Para continuar habilite o JavaScript



Ansiedade de separação – O Vale

Postado por Cão Cidadão em 24/Nov/2017 -

Por Nathália Camilo, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Por muitas vezes, a principal reclamação quando o adestrador é chamado é que o cãozinho está latindo muito quando fica sozinho ou que está destruindo os móveis da casa neste período. Mas o que muita gente não sabe é que esses podem ser os sinais da ansiedade de separação, que nada mais é do que o medo de ficar sozinho e não saber se os tutores irão voltar para a casa.

De nada adianta focarmos os treinos somente nos problemas apresentados, precisamos ensinar ao cão que não há mal algum em ficar sozinho e que logo iremos voltar. Como os cães são animais de grupo, ficar sozinho pode causar grande ansiedade, mas, ao contrário do que se pode pensar, nem sempre trazer mais um cão para a casa é a solução, uma vez que essa ansiedade de separação normalmente é por causa de um humano.

Portanto, antes de pensar em trazer outro cão para a família consulte um especialista e faça os treinos específicos para depois, caso seja indicado, trazer um novo amigo ao pet. A vinda do novo cão sem planejamento pode deixar seu peludo ainda mais ansioso.

Brinquedos interativos, aqueles em que podemos colocar ração e petiscos dentro, ajudam muito nos treinos. Eles ensinam o cão que brincar sozinho pode ser muito legal e recompensador, e ainda auxiliam a passar de forma mais produtiva o tempo em que ele ficará sozinho.

No mercado existem até produtos com possibilidade de programação de horários para ativar automaticamente as brincadeiras. Inclusive, estes brinquedos interativos podem começar e parar várias vezes ao dia, ajudando, assim, os tutores que precisam ficar longos períodos fora de casa.

Treinamento

Os treinos devem ser gradativos e simular situações reais de saída, o que ajudará muito na evolução dos casos. Ensinar o cão a brincar em um cômodo separado, mesmo quando estamos em casa, é uma boa pedida. Dessensibilizar os sinais da nossa saída, como colocar o sapato, pegar a bolsa e as chaves, mas não sair, também são atitudes importantes para que o cão fique menos ansioso no momento em que os tutores realmente precisam se ausentar.

Mas nem todo cão apresenta estes sinais, alguns podem apenas babar em excesso, raspar a porta, fazer as necessidades em local errado ou mesmo entrar em um estado de total apatia, sem beber ou comer enquanto os tutores estão fora de casa. Por isso, o diagnóstico correto de um profissional em comportamento e de um veterinário, para se certificar de que o problema não tem relação com alguma questão de saúde, é fundamental.

Fonte: O Vale

Minimum 6 characters

Receba dicas e novidades

No seu e-mail!




Navegue pelo site