Para continuar habilite o JavaScript






Be-a-bá dos filhotes

Postado por Cão Cidadão em 14/dez/2015 -

dicas_interna_beaba

Adotar um cachorro nos seus primeiros meses de vida exige alguns cuidados específicos e muita paciência, afinal, ele ainda é um filhote, e precisará conhecer e aprender muitas coisas.

Para os donos de primeira viagem, reunimos, nesta matéria, algumas dicas que vão ajudar você a aproveitar ao máximo os momentos ao lado do cão, sem estresse.

Primeira noite

É importante lembrar que, para o filhote, tudo ao redor será muito novo e desconhecido – afinal, ele estava acostumado com o convívio da mãe e dos irmãos e, de uma hora para outra, tudo ficou bem diferente.

Por isso, por se sentir sozinho, as primeiras noites podem ser mais difíceis e exigirem uma atenção a mais dos donos. Uma dica é deixar o filhote dormir os primeiros dias próximo a você, para ele ganhar confiança e se sentir mais seguro no novo ambiente. Aos poucos, você pode acostumá-lo ao local definitivo, onde ele dormirá. Outra opção é colocar na cama dele um pano com o cheiro da mãe.

Essas sugestões são importantes para minimizar as chances do famoso choro do filhote à noite. Deixado sozinho, em um local desconhecido e inseguro, o animal tende a ficar amedrontado. Ao notar que toda a vez que chora, ele atrai a atenção – que ele tanto quer – dos donos, ele vai repetir esse comportamento mais e mais.

Sociabilização

A sociabilização deve acontecer entre o segundo e terceiro mês de vida dos filhotes. O motivo é que, durante esse período, o animal está mais propenso e aberto a aceitar novidades e coisas diferentes.

O ideal é que o filhote seja apresentado, de forma gradual e positiva, a diversos estímulos, como pessoas diferentes, outros animais, objetos e barulhos. Assim, ele vai se acostumar a essas situações e se tornar um adulto mais bem preparado para conviver com elas. Se não for sociabilizado corretamente, o cão pode acabar se tornando medroso ou agressivo diante de situações ou objetos aos quais ele não está acostumado!

Como dissemos, é importante que esse processo seja feito com muita paciência, para evitar traumas. Você também pode contar com o apoio de um profissional de adestramento, se achar necessário!

Outro ponto-chave é respeitar o período de vacinas do animal, ou seja, caso ele ainda não esteja com a carteirinha em dia, a aproximação com outros animais deve ser mais bem avaliada. Os passeios podem acontecer no colo ou de carro. Nada de colocar o filhote em risco! Você pode planejar a sociabilização de forma a preservar o bem-estar dele.

Educação

Assim como os humanos, os animais não nascem sabendo. É preciso mostrar para eles o que eles podem ou não fazer. Parece óbvio, mas nem tanto. Muitos animais são abandonados, devolvidos ou colocados em adoção por apresentarem problemas comportamentais inadequados, como destruição e xixi fora do lugar.

Você pode investir, por exemplo, em aulas de adestramento. A partir dos 50 dias de vida, o filhote já pode começar o treinamento. Com a ajuda de um especialista, você vai aprender a como se comunicar de forma assertiva com o animal, mostrando o que você espera dele, ao mesmo tempo em que o filhote aprenderá, por exemplo, a fazer xixi no local correto, a trocar o controle remoto pelo brinquedo, entre outros pontos.

Com medidas simples, você verá que a convivência com o filhote poderá render momentos de muita alegria e companheirismo.