Para continuar habilite o JavaScript






Como proteger o pet no verão

Postado por Cão Cidadão em 20/Feb/2018 -

dicas_interna-pet-verao - cópiaPor Joilva Duarte, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Verão, sol, calor… O que para muitos é sinal de curtição, para os pets pode ser indício de sofrimento. Por isso, alguns cuidados são importantes para manter o bem-estar dos nossos amigos de quatro patas nesta época.

Os cães de focinho curto, ou braquicefálicos, tendem a sofrer mais com o calor devido a sua dificuldade natural para respirar, da mesma forma que os pets gordinhos, que costumam sentir mais calor que os magrinhos.

Nós, humanos, transpiramos pela pele. Já nossos pets transpiram pelo focinho, boca e pelas almofadinhas das patas, os coxins.

Quando for passear nos dias quentes vá em horários em que o sol esteja mais ameno, como no comecinho da manhã ou no fim da tarde e início da noite. Ao contrário do que muitos acreditam, os cães não têm proteção nas patas contra o calor. Então, se o asfalto estiver muito quente, ele pode acabar com as patinhas machucadas. Se tiver dúvida sobre a temperatura, coloque a palma da sua mão no chão. Essa será a mesma sensação que o seu pet terá ao colocar a pata no asfalto.

Leve água durante o passeio e a ofereça em pequena quantidade diversas vezes.  Por falar em água, hidratação é muito importante nos dias quentes. Deixe muita água fresca e limpa disponível, espalhada pela casa ou quintal e longe do sol.  Se possível, troque a água em alguns períodos do dia.

Não deixe seu pet em locais fechados e sem ventilação: a exposição ao calor excessivo pode causar um aumento da temperatura corporal que ultrapassa os limites fisiológicos do pet, fazendo com que alguns de seus órgãos e sistemas comecem a falhar podendo até causar a morte dele.

Devemos também ficar atentos a alguns sinais de doenças – os parasitas da pele – como pulgas, carrapatos, piolhos e sarnas, mais comuns no verão. Para evitá-las, aplique regularmente o antipulgas e, se necessário, procure um médico veterinário.

Em alguns casos, tosar seu bichinho pode ser recomendável. Mas, na dúvida, consulte o seu médico veterinário e peça orientação a respeito.

A tosa higiênica também é indicada na época, pois é uma das formas naturais que o pet tem para se refrescar (eles adoram encostar a barriga no chão geladinho).

Nos pets de pele clara é recomendado o uso de protetor solar em regiões como: focinho, orelhas e barriguinha. Existe, no mercado, marcas exclusivas para pets que não oferecem risco de intoxicação.

No verão, os pets podem e devem tomar banhos periódicos, que além de manterem a higiene, refrescam.

Lembre-se também de avaliar a temperatura da água, caso o banho do pet seja em casa. Utilize shampoos especiais para pets e seque-os bem (mas sempre atento ao calor do secador).

É normal que em dias quentes o bichinho perca o apetite e passe a comer menos. Escolha horários mais frescos para oferecer a ração a ele e fique atento se o mesmo está se alimentando regularmente. Se os sintomas forem recorrentes, consulte seu médico veterinário.

Com o verão, as chuvas também são constantes e com ela o risco de enchente, que por consequência pode aumentar a incidência de leptospirose, doença transmitida pela urina dos ratos. Para prevenir o amigo da doença, vacine-o regularmente.

Quando for viajar, mantenha as janelas do carro um pouco abertas ou o ar condicionado ligado, além de fazer paradas regulares para oferecer água fresca a seu amigão

Fonte: Jornal SP Norte

Minimum 6 characters

Receba dicas e novidades

No seu e-mail!




Navegue pelo site