Como montar o enxoval do seu gatinho

Apesar de terem uma personalidade mais independente e, em geral, darem menos trabalho que os cães na infância, a chegada de um gatinho ao lar envolve várias providências e a compra de alguns itens para o seu conforto e bem-estar. Por isso, separamos algumas dicas de como escolher os produtos:

➡ Caminha: dê preferência a camas que imitam toquinhas. Os modelos 2 em 1, que podem ser usados como toca ou cama aberta são ótimas opções.

➡ Comedouro e bebedouro: para a comida, prefira potes altos e mais estreitos, para as bordas não encostarem nos bigodes do pet. Já para água, investir em uma fonte é o mais recomendado.

➡ Tela e muro alto: criar um gato sem acesso à rua é a melhor forma de garantir a sua saúde, segurança e longevidade. Dessa forma, é essencial que a casa não tenha rotas de fuga, nem mesmo nas janelas basculantes do banheiro!

➡ Alimentação: a mais indicada são rações super premium ou alimentação natural prescrita por nutrólogo, mas é importante continuar oferecendo a comida que ele já vinha comendo e aos poucos ir misturando e fazendo a troca. Lembrando que os bichanos preferem comer várias pequenas porções ao longo do dia.

➡ Caixinha de areia: o recomendado é sempre ter o número de gatos + 1 caixa. Ou seja, se você tem um felino, precisa ter 2 caixas na casa. Elas devem ter o dobro do tamanho do gato e serem cobertas com pelo menos 3 dedos de areia.

➡ Arranhador: o ideal é que sejam altos (estudos mostram que devem ter ao menos 1m) e fiquem em locais estratégicos como passagens e quinas de móveis.

➡ Brinquedos diversos: gatos precisam de atividade intensa assim como os cães! Dessa forma, recomendamos ao menos 10 minutos de brincadeira diária. Os itens preferidos são varinhas com bolinhas e penas, laser e itens com catnip, ou seja, tudo que faça movimentos similares a uma caça.

Seu pet faz xixi na borda do tapete?

No processo de aprendizado do treino sanitário, a evolução é gradual, e mesmo os pets que já estão com uma boa porcentagem de acertos podem errar ou ter “meios acertos”, ou seja, urinar na bordinha do tapete higiênico. Se identificou? Pois saiba que isso é completamente normal! Mas é possível amenizar o problema e tentar direcionar o xixi para dentro. Confira algumas dicas:

➡️ Aumente a área do banheirinho, grudando dois ou três tapetes com fita adesiva


➡️ Se necessário, dobre para baixo as bordas plásticas do tapetinho e só deixar disponível a parte absorvente


➡️ Outra opção é usar algum objeto pesado (como pedras ou tijolos) em partes das bordas, obviamente deixando ao menos uma “entrada” sem nada


➡️ Reforce o treino, ou seja, incentive-o a sempre ir até o local correto e o induza a entrar completamente no tapetinho antes de se aliviar.


➡️ Evite dar broncas no peludo, pois isso pode desencorajá-lo a buscar o tapetinho!

➡️ O ideal é seguir recompensando até os “meios acertos” no começo, mas depois, passe a ignorá-los e valorize apenas os acertos completos. Ou ainda é possível oferecer um petisco mais valioso em caso no centro do tapetinho e uma recompensa mais baixa caso o pet faça na borda.

Mito ou verdade: gatos só ronronam quando estão felizes?

Mito!

Muito característico dos gatos, o ronrom acontece fisicamente por causa da dilatação e contração da glote do peludo, causando uma vibração do ar perto das cordas vocais.

Embora seja comumente associado a momentos de satisfação (como quando estão ganhando carinho), o som também pode ser emitido por outros motivos, como fome! Isso se deve, provavelmente, ao fato de os gatinhos ronronarem em seus primeiros dias de vida para serem localizados pela mãe na hora de mamar.

Dessa forma, os cientistas acreditam que o som também é uma forma dos gatos se comunicarem (entre eles e conosco!), uma vez que já foram identificadas várias frequências diferentes de ronronar – de fato, muitos tutores ligados a seus pets conseguem diferenciá-los no dia a dia.

Por fim, pesquisadores já observaram que o ronronar aparece ainda em momentos de dor e cautela, ou seja, estaria associado a um mecanismo autocalmante e fortalecedor do sistema autoimune do pet. Inclusive, por isso, muitos felinos ronronam no sono, como uma forma de reparação.

➡️ E o seu gatinho, ronrona em que situações? Conte pra gente!

Como fazer o cão prestar atenção nos treinos?

Muitos tutores relatam que tentam treinar comandos com seus pets, mas não conseguem fazê-los prestar atenção. Primeiramente, é importante entender que, apesar de cada cãozinho ter um nível diferente de aptidão para comandos, todos têm capacidade para aprender. Por isso, separamos algumas dicas para ajudar a ter o foco do peludo no treino:

➡️ Escolha um local da casa sem muitos estímulos, ou seja, sem acesso à rua ou outros animais
➡️ Treine sempre em um tapete de EVA ou de ioga para criar uma referência visual (e evitar que o pet escorregue!)
➡️ Use uma recompensa valiosa: pode ser a própria ração, um petisco ou fruta liberada pelo veterinário ou até um brinquedo. O que importa é que seja realmente valorizada pelo peludo
➡️ Teste vários horários até identificar o que o pet rende mais. Antes das refeições costuma funcionar bem para atrair a atenção com o alimento
➡️ Faça sessões curtas e sempre termine com acertos. Misturar comandos estáticos com outros de movimento também ajuda a manter o interesse do cão
➡️ Valorize muito os acertos, sempre elogiando e acariciando o animal para que ele tenha prazer de obedecer

E conte sempre com a equipe da Cão Cidadão para orientar os treinos!

Como entreter o pet no home office

Fazer home office pode ser um desafio para quem tem um ou mais cães em casa. Afinal, a maioria dos pets está acostumada a ter a nossa presença por mais tempo aos finais de semana, quando podemos dar bastante atenção e carinho a eles. Dessa forma, é importante saber entretê-los durante o dia! Confira algumas ideias:

➡ Ofereça uma das refeições ou pequenos pedaços de petisco num brinquedo dispenser que estimule o peludo a correr, empurrar e usar as patas para conseguir o alimento.

➡ Da mesma forma, existem ainda tabuleiros inteligentes com compartimento para petiscos e tapetes de forrageamento para esconder comida nos retalhos de tecido.

➡ Mas não é preciso gastar muito com isso! É possível usar itens reciclados como garrafas plásticas, caixas de ovo/leite, rolinhos de papel, retalhos de camisetas velhas e até toalhas. Sempre lembrando de supervisionar o animal nas primeiras interações.

➡ Disponibilize itens para cães roerem e destruírem, como ossos de nylon ou naturais e caixas de papelão.

➡ Nos intervalos de descanso, faça uma caça ao tesouro: espalhe alguns petiscos pela casa e incentive o pet a usar o faro para procurá-los. Comece deixando bem óbvio e aos poucos vá escondendo de verdade. Depois que ele pegar o jeito, tente com um brinquedo também!

➡ Teste se o pet se interessa por alguns programas de TV. Músicas também funcionam! O enriquecimento ambiental visual e sonoro também é muito importante para eles.

➡ Faça cubos de gelos com pedaços de petiscos ou frutas liberadas pelo veterinário e ofereça em dias quentes! Se quiser fazer numa forma maior, fica ainda mais legal!

➡ Já para a hora de uma reunião, ofereça um brinquedo de borracha com recheio pastoso, pois o pet pode se deliciar numa caminha ao seu lado, sem fazer muito barulho. Para aumentar o tempo de diversão, congele o brinquedo antes!

Como organizar a rotina do pet

Você sabe como organizar as atividades para proporcionar bem-estar ao pet e garantir que ele tenha tudo que ele necessita?

Para começar, é importante saber que ter uma rotina beneficia muito os cães! Mas não existe um cronograma padrão para todos eles, o que importa é conseguir, na maior parte dos dias, seguir certos horários e promover os estímulos necessários para os pets. Para ajudar, separamos a seguir as principais necessidades da espécie canina:

➡ Alimentação regrada: o alimento deve ser de qualidade e ofertado em no mínimo 2 porções diárias, em horários regrados. A quantidade deve ser pesada de acordo com o indicado pelo veterinário e a água deve estar sempre fresca e à vontade.

➡ Atividades físicas: independentemente da energia do animal, todos eles precisam se exercitar ao menos um pouco! Lembrando que o passeio não é a única alternativa (caso chova, por exemplo)! Bolinha, cabo-de-guerra e comandos de movimentos são ótimas opções.

➡ Atividades mentais: tente estimular o pet mentalmente ao menos uma vez ao dia! Comandos de obediência e limite funcionam muito bem, como “senta”, “deita”, “fica”, “não” e “vem”. Brincadeiras como caça ao tesouro e tabuleiros interativos também ajudam.

➡ Enriquecimento ambiental: os animais devem ter a oportunidade de expressar comportamentos naturais da espécie, como caçar seu alimento, farejar, cavar e estraçalhar. Por isso, brinquedos recheados e itens de roer são essenciais para o seu bem-estar!

➡ Momentos de relaxamento: assim como necessitam de atividades, eles também devem ter um descanso de qualidade – físico e mental. Ensinar o significado de “acabou” e inserir uma massagem relaxante no dia a dia são formas de ajudar o seu peludo a se acalmar.

Meu filhote é agressivo

É muito comum tutores de filhotinhos ficarem na dúvida se seus pets estão ficando muito agressivos. Embora não seja muito comum, existem casos em que os pets podem, sim, já manifestar agressividade desde novinhos por motivos diversos, como genética, histórico de gestação da mãe e do nascimento, separação da matilha antes dos 50 dias, medo ou algum trauma sofrido nos primeiros dias de vida.

Contudo, na maioria das vezes, o que está acontecendo, na verdade, são as famosas mordidas de filhotes (principalmente por causa dos dentes nascendo). Em conjunto com a inesgotável energia, curiosidade e vontade de explorar e testar que eles têm, essas investidas podem mesmo parecer que o peludo está “atacando” as pessoas.

Se for esse o caso, algumas dicas podem amenizar o problema, como:

➡ Disponibilizar brinquedos específicos para mordidas (nylon e borracha são ótimos materiais);
➡ Interromper a diversão se ele começar a direcionar as mordidas para você;
➡ Evitar interagir com o pet sem um brinquedo na mão;
➡ Ensinar comandos de obediência básica e limites;
➡ Oferecer gelo ou os próprios brinquedos congelados para aliviar a coceira na gengiva, comum em função da troca de dentição.

Ainda assim, a nossa recomendação é buscar a ajuda de um profissional de comportamento animal, que poderá identificar exatamente o que está acontecendo e criar um plano de treino personalizado. Afinal, as experiências da infância podem definir fortemente a personalidade do seu peludo.

Dicas para escovar o pelo do seu cão

Na semana passada, fizemos um post sobre queda de pelos dos pets, e uma das dicas para ajudar a reduzir o problema é escovar regularmente a pelagem. Contudo, nem todos os cães aceitam facilmente o procedimento, podendo ser um grande desafio para os tutores. Por isso, separamos algumas dicas a seguir:

➡ Primeiramente, identifique o tipo de pelagem do peludo (curta, média ou longa/ grossa ou fina) para adquirir a escova certa! Se necessário, peça ajuda do veterinário ou profissional de banho e tosa.

➡ Acostume o seu pet a ser manipulado gentilmente (com as suas mãos mesmo). Para isso, enquanto você o massageia (no chão, não no colo!), vá oferecendo grãos de ração ou pedacinho de petisco. Outra opção é oferecer um brinquedo recheado com algo pastoso.

➡ Sempre que ele se mostrar desconfortável com a manipulação, interrompa o movimento e também pare de oferecer comida. Espere alguns segundos e tente novamente. A ideia é que ele não seja forçado a nada e, aos poucos, goste de ser massageado porque rende coisas boas.

➡ Passe a fazer o exercício com a parte de trás da escova, sem as cerdas. Siga recompensando e associando o contato com a comida.

➡ Finalmente, passe a usar a escova da forma correta, tomando o cuidado para não machucar o animal, sempre verificando se ele está comendo, e interrompendo se mostrar sinais de desconforto!

➡ Com o passar dos treinos, ofereça menos recompensas alimentares e mais carinho e elogios, até se tornar um momento prazeroso por si só.

➡ Por fim, é importante que os tutores não encarem a escovação apenas como uma obrigação, pois esse sentimento certamente será transmitido ao peludo, Tente enxergar como um momento de interação, que pode envolver muita conversa e conexão.

O pelo do meu pet está caindo muito

Nessa época do ano, muitos tutores relatam que suas casas ficam tomadas pelos pelos de seus peludos. Pois saiba que, a não ser que a queda de pelos esteja excessiva a ponto de deixar falhas ou existam outros sintomas associados (casos em que o veterinário deve ser consultado!), isso é esperado! Com a chegada do outono no final deste mês, é chegado também o momento de troca de pelagem, o que significa que os pelos mais finos vão começar a cair bastante para darem lugar a pelos mais grossos que possam aguentar melhor as baixas temperaturas.

Esse fenômeno acontece também com a chegada da primavera, e a queda fica ainda mais evidente no caso de pets com pelagem curta, pois os pelos completam seu ciclo mais rapidamente e caem mais para se renovar.

A boa notícia é que assim que as temperaturas ficam mais constantes, a queda costuma diminuir. Ainda assim, há algumas estratégias para minimizar o problema no ano todo, como:

➡ Oferecer uma ração de qualidade (de preferência super premium) ou alimentação natural prescrita por veterinário nutrólogo


➡ Não dar banhos demais no animal para manter as barreiras naturais da pele

➡ Suprir as necessidades físicas e mentais do animal, para evitar estresse

➡ Escovar regularmente os seus pelos

O que são comandos básicos?

Há quem acredite que não há necessidade de seus pets aprenderem truques quando o que buscam é resolver problemas comportamentais como xixi fora do lugar ou destruição. Contudo, os comandos são uma ferramenta muito importante na educação dos peludos e trazem um monte de benefícios, como ajudar a desenvolver uma comunicação mais clara entre tutor e pet, estabelecer limites e fornecer uma atividade ao mesmo tempo física e cognitiva.

Ainda que a sua intenção não seja ter um pet que faça muitos truques difíceis, existem alguns comandos básicos que todo cão pode e deve saber, pois além de serem extremamente funcionais no dia a dia, podem salvar a vida do animal em situações de emergência, como fuga ou ataque de outro cachorro.

Os principais comandos são: “senta”, “deita”, “fica”, “vem” e“não”. Além deles, é bacana ensinar também o “sobe” e o “desce”, o “acabou”, o “pega” e o “solta”. É também preciso entender a própria rotina da família para descobrir o que mais é importante ensinar. Por exemplo: se ele precisa dormir na própria caminha, um truque muito útil é direcioná-lo para o local com um comando verbal.

Gostaria de ter um pet adestrado? O que acha então de AGENDAR UMA PRIMEIRA AULA GRATUITA para saber como funciona nosso método?