tão leves e silenciosas, fazem com que o pet nem “perceba” que está preso a ela. Mas, é importante que o animal respeite você e não a guia. Não se esqueça disso!

Aconselháveis

Guia de cordão resistente: ideal para o adestramento. Não é óbvia para o cão, o que contribuirá para que ele te obedeça com ou sem a guia. Cordões finos e leves podem ser bastante resistentes. Teste-os antes de utilizar.

Guias reguláveis: são boas para o adestramento, já que permitem ajustar o comprimento.

Não aconselháveis

Guia de corrente: não é aconselhável para o adestramento, pois, além de pesada, é barulhenta, tornando-se muito óbvia para o cão. São boas para conter o animal sem supervisão, já que a corrente não pode ser roída. Cuidado para o cão não se enroscar!

Guia de tecido pesado e largo: também não é aconselhável para o adestramento, pois é pesada e, portanto, óbvia para o cão.

Fonte: Adestramento Inteligente, de Alexandre Rossi.

Saiba quais são os brinquedos mais adequados para o mascote

brinquedos

No Dia das Crianças, os pets também merecem mimos! Além de se tratar de um divertimento para o cão, os brinquedos ajudam a evitar que ele eleja o pé da mesa, o controle remoto da televisão ou outras peças de uso doméstico como objetos para serem roídos ou destruídos.

Os brinquedos também podem diminuir o estresse do animal e auxiliar no adestramento dele. No livro Adestramento Inteligente, o especialista em comportamento animal, Alexandre Rossi, dá algumas dicas e explica quais são os brinquedos mais adequados para os cãezinhos. Confira abaixo!

Brinquedos recomendados

– Bolas de tênis: são resistentes e não despedaçam.

– Garrafa pet: é uma forma fácil e barata de enriquecer o ambiente.

– Ossos de náilon: são brinquedos de excelente qualidade e não desgastam os dentes.

– Brinquedos de materiais digeríveis: não causam obstrução do aparelho digestivo.

Brinquedos não recomendados

– Bolinha de gude: podem quebrar os dentes do cão e machucar a boca dele.

– Ossos naturais: podem gastar excessivamente os dentes do pet e até quebrá-los.

– Bichos de pelúcia: se despedaçados e engolidos, podem causar problemas à saúde do cãozinho.

– Brinquedos de borrachas que se despedaçam: podem ser engolidos e causar obstrução no aparelho digestivo.

Arte de ignorar: não recompense o pet pelos comportamentos errados

arte-de-ignorar

O cãozinho pegou o seu chinelo e saiu correndo? Saiba que, correr atrás dele, em vez de ter um efeito “punitivo”, pode dar a ele algo que ele realmente busca: sua atenção!

As broncas devem impedir os comportamentos errados e não punir o cão por ter feito algo. É importante que elas sejam dadas no momento exato – broncas tardias não funcionam -, e não assustem, machuquem ou traumatizem o cão.

Na prática

– Não atropele os ensinamentos. A paciência, aliada ao treinamento gradual, assegura um adestramento mais bem-sucedido.

– Ensine o conceito do NÃO para o seu cão, para facilitar o treino. Coloque um pedaço de petisco no chão e toda vez que o cão tentar pegá-lo, impeça, segurando-o pela guia, fazendo uma barreira com a mão ou utilizando um borrifador e falando o NÃO. Repita o treino e, se o cão desistir de roubar o petisco, recompense-o com outro pedaço. Assim, ele entenderá que quando você fala NÃO, ele deve parar o que está fazendo.

– Utilize broncas despersonalizadas para comportamentos errados no ambiente, como destruição de móveis, jardins, roubo de comida. São eficazes, pois o cão não associa a bronca a uma pessoa. Exemplo: toda vez que o cão se aproximar de um móvel para roê-lo, faça um barulho com um chocalho de lata, para interromper o comportamento. Faça isso todas as vezes e dê muitos brinquedos para que o cão tenha o que fazer.

– Ensine diversos comandos e, em vez de esperar o cão fazer algo de errado, como pular nas visitas, peça o comando antes – o “senta”, por exemplo. É melhor ensinar algo novo e recompensar o cão pelo bom comportamento, pois, dessa forma, ele aprende melhor e mais rápido.

Latido em excesso: como lidar com o problema?

latido-em-excesso

Por Malu Araújo, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Uma queixa comum entre os proprietários de cães é o latido em excesso. O latido é a maneira de o cachorro se expressar e muitos são os motivos que podem levá-lo a isso. Mas, o excesso pode ser prejudicial não só para nós, humanos, que podemos ficar estressados com o barulho ou enfrentar problemas com vizinhos, mas para os cães também. Eles podem ficar constantemente ansiosos, o que pode até causar uma gastrite.

Apesar de algumas raças terem o hábito de latir mais do que outras, latir em demasiado não é normal, e o primeiro passo para mudar esse mau hábito é descobrir o motivo que leva o cachorro a latir tanto. Sempre que há uma mudança repentina de comportamento, devemos, primeiramente, consultar um médico veterinário, para descartar qualquer problema de saúde. Descartada qualquer dor e alteração, vamos verificar a causa comportamental.

Alguns cães aprendem a latir para chamar a atenção. Por exemplo, quando a família está comendo na mesa e o cachorro começa a latir, alguém joga um pedaço de comida. Pronto, o cachorro foi recompensado por latir. A melhor forma de lidar com cães com esse tipo de comportamento é sempre recompensar o cachorro por esperar, antes que ele comece a latir. Elogie e ofereça um petisco. Se ele latir, ignore, vire para outro lado.

Outros cães latem muito para visitas. É só chegar alguém diferente na casa que o cachorro late sem parar. Nesse caso, o cachorro pode latir porque é um pouco medroso e late para tentar afastar essa “ameaça”. Cães que agem dessa forma devem entender que as visitas são bacanas, para isso, sempre que uma pessoa diferente for visitá-lo, faça uma associação positiva.

Esteja preparado para, antes de abrir a porta para que a pessoa entre, oferecer ao cachorro um petisco. Peça para o convidado entrar e, se for uma pessoa que gosta de cães e que gostaria de participar do treino, ela própria pode oferecer um petisco.

Esses são só alguns exemplos, mas existem várias outras razões para os latidos excessivos. Para uma maneira específica de lidar com a situação, para determinar e tratar corretamente, conte sempre com a ajuda de um profissional especialista em comportamento.

Aprenda mais sobre o Maltês

maltes

Corajoso, carinhoso e brincalhão. Essas são algumas das principais características do Maltês, também conhecido por Bichon Maltês, um cão originário de Malta, que se tornou um dos toys mais populares no país.

De acordo com a Confederação Brasileira de Cinofilia, os ancestrais do Maltês viviam em portos e cidades marítimas centrais do Mediterrâneo, onde costumavam caçar os ratos dos armazéns dos portos e porões dos navios. Mas, com o tempo, caíram nas graças da nobreza, convivendo entre os membros da corte.

A raça é ainda considerada uma das mais antigas da Europa. Existem indícios que associam esses cãezinhos à época de Aristóteles (384- 322 A.C.). Acredita?

Erros mais comuns na hora do adestramento

O adestramento não tem a função apenas de ensinar truques ao pet. O objetivo principal é permitir que a relação entre o dono e o animal se mantenha harmoniosa, por meio da melhora da comunicação entre ambos.

Algumas dicas são importantes para não apenas evitar problemas durante o treinamento, como também fazer com que ele seja realmente eficaz.

Confira os erros mais comuns na hora do adestramento:

– Uso da palavra “Não”: não a utilize a todo o momento, pois, além de deixar o animal confuso, vai perder a sua eficácia.

– A bronca deve estar sempre associada ao comportamento errado e deve ser realizada assim que a ação ocorrer, e não depois.

– Muitas vezes, ao fazer algo errado, o cão está apenas querendo chamar a atenção. Cair nessa “armadilha” (por exemplo, correr atrás do animal para retirar um objeto de sua boca) reforçará esse comportamento.

– Nunca use violência física!