Para continuar habilite o JavaScript



Tipos de agressividade em cães: o que fazer? – Jornal SP Norte

Postado por Cão Cidadão em 06/Dec/2017 -

* Por Joilva Duarte, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

A agressividade é um problema recorrente para muito tutores. Mas antes de buscar uma alternativa para sanar o problema é preciso identificar os motivos que levaram o animal a agir de forma agressiva.

Existem vários tipos de agressividade, ou seja, nem sempre o animal demonstra o comportamento através de uma mordida. A postura corporal, os rosnados e os latidos também são formas de os cães demonstrarem que alguma coisa está errada. Cães agem de forma agressiva por diferentes motivos: para defender o território de outros cães ou outras ameaças, por alimento, por medo, por proteção de filhotes ou de membros da família, para caçar, entre outros.

A agressividade também pode ser influenciada pelo ambiente, raça ou genética.

DOMINÂNCIA

Os cães que apresentem esse tipo são aqueles que não entendem seus limites acabam se tornando agressivos quando são contrariados.

Alguns rosnam ou até mordem quando estão comendo e alguém passa por perto. Não obedecem quando o tutor pede que desçam de algum local, cama ou sofá, por exemplo, e ficam possessivos com alguns objetos.

Na cabeça do seu cãozinho ele deve tomar conta de todas as situações como um líder, e cabe a nós mostrar que não é assim que as coisas funcionam, por isso o adestramento é tão importante, pois existe uma melhora considerável na comunicação entre os dois de uma forma equilibrada e sadia.

Inclusive, agressões e castigos devem ser evitados, pois, além de não resolverem o problema, ainda podem agravá-lo.

Ensinar os comandos básicos de obediência como o “Senta”, o “Fica”, o “Junto” e o “Não” ajuda o animal a manter uma atividade física regular e ainda facilita a convivência dele com a família.

MEDO

Cães agredidos fisicamente, ameaçados e machucados podem desenvolver esse tipo de agressividade e passar a atacar para se defender.

Filhotes não sociabilizados ou traumatizados também podem se tornar agressivos em relação às pessoas e outros animais que convivem.

Por isso, é muito importante a sociabilização do filhote ou até mesmo do cãozinho adulto para que ganhe confiança e não se sinta ameaçado o tempo todo.

Assim como já foi dito, é importante identificar o que causa o medo e começar um trabalho a partir deste ponto. Levá-lo para passear, conhecer outras pessoas e animais de forma segura e tranquila, sempre respeitando seus limites e fazendo associações positivas, é uma forma eficaz de trabalhar esse medo que o pet sente.

DOR

Ouço muitos relatos de cães que atacam de repente. Por isso, sempre quando vamos trabalhar com algum caso de agressividade a primeira medida a ser tomada é uma visita do animal ao veterinário para descartar a hipótese de ele estar sentindo algum desconforto ou dor e, com isso, se tornar agressivo.

Se seu pet está mais quieto do que de costume, não está se alimentando bem e tem demonstrado algum sinal de desconforto procure seu veterinário de confiança para o check-up e descarte possibilidade de um problema físico ou neurológico.

Muitas vezes este simples ato pode te livrar de problemas maiores e ainda ajudar na qualidade de vida do pet.

OUTROS CÃES

Seu pet é bonzinho em casa, mas na rua avança e ataca todos os cães que encontra pelo caminho?

Então, neste caso, procure fazer seu cãozinho ter associações positivas na presença de outros cachorros, utilizando petisco ou brinquedo para chamar a atenção dele e, assim, fazer com que perceba que sempre que aparece um outro cachorro coisas boas acontecem a ele, como ter sua atenção, brincar e comer algo gostoso.

Se tiver dificuldade procure um especialista para te auxiliar, pois o processo requer muita paciência e persistência para chegar ao objetivo final que é tornar seu pet amistoso em relação a outros cães.

Fonte: Jornal SP Norte

Minimum 6 characters

Receba dicas e novidades

No seu e-mail!




Navegue pelo site